Tradução Brasileira (2010) (TB)
26

Cântico de confiança na proteção de Jeová

261

26.1
Is 4.2
12.1
Naquele dia, se cantará este cântico na terra de Judá: Temos uma
26.1
Is 14.31
31.5,9
33.5-6,20-24
cidade forte; Deus põe-lhe a
26.1
Is 60.18
salvação por muros e baluartes. 2Abri vós
26.2
Is 60.11,18
62.10
as portas, para que entre a
26.2
Is 45.25
54.14,17
58.8
60.21
61.3
62.1-2
nação justa que observa a verdade. 3Tu conservarás em
26.3
Is 26.12
27.5
57.19
66.12
perfeita paz aquele cujo propósito é firme, porque em ti confia. 4
26.4
Is 12.2
50.10
51.5
Confiai sempre em Jeová. Pois em Jeová há uma
26.4
Is 17.10
30.29
44.8
rocha sempiterna. 5Ele tem derrubado os que habitavam no alto, a saber,
26.5
Is 25.12
a cidade elevada;
26.5
Jó 40.11-13
abate-a, abate-a até a terra e a reduz até o pó. 6
26.6
Is 28.3
Pisá-la-á o pé: os pés dos pobres e os passos dos
26.6
Is 3.14-15
11.4
29.19
necessitados. 7
26.7
Is 57.2
A vereda do justo é plana;
26.7
Is 42.16
52.12
Sl 25.4-5
27.11
nivelas, fazendo-a plana, a vereda do justo.

8Também por ti, Jeová, temos esperado no caminho

26.8
Is 51.4
56.1
dos teus juízos;
26.8
Is 26.13
12.4
24.15
25.1
o teu nome e
26.8
Êx 3.15
o teu memorial são a saudade da nossa alma. 9Com a minha alma tenho tido
26.9
Is 50.10
Sl 63.5-6
77.2
119.62
Lc 6.12
de noite saudades de ti, sim, com o meu espírito dentro de mim
26.9
Is 55.6
Sl 63.1
78.34
Mt 6.33
te buscarei diligentemente; porque, quando os teus juízos ferirem a terra, os habitantes do mundo
26.9
Os 5.15
aprenderão a justiça. 10Ainda que se mostre ao perverso, ele, contudo,
26.10
Is 22.12-13
32.6-7
não aprenderá a justiça; na terra da retidão,
26.10
Os 11.7
Jo 5.37-38
cometerá iniquidade e não verá a majestade de Jeová.

11A tua mão, Jeová, está levantada;

26.11
Is 5.12
44.9,18
contudo, eles não veem; porém verão o
26.11
Is 9.7
37.32
59.17
teu zelo pelo povo e se envergonharão;
26.11
Is 5.24
9.18-19
10.17
66.15,24
o fogo devorará os teus adversários. 12Jeová, tu hás de estabelecer
26.12
Is 26.3
para nós a paz; porque tu és o que
26.12
Is 19.25
29.23
45.11
60.21
64.8
fizeste para nós todas as nossas obras. 13Ó Jeová, Deus nosso,
26.13
Is 2.8
10.11
outros senhores além de ti têm tido o domínio sobre nós; porém por teu intermédio somente
26.13
Is 63.7
celebraremos o teu nome. 14
26.14
Is 8.19
Dt 4.28
Sl 135.17
Hc 2.19
Os mortos não tornarão a viver; as sombras não ressuscitarão, porque os
26.14
Is 10.3
visitaste, destruíste e fizeste perecer toda a memória deles. 15
26.15
Is 9.3
Tens aumentado a nação, Jeová, tens aumentado a nação, tens obtido para ti a glória; tens
26.15
Is 33.17
54.2-3
estendido todos os confins da terra.

16

26.16
Is 37.3
Os 5.15
Na angústia, eles te buscaram, Jeová; derramaram orações, quando lhes sobreveio a tua correção. 17
26.17
Is 13.8
21.3
Jo 16.21
Assim como a mulher grávida a quem se aproxima o tempo de dar à luz, tem dores e dá gritos nas suas dores, assim nos temos tornado diante de ti, Jeová. 18Nós concebemos, estivemos com dores de parto, foi como se tivéssemos
26.18
Is 33.11
59.4
dado à luz o vento; não produzimos na terra livramento algum, nem nasceram os moradores do mundo. 19
26.19
Is 25.8
Ez 37.1-14
Dn 12.2
Os 13.14
Os teus mortos viverão; os meus cadáveres ressuscitarão.
26.19
Ef 5.14
Despertai e cantai, vós os que habitais no pó; porque o teu orvalho é como o orvalho das ervas, e a terra lançará de si os mortos.

