Tradução Brasileira (2010) (TB)
72

O reinado do justo Rei

Salmo de Salomão

721Concede, ó Deus,

72.1
1Cr 22.13
os teus juízos ao Rei

e a

72.1
Sl 24.5
tua justiça, ao Filho do Rei.

2Que ele

72.2
Is 9.7
11.2-5
32.1
governe com retidão o teu povo

e, com equidade, os

72.2
Sl 82.3
teus aflitos.

3Os montes e os outeiros, em justiça,

72.3
Is 2.4
9.5-6
Mq 4.3-4
Zc 9.10
produzam paz para o povo.

4

72.4
Is 11.4
Julgue ele os aflitos do povo,

salve os filhos dos necessitados

e esmague ao opressor.

5Temam-te

72.5
Sl 89.36-37
enquanto existir o sol

e enquanto durar a lua, por todas as gerações.

6Seja ele

72.6
Dt 32.2
2Sm 23.4
Os 6.3
como chuva que desce sobre o prado,

como

72.6
Sl 65.10
chuveiros que regam a terra.

7

72.7
Sl 92.12
Floresça em seus dias o justo,

e abundância de paz, até que não haja mais lua.

8Domine ele também

72.8
Êx 23.31
Zc 9.10
de mar a mar

e desde o rio, até os confins da terra.

9

72.9
Sl 22.29
Curvem-se diante dele os que
72.9
Sl 74.14
Is 23.13
habitam no deserto,

72.9
Is 49.23
Mq 7.17
e lambam o pó os seus inimigos.

10Paguem tributo os reis de

72.10
2Cr 9.21
Sl 48.7
Társis e das
72.10
Sl 97.1
Is 42.4,10
Sf 2.11
ilhas;

72.10
Sl 45.12
68.29
ofereçam donativos os reis de
72.10
1Rs 10.1
Jó 6.19
Is 60.6
Sabá e de
72.10
Gn 10.7
Is 43.3
Sebá.

11Prostrem-se diante dele

72.11
Sl 138.4
Is 49.23
todos os reis,

sirvam-no

72.11
Sl 86.9
todas as nações.

12Pois

72.12
Sl 72.4
Jó 29.12
livrará ao necessitado, quando clamar,

e ao aflito, quando não houver quem lhe acuda.

13Terá

72.13
Pv 19.17
28.8
piedade do fraco e do necessitado

e salvará as almas dos indigentes.

14

72.14
Sl 69.18
Remirá as suas almas da opressão e da violência,

72.14
Sl 116.15
1Sm 26.21
e, precioso será, aos seus olhos, o sangue deles.

15Viva o Rei! E que lhe deem do

72.15
Is 60.6
ouro de Sabá;

Roguem por ele continuamente

e bendigam-no em todo o tempo.

16Haja na terra abundância de trigo até o cume dos montes;

ondule o seu fruto como o

72.16
Sl 104.16
Líbano,

e da cidade brote a gente

72.16
Jó 5.25
como erva da terra.

Permaneça o seu

72.16
Sl 135.13
Êx 3.15
nome para sempre.

17Haja descendentes do seu nome

72.17
Sl 89.36
enquanto durar o sol;

nele, se

72.17
Gn 12.3
22.18
bendigam todas as nações
72.17
Lc 1.48
e proclamem feliz.

18

72.18
Sl 41.13
89.52
106.48
Bendito seja Deus Jeová, Deus de Israel,

72.18
Sl 77.14
86.10
136.4
Êx 15.11
Jó 5.9
o único que faz maravilhas!

19Seja bendito

72.19
Sl 96.8
Ne 9.5
o seu glorioso nome para sempre!

Encha-se da sua glória

72.19
Nm 14.21
a terra toda!

72.19
Sl 41.13
Amém! Amém!

20Acabam-se as orações de Davi, filho de Jessé.

73

LIVRO III

A prosperidade dos ímpios faz duvidar da justiça de Deus, mas o seu fim a demonstra

Salmo de Asafe

731De feito, Deus é

73.1
Sl 86.5
bom para com Israel,

para com os que são

73.1
Sl 24.4
51.10
Mt 5.8
puros de coração.

2Mas, quanto a mim, quase que

73.2
Sl 94.18
os pés me resvalaram;

pouco faltou que os meus passos escorregassem.

