Tradução Brasileira (2010) (TB)
47

Deus, o Rei da terra

Ao cantor-mor. Salmo dos filhos de Corá

471

47.1
Sl 98.8
Batei palmas, todos os povos;

aclamai a Deus com vozes de

47.1
Sl 106.47
júbilo.

2Pois Jeová Altíssimo

47.2
Sl 66.3,5
68.35
Dt 7.21
Ne 1.5
é terrível;

47.2
Ml 1.14
é grande Rei sobre toda a terra.

3

47.3
Sl 18.47
Ele nos submeteu os povos a nós,

e as nações, debaixo dos nossos pés.

4Para nós, escolheu

47.4
1Pe 1.4
a nossa herança,

47.4
Am 6.8
8.7
Na 2.2
a glória de Jacó, a quem amou. (Selá)

5

47.5
Sl 68.18,25
Subiu Deus com aplauso;

Jeová subiu ao

47.5
Sl 98.6
som de trombeta.

6

47.6
Sl 68.4
Cantai louvores a Deus, cantai louvores;

cantai louvores ao

47.6
Sl 89.18
nosso Rei, cantai louvores.

7Pois Deus é o

47.7
Zc 14.9
Rei de toda a terra;

cantai louvores

47.7
1Co 14.15
com canto harmonioso.

8

47.8
Sl 22.28
1Cr 16.31
Deus reina sobre as nações;

Deus está sentado sobre

47.8
Sl 97.2
o seu santo trono.

9Os

47.9
Sl 72.11
102.22
Is 49.7,23
príncipes dos povos estão reunidos

para serem o

47.9
Rm 4.11-12
povo do Deus de Abraão,

porque a Deus pertencem

47.9
Sl 89.18
os escudos da terra.

Ele é

47.9
Sl 97.9
sumamente exaltado.

48

A beleza e glória de Sião

Uma canção. Salmo dos filhos de Corá

481

48.1
Sl 96.4
145.3
1Cr 16.25
Grande é Jeová e mui digno de ser louvado,

48.1
Sl 46.4
na cidade de nosso Deus, no
48.1
Sl 2.6
87.1
Is 2.3
Mq 4.1
Zc 8.3
seu santo monte.

2

48.2
Sl 50.2
De bela e alta situação,
48.2
Lm 2.15
alegria da terra toda,

é o monte de Sião aos lados do norte,

48.2
Mt 5.35
cidade do grande Rei.

3Nos palácios dela, fez-se Deus conhecer como

48.3
Sl 46.7
alto refúgio.

4Pois eis que

48.4
2Sm 10.6-13
os reis se ajuntaram;

juntos marcharam.

5Eles viram, ficaram então assombrados;

ficaram

48.5
Êx 15.15
conturbados, apressaram-se em fugir.

6Ali, se apoderou deles o tremor,

dores, como as

48.6
Is 13.8
duma mulher que está de parto.

7Com um

48.7
Jr 18.17
vento oriental,

48.7
1Rs 22.48
quebras as
48.7
1Rs 10.22
Ez 27.25
naus de Társis.

8Como temos ouvido, assim vimos

na cidade de Jeová dos Exércitos, na cidade de nosso Deus.

Deus a

48.8
Sl 87.5
estabelecerá para sempre. (Selá)

9Meditamos, ó Deus,

48.9
Sl 26.3
40.10
sobre a tua benignidade,

no meio do teu templo.

10Como é

48.10
Dt 28.58
Js 7.9
Ml 1.11
o teu nome, ó Deus,

assim é o

48.10
Sl 65.1-2
100.1
teu louvor até os confins da terra.

48.10
Is 41.10
De retidão está cheia a tua destra.

11Alegre-se o monte de

48.11
Sl 97.8
Sião;

regozijem-se as filhas de Judá,

por causa dos teus juízos.

12Dai voltas a Sião, ide ao redor dela;

contai as suas

48.12
Ne 3.1
11.25-27
torres.

13Notai bem os seus

48.13
Sl 122.7
baluartes;

considerai os seus palácios,

para que o

48.13
Sl 78.5-7
conteis à geração seguinte.

14Pois este Deus é o nosso Deus para todo o sempre.

