Tradução Brasileira (2010) (TB)
1

A educação de Daniel e outros jovens hebreus na corte de Nabucodonosor

11No terceiro ano do reinado de

1.1
2Rs 24.1
2Cr 36.5-6
Jeoaquim, rei de Judá, veio
1.1
Jr 25.1
52.12,28-30
Nabucodonosor, rei de Babilônia, a Jerusalém e a sitiou. 2O
1.2
Dn 2.37-38
Is 42.24
Senhor entregou-lhe nas mãos a Jeoaquim, rei de Judá, e uma parte dos
1.2
Dn 5.2
2Cr 36.7
Jr 27.19-20
vasos da Casa de Deus; ele os levou para a terra de
1.2
Gn 10.10
11.2
Is 11.11
Zc 5.11
Sinear, para a casa do seu deus, e pôs os vasos na casa do tesouro do seu
1.2
Jr 50.2
51.44
deus. 3O rei disse a Aspenaz,
1.3
Dn 1.7
chefe dos seus eunucos, que trouxesse alguns dos filhos de Israel, a saber,
1.3
2Rs 24.14
Is 39.7
da linhagem real e dos nobres, 4mancebos nos quais não houvesse
1.4
2Sm 14.25
defeito algum, mas de boa presença,
1.4
Dn 1.17
Dn 9.22
instruídos em toda a sabedoria, conhecedores de ciência, entendidos em conhecimentos e que tivessem
1.4
Dn 1.19
habilidade para assistirem no palácio do rei; e que lhes ensinasse
1.4
Dn 1.20
as letras e a
1.4
Dn 2.4
Is 36.11
Jr 5.15
língua dos
1.4
Dn 2.2,4,5,10
3.8
4.7
5.7,11,30
9.1
caldeus. 5O rei designou-lhe uma porção quotidiana das
1.5
Dn 1.8
iguarias reais e do vinho que ele bebia, e que fossem mantidos
1.5
Dn 1.18
por três anos, para que, passados estes,
1.5
Dn 1.19
1Sm 16.22
Jr 15.1
assistissem diante do rei. 6Ora, entre estes se achavam, dos filhos de Judá,
1.6
Ez 14.14,20
28.3
Mt 24.15
Daniel, Hananias, Misael e Azarias. 7
1.7
Dn 1.3,10-11,18
O príncipe dos eunucos lhes pôs por nome: a Daniel, o de
1.7
Dn 2.26
4.8
5.12
Beltessazar; a Hananias, o de
1.7
Dn 2.49
3.12
Sadraque; a Misael, o de Mesaque; e a Azarias, o de Abede-Nego.

Daniel e seus amigos recusam participar dos manjares do rei

8Daniel, porém, assentou no seu coração não

1.8
Lv 11.47
Ez 4.13-14
Os 9.3-4
se contaminar com as
1.8
Dn 1.5
Sl 141.4
iguarias reais nem com
1.8
Dn 5.4
Dt 32.38
o vinho que o rei bebia; portanto, pediu ao príncipe dos eunucos que lhe permitisse não contaminar-se. 9Ora, Deus fez que Daniel achasse
1.9
Jó 5.15-16
Sl 106.46
Pv 16.7
graça e misericórdia diante do príncipe dos eunucos. 10O
1.10
Dn 1.7
príncipe dos eunucos disse a Daniel: Eu tenho medo do rei, meu senhor, o qual ordenou que se vos desse de comer e de beber; pois por que veria ele os vossos rostos mais tristes que os dos outros mancebos da vossa idade? Assim, poríeis em perigo a minha cabeça para com o rei. 11Então, disse Daniel ao despenseiro, a quem o príncipe dos eunucos tinha constituído sobre Daniel, Hananias, Misael e Azarias: 12Experimenta, peço-te, os teus servos dez dias; e que se nos deem
1.12
Dn 1.16
legumes a comer e água a beber. 13Depois, se examinem diante de ti os nossos semblantes e os dos mancebos que comem das iguarias reais; e, conforme vires, há-te com os teus servos.

