Tradução Brasileira (2010) (TB)
24

241Não tenhas

24.1
Pv 24.19
3.31
23.17
Sl 37.1
inveja dos homens maus,

nem desejes

24.1
Pv 1.15
Sl 1.1
estar com eles,

2porque o seu coração medita a

24.2
Is 30.12
Jr 22.17
opressão,

e os seus lábios

24.2
Jó 15.35
Sl 10.7
38.12
falam a malícia.

3Com

24.3
Pv 9.1
14.1
a sabedoria edifica-se a casa

e com o entendimento se estabelece;

4e pelo conhecimento

24.4
Pv 8.21
encher-se-ão as câmaras

de todas as riquezas preciosas e deleitáveis.

5

24.5
Pv 21.22
O varão sábio é forte;

o homem inteligente aumenta a força.

6Pois

24.6
Pv 20.18
com prudência tu farás a guerra,

e

24.6
Pv 11.14
na multidão de conselheiros há segurança.

7A sabedoria é

24.7
Pv 14.6
17.16
Sl 10.5
alta demais para o insensato;

ele não abre a boca

24.7
Jó 5.4
Sl 127.5
na porta.

8Aquele que

24.8
Pv 6.14
14.22
Rm 1.30
cuida em fazer o mal,

a esse chamarão intrigante.

9

24.9
Is 59.7
O desígnio do insensato é pecado,

e o escarnecedor é abominação aos homens.

10

24.10
Dt 20.8
Jó 4.5
Jr 51.46
Hb 12.3
Se enfraqueces no dia da adversidade,

minguada é a tua força.

11

24.11
Sl 82.4
Is 58.6-7
Livra os que estão sendo levados para a morte;

e os que estão prestes a serem mortos, a esses detém.

12Se disseres: Eis que não o soubemos,

porventura, não o

24.12
Ec 5.8
considera aquele
24.12
Pv 21.2
1Sm 16.7
que pesa os corações?

Não o

24.12
Sl 94.9-11
conhece aquele que
24.12
Sl 121.3-8
guarda a tua alma?

E não

24.12
Pv 12.14
Jó 34.11
retribuirá ele a cada um segundo as suas obras?

13Come, filho meu, do

24.13
Pv 25.16
Sl 19.10
119.103
Ct 5.1
mel, porque é bom;

e do

24.13
Pv 16.24
27.7
Ct 4.11
favo que é doce ao teu paladar;

14Tal conhecerás ser

24.14
Pv 2.10
a sabedoria para a tua alma;

se a tiveres achado, então, haverá

24.14
Pv 23.18
galardão,

e não será cortada a tua esperança.

15

24.15
Sl 10.9-10
Não te ponhas em emboscada, homem perverso, contra a habitação do justo;

nem assoles a sua pousada,

16Porque

24.16
Jó 5.19
Sl 37.24
Mq 7.8
o justo cai sete vezes e se torna a levantar,

mas os

24.16
Pv 24.22
6.15
14.32
Jr 18.17
perversos são derrubados pela calamidade.

17

24.17
Pv 17.5
Jó 31.29
Sl 35.15,19
Ob 12
Não te regozijes, quando cair o teu inimigo,

nem se alegre o teu coração, quando for ele derrubado,

18para que Jeová não o veja, e que isso lhe desagrade,

e que tire de cima dele a sua ira.

19

24.19
Sl 37.1
Não te incomodes por causa dos malfeitores,

nem tenhas

24.19
Pv 24.1
23.17
inveja dos perversos,

20

24.20
Jó 15.31
porque não há
24.20
Pv 23.18
futuro para o homem mau;

24.20
Pv 13.9
20.20
Jó 18.5-6
21.17
a lâmpada dos perversos apagar-se-á.

21

24.21
Rm 13.1-7
1Pe 2.17
Teme, filho meu, a Jeová e ao rei

e não te metas com os que gostam de mudanças,

22porque, de repente, se levantará

24.22
Pv 24.16
a sua calamidade,

e quem sabe a destruição de ambos?

23Estes também são

24.23
Pv 1.6
22.17
provérbios dos sábios.

Deixar-se

24.23
Pv 18.5
28.21
levar de respeitos humanos nos juízos não é bom.

24Aquele que

24.24
Pv 17.15
diz ao perverso: Tu és justo,

amaldiçoá-lo-ão

24.24
Pv 11.26
os povos, aborrecê-lo-ão as nações.

25Mas

24.25
Pv 28.23
os que o repreenderem se acharão bem,

e sobre eles virá a bênção de prosperidade.

26Beija os lábios

a quem dá uma

24.26
Pv 16.24
resposta sincera.

27Cuida dos teus negócios lá fora,

24.27
Pv 27.23-27
põe o teu campo em condições

e depois, edifica a tua casa.