3Pois eu tinha

73.3
Sl 37.1
Pv 23.17
inveja dos arrogantes,

vendo a

73.3
Sl 37.7
Jr 12.1
prosperidade dos perversos.

4Porque eles não têm apertos;

73.4
Sl 10.5
são e robusto é o seu corpo.

5

73.5
Sl 73.12
Jó 21.9
Não participam das tribulações humanas,

nem, como os outros homens,

73.5
Sl 73.14
são flagelados.

6Por isso, a soberba

73.6
Gn 41.42
Pv 1.9
os cinge com um colar;

a violência,

73.6
Sl 109.18
como um vestido, os cobre.

7Os olhos soltam-lhes

73.7
Sl 17.10
Jó 15.27
da gordura;

as fantasias da sua mente trasbordam.

8Eles

73.8
Sl 1.1
motejam e falam maliciosamente da opressão;

73.8
Sl 17.10
2Pe 2.18
Jd 16
falam arrogantemente.

9Põem nos céus a sua boca,

e a sua língua percorre a terra.

10Portanto, para tais se desvia tal povo,

que bebe as suas águas

73.10
Sl 23.5
em abundância,

11dizendo:

73.11
Jó 22.13
Como sabe Deus?

Acaso, há conhecimento no Altíssimo?

12Eis que

73.12
Sl 49.6
52.7
tais são os perversos;

e, estando sempre

73.12
Jr 49.31
Ez 23.42
em segurança, aumentam de opulência.

13Decerto,

73.13
Jó 21.15
34.9
35.3
em vão é que tenho purificado o meu coração

e

73.13
Sl 26.6
lavado as minhas mãos na inocência,

14pois tenho

73.14
Sl 38.6
sido afligido de contínuo

e

73.14
Sl 118.18
Jó 33.19
castigado, toda manhã.

15Se eu tivesse dito: Proferirei tais palavras,

eis que me teria havido traiçoeiramente para com a

73.15
Sl 14.5
geração de teus filhos.

16Quando eu

73.16
Ec 8.17
pensava para compreender isso,

achei que era tarefa difícil para mim;

17até que entrei no

73.17
Sl 27.4
77.13
santuário de Deus

e considerei

73.17
Sl 37.38
o fim deles.

18Decerto, tu os colocas em

73.18
Sl 35.6
lugares escorregadios;

tu os lanças em

73.18
Sl 35.8
36.12
destruição.

19Como são levados à

73.19
Nm 16.21
Is 47.11
destruição num momento!

Ficam de todo consumidos de

73.19
Jó 18.11
terrores.

20Como um

73.20
Jó 20.8
sonho, quando se acorda,

assim tu, ó Senhor, ao

73.20
Sl 78.65
despertares,
73.20
1Sm 2.30
desprezarás a imagem deles.

21Quando o

73.21
Jz 10.16
meu coração se exacerbava

e

73.21
At 2.37
sentia retalharem-se-me os rins,

22eu estava

73.22
Sl 49.10
92.6
embrutecido e ignorante.

Tornei-me como

73.22
Sl 49.20
Jó 18.3
Ec 3.18
um animal diante de ti.

23Todavia, estava eu,

73.23
Sl 16.8
de contínuo, contigo;

tu me tomaste pela mão direita.

24

73.24
Sl 32.8
48.14
Is 58.11
Guiar-me-ás com o teu conselho

e, depois, me

73.24
Sl 49.15
Gn 5.24
receberás na glória.

25

73.25
Sl 16.2
Quem, senão a ti, tenho eu nos céus?

Não há na terra quem eu deseje além de ti.

