Tradução Brasileira (2010) (TB)
4

Os males e as tribulações da vida

41Vi ainda todas as

4.1
Ec 3.16
5.8
Jó 35.9
Sl 12.5
Is 5.7
opressões que se praticam debaixo do sol; eis as lágrimas dos oprimidos! E
4.1
Lm 1.9
não tinham consolador. Do lado dos seus opressores havia poder, mas eles não tinham consolador. 2Pelo que
4.2
Ec 2.17
Jó 3.11-26
louvei os mortos que já morreram mais do que os vivos que ainda vivem. 3Reputei
4.3
Ec 6.3
mais venturoso do que uns e outros ao que ainda não nasceu, nem tem visto as más obras que se fazem debaixo do sol.

4Então, eu vi que todo trabalho e toda

4.4
Ec 2.21
destreza em obras não é senão a inveja que o homem tem do seu próximo. Também isso é
4.4
Ec 1.14
vaidade e desejo vão. 5O tolo
4.5
Pv 6.10
24.33
cruza as suas mãos e
4.5
Is 9.20
come a sua própria carne. 6
4.6
Pv 15.16-17
16.8
Melhor é um punhado com tranquilidade do que ambas as mãos cheias com trabalho e vãos desejos.

7Então, vi uma outra vaidade debaixo do sol: 8há um que se acha só e sem parente, não tem filho nem irmão; contudo, todo o seu trabalho tem fim, nem

4.8
Ec 1.8
5.10
Pv 27.20
os seus olhos se fartam de riquezas.
4.8
Ec 2.21
Para quem, pois, diz ele, trabalho eu e privo do bem a minha alma? Isso também é vaidade, é
4.8
Ec 1.13
trabalho duro. 9Melhor são dois do que um, porque têm boa recompensa pelo seu trabalho. 10Pois, se caírem, um levantará o seu companheiro; mas ai daquele que está só quando cair e não tiver quem o levante. 11Também se dois dormirem juntos, então, se aquentam um ao outro; mas um só
4.11
1Rs 1.1
como se pode aquentar? 12Se alguém for mais forte do que um só, dois lhe resistirão; e a corda de três dobras não se quebra facilmente.

13Melhor é um mancebo

4.13
Ec 7.19
9.15
pobre e sábio do que um rei velho e insensato, que não sabe mais receber admoestações. 14Pois aquele
4.14
Gn 41.14
41.43
saiu do cárcere para ser rei; este, até no seu reino, se tornou pobre. 15Vi todos os viventes que andam debaixo do sol rodear o mancebo que havia de reinar em lugar do rei. 16Todo o povo, à testa do qual se achava, era inumerável; contudo, os que lhe sucederem não se regozijarão a respeito dele. Na verdade, também isso é
4.16
Ec 1.14
vaidade e desejo vão.

5

Vários conselhos práticos

51

5.1
Êx 3.5
30.18-20
Is 1.12
Guarda o teu pé quando fores à Casa de Deus. Chegar-se para ouvir é melhor do que oferecer
5.1
1Sm 15.22
Pv 15.8
21.27
sacrifícios de tolos, porque não sabem que fazem mal. 2Não abras a boca
5.2
Pv 20.25
precipitadamente, e não se apresse o teu coração a proferir palavra alguma diante de Deus, porque Deus está no céu, e tu, sobre a terra. Portanto, sejam
5.2
Pv 10.19
Mt 6.7
poucas as tuas palavras. 3Pois da muita ocupação em negócios nascem os sonhos, e, da multidão de palavras,
5.3
Ec 10.14
Jó 11.2
a voz do tolo. 4Quando fizeres um
5.4
Nm 30.2
Sl 50.14
76.11
voto a Deus, não tardes em o cumprir, porque não se agrada de tolos.
5.4
Sl 66.13-14
Cumpre o voto que fazes. 5
5.5
Pv 20.25
At 5.4
Melhor é não fazeres voto do que fazê-lo sem o cumprir. 6Não consintas que a tua boca faça pecar a tua carne, nem digas na presença do anjo que foi um
5.6
Lv 4.2,22
Nm 15.25
erro; por que se iraria Deus contra a tua voz e destruiria a obra das tuas mãos? 7Pois este é o resultado da multidão de sonhos, vaidades e muitas palavras; tu, porém,
5.7
Ec 3.14
7.18
8.12-13
12.13
teme a Deus.

