Tradução Brasileira (2010) (TB)
6

Advertência contra o servir de fiador, contra a preguiça e contra a maldade

61Filho meu, se tiveres ficado

6.1
Pv 11.15
17.18
20.16
22.26
27.13
por fiador do teu próximo,

se tiveres dado um penhor por outro,

2estás enredado pelas palavras da tua boca,

estás preso pelas palavras da tua boca.

3Faze isso, pois, filho meu, e livra-te,

visto que caíste no poder do teu próximo;

vai, humilha-te e importuna ao teu próximo.

4Não dês

6.4
Sl 132.4
sono aos teus olhos,

nem adormecimento às tuas pálpebras.

5Livra-te como gazela da mão do caçador

e, como

6.5
Sl 91.3
124.7
pássaro, da mão do passarinheiro.

6Vai ter com a

6.6
Pv 30.24-25
formiga, ó
6.6
Pv 6.9
10.26
13.4
20.4
26.16
preguiçoso,

considera os seus caminhos e sê sábio.

7Ela,

6.7
Pv 30.27
não tendo chefe,

nem superintendente, nem governador,

8faz a provisão do seu mantimento

6.8
Pv 10.5
no estio

e ajunta, no tempo da ceifa, o seu alimento.

9Até quando, ó preguiçoso, ficarás deitado?

Quando te levantarás do teu sono?

10

6.10
Pv 24.33-34
Um pouco para dormir, um pouco para toscanejar,

um pouco para cruzar os braços em repouso.

11Assim, virá a tua

6.11
Pv 10.4
12.24
13.4
19.15
20.4
23.21
pobreza como um salteador,

e a tua indigência, como um homem armado.

12

6.12
Pv 16.27
O homem vil, o homem iníquo,

anda com a

6.12
Pv 4.24
10.32
perversidade na boca;

13

6.13
Pv 10.10
Sl 35.19
pisca os olhos, faz sinais com os pés

e acena com os dedos.

14

6.14
Pv 17.20
A perversidade está no seu coração, sempre
6.14
Pv 3.29
Mq 2.1
maquina o mal;

6.14
Pv 6.19
16.28
semeia discórdias.

15Portanto,

6.15
Pv 24.22
virá de repente a sua calamidade;

6.15
Is 30.13-14
Jr 19.11
de improviso, será quebrantado,
6.15
2Cr 36.16
sem que haja remédio.

16Há seis coisas que Jeová aborrece,

sim, há sete que a sua alma abomina:

17

6.17
Pv 21.4
30.13
Sl 18.27
101.5
olhos altivos,
6.17
Pv 12.22
17.7
Sl 31.18
120.2
língua mentirosa,

e mãos que

6.17
Pv 28.17
Dt 19.10
Is 1.15
59.7
derramam sangue inocente;

18coração que maquina

6.18
Pv 24.2
Gn 6.5
projetos iníquos,

6.18
Pv 1.16
pés que se apressam a correr para o mal;

19

6.19
Pv 12.17
19.5,9
21.28
Sl 27.12
testemunha falsa que profere mentiras,

e o que

6.19
Pv 6.14
semeia discórdia entre seus irmãos.

O mancebo é advertido contra a mulher adúltera

20Filho meu,

6.20
Pv 7.1
guarda os mandamentos de teu pai

6.20
Pv 1.8
e não abandones a instrução de tua mãe.

21

6.21
Pv 3.3
Ata-os perpetuamente ao teu coração,

pendura-os à roda do teu pescoço.

22Quando

6.22
Pv 3.23
andares, ela te guiará;

quando te

6.22
Pv 3.24
deitares, te guardará;

e, quando acordares, ela falará contigo.

23Pois o

6.23
Sl 119.105
mandamento é uma lâmpada, e a lei, uma luz;

e as

6.23
Pv 10.17
repreensões da instrução são o caminho da vida

24

6.24
Pv 7.5
para te guardarem da má mulher

6.24
Pv 2.16
5.3
7.21
e das lisonjas da língua da estrangeira.

25

6.25
Mt 5.28
Não cobices no teu coração a sua formosura

e não te deixes render pelas suas

6.25
2Rs 9.30
Jr 4.30
Ez 23.40
pálpebras.

26Pois,

6.26
Pv 5.9-10
29.3
por causa duma mulher prostituída, o homem é reduzido a um bocado de pão;

e a que é adúltera

6.26
Pv 7.23
Ez 13.18
caça a vida preciosa.

27Poderá o homem tomar fogo no seu seio,

sem que ardam os seus vestidos?

28Ou poderá andar por cima de brasas vivas,

sem que se queimem os pés?

29Assim será com aquele que

6.29
Ez 18.6
33.26
se chega à mulher do seu próximo;

6.29
Pv 16.5
não ficará sem castigo quem a tocar.

30O ladrão não é desprezado, se furtar

6.30
Jó 38.39
para matar a fome, quando estiver faminto;

31porém, se for colhido,

6.31
Êx 22.1-4
pagará sete vezes tanto;

entregará todos os bens de sua casa.