20Vem, povo meu,

26.20
Êx 12.22-23
Sl 91.1,4
entra nas tuas câmaras e fecha as tuas portas sobre ti; esconde-te por
26.20
Is 54.7-8
Sl 30.5
2Co 4.17
um pouco, até
26.20
Is 10.5,25
13.5
34.2
66.14
que passe a indignação. 21Pois eis que Jeová
26.21
Mq 1.3
Jd 14
sai do seu lugar
26.21
Is 13.11
22.14
30.13-14
65.7
para castigar os habitantes da terra por causa da sua iniquidade. Também a terra
26.21
Jó 16.18
Lc 11.50
descobrirá o seu sangue e não cobrirá mais os seus mortos.

27

271Naquele dia, Jeová castigará com a

27.1
Is 34.5-6
65.12
66.16
sua espada dura, grande e forte, a
27.1
Jó 3.8
41.1
Sl 74.14
104.26
Leviatã, aquela serpente veloz, a Leviatã, aquela serpente cheia de roscas; ele matará ao
27.1
Is 51.9
dragão que está no mar.

A vinha de Jeová

2Naquele dia, haverá

27.2
Is 5.7
Sl 80.8
Jr 2.21
uma vinha deliciosa; cantai dela. 3Eu, Jeová, a guardo; cada momento
27.3
Is 58.11
a regarei, para que ninguém lhe faça dano,
27.3
Is 31.5
1Sm 2.9
Jo 10.28
de noite e de dia, a guardarei. 4Não há furor em mim. Oxalá que fossem ordenados diante de mim em guerra
27.4
Is 10.17
2Sm 23.6
os espinhos e abrolhos! Contra eles marcharia e
27.4
Is 33.12
Mt 3.12
Hb 6.8
juntamente os queimaria. 5Se assim não for, apodere-se
27.5
Is 12.2
17.10
25.4
da minha defesa, faça paz comigo, sim,
27.5
Is 26.3,12
Jó 22.21
Rm 5.1
2Co 5.20
faça paz comigo. 6Nos dias vindouros,
27.6
Is 37.31
Jacó lançará raízes; Israel
27.6
Is 35.1-2
Os 14.5-6
florescerá e brotará; encherão
27.6
Is 4.2
de fruto a face do mundo.

7Porventura, feriu-o Jeová

27.7
Is 10.12,17
30.31-33
31.8-9
37.36-38
como feriu aos que o feriram? Ou foi ele morto como foram mortos os que o mataram? 8Quando
27.8
Is 50.1
54.7
o despediste, castigaste-o com medida; ele removeu-o com o seu assopro impetuoso no dia do
27.8
Jr 4.11
Ez 19.12
Os 13.15
vento oriental. 9Portanto, do seguinte modo será
27.9
Is 1.25
48.10
Dn 11.35
expiada a iniquidade de Jacó, e este será todo o fruto
27.9
Rm 11.27
de remoção do seu pecado: ele quebrará todas as pedras do
27.9
Is 17.8
Êx 34.13
Dt 12.3
2Rs 10.26
altar como pedras de cal que são feitas em pedaços, de modo que os Aserins e as imagens do sol não sejam mais levantadas. 10Pois a cidade fortificada se tornou
27.10
Is 5.6,10,17
32.13-14
Jr 26.6,18
Lm 1.4
5.18
solitária, morada desamparada e abandonada como o deserto; ali, pastará o bezerro; ali, se deitará e consumirá os seus ramos. 11Quando as suas
27.11
Is 18.5
33.12
varas se secarem, serão quebradas; virão as mulheres e lhes atearão fogo. É um povo que
27.11
Is 1.3
5.13
Dt 32.28
Jr 8.7
não tem entendimento; portanto,
27.11
Is 9.17
não se compadecerá dele o que
27.11
Is 43.1,7
44.2,21,24
Dt 32.18
o fez, e não lhe mostrará favor aquele que o formou.

