Tradução Brasileira (2010) (TB)
19

Jó queixa-se da obstinação e dureza dos seus amigos

191Então, respondeu Jó:

2Até quando afligireis a minha alma

e me despedaçareis com palavras?

3Já são dez vezes que me haveis vituperado.

Não vos envergonhais de me oprimir?

4Embora tenha eu de fato errado,

o meu erro fica comigo.

5Se

19.5
Sl 35.26
38.16
55.12
vos engrandecerdes na verdade contra mim

e me incriminardes pelo meu opróbrio,

6sabei que

19.6
Jó 16.11
27.2
Deus não me fez justiça

e me cercou com a

19.6
Jó 18.8-10
Sl 66.11
Lm 1.13
sua rede.

7Eis que

19.7
Jó 9.24
30.20,24
Hc 1.2
clamo: Violência! Porém não sou ouvido;

peço socorro, porém não há justiça.

8

19.8
Jó 3.23
Lm 3.7,9
Com muros, fechou ele o meu caminho, de modo que não posso passar,

e pôs

19.8
Jó 30.26
trevas nas minhas veredas.

9

19.9
Jó 12.17,19
Sl 89.44
Despojou-me da minha glória

e tirou-me da cabeça

19.9
Jó 16.15
Sl 89.39
Lm 5.16
a coroa.

10De todos os lados,

19.10
Jó 12.14
me derrui, e eu me vou,

e a minha

19.10
Jó 7.6
esperança, arranca-a
19.10
Jó 24.20
como uma árvore.

11

19.11
Jó 16.9
Acende também a sua ira contra mim,

e

19.11
Jó 13.24
33.10
sou tido por ele como um dos seus adversários.

12Avançam-se

19.12
Jó 16.13
as suas tropas juntas,

19.12
Jó 30.12
levantam um caminho alto contra mim,

e acampam-se ao redor da minha tenda.

13Ele

19.13
Jó 16.7
Sl 69.8
pôs longe de mim a meus irmãos,

19.13
Jó 16.20
Sl 88.8,18
e os que me conhecem são de todo alienados de mim.

14Meus parentes faltaram,

e

19.14
Jó 19.19
os meus conhecidos esqueceram-se de mim.

15Os que moram em minha casa e as minhas servas me têm por estranho.

Sou estrangeiro aos seus olhos.

16Chamo ao meu servo, e ele não me responde.

Tenho que suplicar-lhe com a minha boca.

17O meu bafo é intolerável à minha mulher,

sou repugnante aos filhos de minha mãe.

18Até os pequeninos me

19.18
Jó 12.4
desprezam.

Tentando levantar-me, falam de mim.

19Todos os

19.19
Sl 38.11
55.13
meus amigos íntimos me abominam,

e os que eu amava me voltam as costas.

20Os

19.20
Jó 16.8
33.21
Sl 102.5
Lm 4.8
meus ossos apegam-se à minha pele e à minha carne,

e escapei-me com a pele dos meus dentes.

21Compadecei-vos de mim, compadecei-vos de mim, amigos meus,

pois a

19.21
Jó 1.11
Sl 38.2
mão de Deus me tocou.

22Por que me

19.22
Jó 19.6
13.24-25
Sl 69.26
16.11
perseguis como Deus

e não cessais de devorar a minha carne?

23Oxalá que as minhas palavras fossem agora escritas!

Oxalá que fossem

19.23
Is 30.8
Jr 36.2
inscritas num livro!

24Que com uma pena de ferro e com chumbo,

fossem para sempre gravadas na rocha!

25Sei, porém, que

19.25
Jó 16.19
Sl 78.35
Pv 23.11
Is 43.14
Jr 50.34
o meu Redentor vive,

e o que vem depois de mim se levantará em pé sobre o pó;

26E, depois de destruída esta minha pele,

mesmo fora da minha carne

19.26
Sl 17.15
Mt 5.8
1Co 13.12
1Jo 3.2
verei a Deus.

27Vê-lo-ei ao meu lado,

e os meus olhos o contemplarão, não mais como adversário.

Eis que os meus rins

19.27
Sl 73.26
desfalecem dentro em mim.

28Se disserdes: Como o havemos

19.28
Jó 19.22
de perseguir!

E que a causa deste mal se acha em mim,

29temei a

19.29
Jó 15.22
espada.

Terríveis são os castigos dela,

para que saibais

19.29
Jó 22.4
Sl 1.5
9.7
Ec 12.14
que há juízo.

20

Zofar descreve as calamidades que os ímpios sofrem

201Então, respondeu Zofar, naamatita:

2Os meus pensamentos forçam-me a responder,

sinto-me agitado no meu íntimo.

