Tradução Brasileira (2010) (TB)
5

O Sermão do Monte. As bem-aventuranças

51

5.1
Mt 5.7Lc 6.20-49
Vendo Jesus a multidão, subiu ao
5.1
Mc 3.13
Lc 9.28
Jo 6.3,15Lc 6.17
monte; depois de se ter sentado, aproximaram-se seus discípulos, 2e
5.2
At 8.35
10.34
18.14Mt 13.35
ele começou a ensiná-los, dizendo:

3

5.3
Mt 5.3-12Lc 6.20-23
Bem-aventurados os humildes de espírito,
5.3
Mt 5.10
19.14
25.34
Mc 10.14
Lc 6.20
22.29
porque deles é o reino dos céus.

4Bem-aventurados

5.4
Is 61.2Jo 16.20
Ap 7.17
os que choram, porque eles serão consolados.

5Bem-aventurados

5.5
Sl 37.11
os mansos, porque eles herdarão a terra.

6Bem-aventurados

5.6
Is 55.1-2Jo 4.14
6.487.37
os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos.

7Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia.

8Bem-aventurados

5.8
Sl 24.4
os limpos de coração, porque
5.8
Hb 12.14
1Jo 3.2
Ap 22.4
eles verão a Deus.

9Bem-aventurados os pacificadores, porque

5.9
Rm 8.14Mt 5.45
Lc 6.35
eles serão chamados filhos de Deus.

10Bem-aventurados os que têm sido

5.10
1Pe 3.14
perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. 11Bem-aventurados sois, quando vos
5.11
1Pe 4.14
injuriarem, vos perseguirem e, mentindo, disserem todo mal contra vós, por minha causa. 12Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois
5.12
2Cr 36.16
Mt 23.37
At 7.52
1Ts 2.15
Tg 5.10Hb 11.33
assim perseguiram aos profetas que existiram antes de vós.

Os discípulos são o sal da terra e a luz do mundo

13Vós sois o sal da terra;

5.13
Mc 9.50
Lc 14.34
se o sal se tiver tornado insípido, como se poderá restaurar-lhe o sabor? Para nada mais presta, senão para ser lançado fora e pisado pelos homens. 14Vós sois
5.14
cp.
a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte; 15
5.15
Mc 4.21
Lc 8.16
11.33
ninguém acende uma candeia e a coloca debaixo do módioMedida de 8 1/2 litros., mas no velador, e assim alumia a todos os que estão na casa. 16De tal modo brilhe a vossa luz diante dos homens, que eles
5.16
cp.
vejam as vossas boas obras e
5.16
vd.
glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.

Jesus não veio revogar, mas cumprir

17Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas; não vim revogar, mas cumprir. 18Porque em verdade vos digo:

5.18
Lc 16.17Mt 24.35
Enquanto não passar o céu e a terra, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, sem que tudo se cumpra. 19Aquele, pois, que violar um destes mínimos mandamentos e assim ensinar aos homens será chamado mínimo no reino dos céus; mas aquele que os observar e ensinar, esse será chamado grande no reino dos céus. 20Pois vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus.

Jesus completa o que foi dito aos antigos. Sobre o homicídio

21

5.21
cp.
Tendes ouvido que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito
5.21
cp.
a julgamento. 22Mas eu vos digo que todo aquele que se ira contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem chamar a seu irmão: Raca estará sujeito
5.22
Mt 10.17
26.59
Mc 13.9
14.55
15.1
Lc 22.66
Jo 11.47
At 4.15
5.216.1222.30
23.124.20
ao julgamento do Sinédrio; e quem lhe chamar: Tolo estará sujeito
5.22
Mt 5.2910.28
18.9
23.15,33
Mc 9.43Lc 12.5
Tg 3.6
à Geena de fogo. 23Se estiveres, pois, apresentando a tua oferta no altar e aí te lembrares que teu irmão tem contra ti alguma coisa, 24deixa ali a tua oferta diante do altar, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão e, depois, vem apresentar a tua oferta. 25
5.25
Lc 12.58
Harmoniza-te sem demora com o teu adversário, enquanto está no caminho com ele; para que não suceda que o adversário te entregue ao juiz, o juiz, ao oficial de justiça, e sejas recolhido à prisão. 26Em verdade te digo que não sairás dali, até pagares o último ceitil.