14Assim, os ouviu sobre isso, e os experimentou dez dias. 15No fim dos dez dias, apareceram os seus semblantes

1.15
Êx 23.25
Pv 10.22
melhores, e eles estavam mais gordos de carne do que todos os mancebos que comiam das iguarias reais. 16Assim, o despenseiro tirou-lhes as iguarias e o vinho que deviam beber
1.16
Dn 1.12
e lhes dava legumes.

17Ora, quanto a esses quatro mancebos, deu-lhes

1.17
Dn 1.20
Dn 2.21,23
1Rs 3.12,28
Jó 32.8
Deus o conhecimento e a inteligência em todas as letras e em toda a sabedoria. Daniel sabia discernir todas as
1.17
Dn 2.19
7.1
8.1
visões e sonhos. 18Passados
1.18
Dn 1.5
os dias, depois dos quais o rei tinha ordenado que fossem apresentados,
1.18
Dn 1.3,7
o príncipe dos eunucos os apresentou diante de Nabucodonosor. 19O rei conversou com eles; e, entre todos eles, não foram achados outros tais como
1.19
Dn 1.6-7
Daniel, Hananias, Misael e Azarias; portanto, ficaram
1.19
Dn 1.5
Gn 41.46
1Rs 17.1
Pv 22.29
Jr 15.1
assistindo diante do rei. 20Em toda a matéria de
1.20
Dn 1.17
1Rs 4.30-31
sabedoria e discernimento a respeito da qual lhes perguntou o rei, achou que eles
1.20
Dn 2.27-28,46,48
excediam
1.20
Gn 31.7
Nm 14.22
Ne 4.12
Jó 19.3
dez vezes todos
1.20
Dn 2.2
4.18
5.7
Is 19.3
os mágicos e encantadores que havia em todo o seu reino. 21Daniel conservou-se até o
1.21
Dn 6.28
10.1
primeiro ano do rei Ciro.

2

O rei esquece o sonho que teve

21No

2.1
Dn 1.1
segundo ano do reinado de Nabucodonosor, teve Nabucodonosor
2.1
Dn 2.3
Dn 4.5
Gn 40.5-8
41.1
Jó 33.15-17
sonhos; e o seu espírito ficou perturbado,
2.1
Dn 6.18
Et 6.1
e passou-se-lhe o sono. 2Então, o rei mandou chamar os
2.2
Dn 2.10,27
Dn 1.20
4.6
5.7
Gn 41.8
Is 47.12-13
mágicos, e os encantadores, e os feiticeiros, e os caldeus, para que declarassem ao rei os sonhos. Assim, vieram e se apresentaram diante do rei. 3O rei disse-lhes:
2.3
Dn 4.5
Gn 40.8
41.15
Tive um sonho, e para saber o sonho está perturbado o meu espírito. 4Os caldeus disseram ao rei em
2.4
Ed 4.7
Is 36.11
aramaico:
2.4
Dn 3.9
5.10
Ó rei, vive eternamente;
2.4
Dn 2.7
Dn 4.7
dize aos teus servos o sonho, e mostraremos a interpretação. 5Respondeu o rei aos caldeus: A coisa já me fugiu da memória; se não me fizerdes saber o sonho e a sua interpretação, sereis
2.5
Dn 2.12
Dn 3.29
Ed 6.11
despedaçados, e as vossas casas serão feitas um monturo. 6Mas, se mostrardes o sonho e a sua interpretação, recebereis de mim
2.6
Dn 2.48
Dn 5.7,16,29
dádivas, e prêmios, e grande honra; portanto, mostrai-me o sonho e a sua interpretação. 7Responderam pela segunda vez:
2.7
Dn 2.4
Diga o rei aos seus servos o sonho, e lhe mostraremos a interpretação. 8Respondeu o rei: Certamente, eu sei que quereis ganhar tempo, porque vedes que a coisa já me fugiu da memória. 9Mas, se não me fizerdes saber o sonho, não há para vós senão
2.9
Dn 3.15
Et 4.11
uma só lei; pois tendes preparado palavras mentirosas e corruptas para as proferir na minha presença, até que se mude o tempo. Portanto, dizei-me o sonho,
2.9
Is 41.23
e saberei se me podeis mostrar a sua interpretação. 10Responderam os caldeus na presença do rei:
2.10
Dn 2.27
Não há homem sobre a terra que possa mostrar a questão do rei; porquanto nenhum rei, nem senhor, nem régulo tem feito semelhante pedido a qualquer
2.10
Dn 2.2,27
mágico, ou encantador, ou caldeu. 11É coisa rara a que o rei exige, e não há outro que a possa mostrar na presença do rei, senão os
2.11
Dn 5.11
Gn 41.39
deuses, cuja
2.11
Êx 29.45
Is 57.15
morada não é com a carne. 12Por essa razão, ficou o rei
2.12
Dn 2.5
Dn 3.13,19
Sl 76.10
irado e em extremo furioso e ordenou que perecessem todos os sábios de Babilônia. 13Assim, saiu o decreto, e os sábios estavam para serem mortos; e buscaram
2.13
Dn 1.19-20
a Daniel e seus companheiros, para que fossem mortos.