32Quem comete adultério é

6.32
Pv 7.7
9.4,16
10.13,21
11.12
12.11
falto de entendimento;

6.32
Pv 7.22-23
destrói-se a si mesmo quem assim procede.

33Ele receberá feridas e ignomínia,

e o seu opróbrio não se apagará;

34porque

6.34
Pv 27.4
Ct 8.6
o ciúme enfurece o homem;

e não poupará no

6.34
Pv 11.4
Lv 20.10
dia da vingança.

35Não aceitará resgate algum,

nem se contentará, ainda que dês muitos presentes.

7

A loucura de ceder às astúcias da prostituta

71Filho meu,

7.1
Pv 2.1
6.20
observa as minhas palavras

e entesoura em ti os meus mandamentos.

2

7.2
Pv 4.4
Observa os meus mandamentos, e vive,

e guarda a minha lei como

7.2
Dt 32.10
Sl 17.8
Zc 2.8
a menina dos teus olhos;

3ata-os aos teus dedos

7.3
Pv 3.3
e escreve-os na tábua do teu coração.

4Dize à sabedoria: Tu és minha irmã;

e chama ao entendimento a tua parenta,

5para te

7.5
Pv 6.24
guardarem da
7.5
Pv 5.3
mulher estranha,

7.5
Pv 5.20
da estrangeira que
7.5
Pv 6.24
lisonjeia com as suas palavras.

6Pois, estando eu

7.6
Jz 5.28
à janela da minha casa,

espiei

7.6
Ct 2.9
pelas minhas grades;

7vi entre

7.7
Pv 1.22
os simples,

discerni entre os moços

um mancebo

7.7
Pv 6.32
falto de entendimento,

8que passava pelas ruas junto

7.8
Pv 7.12
à esquina da estrangeira,

seguindo o caminho

7.8
Pv 7.27
da casa dela,

9

7.9
Jó 24.15
no crepúsculo, à tarde do dia,

à noite fechada e na escuridão.

10Eis que lhe saía ao encontro uma mulher

7.10
Gn 38.14-15
ornada à moda das prostitutas e astuta de coração.

11Ela é

7.11
Pv 9.13
turbulenta e obstinada;

os seus pés não param em casa.

12Ora está nas ruas, ora,

7.12
Pv 9.14
nas praças

7.12
Pv 23.28
e põe-se de emboscada a cada esquina.

13Assim, pegou dele, e o beijou,

e, com

7.13
Pv 21.29
uma cara sem vergonha, lhe disse:

14Sacrifícios de

7.14
Lv 7.11
ofertas pacíficas estão comigo;

hoje,

7.14
Lv 7.16
paguei os meus votos.

15Por isso, saí para me encontrar contigo,

para te procurar, e te achei.

16Cobri a minha cama com

7.16
Pv 31.22
cobertas,

com colchas

7.16
Is 19.9
Ez 27.7
de linho do Egito, de várias cores.

17Perfumei o meu leito

com

7.17
Sl 45.8
mirra, aloés e
7.17
Êx 30.23
cinamomo.

18Vem, embriaguemo-nos de amor, até que amanheça o dia;

alegremo-nos com amores.

19Pois meu marido não está em casa,

foi fazer uma viagem dilatada.

20Levou consigo um

7.20
Gn 42.35
saquitel de dinheiro;

lá para o dia da lua cheia voltará para casa.

21Ela fê-lo ceder com o seu muito falar;

com

7.21
Pv 5.3
6.24
a lisonja dos seus lábios o arrasta.

22Ele a segue logo,

como o boi que vai ao matadouro

ou como louco agrilhoado para a correção,

23até que uma seta lhe traspasse o fígado,

como o

7.23
Ec 9.12
pássaro se apressa para o laço,

sem saber que está armado contra a sua vida.

24Agora, pois, filhos,

7.24
Pv 5.7
escutai-me;

e atendei às palavras da minha boca.

25

7.25
Pv 5.8
Não se desvie para os seus caminhos o teu coração,

não andes perdido pelas suas veredas.

26Pois ela a muitos tem feito cair feridos;

e muitíssimos são os que têm sido

7.26
Pv 9.18
mortos por ela.

27

7.27
Pv 2.18
5.5
9.18
A sua casa é o caminho do Sheol,

que desce às câmaras da morte.

8

A excelência e justiça dos preceitos da Sabedoria

81Não clama, porventura,

8.1
Pv 8.1-3
1.20-21
a Sabedoria,

e não eleva o Entendimento a sua voz?

2No cume

8.2
Pv 9.3,14
das alturas, junto ao caminho,

nas encruzilhadas, ela se coloca;

3junto às

8.3
Jó 29.7
portas, à entrada da cidade,

à entrada das portas ela grita:

4A vós, ó homens, clamo.

E a minha voz dirige-se aos filhos dos homens.

