Tradução Brasileira (2010) (TB)
7

A loucura de ceder às astúcias da prostituta

71Filho meu,

7.1
Pv 2.1
6.20
observa as minhas palavras

e entesoura em ti os meus mandamentos.

2

7.2
Pv 4.4
Observa os meus mandamentos, e vive,

e guarda a minha lei como

7.2
Dt 32.10
Sl 17.8
Zc 2.8
a menina dos teus olhos;

3ata-os aos teus dedos

7.3
Pv 3.3
e escreve-os na tábua do teu coração.

4Dize à sabedoria: Tu és minha irmã;

e chama ao entendimento a tua parenta,

5para te

7.5
Pv 6.24
guardarem da
7.5
Pv 5.3
mulher estranha,

7.5
Pv 5.20
da estrangeira que
7.5
Pv 6.24
lisonjeia com as suas palavras.

6Pois, estando eu

7.6
Jz 5.28
à janela da minha casa,

espiei

7.6
Ct 2.9
pelas minhas grades;

7vi entre

7.7
Pv 1.22
os simples,

discerni entre os moços

um mancebo

7.7
Pv 6.32
falto de entendimento,

8que passava pelas ruas junto

7.8
Pv 7.12
à esquina da estrangeira,

seguindo o caminho

7.8
Pv 7.27
da casa dela,

9

7.9
Jó 24.15
no crepúsculo, à tarde do dia,

à noite fechada e na escuridão.

10Eis que lhe saía ao encontro uma mulher

7.10
Gn 38.14-15
ornada à moda das prostitutas e astuta de coração.

11Ela é

7.11
Pv 9.13
turbulenta e obstinada;

os seus pés não param em casa.

12Ora está nas ruas, ora,

7.12
Pv 9.14
nas praças

7.12
Pv 23.28
e põe-se de emboscada a cada esquina.

13Assim, pegou dele, e o beijou,

e, com

7.13
Pv 21.29
uma cara sem vergonha, lhe disse:

14Sacrifícios de

7.14
Lv 7.11
ofertas pacíficas estão comigo;

hoje,

7.14
Lv 7.16
paguei os meus votos.

15Por isso, saí para me encontrar contigo,

para te procurar, e te achei.

16Cobri a minha cama com

7.16
Pv 31.22
cobertas,

com colchas

7.16
Is 19.9
Ez 27.7
de linho do Egito, de várias cores.

17Perfumei o meu leito

com

7.17
Sl 45.8
mirra, aloés e
7.17
Êx 30.23
cinamomo.

18Vem, embriaguemo-nos de amor, até que amanheça o dia;

alegremo-nos com amores.

19Pois meu marido não está em casa,

foi fazer uma viagem dilatada.

20Levou consigo um

7.20
Gn 42.35
saquitel de dinheiro;

lá para o dia da lua cheia voltará para casa.

21Ela fê-lo ceder com o seu muito falar;

com

7.21
Pv 5.3
6.24
a lisonja dos seus lábios o arrasta.

22Ele a segue logo,

como o boi que vai ao matadouro

ou como louco agrilhoado para a correção,

23até que uma seta lhe traspasse o fígado,

como o

7.23
Ec 9.12
pássaro se apressa para o laço,

sem saber que está armado contra a sua vida.

24Agora, pois, filhos,

7.24
Pv 5.7
escutai-me;

e atendei às palavras da minha boca.

25

7.25
Pv 5.8
Não se desvie para os seus caminhos o teu coração,

não andes perdido pelas suas veredas.

26Pois ela a muitos tem feito cair feridos;

e muitíssimos são os que têm sido

7.26
Pv 9.18
mortos por ela.

27

7.27
Pv 2.18
5.5
9.18
A sua casa é o caminho do Sheol,

que desce às câmaras da morte.