Daniel pede ao rei um prazo e tem uma visão

14Então, Daniel respondeu avisada e prudentemente a

2.14
Dn 2.24
Arioque,
2.14
Gn 37.36
Jr 39.9
52.12,14
capitão da guarda do rei, que tinha saído para matar os sábios de Babilônia; 15sim, respondeu e perguntou a Arioque, capitão do rei: Por que razão é o decreto tão
2.15
Dn 3.22
urgente da parte do rei? Então, Arioque fez
2.15
Dn 2.1-12
saber a coisa a Daniel. 16
2.16
Dn 1.19
Entrando Daniel, pediu ao rei que lhe designasse o tempo e que ele mostraria ao rei a interpretação.

17Então, Daniel foi para casa e fez saber a coisa a

2.17
Dn 1.6
Hananias, Misael e Azarias, seus companheiros, 18para que
2.18
Dn 2.23
Et 4.15-16
Is 37.4
Jr 33.3
Ez 36.37
pedissem
2.18
Dn 9.9
misericórdia ao Deus do céu no tocante a esse segredo, a fim de que Daniel e seus companheiros
2.18
Gn 18.28
Ml 3.18
não perecessem juntamente com o resto dos sábios de Babilônia. 19Então, foi
2.19
Dn 2.22,27-29
Dn 4.9
o segredo revelado a Daniel numa
2.19
Dn 1.17
7.2,7,13
Nm 12.6
Jó 33.15-16
visão noturna. Depois, Daniel bendisse ao Deus do céu. 20Disse Daniel:
2.20
Sl 103.1-2
113.1-2
Bendito seja o nome de Deus para todo o sempre, pois dele são
2.20
Dn 2.21-23
1Cr 29.11-12
Jó 12.13,16-22
a sabedoria e a força. 21Ele
2.21
Dn 2.9
Dn 7.25
Sl 31.15
muda os tempos e as estações;
2.21
Dn 4.17,32
Jó 12.18
Sl 75.6-7
remove os reis e estabelece os reis; dá
2.21
2Rs 3.9-10
4.29
Tg 1.5
sabedoria aos sábios e conhecimento aos que sabem discernir; 22
2.22
Dn 2.19,28
Jó 12.22
revela as coisas profundas e escondidas;
2.22
Jó 26.6
Sl 139.12
Is 45.7
Jr 23.24
sabe o que está nas trevas, e com ele
2.22
Dn 5.11,14
Sl 36.9
1Jo 1.5
mora a luz. 23A ti,
2.23
Gn 31.42
Êx 3.15
Deus de meus pais, eu te dou graças e te louvo, que me deste
2.23
Dn 2.21
Dn 1.17
sabedoria e força e, agora, me fizeste saber o que
2.23
Dn 2.18,29-30
Sl 21.2,4
te havíamos pedido; porque nos revelaste a questão do rei. 24Por isso, entrou Daniel a
2.24
Dn 2.14
Arioque, a quem o rei tinha constituído para perder os sábios de Babilônia; entrou e disse-lhe assim:
2.24
Dn 2.12-13
At 27.24
Não percas os sábios de Babilônia; leva-me à presença do rei, e mostrarei ao rei a interpretação.

