Tradução Brasileira (2010) (TB)
7

Os israelitas fiéis são salvos de perigos iminentes

71Depois disso, vi

7.1
cp.
quatro anjos em pé aos
7.1
Ap 20.8
Is 11.12Ez 7.2
quatro cantos da terra, segurando
7.1
Jr 49.36
Zc 6.5
Mt 24.31
os quatro ventos da terra, para
7.1
cp.
que nenhum vento soprasse sobre ela, nem sobre o mar, nem sobre árvore alguma. 2Vi outro anjo levantar-se
7.2
Ap 16.12Is 41.2
da parte do nascimento do sol, tendo o
7.2
Ap 9.4Ap 7.3
selo do
7.2
Mt 16.16
Deus vivo. Ele clamou, com uma grande voz, aos quatro anjos, a quem fora dado que fizessem dano à terra e ao mar, 3dizendo:
7.3
Ap 6.6
Não façais dano à terra, nem ao mar, nem às árvores antes de termos
7.3
Ap 7.3-8
Jo 3.33
selado os servos de nosso Deus nas suas
7.3
Ap 14.1
22.4
Ez 9.4,6Ap 13.16
14.9
20.4
testas. 4Ouvi
7.4
Ap 9.16
o número dos que foram com selo assinalados:
7.4
Ap 14.1,3
cento e quarenta e quatro mil, assinalados de todas as tribos dos filhos de Israel:

5da tribo de Judá foram assinalados doze mil;

da tribo de Rúben, doze mil;

da tribo de Gade, doze mil;

6da tribo de Aser, doze mil;

da tribo de Naftali, doze mil;

da tribo de Manassés, doze mil;

7da tribo de Simeão, doze mil;

da tribo de Levi, doze mil;

da tribo de Issacar, doze mil;

8da tribo de Zebulom, doze mil;

da tribo de José, doze mil;

da tribo de Benjamim foram assinaladas doze mil.

Os mártires na glória

9Depois dessas coisas, olhei, e eis uma grande multidão que ninguém podia contar,

7.9
Ap 5.9
de toda nação e de todas as tribos, povos e línguas, que estavam em pé
7.9
Ap 7.15
diante do trono e
7.9
cp.
diante do Cordeiro, cobertos de
7.9
Ap 6.11Ap 7.14
vestiduras brancas
7.9
cp.
com palmas nas mãos; 10e clamavam com uma grande voz:

7.10
Ap 12.10
19.1Sl 3.8
Salvação a nosso Deus que está sentado sobre o trono, e ao Cordeiro.

11Todos os anjos estavam em pé
7.11
Ap 4.4
ao redor do trono e dos anciãos e das
7.11
Ap 4.6
quatro criaturas viventes;
7.11
Ap 4.10
prostraram-se sobre os rostos diante do trono e adoraram a Deus, 12dizendo:

7.12
Ap 5.14
Amém.
7.12
Ap 5.12
A bênção, e a glória, e a sabedoria, e as ações de graças, e a honra, e o poder e a força sejam a nosso Deus pelos séculos dos séculos.
7.12
Ap 5.14
Amém.

13Um dos anciãos me perguntou: Estes que trajam
7.13
Ap 7.9
vestiduras brancas, quem são eles e donde vieram? 14Respondi-lhe: Meu Senhor, tu o sabes. Disse-me ele: Estes são os que vêm da
7.14
Mt 24.21
grande tribulação,
7.14
Ap 22.14Zc 3.3-5
lavaram as suas vestiduras e as embranqueceram
7.14
Hb 9.14
1Jo 1.7
no sangue do Cordeiro. 15Por isso, estão
7.15
Ap 7.9
diante do trono de Deus
7.15
Ap 22.3Ap 4.8
e o adoram dia e noite no seu
7.15
Ap 11.1921.22
santuário;
7.15
Ap 4.9
e o que está sentado sobre o trono estenderá o seu
7.15
Ap 21.3Lv 26.11
Ez 37.27
Jo 1.14
tabernáculo sobre eles. 16
7.16
Is 49.10
Sl 121.5
Eles não terão fome, nem sede nunca jamais; nem cairá sobre eles o sol, nem calor algum, 17porque o Cordeiro que está no meio do trono os
7.17
Sl 23.1Mt 2.6
Jo 10.11
pastoreará e os conduzirá às fontes da
7.17
Ap 21.6
22.1Jo 4.14
água da vida. E
7.17
Ap 21.4
Is 25.8Mt 5.4
Deus enxugará toda lágrima dos olhos deles.
8

O sétimo selo. Os sete anjos com as sete trombetas

81Quando ele abriu

8.1
Ap 5.1
6.1,3,5,7,9,12
o sétimo selo, houve um
8.1
cp.
silêncio no céu quase por meia hora. 2Vi
8.2
Ap 8.6-13
Ap 9.1,13
11.15Ap 1.4
Mt 18.10
os sete anjos que estão em pé diante de Deus, e lhes foram dadas sete
8.2
1Co 15.52
1Ts 4.16
trombetas.