12Naquele dia,

27.12
Is 11.11
17.6
24.13
56.8
varejará Jeová desde a inundação do
27.12
Gn 15.18
rio até o ribeiro do Egito, e vós, filhos de Israel, sereis
27.12
Dt 30.3-4
Ne 1.9
colhidos um a um.

13naquele dia, se tocará uma grande

27.13
Lv 25.9
1Cr 15.24
Mt 24.31
Ap 11.15
trombeta. Virão os que estavam para perecer na terra da
27.13
Is 19.24-25
Assíria e os que estavam desterrados na terra do Egito,
27.13
Is 19.21,23
49.7
66.23
Zc 14.16
Hb 12.22
e adorarão a Jeová no monte santo, em Jerusalém.

28

O anúncio do castigo de Efraim e de Judá por causa da sua impenitência

281Ai da vaidosa coroa dos

28.1
Is 28.7
Os 7.5
bêbados de
28.1
Is 9.9
Efraim e da flor caduca do seu glorioso ornamento que está sobre a cabeça do vale fertilíssimo dos que são vencidos de vinho. 2Eis que o Senhor tem um
28.2
Is 8.7
40.10
valente e poderoso; como tempestade de
28.2
Is 28.17
30.30
32.19
Ez 13.11
saraiva,
28.2
Is 29.6
tormenta destruidora, como tempestade de
28.2
Is 8.6-7
30.28
Na 1.8
grandes águas que trasbordam, ele, com a mão, derrubará por terra. 3
28.3
Is 28.18
26.6
Aos pés será pisada a vaidosa coroa dos bêbados de Efraim; 4e a flor caduca do seu glorioso ornamento, que está sobre a cabeça do vale fertilíssimo, será como o
28.4
Os 9.10
Mq 7.1
Na 3.12
figo temporão que amadurece antes do verão, o qual, quando alguém o vir, pondo nele os olhos, o devora, mal tomando-o nas mãos. 5Naquele dia,
28.5
Is 41.16
45.25
60.1,19
Jeová dos Exércitos servirá de
28.5
Is 62.3
coroa de glória e de diadema de
28.5
Is 4.2
formosura para o restante do seu povo, 6
28.6
Is 11.2
32.15-16
1Rs 3.28
Jo 5.30
de espírito de juízo para quem está sentado para julgar e de
28.6
Is 25.4
2Cr 32.6-8
fortaleza para os que fazem voltar a batalha até a porta.

7Mas também estes

28.7
Is 5.11,22
22.13
56.12
Os 4.11
cambaleiam por causa do vinho e não podem ter-se em pé por causa da bebida forte;
28.7
Is 24.2
o sacerdote e
28.7
Is 9.15
o profeta cambaleiam por causa da bebida forte, são absorvidos pelo vinho, não podem ter-se em pé por causa da
28.7
Hc 2.15-16
bebida forte; cambaleiam
28.7
Is 29.11
na visão, tropeçam no
28.7
Is 59.11,14
juízo. 8Pois todas as mesas estão cheias de
28.8
Jr 48.26
vômito e sujidade, de modo que não há lugar que esteja limpo.

9

28.9
Is 28.26
2.3
30.20
48.17
50.4
54.13
A quem ensinará ele o conhecimento? A quem fará entender a mensagem? Aos
28.9
Sl 131.2
Hb 5.12-13
1Pe 2.2
desmamados e aos que foram arrancados dos peitos. 10Pois é
28.10
2Cr 36.15
Ne 9.30
preceito sobre preceito, preceito sobre preceito; regra sobre regra, regra sobre regra; um pouco aqui, um pouco ali.

11Na verdade, por

28.11
Is 33.19
1Co 14.21
lábios de gago e em língua estranha, falará ele a este povo, 12a quem disse: Este é
28.12
Is 11.10
30.15
32.17-18
Jr 6.16
Mt 11.28-29
o descanso, dai descanso ao cansado; e este é o refrigério; todavia, não quiseram ouvir. 13Portanto, a palavra de Jeová lhes será preceito sobre preceito, preceito sobre preceito; regra sobre regra, regra sobre regra; um pouco aqui, um pouco ali; para que vão, e
28.13
Is 8.15
Mt 21.44
caiam para trás, e fiquem quebrantados, enlaçados e presos.