Daniel traz à memória do rei o sonho que este tivera

25Então, Arioque, depressa,

2.25
Gn 41.14
levou Daniel à presença do rei e lhe disse assim: Achei um homem dentre
2.25
Dn 1.6
5.13
6.13
os filhos do cativeiro de Judá que fará saber ao rei a interpretação. 26Respondeu o rei e disse a Daniel, cujo nome era
2.26
Dn 1.7
4.8
5.12
Beltessazar: Podes fazer-me saber
2.26
Dn 2.3-7
4.18
o sonho que vi e a sua interpretação? 27Respondeu Daniel perante o rei e disse: O segredo que o rei tem exigido, não o podem mostrar ao rei
2.27
Dn 2.2,10-11
Dn 5.7-8
nem sábios, nem encantadores, nem mágicos, nem feiticeiros; 28mas há no céu
2.28
Dn 2.22,45
Gn 40.8
41.16
um Deus que revela segredos, e ele tem feito saber ao rei Nabucodonosor o que há de acontecer nos
2.28
Dn 10.14
Gn 49.1
Is 2.2
Mq 4.1
últimos dias. O teu sonho
2.28
Dn 4.5
e as visões da tua cabeça na tua cama são estes: 29Quanto a ti, ó rei, estando tu na cama, entraram os teus pensamentos na mente, sobre o que havia de acontecer no futuro; e aquele
2.29
Dn 2.22,47
que revela segredos te descobriu o que há de acontecer. 30Mas, quanto a mim, não me foi revelado esse segredo
2.30
Dn 1.17
Gn 41.16
por ter eu mais sabedoria que qualquer outro vivente, mas para
2.30
Is 45.3
que ficasse manifesta ao rei a interpretação e para que soubesses os
2.30
Sl 139.2
Am 4.13
pensamentos do teu coração.

31Tu, ó rei, estavas olhando, e eis uma grande imagem. Essa imagem, que era enorme e cujo resplendor era excelente, tinha-se em pé diante de ti; e a sua vista era

2.31
Dn 7.7
Is 25.3-5
Hc 1.7
espantosa. 32Quanto a essa imagem, a sua
2.32
Dn 2.38
Dn 4.22,30
cabeça era de ouro fino, o seu
2.32
Dn 2.39
peito e os seus braços, de prata, o seu ventre e as suas coxas, de cobre, 33as suas
2.33
Dn 2.40
pernas, de ferro,
2.33
Dn 2.41-43
os seus pés, em parte de ferro, em parte de barro. 34Estavas vendo até que uma
2.34
Dn 2.44-45
pedra foi cortada
2.34
Dn 8.25
Zc 4.6
sem auxílio de mãos, a qual feriu a imagem nos seus pés, que eram de ferro e de barro,
2.34
Sl 2.9
Is 60.12
e os fez em pedaços. 35Então, foi juntamente feito em pedaços o ferro, o barro, o cobre, a prata e o ouro e se tornaram como
2.35
Sl 1.4
Is 17.13
41.15-16
Os 13.3
a pragana das eiras de estio; e o vento levou-os, de sorte
2.35
Sl 37.10,36
que não se achou lugar para eles. A pedra que feriu a imagem tornou-se
2.35
Is 2.2
Mq 4.1
uma grande montanha, que encheu a terra toda.

