Tradução Brasileira (2010) (TB)
17

Oráculo concernente a Damasco e Efraim

171

17.1
Is 13.1
A sentença acerca de
17.1
Gn 14.15
15.2
2Rs 16.9
Jr 49.23
Am 1.3-5
Zc 9.1
At 9.2
Damasco.

Eis que Damasco está

17.1
Is 7.16
8.4
10.9
removida para não mais ser cidade e se tornará um
17.1
Is 25.2
Jr 49.2
Mq 1.6
montão de ruínas. 2Abandonadas são as cidades de
17.2
Nm 32.34
Aroer; hão de ser para os
17.2
Is 7.21-22
Ez 25.5
Sf 2.6
rebanhos, que aí se deitarão,
17.2
Mq 4.4
e não haverá quem os espante. 3Também de Efraim
17.3
Is 7.8,16
8.4
a fortaleza cessará, e de Damasco, o reino; e os restantes da Síria serão
17.3
Is 17.4
Os 9.11
como a glória dos filhos de Israel, diz Jeová dos Exércitos.

4Naquele dia, será atenuada a

17.4
Is 10.3
glória de Jacó, e
17.4
Is 10.16
a gordura da sua carne emagrecerá. 5Será como
17.5
Is 17.11
Jr 51.33
Jl 3.13
Mt 13.30
quando o ceifador ajunta a cana do trigo e o seu braço colhe as espigas; sim, como quando alguém colhe espigas
17.5
2Sm 5.18,22
no vale de Refaim. 6Todavia, ficarão nele
17.6
Is 24.13
27.12
Dt 4.27
Ob 5
uns rabiscos, como no varejar de uma oliveira; duas ou três azeitonas na ponta do ramo mais alto, quatro ou cinco nos ramos da árvore frutífera, diz Jeová, Deus de Israel. 7Naquele dia,
17.7
Is 10.20
Os 3.5
6.1
Mq 7.7
olhará o homem para o seu Criador, e os seus olhos atentarão para o Santo de Israel. 8Não olhará para
17.8
Is 27.9
2Cr 34.7
os altares, obra das suas mãos, nem atentará para o que
17.8
Is 2.8,20
30.22
31.7
os seus dedos fizeram, para os
17.8
Êx 34.13
Dt 7.5
Mq 5.14
Aserins e para as imagens do sol. 9Naquele dia, as suas cidades fortificadas serão como
17.9
Is 7.25
os lugares abandonados nos bosques e no cume dos montes, abandonados à vista dos filhos de Israel; haverá uma desolação. 10Porque
17.10
Is 51.13
te esqueceste do
17.10
Is 12.2
33.2
61.10
62.11
Sl 68.19
Deus da tua salvação e não te lembraste da
17.10
Is 26.4
30.29
44.8
Dt 32.4,18,31
Rocha da tua fortaleza; por isso, fazes plantações deleitosas e pões nela sarmentos de uma vide estranha. 11No dia em que a plantares,
17.11
Mt 21.23
fazes uma sebe ao redor e,
17.11
Sl 90.6
pela manhã, fazes que a tua semente floresça;
17.11
Jó 4.8
Os 8.7
10.13
desvanece, porém, a ceifa no dia da enfermidade e das dores mortais.

Prediz-se a ruína do exército dos assírios

12Ai do bramido de muitos povos,

17.12
Is 5.30
8.9-10
13.4
Jr 6.23
Ez 43.2
Lc 21.25
que bramem como o bramido dos mares, e do rugido das nações que rugem como o
17.12
Sl 18.4
rugido de grandes águas! 13
17.13
Is 33.3
As nações rugirão como o rugido de grandes águas. Mas Deus as
17.13
Is 41.11
Sl 9.5
repreenderá, de maneira que
17.13
Is 13.14
fugirão para longe e serão afugentadas
17.13
Is 29.5
41.15-16
Jó 21.18
Sl 1.4
83.13
como a palha dos montes diante do vento e como o que é levado num redemoinho diante da tempestade. 14No tempo da tarde, eis o terror; e, antes de amanhecer o dia, já
17.14
Is 41.12
2Rs 19.35
não existe. Este é
17.14
Is 3.14-15
16.4
49.26
Jz 5.31
Jó 20.29
o quinhão daqueles que nos despojam e a sorte dos que nos saqueiam.