28Não sejas sem causa

24.28
Pv 25.18
testemunha contra o teu próximo

24.28
Lv 6.2-3
19.11
Ef 4.25
e não enganes com os teus lábios.

29

24.29
Pv 20.22
Mt 5.39
Rm 12.17
Não digas: Como ele me fez a mim, assim eu farei a ele;

retribuirei ao homem segundo as suas obras.

30

24.30
Pv 24.30-34
6.6-11
Passei pelo campo do preguiçoso

e pela vinha do homem

24.30
Pv 6.32
falto de entendimento;

31eis que tudo estava cheio de espinhos,

a sua superfície estava coberta de

24.31
Jó 30.7
urtigas,

e o seu

24.31
Is 5.5
muro de pedra estava demolido.

32Então, eu contemplei e meditei bem;

vi e recebi a instrução.

33

24.33
Pv 6.9-11
20.13
Um pouco para dormir, um pouco para toscanejar,

um pouco para cruzar os braços em repouso.

34Assim, virá a tua pobreza como um salteador,

e a tua indigência, como um homem armado.

25

Vários símiles e lições morais

251Estes também são

25.1
Pv 1.1
provérbios de Salomão, os quais transcreveram os homens de Ezequias, rei de Judá.

2É a glória de Deus

25.2
Dt 29.29
Rm 11.33
encobrir as coisas,

mas a glória dos

25.2
Ed 6.1
reis, esquadrinhá-las.

3O céu na sua altura, a terra na sua profundidade

e o coração dos reis são inescrutáveis.

4Tirai da prata a

25.4
Pv 26.23
Ez 22.18
escória,

e dela o

25.4
Ml 3.2-3
ourives tirará um vaso.

5Tirai de diante do rei

25.5
Pv 20.8
o perverso,

e o seu

25.5
Pv 16.12
trono será estabelecido na justiça.

6Não te engrandeças na presença do rei,

nem te ponhas no lugar dos grandes,

7porque

25.7
Lc 14.7-11
melhor é que te digam: Sobe para cá

do que seres humilhado perante o príncipe,

a quem os teus olhos veem.

8Não saias

25.8
Pv 17.14
Mt 5.25
depressa a contender,

para que, no fim, não saibas que fazer,

quando o teu próximo te houver envergonhado.

9

25.9
Mt 18.15
Discute a tua causa a sós com o teu próximo

25.9
Pv 11.13
e não reveles o segredo de outro,

10Para que aquele que te ouvir não te vitupere,

e não se te apegue a tua infâmia.

11

25.11
Pv 15.23
A palavra proferida a seu tempo

é como maçãs de ouro em cestos de prata.

12Como

25.12
Êx 32.2
35.22
Ez 16.12
pendentes de ouro e
25.12
2Sm 1.24
joias de
25.12
Jó 28.17
ouro puro,

assim é o sábio repreensor para o

25.12
Pv 15.31
20.12
ouvido obediente.

13Como o

25.13
Pv 25.25
frescor da neve no tempo da ceifa,

assim é o

25.13
Pv 13.17
mensageiro fiel para os que o enviam,

porque ele refrigera a alma dos seus amos.

14Como

25.14
Jd 12
nuvens e
25.14
Jr 5.13
Mq 2.11
ventos sem chuva,

assim é o que

25.14
Pv 20.6
se gaba de dádivas que não fez.

15Pela

25.15
Pv 16.14
Gn 32.4
1Sm 25.24
Ec 10.4
longanimidade se abranda o príncipe,

e a

25.15
Pv 15.1
língua suave quebranta ossos.

16

25.16
Jz 14.8
1Sm 14.25
Achaste mel? Come
25.16
Pv 25.27
só o que te basta,

para que não te fartes dele e não o vomites.

17Entra raras vezes na casa do teu próximo,

para que se não enfade de ti e te aborreça.

18O homem que diz

25.18
Pv 24.28
Êx 20.16
falso testemunho contra o seu próximo

é um malho,

25.18
Pv 12.18
Sl 57.4
uma espada e uma
25.18
Jr 9.8
flecha aguda.

19Confiança num

25.19
Jó 6.15
homem desleal no tempo da angústia

é como dente quebrado e pé desconjuntado.

20Como aquele que despe o vestido num dia de frio e como vinagre sobre salitre,

assim é aquele que canta canções ao coração triste.

21

25.21
Êx 23.4-5
2Rs 6.22
2Cr 28.15
Mt 5.44
Rm 12.20
Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer;

e, se tiver sede, dá-lhe de beber.

22Porque lhe amontoarás brasas vivas sobre a cabeça,

25.22
Mt 6.4,6
e Jeová te recompensará.

23O vento do norte traz chuva,

25.23
Sl 101.5
e a língua caluniadora, o rosto irado.

24

25.24
Pv 21.9
Melhor é morar no canto do eirado

do que com uma mulher de contendas numa casa espaçosa.

