Tradução Brasileira (2010) (TB)
3

O ministério da justiça excede o ministério da condenação

31Começamos de novo, a nos

3.1
2Co 5.12
10.12,18
12.11
recomendar a nós mesmos? Ou precisamos, como alguns, de
3.1
At 18.27
Rm 16.1
1Co 16.3
cartas de recomendação para vós ou de vós? 2
3.2
1Co 9.2
Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens, 3sendo manifesto que sois carta de Cristo, feita por
3.3
cp.
nosso ministério, escrita não com tinta, mas com o Espírito do
3.3
Mt 16.16
Deus vivo, não em
3.3
2Co 3.7
Êx 24.12
31.18
32.15
tábuas de pedras, mas em
3.3
Pv 3.3
7.3
Jr 17.1
tábuas de
3.3
Jr 31.33Ez 11.19
carne de coração. 4Temos uma
3.4
Ef 3.12
tal confiança em Deus por Cristo. 5Não que sejamos capazes por nós mesmos de julgar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a
3.5
1Co 15.10
nossa capacidade vem de Deus, 6o qual também nos fez idôneos
3.6
1Co 3.5
ministros de uma
3.6
Lc 22.20
nova aliança, não da
3.6
Rm 2.29
letra, mas do espírito; pois a letra mata, mas o
3.6
Jo 6.63
Rm 7.6
espírito vivifica. 7Se, porém,
3.7
2Co 3.9
Rm 7.5Gl 3.10,21Rm 4.15
5.20
o ministério da morte, escrito e gravado em pedras, se revestiu de tanta glória,
3.7
2Co 3.13
Êx 34.29-35
que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos no rosto de Moisés em razão da glória do seu rosto, a qual se estava desvanecendo, 8como não será mais glorioso o ministério do espírito? 9Se o
3.9
2Co 3.7Dt 27.26
Hb 12.18-21
ministério da condenação era glória, muito mais excede em glória
3.9
cp.
o ministério da justiça. 10Na verdade, o que foi feito glorioso, não o é neste respeito, por causa da glória mais excelente. 11Pois, se aquilo que se desvanece era glorioso, muito mais glorioso é o que permanece.

Onde há o Espírito do Senhor, aí há liberdade

12

3.12
2Co 7.4
Tendo, então, tal esperança,
3.12
2Co 7.4
Ef 6.19At 4.13,29
1Ts 2.2
usamos de grande franqueza 13e não somos como Moisés,
3.13
2Co 3.7
que punha um véu sobre o seu rosto, para que os filhos de Israel não fixassem os olhos no final daquilo que se desvanecia. 14Mas as suas mentes foram
3.14
Rm 11.72Co 4.4
endurecidas. Pois, até o dia de hoje,
3.14
At 13.15
na leitura da
3.14
cp.
antiga aliança, permanece o mesmo véu, não lhes sendo revelado que, em Cristo, é ele tirado. 15Contudo, até o dia de hoje, sempre que leem a Moisés, está posto um véu sobre o coração deles; 16
3.16
Rm 11.23
todas as vezes, porém, que algum deles se converter ao Senhor, o véu lhe é tirado. 17Ora, o Senhor é o Espírito; e, onde há
3.17
Gl 4.6Is 61.1
o Espírito do Senhor,
3.17
Jo 8.32
Gl 5.1,13
aí há liberdade. 18Mas todos nós, com rosto sem véu,
3.18
1Co 13.12
contemplando como em espelho
3.18
2Co 4.4,6Jo 17.22,24
a glória do Senhor,
3.18
Rm 8.29
somos transformados na mesma imagem, de glória em glória, como
3.18
2Co 3.17
pelo Senhor, o Espírito.