Decreto de destruição contra Jerusalém

14Por isso,

28.14
Is 28.22
1.10
ouvi a palavra de Jeová, homens
28.14
Is 29.20
escarnecedores, que tendes o domínio sobre este povo que está em Jerusalém. 15Porquanto tendes dito: Temos feito uma
28.15
Is 28.18
aliança com a morte e com o Sheol, um pacto; quando passar
28.15
Is 28.2
8.8
30.28
Dn 11.22
o flagelo trasbordante, não chegará a nós; porque temos feito
28.15
Is 9.15
30.9
44.20
59.3-4
Ez 13.22
mentiras o nosso refúgio, e debaixo da falsidade nos
28.15
Is 29.15
temos escondido. 16Portanto, assim diz o Senhor Jeová:
28.16
Rm 9.33
10.11
1Pe 2.6
Eis que ponho em Sião como alicerce
28.16
Is 8.14-15
Sl 118.22
Mt 21.42
Mc 12.10
Lc 20.17
At 4.11
Ef 2.20
uma pedra, pedra provada, pedra preciosa do ângulo de firme fundamento; aquele que crer não se apressará. 17Farei juízo a regra,
28.17
Is 5.16
30.18
61.8
2Rs 21.13
Am 7.7-9
e justiça, o prumo.
28.17
Is 28.2
A saraiva varrerá o refúgio de mentiras, e as águas inundarão o esconderijo. 18A vossa
28.18
Is 28.15
aliança com a morte será
28.18
Is 7.7
8.10
anulada, e o vosso pacto com o Sheol não subsistirá; quando passar o
28.18
Is 28.15
flagelo trasbordante, sereis
28.18
Is 28.3
Dn 8.13
por ele pisados. 19
28.19
2Rs 24.2
Todas as vezes que passar, vos arrebatará; porque,
28.19
Is 50.4
de manhã em manhã, passará, de dia e de noite; e será simplesmente um
28.19
Jó 6.4
18.11
24.17
Sl 55.4
88.15
Jr 15.8
Lm 2.22
horror o entender a mensagem. 20Pois a cama é tão curta, que nela ninguém se pode estender, e a
28.20
Is 59.6
coberta, tão estreita, que com ela ninguém se pode cobrir. 21Porque Jeová se levantará como no monte de
28.21
2Sm 5.20
1Cr 14.11
Perazim, mostrar-se-á irado como no vale de
28.21
Js 10.10,12
2Sm 5.25
1Cr 14.16
Gibeão, para fazer a sua
28.21
Is 10.12
29.14
65.7
obra, a sua
28.21
Lm 2.15
3.33
Lc 19.41-44
obra estranha, e para executar a sua tarefa, a sua tarefa estranha. 22Agora, pois, não sejais
28.22
Is 28.14
escarnecedores, para que não se façam mais fortes os vossos grilhões, porque do Senhor Jeová dos Exércitos tenho ouvido falar em
28.22
Is 10.22-23
uma consumação, e esta já determinada, sobre toda a terra.

Uma parábola da lavoura

23Dai atenção e ouvi a minha voz; escutai e ouvi o meu discurso. 24Acaso, o lavrador está sempre lavrando, a fim de semear? Está ele sempre abrindo e esterroando a sua terra? 25Depois de lhe ter nivelado a superfície, não semeia a nigela, não espalha o

28.25
Mt 23.23
cominho, não lança
28.25
Êx 9.32
o trigo a eito, a cevada no lugar determinado e a espelta na margem? 26Pois o seu Deus o instrui devidamente e o ensina. 27Porquanto a nigela não se trilha
28.27
Am 1.3
com trilho, nem sobre o cominho passa a roda de carro; mas a nigela é debulhada com a vara, e o cominho, com um pau. 28Acaso, é esmiuçado o trigo? Não; o lavrador nem sempre o está debulhando, nem sempre está fazendo passar por cima dele a roda do seu carro e os seus cavalos; não o esmiúça. 29Também isso procede de Jeová dos Exércitos,
28.29
Is 9.6
que é maravilhoso em conselho e
28.29
Is 31.2
Rm 11.33
grande em sabedoria.