Tradução Brasileira (2010) (TB)
28

O anúncio do castigo de Efraim e de Judá por causa da sua impenitência

281Ai da vaidosa coroa dos

28.1
Is 28.7
Os 7.5
bêbados de
28.1
Is 9.9
Efraim e da flor caduca do seu glorioso ornamento que está sobre a cabeça do vale fertilíssimo dos que são vencidos de vinho. 2Eis que o Senhor tem um
28.2
Is 8.7
40.10
valente e poderoso; como tempestade de
28.2
Is 28.17
30.30
32.19
Ez 13.11
saraiva,
28.2
Is 29.6
tormenta destruidora, como tempestade de
28.2
Is 8.6-7
30.28
Na 1.8
grandes águas que trasbordam, ele, com a mão, derrubará por terra. 3
28.3
Is 28.18
26.6
Aos pés será pisada a vaidosa coroa dos bêbados de Efraim; 4e a flor caduca do seu glorioso ornamento, que está sobre a cabeça do vale fertilíssimo, será como o
28.4
Os 9.10
Mq 7.1
Na 3.12
figo temporão que amadurece antes do verão, o qual, quando alguém o vir, pondo nele os olhos, o devora, mal tomando-o nas mãos. 5Naquele dia,
28.5
Is 41.16
45.25
60.1,19
Jeová dos Exércitos servirá de
28.5
Is 62.3
coroa de glória e de diadema de
28.5
Is 4.2
formosura para o restante do seu povo, 6
28.6
Is 11.2
32.15-16
1Rs 3.28
Jo 5.30
de espírito de juízo para quem está sentado para julgar e de
28.6
Is 25.4
2Cr 32.6-8
fortaleza para os que fazem voltar a batalha até a porta.

7Mas também estes

28.7
Is 5.11,22
22.13
56.12
Os 4.11
cambaleiam por causa do vinho e não podem ter-se em pé por causa da bebida forte;
28.7
Is 24.2
o sacerdote e
28.7
Is 9.15
o profeta cambaleiam por causa da bebida forte, são absorvidos pelo vinho, não podem ter-se em pé por causa da
28.7
Hc 2.15-16
bebida forte; cambaleiam
28.7
Is 29.11
na visão, tropeçam no
28.7
Is 59.11,14
juízo. 8Pois todas as mesas estão cheias de
28.8
Jr 48.26
vômito e sujidade, de modo que não há lugar que esteja limpo.

9

28.9
Is 28.26
2.3
30.20
48.17
50.4
54.13
A quem ensinará ele o conhecimento? A quem fará entender a mensagem? Aos
28.9
Sl 131.2
Hb 5.12-13
1Pe 2.2
desmamados e aos que foram arrancados dos peitos. 10Pois é
28.10
2Cr 36.15
Ne 9.30
preceito sobre preceito, preceito sobre preceito; regra sobre regra, regra sobre regra; um pouco aqui, um pouco ali.

11Na verdade, por

28.11
Is 33.19
1Co 14.21
lábios de gago e em língua estranha, falará ele a este povo, 12a quem disse: Este é
28.12
Is 11.10
30.15
32.17-18
Jr 6.16
Mt 11.28-29
o descanso, dai descanso ao cansado; e este é o refrigério; todavia, não quiseram ouvir. 13Portanto, a palavra de Jeová lhes será preceito sobre preceito, preceito sobre preceito; regra sobre regra, regra sobre regra; um pouco aqui, um pouco ali; para que vão, e
28.13
Is 8.15
Mt 21.44
caiam para trás, e fiquem quebrantados, enlaçados e presos.

Decreto de destruição contra Jerusalém

14Por isso,

28.14
Is 28.22
1.10
ouvi a palavra de Jeová, homens
28.14
Is 29.20
escarnecedores, que tendes o domínio sobre este povo que está em Jerusalém. 15Porquanto tendes dito: Temos feito uma
28.15
Is 28.18
aliança com a morte e com o Sheol, um pacto; quando passar
28.15
Is 28.2
8.8
30.28
Dn 11.22
o flagelo trasbordante, não chegará a nós; porque temos feito
28.15
Is 9.15
30.9
44.20
59.3-4
Ez 13.22
mentiras o nosso refúgio, e debaixo da falsidade nos
28.15
Is 29.15
temos escondido. 16Portanto, assim diz o Senhor Jeová:
28.16
Rm 9.33
10.11
1Pe 2.6
Eis que ponho em Sião como alicerce
28.16
Is 8.14-15
Sl 118.22
Mt 21.42
Mc 12.10
Lc 20.17
At 4.11
Ef 2.20
uma pedra, pedra provada, pedra preciosa do ângulo de firme fundamento; aquele que crer não se apressará. 17Farei juízo a regra,
28.17
Is 5.16
30.18
61.8
2Rs 21.13
Am 7.7-9
e justiça, o prumo.
28.17
Is 28.2
A saraiva varrerá o refúgio de mentiras, e as águas inundarão o esconderijo. 18A vossa
28.18
Is 28.15
aliança com a morte será
28.18
Is 7.7
8.10
anulada, e o vosso pacto com o Sheol não subsistirá; quando passar o
28.18
Is 28.15
flagelo trasbordante, sereis
28.18
Is 28.3
Dn 8.13
por ele pisados. 19
28.19
2Rs 24.2
Todas as vezes que passar, vos arrebatará; porque,
28.19
Is 50.4
de manhã em manhã, passará, de dia e de noite; e será simplesmente um
28.19
Jó 6.4
18.11
24.17
Sl 55.4
88.15
Jr 15.8
Lm 2.22
horror o entender a mensagem. 20Pois a cama é tão curta, que nela ninguém se pode estender, e a
28.20
Is 59.6
coberta, tão estreita, que com ela ninguém se pode cobrir. 21Porque Jeová se levantará como no monte de
28.21
2Sm 5.20
1Cr 14.11
Perazim, mostrar-se-á irado como no vale de
28.21
Js 10.10,12
2Sm 5.25
1Cr 14.16
Gibeão, para fazer a sua
28.21
Is 10.12
29.14
65.7
obra, a sua
28.21
Lm 2.15
3.33
Lc 19.41-44
obra estranha, e para executar a sua tarefa, a sua tarefa estranha. 22Agora, pois, não sejais
28.22
Is 28.14
escarnecedores, para que não se façam mais fortes os vossos grilhões, porque do Senhor Jeová dos Exércitos tenho ouvido falar em
28.22
Is 10.22-23
uma consumação, e esta já determinada, sobre toda a terra.

Uma parábola da lavoura

23Dai atenção e ouvi a minha voz; escutai e ouvi o meu discurso. 24Acaso, o lavrador está sempre lavrando, a fim de semear? Está ele sempre abrindo e esterroando a sua terra? 25Depois de lhe ter nivelado a superfície, não semeia a nigela, não espalha o

28.25
Mt 23.23
cominho, não lança
28.25
Êx 9.32
o trigo a eito, a cevada no lugar determinado e a espelta na margem? 26Pois o seu Deus o instrui devidamente e o ensina. 27Porquanto a nigela não se trilha
28.27
Am 1.3
com trilho, nem sobre o cominho passa a roda de carro; mas a nigela é debulhada com a vara, e o cominho, com um pau. 28Acaso, é esmiuçado o trigo? Não; o lavrador nem sempre o está debulhando, nem sempre está fazendo passar por cima dele a roda do seu carro e os seus cavalos; não o esmiúça. 29Também isso procede de Jeová dos Exércitos,
28.29
Is 9.6
que é maravilhoso em conselho e
28.29
Is 31.2
Rm 11.33
grande em sabedoria.