4

Paulo cumpre o seu ministério com fidelidade

41Por isso, tendo este

4.1
cp.
ministério, como
4.1
1Co 7.25
alcançamos misericórdia,
4.1
2Co 4.16
Lc 18.1
Gl 6.9
Ef 3.132Ts 3.13
não desmaiamos; 2porém temos renunciado
4.2
Rm 6.211Co 4.5
as coisas ocultas, que são vergonhosas, não andando em astúcia,
4.2
2Co 2.17
nem mercadejando com a palavra de Deus, mas, pela manifestação da verdade,
4.2
2Co 5.11
recomendando-nos à consciência de todos os homens diante de Deus. 3Se ainda
4.3
2Co 3.141Co 2.6
um véu permanece sobre
4.3
2Co 2.12
o nosso evangelho,
4.3
1Co 1.18
2Co 2.15
naqueles que perecem está o véu, 4nos quais
4.4
Jo 12.31
o deus
4.4
Mt 13.22
deste mundo
4.4
cp.
cegou as mentes dos incrédulos, para que não lhes raiasse
4.4
2Co 4.6At 26.18
a luz do evangelho da
4.4
2Co 3.182Co 4.6
glória de Cristo, o qual é
4.4
Cl 1.15Fp 2.6
Hb 1.3
Jo 1.18
a imagem de Deus. 5Pois não nos pregamos
4.5
1Ts 2.61Co 4.15
a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor e nós mesmos, como vossos servos, por amor de Jesus. 6Pois Deus, que diz:
4.6
Gn 1.32Pe 1.19
Das trevas brilhará a luz, é quem brilhou em nossos corações para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo.

O poder de Paulo vem só de Deus

7Temos, porém, esse tesouro em

4.7
2Co 5.1
2Tm 2.20Jó 4.19
10.9
33.6
Lm 4.2
vasos de barro, a fim de que a excelência do
4.7
1Co 2.5Jz 7.2
poder seja de Deus e não venha de nós. 8Em tudo,
4.8
2Co 7.51.8
somos atribulados, mas não angustiados;
4.8
Gl 4.20
perplexos, mas não desesperados; 9
4.9
Jo 15.20
Rm 8.35
perseguidos, mas não
4.9
Hb 13.5Sl 129.2
abandonados;
4.9
cp.
derribados, mas não destruídos; 10
4.10
Rm 6.5
8.36Gl 6.17
sempre levando no corpo a mortificação de Jesus, para que também
4.10
Rm 6.8
a vida de Jesus seja manifestada em nosso corpo. 11Pois nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que também a vida de Jesus seja manifestada na nossa carne mortal. 12Assim, a morte opera em nós, mas a vida, em vós. 13Mas, tendo o mesmo
4.13
1Co 12.9
Sl 116.10
espírito da fé, conforme está escrito: Cri, por isso falei. Também nós cremos; por isso, também falamos, 14sabendo que aquele que
4.14
At 2.24
ressuscitou ao Senhor Jesus também
4.14
1Ts 4.14
nos ressuscitará a nós com Jesus e nos
4.14
Ef 5.27
Cl 1.22
Jd 24Lc 21.36
apresentará convosco. 15Pois tudo é
4.15
2Co 1.6Rm 8.28
por amor de vós, para que a graça, sendo
4.15
2Co 1.111Co 9.19
multiplicada por muitos, faça abundar a ação de graças para a glória de Deus.

O desígnio e efeito das aflições

16Por isso,

4.16
2Co 4.1
não desmaiamos; mas, ainda que em nós pereça o homem exterior,
4.16
Rm 7.22
o homem interior
4.16
cp.
renova-se de dia em dia. 17Pois a nossa
4.17
Rm 8.18
leve aflição momentânea para nós produz cada vez mais abundantemente um eterno peso de glória, 18enquanto
4.18
2Co 5.7Rm 8.24
Hb 11.1,13
não olhamos para as coisas que se veem, mas, sim, para as que se não veem; porque as coisas que se veem são temporais, mas as coisas que se não veem são eternas.