3Ouvi

20.3
Jó 19.3
repreensões que me envergonham,

mas, no meu entendimento, responde-me o meu espírito.

4Não sabes isto desde

20.4
Jó 8.8
tempos remotos,

desde que o homem foi posto sobre a terra,

5que é breve o

20.5
Jó 8.12-13
Sl 37.35-36
triunfo dos iníquos,

e que é de um momento

20.5
Jó 8.13
a alegria do ímpio?

6Ainda que a sua exaltação

20.6
Is 14.13-14
Ob 3-4
se remonte aos céus,

e a sua cabeça chegue até as nuvens,

7contudo,

20.7
Jó 4.20
14.20
perecerá para sempre como o seu esterco.

Os que o viam

20.7
Jó 7.10
8.18
perguntarão: Onde está?

8Voará como um

20.8
Sl 73.20
90.5
sonho e não será achado;

será

20.8
Jó 18.18
27.21-23
afugentado como uma visão noturna.

9

20.9
Jó 7.8
8.18
Os olhos que me viram não me verão mais;

nem

20.9
Jó 7.10
o seu lugar o contemplará mais.

10

20.10
Jó 5.4
27.14
Seus filhos procurarão o favor dos pobres,

e as suas mãos

20.10
Jó 20.18
27.16-17
restituirão os bens que roubou.

11

20.11
Jó 21.23-24
Os seus ossos são cheios de mocidade.

Esta, porém, se deitará com ele no pó.

12Embora

20.12
Jó 15.16
a maldade lhe seja doce na boca,

embora ele a esconda debaixo da sua língua;

13embora a poupe e não a queira largar,

mas a guarde ainda

20.13
Jó 20.23
Nm 11.20,33
dentro da sua boca,

14contudo, nas suas entranhas, a comida é transformada;

Dentro dele se torna em fel de áspides.

15Engoliu riquezas

20.15
Jó 20.10
e vomitá-las-á;

do ventre dele, as lançará Deus.

16Chupará o

20.16
Dt 32.24,33
veneno dos áspides,

a língua da víbora o matará.

17Não olhará para

20.17
Jó 29.6
Dt 32.13-14
os rios,

ribeiros e torrentes de mel e de manteiga.

18O que adquiriu, isso

20.18
Jó 20.10,15
restituirá e não o engolirá;

não terá gozo proporcional à fazenda que ajuntou.

19Pois

20.19
Jó 24.2-4
35.9
oprimiu e desamparou os pobres,

a casa de que se apoderou por violência não prosperará.

20Por não haver limites na sua cobiça,

20.20
Ec 5.13-15
nada salvará daquilo em que se deleita.

21Nada escapou à sua voracidade.

Portanto,

20.21
Jó 15.29
a sua prosperidade não perdurará.

22

20.22
Jó 15.21
Na plenitude da sua abundância, ver-se-á apertado;

virá sobre ele

20.22
Jó 5.5
a mão de todo o que está na miséria.

23Estando ele

20.23
Jó 20.13-14
para encher a sua barriga,

Deus enviará sobre ele o furor da sua ira,

20.23
Nm 11.20,33
Sl 78.30-31
que fará cair sobre ele quando estiver comendo.

24Se fugir da arma de ferro,

o arco de cobre o traspassará.

25Ele tira do seu corpo a flecha,

que vem resplandecendo do seu

20.25
Jó 16.13
fel;

20.25
Jó 18.11,14
terrores se apoderam dele.

26Todas as

20.26
Jó 18.18
trevas são reservadas para os seus tesouros.

Devorá-lo-á um

20.26
Jó 15.30
fogo não assoprado por homem,

que consumirá o que for deixado na sua tenda.

27

20.27
Dt 31.28
Os céus revelarão a sua iniquidade,

e a terra se levantará contra ele.

28

20.28
Dt 28.31
As rendas da sua casa ir-se-ão,

e os seus bens se desfarão

20.28
Jó 20.15
21.30
no dia da ira de Deus.

29Esta é

20.29
Jó 27.13
31.2-3
a porção que Deus dará ao iníquo

e a herança que por Deus lhe é decretada.

21

Jó mostra que os ímpios, muitas vezes, gozam prosperidade nesta vida

211Então, respondeu Jó:

2Ouvi atentamente as minhas palavras;

seja isso a consolação que me quereis dar.