5Entendei,

8.5
Pv 1.4
ó estúpidos, a prudência;

entendei,

8.5
Pv 1.22,32
3.35
ó loucos, a sabedoria.

6Ouvi, pois falarei

8.6
Pv 22.20
coisas excelentes;

e proferirão os meus lábios

8.6
Pv 23.16
coisas retas.

7

8.7
Sl 37.30
A minha boca pronunciará a verdade,

e os meus lábios abominam a perversidade.

8Justas são todas as palavras da minha boca;

nelas, não há coisa

8.8
Pv 2.15
Dt 32.5
Fp 2.15
torta ou perversa.

9Todas elas são

8.9
Pv 14.6
claras para os que entendem

e retas para os que

8.9
Pv 3.13
acham o conhecimento.

10Recebei a

8.10
Pv 8.19
3.14-15
minha instrução e não a prata;

e o conhecimento, antes do que o ouro escolhido.

11Pois a sabedoria é

8.11
Jó 28.18
melhor do que os corais;

e

8.11
Pv 3.15
tudo o que se pode desejar não é para ser comparado com ela.

12Eu, a Sabedoria, tenho a

8.12
Pv 8.5
prudência por morada

e possuo o

8.12
Pv 1.4
conhecimento e a discrição.

13

8.13
Pv 3.7
16.6
O temor de Jeová é odiar o mal.

8.13
Pv 16.18
1Sm 2.3
Is 13.11
A soberba, e a arrogância, e
8.13
Pv 15.9
o mau caminho,

8.13
Pv 6.12
e a boca perversa, eu os odeio.

14

8.14
Pv 1.25
19.20
Is 28.29
Jr 32.19
Meu é o conselho e
8.14
Pv 2.7
3.21
18.1
a verdadeira sabedoria;

eu sou o Entendimento,

8.14
Ec 7.19
9.16
minha é a fortaleza.

15Por meio de mim,

8.15
Pv 29.4
2Cr 1.10
reinam os reis,

e os governadores decretam o que é justo.

16Por meio de mim, governam os príncipes,

e os nobres, todos os juízes da terra.

17Eu

8.17
Pv 4.6
1Sm 2.30
Jo 14.21
amo os que me amam;

8.17
Pv 2.4-5
Tg 1.5
e os que me procuram diligentemente me acharão.

18

8.18
Pv 3.16
Riquezas e honra estão comigo,

8.18
Sl 112.3
Mt 6.33
bens duráveis e justiça.

19

8.19
Pv 3.14
Melhor é o meu fruto do que o ouro, do que o ouro fino;

e a minha renda, do que a

8.19
Pv 10.20
prata escolhida.

20Ando pelo caminho da justiça,

no meio das veredas do juízo,

21para dotar de bens os que me amam

e

8.21
Pv 24.4
encher os seus tesouros.

A Sabedoria existiu desde a eternidade

22Jeová me possuiu

8.22
Pv 3.19
Jó 28.26-28
Sl 104.24
no princípio dos seus caminhos,

antes das suas obras da antiguidade.

23Desde a antiguidade, fui constituída, desde o princípio,

8.23
Jo 17.5
antes de existir a terra.

24Quando ainda não havia

8.24
Pv 3.20
Gn 1.2
Êx 15.5
Jó 38.16
abismos, fui dada à luz;

quando ainda não havia fontes cheias de água.

25

8.25
Sl 90.2
Antes de serem firmados os montes,

antes de haver outeiros, fui dada à luz.

26Quando ele ainda não tinha feito a terra, nem os campos,

nem o princípio do pó do mundo.

27

8.27
Pv 3.19
Quando ele preparava os céus, lá estava eu;

8.27
Jó 26.10
quando traçava um círculo sobre a face do abismo,

28quando estabelecia o firmamento lá em cima,

quando as fontes do abismo eram firmadas.

29

8.29
Jó 38.10
Sl 104.9
quando fixava ao mar o seu termo,

para que as águas não transgredissem o seu mando.

Quando lançava os

8.29
Jó 38.6
Sl 104.5
alicerces da terra,

30então,

8.30
Jo 1.2-3
estava eu ao seu lado como arquiteto

e enchia-me de gozo dia após dia,

regozijando-me sempre diante dele;

31regozijando-me na sua terra habitável

e achando as minhas delícias com os filhos dos homens.

32Agora, pois, filhos,

8.32
Pv 5.7
7.24
ouvi-me;

pois

8.32
Pv 29.18
Sl 119.1-2
128.1
Lc 11.28
felizes são os que observam os meus caminhos.

33

8.33
Pv 4.1
Ouvi a instrução, e sede sábios,

e não a rejeiteis.

34

8.34
Pv 3.13,18
Feliz é o homem que me ouve,

velando todos os dias às minhas entradas,

esperando junto às ombreiras das minhas portas;

35pois

8.35
Pv 4.22
Jo 17.3
quem me achar achará a vida

e

8.35
Pv 3.4
12.2
alcançará o favor de Jeová.

36Aquele, porém, que pecar contra mim

8.36
Pv 1.31-32
15.32
faz o mal à sua própria alma.

Todos os que me

8.36
Pv 5.12
12.1
odeiam
8.36
Pv 21.6
amam a morte.