Sobre o adultério

27

5.27
cp.
Tendes ouvido que foi dito: Não adulterarás. 28Eu, porém, vos digo que todo o que põe seus olhos em uma mulher, para a cobiçar, já no seu coração adulterou com ela. 29
5.29
Mt 18.9
Mc 9.47Mt 17.27
Se o teu olho direito te serve de pedra de tropeço, arranca-o e lança-o de ti; pois te convém mais que se perca um dos teus membros do que todo o teu corpo seja lançado na
5.29
vd.
Geena. 30
5.30
Mt 18.8
Mc 9.43Mt 17.27
Se a tua mão direita te serve de pedra de tropeço, corta-a e lança-a de ti; pois te convém mais que se perca um dos teus membros do que todo o teu corpo vá para a Geena. 31
5.31
Dt 24.1,3
Também foi dito: Quem repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio. 32
5.32
Mt 19.9
Mc 10.11Lc 16.181Co 7.11
Eu, porém, vos digo que todo o que repudia sua mulher, a não ser por causa de infidelidade, a faz ser adúltera; e qualquer que se casar com a repudiada comete adultério.

Sobre os juramentos

33Também

5.33
cp.
tendes ouvido que foi dito aos antigos: Não jurarás falso, mas cumprirás para com o Senhor os teus juramentos. 34Eu, porém, vos digo que
5.34
Tg 5.12
absolutamente não jureis; nem pelo céu, porque é
5.34
Mt 23.22
Is 66.1
o trono de Deus; 35nem pela terra, porque é o
5.35
Is 66.1At 7.49
escabelo dos seus pés; nem por Jerusalém, porque é
5.35
Sl 48.2
a cidade do grande Rei; 36nem jures pela tua cabeça, porque nem um só cabelo podes tornar branco ou preto. 37Mas seja o vosso falar: sim, sim; não, não; pois tudo que passa disso vem
5.37
Mt 6.13
13.19,38
Jo 17.15
Ef 6.16
2Ts 3.3
1Jo 2.133.12
5.18
do Maligno.

Sobre a vingança

38

5.38
cp.
Tendes ouvido que foi dito: Olho por olho, dente por dente. 39Eu, porém, vos digo: Não resistais ao homem mau; mas
5.39
Mt 5.39-42
Lc 6.29-301Co 6.7
a qualquer que te dá na face direita, volta-lhe também a outra; 40ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa; 41e quem te obriga a andar mil passos, vai com ele dois mil. 42
5.42
Lc 6.34
Dá a quem te pede e não voltes as costas ao que deseja que lhe emprestes.

Sobre o amor ao próximo

43

5.43
cp.
Tendes ouvido que foi dito: Amarás o teu próximo e aborrecerás o teu inimigo. 44Eu, porém, vos digo:
5.44
Lc 6.27Mt 23.34
At 7.60
Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem, 45para que vos torneis
5.45
vd.
filhos de vosso Pai, que está nos céus, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos. 46Pois,
5.46
Lc 6.32
se amardes aos que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo? 47Se saudardes somente aos vossos irmãos, que fazeis de especial? Não fazem os gentios também o mesmo? 48
5.48
cp.
Sede vós, pois, perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito.

Acerca da prática de boas obras

61Guardai-vos, não façais as vossas boas obras diante dos homens, para

6.1
Mt 6.5,16
23.5
serdes vistos por eles; de outra sorte, não tendes recompensa junto de vosso Pai, que está nos céus.

Como se deve dar esmolas

2Quando, pois, deres esmola, não faças tocar a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas,

6.2
Mt 6.5,16
23.5
para serem honrados dos homens;
6.2
Mt 6.5,16Lc 6.24
em verdade vos digo que já receberam a sua recompensa. 3Tu, porém, quando dás esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita, 4para que a tua esmola fique em secreto;
6.4
Mt 6.6,18
e teu Pai, que vê em secreto, te retribuirá.