Daniel interpreta o sonho

36Este é o sonho; e diremos a sua

2.36
Dn 2.24
interpretação na presença do rei. 37Tu, ó rei, és
2.37
Is 47.5
Jr 27.6-7
Ez 26.7
rei de reis, ao qual
2.37
Dn 4.25,32
o Deus do céu deu o reino,
2.37
Sl 62.11
o poder, a força e a glória; 38e, onde quer que habitem os filhos dos homens, nas tuas mãos entregou
2.38
Dn 4.21-22
Sl 50.10-11
os animais do campo e as aves do céu e te fez reinar sobre todos eles; tu és
2.38
Dn 2.32
a cabeça de ouro. 39Depois de ti, se levantará
2.39
Dn 2.32
outro reino inferior a ti; e outro terceiro, de cobre, o qual dominará sobre a terra toda. 40
2.40
Dn 2.33
O quarto reino será forte como ferro, porquanto o ferro faz em pedaços e subjuga todas as coisas; como o ferro esmiúça todas essas coisas, assim ele fará em pedaços e esmiuçará. 41Porque viste
2.41
Dn 2.33
os pés e os dedos, em parte de barro de oleiro e em parte de ferro, será ele um reino dividido; mas nele haverá alguma coisa da firmeza do ferro, porquanto viste o ferro misturado com o barro de lodo. 42Como os dedos dos pés eram em parte de ferro e em parte de barro, assim o reino será em parte firme e em parte frágil. 43Porque viste o ferro misturado com o barro de lodo, misturar-se-ão com a semente de homens; porém não se apegarão um a outro, assim como o ferro não se une com o barro. 44Nos dias desses reis,
2.44
Is 9.6-7
suscitará o
2.44
Dn 2.28,37
Deus do céu um
2.44
Dn 4.3,34
6.26
7.14,27
Sl 145.13
Ez 37.25
Mq 4.7
reino que não será jamais destruído, nem passará a soberania deste a outro povo;
2.44
Dn 2.34-35
Sl 2.9
Is 60.12
mas fará em pedaços e consumirá todos esses reinos, e ele mesmo subsistirá para sempre, 45porquanto viste que do monte foi cortada uma
2.45
Dn 2.34-35
pedra
2.45
Dn 8.25
sem auxílio de mãos e que ela fez em pedaços o ferro, o cobre, o barro, a prata e o ouro;
2.45
Dn 2.29
Dt 10.17
2Sm 7.22
Sl 48.1
Jr 32.18-19
Ml 1.11
o Grande Deus fez saber ao rei o que
2.45
Gn 41.28,32
há de acontecer no futuro. Certo é o sonho, e fiel, a sua interpretação.

Daniel é promovido pelo rei

46Então, o rei Nabucodonosor

2.46
Dn 8.17
caiu sobre o rosto, e
2.46
Dn 3.5,7
At 10.25
14.13
Ap 19.10
22.8
adorou a Daniel, e ordenou que lhe oferecessem uma oblação e
2.46
Lv 26.31
perfumes suaves. 47Disse o rei a Daniel: Na verdade,
2.47
Dn 3.15
4.25
o vosso Deus é
2.47
Dn 11.36
Dt 10.17
Sl 136.2-3
o Deus dos deuses e o Senhor dos reis
2.47
Dn 2.22,30
Am 3.7
e que revela segredos, pois que pudeste revelar este segredo. 48Então, o rei
2.48
Dn 2.6
Dn 5.16,29
Gn 41.39-43
engrandeceu a Daniel, e lhe deu muitos grandes dons, e fê-lo reinar sobre
2.48
Dn 3.1,12,30
a província toda de Babilônia e ser
2.48
Dn 5.11
o principal governador sobre todos os
2.48
Dn 2.27
sábios de Babilônia. 49Fez Daniel uma petição ao rei, e este
2.49
Dn 3.12
constituiu superintendentes dos negócios da província de Babilônia
2.49
Dn 1.7
a Sadraque, Mesaque e Abede-Nego; Daniel, porém, estava
2.49
Et 2.19,21
Am 5.15
na porta do rei.