O incenso com as orações dos santos

3Veio

8.3
cp.
outro anjo e parou diante do
8.3
Ap 6.9Am 9.1
altar, tendo um
8.3
Hb 9.4
turíbulo de ouro; e foi-lhe dado muito
8.3
Ap 5.8
incenso para o ajuntar às orações de todos os santos sobre o
8.3
Êx 30.1,3
Nm 4.11
Ap 8.5
Ap 9.13
altar de ouro, que estava diante do trono. 4Subiu
8.4
Sl 141.2
o fumo do incenso com as orações dos santos da mão do anjo, diante de Deus. 5O anjo tomou o turíbulo,
8.5
Lv 16.12
e o encheu do fogo do altar,
8.5
cp.
e o lançou sobre a terra; e houve
8.5
Ap 4.5
trovões, vozes, relâmpago e
8.5
Ap 6.12
terremoto.

6

8.6
Ap 8.2
Os sete anjos que tinham as sete trombetas prepararam-se para as fazer soar.

A primeira trombeta

7Tocou o primeiro a trombeta. Seguiu-se

8.7
Ez 38.22Is 28.2
Jl 2.30
saraiva e fogo, misturados com sangue, e foram lançados sobre a terra. Foi queimada a terça parte da terra, e
8.7
Ap 8.7-12Ap 9.15,18
12.4
Zc 13.8-9
a terça parte das
8.7
cp.
árvores, e toda erva verde.

A segunda trombeta

8O segundo anjo tocou a trombeta. Foi lançado no mar um como grande

8.8
Jr 51.25
monte ardendo de fogo; a terça parte do
8.8
Ap 16.311.6
Êx 7.17
mar tornou-se em sangue, 9e a terça parte das criaturas que estavam no mar, a saber, das que tinham vida, morreu, e a terça parte
8.9
cp.
dos navios foi destruída.

A terceira trombeta

10O terceiro anjo tocou a trombeta.

8.10
Ap 9.1Is 14.12
Ap 6.13
Caiu do céu uma grande estrela, ardendo como um facho, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre
8.10
Ap 14.7
16.4
as fontes das águas. 11A estrela é chamada Absinto. A terça parte das águas converteu-se em
8.11
Jr 9.15
23.15
absinto, e muitos homens morreram pelas águas, porque elas se tornaram amargosas.

A quarta trombeta

12O quarto anjo tocou a trombeta. Foi ferida a terça parte

8.12
Ap 6.12Êx 10.21
do sol, a terça parte da lua e a terça parte das estrelas, para que a terça parte deles se escurecesse, e faltasse a terça parte da luz do dia, e, do mesmo modo, da noite.

A águia e os ais

13Olhei e ouvi uma águia que voava

8.13
Ap 14.6
19.17
pelo meio do céu, dizendo com uma grande voz:
8.13
cp.
Ai! Ai! Ai
8.13
Ap 3.10
dos que habitam sobre a terra, por causa das outras vozes da trombeta dos
8.13
Ap 8.2
três anjos, que ainda têm de tocar!