8Se vires a

5.8
Ec 4.1
opressão do pobre e a
5.8
Ez 18.18
perversão violenta do direito e da justiça numa província,
5.8
1Pe 4.12
não te maravilhes do caso. Pois
5.8
Êx 2.25
Sl 12.5
quem está altamente colocado tem superior que o vigia, e sobre ambos ainda há quem é mais elevado. 9Mas, no entretanto, o proveito da terra é para todos; o próprio rei serve-se do campo.

10

5.10
Ec 2.10-11
Quem ama a prata não será saciado pela prata; nem o que ama a riqueza, pelo ganho; também isso é vaidade. 11
5.11
Ec 2.9
Quando se multiplicam o bens, multiplicam-se os que comem; e que vantagem tem o possuidor, senão a de vê-los com os seus olhos? 12Doce é o sono do trabalhador, quer coma ele pouco quer muito; mas a saciedade do rico não o deixará dormir
5.12
Pv 3.24
.

13Há um grave mal que tenho visto debaixo do sol:

5.13
Ec 6.2
as riquezas que o seu dono guarda para o próprio dano. 14Essas riquezas perecem numa empresa desastrosa, e, ao filho que gerou, nada lhe fica na mão. 15
5.15
Jó 1.21
Como nu saiu do ventre de sua mãe, assim nu há de voltar como veio e
5.15
Sl 49.17
1Tm 6.7
do seu trabalho não receberá coisa alguma que possa levar na mão. 16Isso é um grave mal; justamente como veio, assim há de ir;
5.16
Ec 1.3
2.11
3.9
e que proveito lhe advém de
5.16
Pv 11.29
trabalhar para o vento? 17Em todos os seus dias, ele come às escuras, e é
5.17
Ec 2.23
muito vexado, e tem enfermidades e indignação.

18Eis o que vi:

5.18
Ec 2.24
boa e bela coisa é comer alguém, e beber, e gozar o bem de todo o trabalho com que se afadiga debaixo do sol, por todos os dias da vida que Deus lhe deu. Pois esta é a sua
5.18
Ec 2.10
porção. 19Quanto a todo homem a quem
5.19
Ec 6.2
2Cr 1.12
Deus deu riquezas e fazendas e lhe concedeu o
5.19
Ec 6.2
poder de comer delas, de receber a sua porção e de se regozijar no seu trabalho, isso é para tal
5.19
Ec 3.13
o dom de Deus. 20Pois não pensará muito nos dias da sua vida, porque Deus lhe enche de alegria o coração.

6

É lícito gozar os bens que Deus deu, mas estes não podem satisfazer a alma

61

6.1
Ec 5.13
um mal que vi debaixo do sol e que pesa sobre os homens. 2É o homem a quem Deus
6.2
1Rs 3.13
dá riquezas, fazenda e honra, de maneira que
6.2
Sl 17.14
73.7
nada falta à sua alma de tudo quanto ele deseja, sem, todavia, lhe conceder o poder de comer disso, mas um estrangeiro a come; isso é vaidade e grande mal. 3Se alguém gerar cem filhos e viver muitos anos, de modo que sejam muitos os dias da sua vida, porém a sua alma não se fartar do bem, e além disso não
6.3
Is 14.20
Jr 8.2
22.19
tiver sepultura; digo que é melhor do que ele
6.3
Ec 4.3
Jó 3.16
um aborto, 4pois vem debalde e volta para as trevas, e de trevas se encobre o seu nome; 5Demais, não viu o sol, e nada conheceu. Este tem mais descanso do que o outro, 6ainda quando tivesse vivido duas vezes mil anos e não tivesse gozado o bem. Porventura
6.6
Ec 2.14
não vão todos para um mesmo lugar?

7

6.7
Pv 16.26
Todo trabalho do homem é para a sua boca, e, contudo, não se satisfaz o seu apetite. 8Pois
6.8
Ec 2.15
que vantagem tem o sábio sobre o tolo? Ou que tem o pobre que sabe andar perante os vivos? 9Melhor é o
6.9
Ec 11.9
que os olhos veem do que o vaguear da cobiça; também isso é
6.9
Ec 1.14
vaidade e desejo vão.

10

6.10
Ec 1.9
3.15
Seja quem for, foi chamado há muito pelo seu nome, e sabe-se que é homem e
6.10
Pv 21.30
Jó 9.32
40.2
Is 45.9
que não pode contender com quem é mais poderoso do que ele. 11Visto que há muitas coisas que aumentam a vaidade, que vantagem tira delas o homem? 12Pois quem sabe que é bom para o homem na sua vida, durante os dias da sua vida de vaidade que passa como sombra? Porque quem pode declarar ao homem
6.12
Ec 3.22
o que há de ser depois dele debaixo do sol?