3

A estátua de ouro de Nabucodonosor

31O rei Nabucodonosor fez uma

3.1
Dn 2.31
Is 46.6
Jr 16.20
Hc 2.19
imagem de ouro que tinha sessenta cúbitos de alto e seis cúbitos de largo; levantou-a no campo de Dura,
3.1
Dn 3.30
Dn 2.48
na província de Babilônia. 2Então, o rei Nabucodonosor mandou ajuntar os
3.2
Dn 3.3,27
Dn 6.1-7
sátrapas, os deputados, os governadores, os juízes, os tesoureiros, os conselheiros, os magistrados e todos os régulos das províncias, para que viessem à dedicação da imagem que o rei Nabucodonosor tinha levantado. 3Os sátrapas, os deputados, os governadores, os juízes, os tesoureiros, os conselheiros, os magistrados e todos os régulos das províncias se ajuntaram para a dedicação da imagem que o rei Nabucodonosor tinha levantado; e estavam em pé diante da imagem que o rei Nabucodonosor tinha levantado. 4Nisso, o pregoeiro clamou
3.4
Dn 4.14
Is 40.9
58.1
Ap 18.2
em alta voz: A vós,
3.4
Dn 3.7
Dn 4.1
6.25
ó povos, nações e línguas, se vos ordena 5que, no ponto em que
3.5
Dn 3.7,10,15
ouvirdes o som da corneta, da flauta, da harpa, da sacabuxa, do saltério, da sinfonia, e de toda sorte de música,
3.5
Dn 2.46
vos prostrareis e adorareis a imagem de ouro que o rei Nabucodonosor levantou. 6Todo aquele que não se prostrar e adorar será na mesma hora
3.6
Dn 3.11,15,21
Dn 6.7
lançado no meio duma
3.6
Jr 29.22
Ez 22.18-22
Mt 13.42,50
Ap 9.2
14.11
fornalha de fogo ardente. 7Portanto, no momento em que todos os povos
3.7
Dn 3.5
ouviram o som da corneta, da flauta, da harpa, da sacabuxa, do saltério e de toda sorte de música, se prostraram
3.7
Dn 3.4
todos os povos, nações e línguas e adoraram a imagem de ouro que o rei Nabucodonosor tinha levantado.

8Por isso, nesse tempo, se chegaram alguns homens

3.8
Dn 2.2,10
4.7
caldeus e
3.8
Dn 6.12-13
Ed 4.12-16
Et 3.8-9
acusaram aos judeus. 9Disseram ao rei Nabucodonosor:
3.9
Dn 2.4
5.10
Ó rei, vive eternamente. 10Tu, ó rei,
3.10
Dn 3.4-6
Dn 6.12
Et 3.12-14
fizeste um decreto que todo o homem que ouvir o som da corneta, da flauta, da harpa, da sacabuxa, do saltério, da sinfonia e de toda sorte de música
3.10
Dn 3.5,7,15
se prostrasse e adorasse a imagem de ouro. 11Todo aquele que não se prostrar a adorar seja lançado no meio duma fornalha de fogo ardente. 12Há uns judeus, que
3.12
Dn 2.49
constituíste sobre os negócios da província de Babilônia:
3.12
Dn 1.7
Sadraque, Mesaque e Abede-Nego; esses homens, ó rei,
3.12
Dn 6.13
não fizeram caso de ti; não servem aos teus deuses, nem adoram a imagem de ouro que levantaste.

Os amigos de Daniel são lançados na fornalha ardente

13Então, Nabucodonosor, na

3.13
Dn 3.19
Dn 2.12
sua raiva e fúria, mandou que fossem trazidos Sadraque, Mesaque e Abede-Nego. Logo, foram esses homens trazidos perante o rei. 14Disse-lhes Nabucodonosor: É de propósito, Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, que não servis aos
3.14
Dn 3.1
Dn 4.8
Is 46.1
Jr 50.2
meus deuses, nem adorais a imagem que levantei? 15Agora, pois, se estais prontos, no momento em que
3.15
Dn 3.5-6
ouvirdes o som da corneta, da flauta, da harpa, da sacabuxa, do saltério, da sinfonia e de toda sorte de música, para vos prostrardes e adorardes a imagem que fiz, bem está; se, porém, não adorardes, sereis, na mesma hora, lançados
3.15
Dn 3.6
numa fornalha de fogo ardente.
3.15
Dn 2.47
Êx 5.2
Is 36.18-20
Quem é esse deus que vos livrará das minhas mãos? 16Responderam ao rei
3.16
Dn 3.12
Dn 1.7
Sadraque, Mesaque e Abede-Nego: Ó Nabucodonosor, não necessitamos de te responder nesse particular. 17Se assim for, o nosso
3.17
Jó 5.19
Sl 27.1-2
Is 26.3-4
Jr 1.8
15.20-21
Deus, a quem nós servimos, pode livrar-nos da fornalha de fogo ardente; e ele há de nos livrar das tuas mãos, ó rei. 18
3.18
Dn 3.28
Js 24.15
1Rs 19.14,18
Is 51.12-13
Mas, se não, fica tu sabendo, ó rei, que não havemos de servir aos teus deuses, nem adorar a imagem de ouro que levantaste.