9

A quinta trombeta

91

9.1
Ap 8.2,13
O quinto anjo tocou a trombeta. Vi uma
9.1
Ap 8.10
estrela caída do céu na terra, e foi-lhe dada
9.1
Ap 1.18
a chave do poço
9.1
Lc 8.31
Ap 9.2,11
do abismo. 2Ele abriu o poço do abismo; do poço subiu um
9.2
cp.
fumo como o fumo duma grande fornalha,
9.2
cp.
e o sol e o ar escureceram-se com o fumo do poço. 3Do fumo saíram
9.3
Ap 9.7Êx 10.12-15
gafanhotos para a terra; e foi-lhes dado poder, como têm poder os
9.3
Ap 9.5,102Cr 10.11,14
Ez 2.6
escorpiões da terra. 4Foi-lhes ordenado que não
9.4
Ap 6.6
fizessem dano
9.4
Ap 8.7
à erva da terra, nem a qualquer coisa verde, nem a árvore alguma, mas somente àqueles homens que não têm
9.4
Ap 7.2-3
o selo de Deus nas suas testas. 5Foi-lhes permitido não que os matassem, mas somente que os atormentassem
9.5
Ap 9.10
cinco meses; e o seu tormento era como o tormento do
9.5
Ap 9.3
escorpião, quando fere ao homem. 6Naqueles dias,
9.6
Jó 3.21
7.15
Jr 8.3Ap 6.16
os homens procurarão a morte e não a acharão; desejarão morrer, mas a morte foge deles. 7
9.7
Jl 2.4
As figuras dos gafanhotos eram semelhantes a cavalos preparados para a guerra; sobre as suas cabeças tinham umas como coroas semelhantes ao ouro, e os seus rostos eram como rostos de homens; 8tinham os cabelos como os cabelos das mulheres, e os seus
9.8
Jl 1.6
dentes eram como os dentes dos leões; 9e tinham couraças como couraças de ferro,
9.9
Jl 2.5Jr 47.3
e o estrondo das suas asas era como o estrondo de carros de muitos cavalos que correm ao combate. 10Têm caudas semelhantes às dos
9.10
Ap 9.3,52Cr 10.11,14
Ez 2.6
escorpiões e aguilhões; e, nas suas
9.10
Ap 9.19
caudas, acha-se o seu poder de fazer dano aos homens
9.10
Ap 9.5
cinco meses. 11Eles têm sobre si, como rei, o anjo do
9.11
Lc 8.31
Ap 9.1-2
abismo, chamado, em
9.11
Ap 16.16
Jo 5.2
hebraico,
9.11
Jó 26.6
28.22
31.12
Sl 88.11
Pv 15.11
Abadom e, em grego, Apoliom.

O primeiro ai

12

9.12
Ap 8.13Ap 11.14
O primeiro ai já passou; eis que vêm ainda dois ais depois dessas coisas.

A sexta trombeta

13O sexto anjo tocou a trombeta. Ouvi uma voz que saía dos quatro

9.13
Êx 30.2-3,10
chifres do
9.13
Ap 8.3
altar de ouro que está diante de Deus, 14a qual dizia ao sexto anjo que tinha a trombeta:
9.14
cp.
Solta os quatro anjos que estão atados junto ao
9.14
Gn 15.18
Dt 1.7
Js 1.4
Ap 16.12
grande rio Eufrates. 15Foram
9.15
cp.
soltos os quatros anjos que haviam sido preparados para a hora, dia, mês e ano, a fim de matarem
9.15
Ap 9.18
Ap 8.7
a terça parte dos homens. 16O número das tropas de cavalaria era de duas miríades de
9.16
Ap 5.11
miríades;
9.16
Ap 7.4
eu ouvi o número deles. 17Vi, assim, na
9.17
cp.
visão os cavalos e os que estavam montados sobre eles, os quais tinham couraças de fogo, de jacinto e de
9.17
Ap 9.18
Ap 14.10
19.20
20.10
21.8
enxofre; as cabeças dos cavalos eram como as cabeças de leões,
9.17
Ap 11.5
e das suas bocas saíam fogo, fumo e enxofre. 18Por estas três pragas:
9.18
Ap 9.17
pelo fogo, pelo fumo e pelo enxofre, que saíam das suas bocas, foi morta a terça parte dos homens. 19Pois o poder dos cavalos está nas suas bocas, e nas suas caudas; porque as suas caudas são semelhantes a serpentes e têm cabeças; e com elas causam dano. 20Os outros homens, que não foram mortos por essas pragas,
9.20
Ap 2.21
não se arrependeram das obras
9.20
Dt 4.28
Jr 1.16
Mq 5.13
At 7.41
das suas mãos, para que não
9.20
1Co 10.20
adorassem aos demônios
9.20
Sl 115.4-7
135.15-17
Dn 5.23
e aos ídolos de ouro, de prata, de cobre, de pedra e de pau, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar; 21e não se arrependeram dos seus homicídios, nem das suas
9.21
Is 47.9,12
Ap 18.23
feitiçarias, nem da sua
9.21
cp.
fornicação, nem dos seus furtos.