Como se deve orar. A Oração Dominical

5Quando orardes, não sejais como os hipócritas; porque eles gostam de

6.5
Mc 11.25
Lc 18.11,13
orar em pé nas sinagogas e nos cantos das ruas,
6.5
Mt 6.2,16
23.5
para serem vistos dos homens;
6.5
Mt 6.2,16Lc 6.24
em verdade vos digo que já receberam a sua recompensa. 6Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, ora a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto,
6.6
Mt 6.4,18
te retribuirá. 7Quando orais, não useis de repetições desnecessárias, como os gentios; porque pensam que pelo seu
6.7
cp.
muito falar serão ouvidos. 8Não sejais, pois, como eles; porque
6.8
cp.
vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes que lho peçais. 9Portanto,
6.9
Mt 6.9-13
Lc 11.2-4
orai vós deste modo: Pai nosso, que estás nos céus; santificado seja o teu nome; 10
6.10
cp.
venha o teu reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. 11
6.11
Pv 30.8
O pão nosso de cada dia nos dá hoje; 12e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores; 13e não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos
6.13
vd.
do mal. 14Pois,
6.14
Mc 11.25Mt 18.35
se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará; 15mas, se não perdoardes aos homens, tão pouco vosso Pai perdoará as vossas ofensas.

Como se deve jejuar

16

6.16
cp.
Quando jejuardes, não tomeis um ar triste, como os hipócritas; porque eles desfiguram os seus rostos, para fazer ver aos homens que estão jejuando;
6.16
Mt 6.2
em verdade vos digo que já receberam a sua recompensa. 17Tu, porém, quando jejuas, unge a cabeça e lava o rosto, 18para não mostrar aos homens que jejuas, mas somente a teu Pai, que está em secreto;
6.18
Mt 6.4,6
e teu Pai, que vê em secreto, te retribuirá.

Os tesouros no céu. A luz e as trevas. Os dois senhores. A ansiosa solicitude pela nossa vida

19Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem os consomem e onde os ladrões penetram e roubam; 20mas ajuntai para vós

6.20
Mt 19.21
Lc 12.331Tm 6.19
tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consomem e onde os ladrões não penetram, nem roubam; 21porque
6.21
Lc 12.34
onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração. 22A
6.22
Mt 6.22-23
Lc 11.34-35
candeia do corpo são os olhos. Se estes, pois, forem simples, todo o teu corpo será luminoso; 23mas,
6.23
cp.
se forem maus, todo o teu corpo ficará às escuras. Se, portanto, a luz que há em ti são trevas, quão densas são as trevas! 24
6.24
Lc 16.13
Ninguém pode servir a dois senhores; pois ou há de aborrecer a um e amar ao outro ou há de unir-se a um e desprezar ao outro. Não podeis servir a Deus e
6.24
Lc 16.9,11,13
às riquezas. 25
6.25
Mt 6.25-33
Lc 12.22-31
Por isso, vos digo: Não andeis
6.25
Mt 6.27-28,31,34
Lc 10.41
12.11,22
Fp 4.61Pe 5.7
cuidadosos da vossa vida, pelo que haveis de comer ou beber, nem do vosso corpo, pelo que haveis de vestir; não é a vida mais que o alimento, e o corpo, mais que o vestido? 26
6.26
Mt 10.29
Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem ajuntam em celeiros, e vosso Pai celestial as alimenta; não valeis vós muito mais do que elas? 27Qual de vós, por mais ansioso que esteja, pode
6.27
cp.
acrescentar um cúbito à sua estatura? 28Por que andais ansiosos pelo que haveis de vestir? Considerai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam, 29contudo vos digo que nem
6.29
1Rs 10.4-7
Salomão em toda a sua glória se vestiu como um deles. 30Se Deus, pois, assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós,
6.30
Mt 8.26
14.31
16.8
homens de pouca fé? 31Assim, não andeis ansiosos, dizendo: Que havemos de comer? Ou: Que havemos de beber? Ou: Com que nos havemos de vestir? 32(Pois os gentios é que procuram todas estas coisas); porque
6.32
cp.
vosso Pai celestial sabe que precisais de todas elas. 33Mas buscai primeiramente o seu reino e a sua justiça,
6.33
cp.
e todas essas coisas vos serão acrescentadas. 34Não andeis, pois, ansiosos pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã a si mesmo trará seu cuidado; ao dia bastam os seus próprios males.