19Então, Nabucodonosor se encheu de

3.19
Dn 3.13
Et 7.7
furor, e se mudou o aspecto
3.19
Dn 5.6
do seu semblante contra
3.19
Dn 3.12
Dn 1.7
Sadraque, Mesaque e Abede-Nego; portanto, falou e ordenou que se acendesse a fornalha
3.19
Lv 26.18,21,24,28
sete vezes mais do que se costumava acender. 20Deu ordem a uns valentes que estavam no seu exército que
3.20
Dn 3.23-25
atassem a Sadraque, Mesaque e Abede-Nego
3.20
Dn 3.6
e os lançassem na fornalha de fogo ardente. 21Então, esses homens foram ligados, vestidos de seus
3.21
Dn 3.27
calções, suas túnicas, suas capas e suas outras roupas e foram lançados no meio da fornalha de fogo ardente. 22Visto que a ordem do rei era
3.22
Dn 2.15
Êx 12.33
urgente e a fornalha estava sobremaneira acesa, as chamas do fogo mataram aqueles homens que carregaram a Sadraque, Mesaque e Abede-Nego. 23Estes três homens, Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, caíram
3.23
Dn 3.21
ligados no meio da fornalha de fogo ardente.

O rei muda de pensar

24O rei Nabucodonosor ficou

3.24
Dn 4.19
espantado e levantou-se depressa; disse aos seus conselheiros: Não lançamos nós no meio do fogo três homens ligados? Responderam ao rei: Verdade é, ó rei. 25Disse ele: Eis que eu vejo quatro homens soltos,
3.25
Sl 91.3-9
Is 43.2
que andam no meio do fogo e não recebem dano; e o aspecto do quarto é semelhante a um filho
3.25
Jr 1.8,19
15.21
Ez 34.10
dos deuses. 26Então, chegando-se Nabucodonosor à porta da fornalha de fogo ardente, falou e disse: Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, servos do
3.26
Dn 3.17
Dn 4.2
Deus Altíssimo, saí e vinde. Logo, Sadraque, Mesaque e Abede-Nego
3.26
Dt 4.20
1Rs 8.51
Jr 11.4
saíram do meio do fogo. 27Os
3.27
Dn 3.2
sátrapas, os deputados, os governadores e os conselheiros do rei, estando reunidos, viram estes homens, que
3.27
Is 43.2
Hb 11.34
o fogo não teve poder sobre os seus corpos, nem foram chamuscados os cabelos da sua cabeça, nem sofreram mudança
3.27
Dn 3.21
os seus calções, nem por eles tinha passado o cheiro de fogo.

28Falou Nabucodonosor e disse: Bendito seja o

3.28
Dn 3.15
Dn 2.47
Deus de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, que
3.28
Dn 3.25
Dn 6.22
Sl 34.7-8
Is 37.36
At 5.19
12.7
enviou o seu Anjo e livrou os seus servos, que
3.28
Sl 22.4-5
Is 26.3-4
confiaram nele,
3.28
Ed 6.11
os quais violaram a palavra do rei
3.28
Dn 3.18
e entregaram os seus corpos, para que
3.28
Dn 3.16-18
não servissem, nem adorassem deus algum, senão o seu Deus. 29Portanto,
3.29
Dn 6.26
faço um decreto que todo povo, nação e língua que proferir alguma blasfêmia contra o Deus de
3.29
Dn 3.12
Dn 1.7,19
2.17,49
Sadraque, Mesaque e Abede-Nego seja despedaçado, e as suas
3.29
Dn 2.5
Ed 6.11
casas sejam feitas um monturo;
3.29
Dn 3.15
Dn 2.47
porque não há outro deus que possa livrar desta maneira. 30Então, o rei
3.30
Dn 3.12
Dn 2.49
deu promoção a Sadraque, Mesaque e Abede-Nego na província de Babilônia.