Tradução Brasileira (2010) (TB)
11

A torre de Babel

111Ora, toda a terra tinha uma só linguagem e um só modo de falar. 2Viajando os homens para o Oriente, acharam uma planície na terra de Sinear; e ali habitaram. 3Disseram uns aos outros: Vinde, façamos tijolos e queimemo-los bem. Os tijolos lhes serviram de pedras, e o betume, de cal. 4E disseram: Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo cume chegue até o céu e façamo-nos um nome; para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra. 5Porém, desceu Jeová para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam. 6Disse Jeová: Eis que o povo é um só, e todos eles têm uma só linguagem. Isso é o que começam a fazer: agora, nada lhes será vedado de quanto intentam fazer. 7Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem, para que não entendam a linguagem um do outro. 8Assim Jeová os espalhou dali sobre a face de toda a terra; e cessaram de edificar a cidade. 9Por isso, se chamou o seu nome Babel, porquanto ali confundiu Jeová a linguagem de toda a terra; e dali os espalhou sobre a face de toda a terra.

Descendentes de Sem

10Estas são as gerações de Sem. Tinha ele cem anos de idade, quando gerou a Arfaxade dois anos depois do dilúvio. 11Viveu Sem, depois que gerou a Arfaxade, quinhentos anos; e gerou filhos e filhas.

12Arfaxade viveu trinta e cinco anos e gerou a Salá. 13Viveu Arfaxade, depois que gerou a Salá, quatrocentos e três anos; e gerou filhos e filhas.

14Salá viveu trinta anos e gerou a Éber. 15Viveu Salá, depois que gerou a Éber, quatrocentos e três anos; e gerou filhos e filhas.

16Éber viveu trinta e quatro anos e gerou a Pelegue. 17Viveu Éber, depois que gerou a Pelegue, quatrocentos e trinta anos; e gerou filhos e filhas.

18Pelegue viveu trinta anos e gerou a Reú. 19Viveu Pelegue, depois que gerou a Reú, duzentos e nove anos; e gerou filhos e filhas.

20Reú viveu trinta e dois anos e gerou a Serugue. 21Viveu Reú, depois que gerou a Serugue, duzentos e sete anos; e gerou filhos e filhas.

22Serugue viveu trinta anos e gerou a Naor. 23Viveu Serugue, depois que gerou a Naor, duzentos anos; e gerou filhos e filhas.

24Naor viveu vinte e nove anos e gerou a Tera. 25Viveu Naor, depois que gerou a Tera, cento e dezenove anos; e gerou filhos e filhas.

26Tera viveu setenta anos e gerou a Abrão, a Naor e a Harã.

Descendentes de Tera

27Estas são as gerações de Tera: Tera gerou a Abrão, a Naor e a Harã; e Harã gerou a Ló. 28Harã morreu antes de seu pai Tera, na terra do seu nascimento, em Ur dos caldeus. 29Abrão e Naor tomaram para si mulheres: o nome da mulher de Abrão era Sarai; e o nome da mulher de Naor era Milca, filha de Harã, que foi pai de Milca e pai de Iscá. 30Sarai era estéril; ela não tinha filhos. 31Tomou Tera a Abrão, seu filho, e a Ló, filho de Harã, filho de seu filho, e a Sarai, sua nora, mulher de seu filho Abrão, e saiu com eles de Ur dos caldeus para ir à terra de Canaã; vieram a Harã e ali habitaram. 32Foram os dias de Tera duzentos e cinco anos; e morreu Tera em Harã.

12

Abrão, chamado de Deus, vai a Canaã

121Ora, disse Jeová a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai para a terra que te mostrarei; 2farei de ti uma grande nação, e te abençoarei, e engrandecerei o teu nome. Sê tu uma bênção. 3Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei aquele que te amaldiçoar; por meio de ti, serão benditas todas as famílias da terra. 4Partiu, pois, Abrão, como Jeová lhe ordenara, e foi com ele Ló; tinha Abrão setenta e cinco anos quando saiu de Harã. 5Abrão levou consigo a Sarai, sua mulher, e a Ló, filho de seu irmão, e todos os bens que tinham adquirido, e as almas que lhes acresceram em Harã; saíram para ir à terra de Canaã; e lá chegaram. 6Atravessou Abrão a terra até o lugar de Siquém, até o terebinto de Moré. Nesse tempo, estavam os cananeus na terra. 7Apareceu Jeová a Abrão e disse: À tua semente darei esta terra. Ali, edificou Abrão um altar a Jeová, que lhe aparecera. 8Passando dali para o monte ao oriente de Betel, levantou a sua tenda, ficando-lhe Betel ao ocidente, e Ai, ao oriente; ali, edificou um altar a Jeová e invocou o nome de Jeová. 9Continuou Abrão o seu caminho, indo sempre para o Neguebe.