25

25.25
Pv 25.13
Como água fria a quem tem sede,

tais são as

25.25
Pv 15.30
boas notícias vindas dum país remoto.

26Como a

25.26
Ez 32.2
34.18-19
fonte turvada e o manancial corrompido,

assim é o justo que se abate perante o perverso.

27Comer muito mel

25.27
Pv 25.16
não é bom.

Assim,

25.27
Pv 27.2
esquadrinhar a própria glória não é glória.

28Aquele que não pode conter

25.28
Pv 16.32
o seu espírito

é como uma

25.28
2Cr 32.5
Ne 1.3
cidade derrubada, que não tem muros.

26

261Como a neve no verão e como a

26.1
1Sm 12.17
chuva no tempo da ceifa,

assim a

26.1
Pv 26.8
honra não
26.1
Pv 17.7
convém ao tolo.

2Como o

26.2
Pv 27.8
Is 16.2
pássaro no seu vaguear e como a andorinha no seu voar,

assim a

26.2
Nm 23.8
Dt 23.5
2Sm 16.12
maldição sem motivo não encontra pouso.

3

26.3
Sl 32.9
O açoite para o cavalo, o freio para o jumento

26.3
Pv 10.13
19.29
E a vara para as costas dos tolos.

4

26.4
Pv 23.9
29.9
Não respondas ao louco segundo a sua loucura,

para que não te faças semelhante a ele.

5

26.5
Mt 16.1-4
21.24-27
Responde ao louco segundo a sua loucura,

para que ele não seja

26.5
Pv 3.7
28.11
Rm 12.16
sábio aos seus olhos.

6Os pés decepa, e o dano bebe

quem

26.6
Pv 10.26
envia mensageiros por intermédio dum tolo.

7As pernas do coxo pendem frouxas,

assim é a

26.7
Pv 26.9
parábola na boca dos tolos.

8Como o que ata a pedra na funda,

assim é quem dá

26.8
Pv 26.1
honra ao tolo.

9Como o espinho que entra na mão do bêbado,

assim é a

26.9
Pv 26.7
parábola na boca do tolo.

10Como o flecheiro que fere a todos,

assim é quem ajusta ao tolo e aos transeuntes.

11Como o

26.11
2Pe 2.22
cão que torna ao seu vômito,

assim é o tolo que

26.11
Êx 8.15
reitera a sua estultícia.

12Vês a um homem que é

26.12
Pv 3.7
26.5
sábio aos seus olhos?

26.12
Pv 29.20
maior esperança há para o tolo do que para ele.

13

26.13
Pv 22.13
O preguiçoso diz: Há um leão no caminho,

um leão está nas ruas.

14Como a porta se revolve sobre os seus gonzos,

assim o

26.14
Pv 6.9
preguiçoso sobre o seu leito.

15

26.15
Pv 19.24
O preguiçoso mete a mão no prato;

difícil lhe é reconduzi-la à boca.

16

26.16
Pv 26.5,12
Mais sábio é o preguiçoso aos seus olhos

do que sete homens que sabem

26.16
Pv 27.11
1Pe 3.15
responder bem.

17Quem, ao passar, se intromete

26.17
Pv 3.30
numa rixa que não lhe toca

é como aquele que toma um cão pelas orelhas.

18Como o louco que atira

26.18
Is 50.11
tições,

flechas e morte,

19assim é o homem que

26.19
Pv 24.28
engana ao seu próximo

e diz: Não estou eu brincando?

20Por falta de lenha, apaga-se o fogo;

e, onde não há

26.20
Pv 16.28
mexeriqueiro,
26.20
Pv 22.10
cessa a contenda.

21Como os carvões para as brasas e a lenha para o fogo,

assim é o

26.21
Pv 15.18
29.22
30.33
homem contencioso para acender rixas.

22

26.22
Pv 18.8
As palavras do mexeriqueiro são como doces bocados

que penetram até o fundo das entranhas.

23Como um

26.23
Mt 23.27
Lc 11.39
vaso de barro, coberto
26.23
Pv 25.4
da escória da prata,

assim são os lábios ardentes e o coração mau.

24Aquele que

26.24
Pv 10.18
Sl 41.6
aborrece dissimula com os lábios,

mas entesoura a

26.24
Pv 12.20
traição dentro de si.

25Quando ele

26.25
Pv 26.23
Sl 28.3
Jr 9.8
te falar num tom suplicante, não o creias,

porque há sete abominações no seu coração.

26Ainda que o seu ódio

26.26
Mt 23.28
se encubra com dissimulação,

a sua malícia será

26.26
Lc 8.17
abertamente revelada perante a congregação.

27O que abre uma cova

26.27
Pv 28.10
cairá nela;

e a pedra voltará sobre quem a revolve.

28A língua mentirosa aborrece aos que ela tem ferido;

e a

26.28
Pv 29.5
boca lisonjeira opera a ruína.