3Permiti-me que eu também fale;

e, havendo eu falado,

21.3
Jó 11.3
17.2
zombai.

4É, porventura, do homem

21.4
Jó 7.11
que eu me queixo?

21.4
Jó 6.11
Não tenho motivo de me impacientar?

5Olhai para mim, e pasmai,

21.5
Jó 13.5
29.9
40.4
Jz 18.19
e ponde a mão sobre a vossa boca.

6Mesmo de pensar nisso, me perturbo,

21.6
Sl 55.5
e o horror apodera-se da minha carne.

7Por que

21.7
Jó 9.24Sl 73.3
Jr 12.1
Hc 1.13
vivem os iníquos,

se envelhecem e

21.7
Jó 12.19
se robustecem em poder?

8

21.8
Sl 17.14
Seus filhos estabelecem-se com eles à sua vista,

e os seus descendentes, diante dos seus olhos.

9As suas casas

21.9
Jó 12.6
estão livres de medo,

e a vara de Deus não cai sobre eles.

10O seu touro gera e não falha;

pare a sua vaca e não aborta.

11Fazem sair a seus filhos como um rebanho,

e os seus pequenos saltam e brincam.

12Cantam ao som do tamboril e da harpa

e regozijam-se ao som da flauta.

13

21.13
Jó 21.23
36.11
Passam os seus dias em prosperidade

e, num momento, descem ao Sheol.

14Contudo, disseram a Deus:

21.14
Jó 22.17
Retira-te de nós,

pois não desejamos conhecer os teus caminhos.

15Que é o Todo-Poderoso, para que o sirvamos?

21.15
Jó 22.17
34.9
Que nos aproveitará, se lhe dirigirmos orações?

16Eis que não está nas mãos deles a sua prosperidade.

Longe de mim

21.16
Jó 22.18
o conselho dos iníquos!

17Quantas vezes sucede que se apaga

21.17
Jó 18.5-6
a lâmpada dos iníquos?

Que lhes sobrevém

21.17
Jó 31.2-3
a calamidade?

Que Deus, na sua ira, lhes distribui dores?

18Que eles são como a

21.18
Jó 13.25
Sl 83.13
palha diante do vento

e como a

21.18
Sl 1.4
35.5
Is 17.13
Os 13.3
pragana que a tempestade leva?

19

21.19
Êx 20.5
Jr 31.29
Ez 18.2
Deus, dizeis vós, reserva a iniquidade do pai para seus filhos,

mas é a ele mesmo que Deus deveria punir, para que o sinta.

20Vejam os

21.20
Nm 14.28-32
Jr 31.30
Ez 18.4
seus próprios olhos a sua destruição,

21.20
Sl 60.3
Is 51.17
Jr 25.15
Ap 14.10
e beba ele do furor do Todo-Poderoso.

21Pois que se lhe dá a ele da sua casa depois de morto,

quando lhe for cortado o número dos seus meses?

22Acaso, a Deus

21.22
Jó 35.11
36.22
Is 40.14
Rm 11.34
ensinará alguém ciência,

desde que é ele quem

21.22
Jó 4.18
15.15
Sl 82.1
julga os que são elevados?

23Um

21.23
Jó 21.13
20.11
morre em seu pleno vigor,

inteiramente sossegado e tranquilo;

24com os seus baldes cheios de leite

e a

21.24
Pv 3.8
medula dos seus ossos umedecida;

25outro, porém, morre em amargura de alma

e nunca prova o bem;

26

21.26
Jó 3.1320.11
Ec 9.2
dormem juntamente no pó,

cobrem-nos

21.26
Jó 24.20
Is 14.11
os vermes.

27Eis que conheço os vossos pensamentos

e os desígnios que injustamente imaginais contra mim.

28Pois dizeis: Onde está a casa

21.28
Jó 1.3
31.37
do príncipe?

Onde está a

21.28
Jó 8.2218.21
tenda em que moravam os iníquos?

29Porventura, não tendes interrogado aos viandantes?

E desconheceis os fatos da sua experiência:

30que

21.30
Jó 20.29Pv 16.4
2Pe 2.9
os homens maus são poupados no dia da calamidade,

que são protegidos no

21.30
Jó 21.17,20
40.11
dia do furor?

31Quem lhe lançará no rosto o seu caminho?

Quem lhe dará o pago do que fez?

32Contudo, ele é levado para a sepultura,

e vigiam-lhe o túmulo.

33

21.33
Jó 3.22
17.16
Os torrões do vale lhe são leves,

21.33
Jó 3.19
24.24
e todos os homens o imitarão,

como ele o fez aos inumeráveis predecessores.

34Como, pois, me

21.34
Jó 16.2
ofereceis consolações vãs,

visto que das vossas respostas só resta a falsidade?