Abrão desce ao Egito

10Havia fome naquela terra; Abrão, pois, desceu ao Egito para peregrinar ali, porquanto era grande a fome na terra. 11Quando ele estava quase a entrar no Egito, disse a Sarai, sua mulher: Ora, bem sei que és mulher formosa à vista. 12Acontecerá que, quando os egípcios te virem, hão de dizer: Esta é a mulher dele, e me matarão a mim, mas a ti te guardarão em vida. 13Dize, pois, que és minha irmã; para que me vá bem por tua causa, e para que viva a minha alma em atenção a ti. 14Tendo Abrão entrado no Egito, viram os egípcios que a mulher era em extremo formosa. 15Os príncipes de Faraó viram-na e gabaram-na diante de Faraó; e foi levada a mulher para a casa de Faraó. 16Ele tratou bem a Abrão por amor dela; e este veio a ter ovelhas, bois, jumentos, servos, servas, jumentas e camelos. 17Mas feriu Jeová a Faraó e a sua casa com grandes pragas por causa de Sarai, mulher de Abrão. 18Então, chamou Faraó a Abrão e disse: Que é isso que me fizeste? Por que não me disseste que ela era tua mulher? 19Por que disseste: É minha irmã? Assim a tomei para ser minha mulher. Agora, pois, eis tua mulher; toma-a e vai-te. 20Faraó deu ordens à sua gente a respeito dele, e o conduziram pelo caminho, a ele, sua mulher e tudo o que tinha.

13

Abrão volta do Egito e separa-se de Ló

131Saiu do Egito Abrão com sua mulher e com tudo o que tinha, e Ló, com ele, para o Neguebe. 2Abrão era muito rico em gado, em prata e em ouro. 3Fez as suas jornadas do Neguebe até Betel, até o lugar onde primeiro estivera a sua tenda, entre Betel e Ai, 4até o lugar do altar, que dantes ali havia feito; ali, invocou Abrão o nome de Jeová. 5Ló também, que ia com Abrão, tinha rebanhos, gado e tendas. 6A terra não podia sustentá-los, de maneira que habitassem juntos, porque eram muitos os seus bens; de modo que não podiam habitar juntos. 7Houve contenda entre os pastores do gado de Abrão e os pastores do gado de Ló; naquele tempo, habitavam os cananeus e os ferezeus na terra. 8Disse Abrão a Ló: Não haja contenda entre mim e ti, e entre os meus pastores e os teus, porque somos irmãos. 9Porventura, não está toda a terra diante de ti? Rogo-te que te apartes de mim: se tu fores para a esquerda, eu irei para a direita; porém, se tu fores para a direita, eu irei para a esquerda. 10Ló levantou os olhos e viu toda a planície do Jordão, e que era toda bem regada (antes de haver Jeová destruído Sodoma e Gomorra), como o jardim de Jeová, como a terra do Egito, até chegar a Zoar. 11Assim Ló escolheu para si toda a planície do Jordão e partiu para o oriente; apartaram-se um do outro. 12Habitou Abrão na terra de Canaã, e Ló, nas cidades da planície e foi armando a sua tenda até chegar a Sodoma. 13Ora, os homens de Sodoma eram maus e grandes pecadores contra Jeová.

Jeová promete-lhe a terra de Canaã

14Disse Jeová a Abrão, depois que Ló se separou dele: Levanta, agora, os olhos, e desde o lugar onde estás olha para o norte, para o sul, para o oriente e para o ocidente; 15porque toda essa terra que vês te hei de dar a ti e à tua semente, para sempre. 16Farei a tua semente como o pó da terra; de maneira que se alguém poder contar o pó da terra, então, também poderá ser contada a tua semente. 17Levanta-te, percorre essa terra no seu comprimento e na sua largura: porque a hei de dar a ti. 18Abrão mudou a sua tenda e foi habitar perto dos terebintos de Manre, que está em Hebrom, e ali edificou um altar a Jeová.