É ele quem nos

48.14
Sl 23.4
Is 58.11
guiará até a morte.

49

A vaidade dos bens terrestres

Ao cantor-mor. Salmo dos filhos de Corá

491

49.1
Sl 78.1
Is 1.2
Mq 1.2
Ouvi isto, todos os povos;

dai ouvidos, todos os

49.1
Sl 33.8
habitantes do mundo,

2tanto

49.2
Sl 62.9
plebeus como de alta estirpe,

juntamente os ricos e os pobres.

3A minha boca

49.3
Sl 37.30
falará sabedoria;

49.3
Sl 119.130
de entendimento será a meditação do meu coração.

4Inclinarei o meu ouvido a

49.4
Sl 78.2
uma parábola;

ao som da harpa, declararei

49.4
Nm 12.8
o meu enigma.

5Por que hei de eu

49.5
Sl 23.4
27.1
temer nos dias de adversidade,

quando me cercar a iniquidade dos que me perseguem,

6dos que

49.6
Sl 52.7
Jó 31.24
Pv 11.28
Mc 10.24
confiam na sua fazenda

e se gloriam na multidão das suas riquezas?

7Nenhum deles pode de maneira alguma

49.7
Mt 25.8-9
remir a seu irmão,

nem por ele dar um

49.7
Jó 36.18-19
resgate a Deus

8(Pois custa demais a remissão da vida deles,

e esta tentativa tem de ser abandonada para sempre.),

9para que

49.9
Sl 22.29
continuasse a viver perpetuamente

e para que

49.9
Sl 16.10
89.48
não visse a cova.

10Pois vê-se que

49.10
Ec 2.16
os sábios morrem;

49.10
Sl 92.6
94.8
o estulto e o estúpido juntos perecem

49.10
Sl 39.6
Ec 2.18,21
Lc 12.20
e deixam a outros a sua fazenda.

11

49.11
Sl 64.6
O seu pensamento íntimo é que as suas
49.11
Sl 10.6
casas permanecerão para sempre,

e as suas moradas, para todas as gerações.

49.11
Dt 3.14
Eles dão às suas terras os seus próprios nomes.

12

49.12
Sl 49.20
O homem, porém, não permanece em dignidade;

antes, é semelhante aos animais que perecem.

13

49.13
Jr 17.11
Este é o caminho dos que confiam em si mesmos

e o dos que os seguem,

49.13
Sl 49.18
aplaudindo o que eles dizem. (Selá)

14Como ovelhas são encurralados

49.14
Sl 9.17
no Sheol;

a morte os pastoreia.

49.14
Dn 7.18
Ml 4.3
1Co 6.2
Ap 2.26
Os justos dominam sobre eles de manhã;

a sua formosura, consumi-la-á o

49.14
Jó 24.19
Sheol,

para não ter mais lugar onde habite.

15Mas Deus

49.15
Sl 16.10
56.13
Os 13.14
remirá a minha alma do poder do Sheol,

49.15
Sl 16.11
73.24
Gn 5.24
pois ele me receberá. (Selá)

16Não temas,

49.16
Sl 37.7
quando alguém se enriquecer,

quando for aumentada a glória da sua casa,

17porque, quando morrer,

49.17
Sl 17.14
1Tm 6.7
não levará coisa alguma;

a sua glória não descerá após ele.

18Ainda que ele, enquanto vivo,

49.18
Sl 10.3,6
Dt 29.19
Lc 12.19
abençoou a sua alma

(Os homens te louvam, enquanto fazes o bem a ti mesmo.),

19

49.19
Gn 15.15
irá ter com a geração de seus pais,

os quais não verão mais

49.19
Sl 56.13
Jó 33.30
a luz.

20

49.20
Sl 49.12
O homem, revestido de dignidade, mas sem entendimento,

é semelhante aos animais que perecem.