5

Ausentes do corpo e presentes com o Senhor

51Sabemos que, se a nossa

5.1
1Co 15.472Co 4.7
Jó 4.19
casa terrestre deste
5.1
2Pe 1.13
tabernáculo for desfeita, temos de Deus um edifício, casa
5.1
cp.
não feita por mãos, eterna, nos céus. 2Pois verdadeiramente neste tabernáculo
5.2
Rm 8.23
2Co 5.4
gememos, desejando muito ser
5.2
cp.
revestidos da nossa habitação que é do céu, 3se é que, estando vestidos, não formos achados nus. 4Pois, na verdade, os que estamos neste tabernáculo gememos, estando carregados, por não desejarmos ser despidos, mas revestidos; para que o que é
5.4
1Co 15.54
mortal seja absorvido pela vida. 5Mas o que nos fez para este mesmo fim é Deus,
5.5
2Co 1.22Rm 8.23
que nos deu o penhor do Espírito. 6Temos, portanto, sempre bom ânimo e sabemos que,
5.6
cp.
enquanto estamos presentes no corpo, estamos ausentes do Senhor 7
5.7
2Co 4.18
1Co 13.12
(porque andamos por fé e não por visão); 8temos bom ânimo, digo, e
5.8
cp.
antes queremos estar ausentes do corpo e
5.8
cp.
presentes com o Senhor. 9É por isso que também nos esforçamos, quer presentes, quer ausentes,
5.9
Rm 14.18
Cl 1.10
1Ts 4.1
para lhe agradar. 10Pois é necessário que todos sejamos descobertos perante o
5.10
Mt 16.27At 10.42
Rm 2.16
14.10,12
Ef 6.8
tribunal de Cristo, para que cada um receba o que fez por meio do corpo, conforme o que praticou, o bem ou o mal.

O temor e o amor do Senhor

11Portanto, conhecendo o

5.11
Hb 10.31
12.29
Jd 23
temor do Senhor, persuadimos aos homens, mas a Deus somos manifestos; e espero também que o
5.11
2Co 4.2
sejamos nas vossas consciências. 12Não
5.12
2Co 3.1
nos recomendamos de novo a vós, porém vos damos
5.12
2Co 1.14
Fp 1.26
ocasião de vos gloriardes por nossa causa, para que tenhais que responder aos que exultam na aparência e não no coração. 13
5.13
2Co 11.1,1612.11Mc 3.21
Se enlouquecemos, é para Deus; se conservamos o juízo, é para vós. 14Pois o amor de Cristo
5.14
cp.
nos constrange, porque julgamos assim:
5.14
Rm 5.15
6.6Gl 2.20
Cl 3.3
um morreu por todos; portanto, todos morreram. 15Ele morreu por todos, para que os que vivem
5.15
Rm 14.7-9
não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e foi ressuscitado. 16Por isso, nós, daqui em diante, não conhecemos a ninguém
5.16
2Co 11.18
Fp 3.4
Jo 8.15
segundo a carne; ainda que temos conhecido a Cristo segundo a carne, agora, contudo, não o conhecemos mais desse modo. 17Se alguém está
5.17
Rm 16.7
em Cristo, é uma
5.17
Gl 6.15
Jo 3.3
Rm 6.4
nova criação;
5.17
cp.
passou o que era velho; eis que se fez novo. 18Mas
5.18
1Co 11.12
todas as coisas vêm de Deus,
5.18
Cl 1.20
Rm 5.10
que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu
5.18
cp.
o ministério da reconciliação, 19a saber, que
5.19
cp.
Deus, em Cristo, estava reconciliando o mundo consigo,
5.19
Rm 4.81Co 13.5
não lhes imputando as suas transgressões e tendo confiado a nós a palavra da reconciliação.

O ministério da reconciliação. As credenciais apostólicas

20Somos, portanto,

5.20
Ef 6.20Ml 2.7
embaixadores por Cristo,
5.20
cp.
como se Deus exortasse por nós; por Cristo, vos rogamos que vos reconcilieis com Deus. 21Àquele que
5.21
Hb 4.15
7.26
1Pe 2.22
1Jo 3.5At 3.14
não conheceu pecado, o fez
5.21
Rm 8.3
Gl 3.13Rm 3.25
4.25
pecado por nós, para que nós nos tornássemos
5.21
Rm 1.17
3.211Co 1.30
justiça de Deus nele.