7

O juízo temerário é proibido

71

7.1
Mt 7.1-5
Lc 6.37-38,41-42
Não julgueis, para que não sejais julgados; 2porque, com o juízo com que julgais, sereis julgados;
7.2
Mc 4.24
Lc 6.38
e a medida de que usais, dessa usarão convosco. 3Por que vês o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que tens no teu? 4Ou como poderás dizer a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu? 5Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho do teu irmão.

Não deis o que é santo aos cães

6Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis as vossas pérolas diante dos porcos, para que não suceda que as calquem aos pés e, voltando-se, vos despedacem.

Jesus incita a orar. A regra áurea

7

7.7
Mt 7.7-11
Lc 11.9-13
Pedi, e
7.7
Mt 18.19
21.22
Jo 14.13
15.7,16
16.23Tg 1.51Jo 3.22
5.14Mc 11.24
dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. 8Pois todo o que pede recebe; o que busca acha; e a quem bate, abrir-se-lhe-á. 9Qual de vós dará a seu filho uma pedra, se ele lhe pedir pão? 10Ou uma serpente, se pedir peixe? 11Ora, se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhas pedirem? 12Portanto,
7.12
Lc 6.31
tudo o que quiserdes que os homens vos façam, fazei-o assim também vós a eles; porque
7.12
Mt 22.40Gl 5.14
Rm 13.8
esta é a lei e os profetas.

As duas estradas

13

7.13
Lc 13.24
Entrai pela porta estreita (larga é a porta e espaçosa a estrada que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela), 14porque estreita é a porta, e apertada, a estrada que conduz à vida, e poucos são os que acertam com ela.

Os falsos profetas

15Guardai-vos dos

7.15
Mt 24.11,24
Mc 13.22
Lc 6.26
At 13.6
2Pe 2.1
1Jo 4.1
Ap 16.13
19.20
20.10
falsos profetas, que vêm a vós com vestes de ovelhas, mas por dentro são
7.15
Ez 22.27
At 20.29Jo 10.12
lobos vorazes. 16
7.16
Mt 7.20
12.33
Lc 6.44Tg 3.12
Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? 17Assim, toda árvore boa dá bons frutos, porém a árvore má dá maus frutos. 18Uma árvore boa não pode dar maus frutos, nem uma árvore má dar bons frutos. 19
7.19
Mt 3.10Lc 13.7
Toda árvore que não dá bom fruto é cortada e lançada no fogo. 20Logo, pelo seus frutos os conhecereis. 21
7.21
Lc 6.46
Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. 22
7.22
vd.
Naquele dia,
7.22
cp.
muitos hão de dizer-me: Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? 23Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci;
7.23
Mt 25.41
Lc 13.27Sl 6.8
apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade.

Os dois fundamentos

24

7.24
Mt 7.24-27
Lc 6.47-49Tg 1.22-25
Todo aquele, pois, que ouve essas minhas palavras e as observa será comparado a um homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha. 25Desceu a chuva, vieram as torrentes, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela não caiu; pois estava edificada sobre a rocha. 26Mas todo aquele que ouve essas minhas palavras e não as observa será comparado a um homem néscio, que edificou a sua casa sobre a areia. 27Desceu a chuva, vieram as torrentes, sopraram os ventos e bateram com ímpeto contra aquela casa, e ela caiu: e foi grande a sua ruína.

Termina aqui o Sermão do Monte

28

7.28
Mt 11.1
13.53
19.1
26.1
Tendo terminado Jesus este discurso,
7.28
Mt 13.54
22.33
Mc 1.22
6.2
11.18
Lc 4.32
Jo 7.46
as turbas admiravam-se do seu ensino; 29porque ele as ensinava como quem tinha autoridade, e não como os escribas do povo.