26Desfalecem a

73.26
Sl 38.10
40.12
84.2
119.81
minha carne e o meu coração;

do meu coração, porém, Deus é a fortaleza e

73.26
Sl 16.5
o meu quinhão, para sempre.

27Pois eis que hão de

73.27
Sl 37.20
perecer os que se apartam de ti;

exterminarás a todos os que

73.27
Sl 106.39
Êx 34.15
Nm 15.39
Os 4.12
9.1
se desviam de ti.

28Mas, quanto a mim, bom é

73.28
Sl 65.4
Hb 10.22
Tg 4.8
aproximar-me de Deus;

no Senhor Jeová, ponho o

73.28
Sl 14.6
71.7
meu refúgio,

para que eu

73.28
Sl 40.5
107.22
118.17
fale de todas as suas obras.

74

A assolação do santuário e a súplica para que se lembrasse do seu povo aflito

Masquil de Asafe

741Ó Deus, por que nos

74.1
Sl 44.9
77.7
rejeitas para sempre?

Por que se

74.1
Sl 18.8
89.46
Dt 29.20
acende a tua ira contra
74.1
Sl 79.13
95.7
100.3
as ovelhas do teu pasto?

2Lembra-te da tua congregação, que desde a antiguidade

74.2
Êx 15.16
Dt 32.6
adquiriste,

74.2
Sl 77.15
106.10
Êx 15.13
Is 63.9
que remiste para ser a
74.2
Dt 32.9
Is 63.17
Jr 10.16
51.19
tribo da tua herança;

e do monte

74.2
Sl 9.11
68.16
Sião, no qual tens habitado.

3Dirige os teus passos para

74.3
Is 61.4
as perpétuas ruínas,

para

74.3
Sl 79.1
todo o mal que o inimigo tem feito no santuário.

4Os teus adversários

74.4
Lm 2.7
bramiram no meio da tua assembleia;

puseram

74.4
Sl 74.9
por sinais as suas próprias
74.4
Nm 2.2
insígnias.

5Pareciam homens que, de

74.5
Jr 46.22
machados alçados,

rompem através de espessa mata de árvores.

6Agora, a esses

74.6
1Rs 6.18,29,32,35
lavores de escultura, à uma,

eles os estão despedaçando a machado e martelos.

7

74.7
2Rs 25.9
Deitaram fogo ao teu santuário;

74.7
Sl 89.39
Lm 2.2
profanaram, derrubando-a até o chão, a morada do teu nome.

8

74.8
Sl 83.4
Disseram no seu coração:

Acabemos com eles de uma vez.

Incendiaram todas as casas de Deus na terra.

9

74.9
Sl 78.43
Os nossos símbolos, não os vemos;

74.9
1Sm 3.1
Lm 2.9
Ez 7.26
Am 8.11
não há mais profeta;

não há entre nós quem saiba

74.9
Sl 6.3
79.5
80.4
até quando.

10Até quando, ó Deus,

74.10
Sl 44.16
79.12
89.51
ultrajará o adversário?

Acaso,

74.10
Lv 24.16
blasfemará o inimigo o teu nome para sempre?

11Por que

74.11
Lm 2.3
retrais a tua mão, a tua destra?

Tira-a do teu seio e

74.11
Sl 59.13
dá cabo deles.

12Todavia, Deus é o

74.12
Sl 44.4
meu Rei desde a antiguidade,

obrando a salvação no meio da terra.

13Foste tu o que, pela tua força,

74.13
Sl 78.13
Êx 14.21
dividiste o mar;

74.13
Is 51.9
esmigalhaste a cabeça dos
74.13
Sl 148.7
Jr 51.34
monstros marinhos sobre as águas.

14Foste tu o que despedaçaste as cabeças do

74.14
Sl 104.26
Jó 41.1
Leviatã

e o deste por comida aos

74.14
Sl 72.9
habitantes do deserto.

15Foste tu o que

74.15
Sl 78.15
105.41
114.8
Êx 17.5-6
Nm 20.11
Is 48.21
abriste fontes e torrentes;

tu o que fizeste

74.15
Sl 114.3
Êx 14.21-22
Js 2.10
3.13
secar rios perenes.

16Teu é o dia, também tua é a noite.

Tu

74.16
Sl 104.19
136.7-8
Gn 1.14-18
formaste a luz e o sol.

17Foste tu o que

74.17
Dt 32.8
At 17.26
determinaste todos os limites da terra;

74.17
Sl 147.16-18
o verão e o inverno, tu os fizeste.

18Lembra-te disso, de como o inimigo tem

74.18
Sl 74.10
ultrajado a Jeová,

e de como um

74.18
Sl 39.8
Dt 32.6
povo insensato tem blasfemado o teu nome.

19Não entregues a alma da

74.19
Ct 2.14
tua rola a feras;

74.19
Sl 9.18
não te olvides para sempre da vida dos teus aflitos.

20Considera tu a tua

74.20
Sl 106.45
Gn 17.7
aliança,

pois os

74.20
Sl 88.6
143.3
lugares tenebrosos da terra estão cheios das moradas de violência.

21Não volte envergonhado o

74.21
Sl 103.6
oprimido;

louvem o teu nome o

74.21
Sl 35.10
Is 41.17
aflito e o necessitado.

22Levanta-te, ó Deus,

74.22
Sl 43.1
Is 3.13
43.26
Ez 20.35
pleiteia a tua própria causa;

lembra-te de como o

74.22
Sl 74.18
insensato te ultraja continuamente.

23Não te esqueças da gritaria dos teus

74.23
Sl 74.10
adversários;

74.23
Sl 65.7
o tumulto dos que se levantam contra ti sobe continuamente.