Tradução Brasileira (2010) (TB)
19

Jônatas intercede por Davi

191Ordenou Saul a Jônatas, seu filho, e a todos os servos que matassem a Davi. Porém Jônatas, filho de Saul, estava muito afeiçoado a Davi. 2Disse Jônatas a Davi: Saul, meu pai, procura tirar-te a vida. Agora, guarda-te amanhã pela manhã, fica num lugar oculto e esconde-te. 3Eu sairei, e me porei ao lado de meu pai no campo em que estiveres, e lhe falarei acerca de ti; avisar-te-ei de tudo o que souber. 4Jônatas falou em favor de Davi a seu pai Saul, e disse-lhe: Não peque o rei contra o seu servo, contra Davi, porque ele não tem pecado contra ti e porque as suas ações para contigo têm sido muito boas; 5ele arriscou a vida e matou ao filisteu, e Jeová efetuou um grande livramento para todo o Israel. Tu o viste e te alegraste; por que queres pecar contra o sangue inocente, matando sem causa a Davi? 6Saul deu ouvidos à voz de Jônatas e jurou, dizendo: Pela vida de Jeová, não se lhe tirará a vida. 7Chamou Jônatas a Davi e referiu-lhe todas estas coisas. Também Jônatas trouxe Davi a Saul, e Davi ficou na presença dele como dantes.

Mical engana a seu pai e salva Davi

8Renovou-se depois a guerra. Saindo Davi, pelejou contra os filisteus; fez neles uma grande matança, e fugiram de diante dele. 9O espírito maligno enviado de Jeová veio sobre Saul, estando ele sentado em casa e tendo na mão a sua lança; e Davi tocava a harpa com a sua mão. 10Saul procurou atravessar a Davi com a lança contra a parede, mas ele se desviou de diante de Saul, que fincou a lança na parede. Fugiu Davi e escapou naquela noite. 11Saul enviou mensageiros à casa de Davi, que a vigiassem e que o matassem pela manhã. Mical, mulher de Davi, disse-lhe: Se não te salvares esta noite, amanhã serás morto. 12Mical desceu-o por uma janela, e ele foi, fugiu e escapou. 13Mical tomou o terafim, e deitou-o na cama, e, pondo-lhe à cabeceira uma pele de cabra, cobriu-o com a roupa. 14Quando Saul enviou mensageiros que prendessem a Davi, ela disse: Ele está doente. 15Saul enviou mensageiros que vissem a Davi, dizendo-lhes: Trazei-mo na cama, para que eu lhe tire a vida. 16Tendo entrado os mensageiros, eis que o terafim estava na cama, tendo à cabeceira a pele de cabra. 17Perguntou Saul a Mical: Por que me iludiste assim e deixaste ir o meu inimigo, de maneira que escapou? Respondeu Mical a Saul: Foi porque ele me disse: Deixa-me ir, se não eu te mato.

Saul e seus mensageiros profetizam

18Davi, porém, fugiu e escapou; e, indo ter com Samuel, em Ramá, contou-lhe tudo o que Saul lhe tinha feito. Retiraram-se ele e Samuel e ficaram em Naiote. 19Foi dito a Saul: Eis que Davi está em Naiote, em Ramá. 20Enviou Saul mensageiros para prenderem Davi. Quando viram a companhia dos profetas profetizando e Samuel presidindo-lhes, veio o Espírito de Deus sobre eles, e também profetizaram. 21Avisado disso Saul, enviou outros mensageiros, que também profetizaram. De novo, enviou terceiros mensageiros, os quais também profetizaram. 22Então, foi também ele a Ramá e, chegando ao poço grande que está em Secu, perguntou: Onde estão Samuel e Davi? Respondeu-se-lhe: Eis que estão em Naiote, em Ramá. 23Partiu para Naiote, em Ramá. Veio também sobre ele o Espírito de Deus e ia caminhando e profetizando, até que lá chegou. 24Ele despiu os seus vestidos, também profetizou diante de Samuel e esteve nu por terra todo aquele dia e toda aquela noite. Pelo que se diz: Está também Saul entre os profetas?

20

A entrevista de Davi com Jônatas

201Fugiu Davi de Naiote, que é em Ramá, e veio, e disse a Jônatas: Que fiz eu? Qual é a minha iniquidade e qual é o meu pecado diante de teu pai, que procura tirar-me a vida? 2Ele lhe respondeu: Tal não suceda; não hás de morrer. Meu pai não faz coisa alguma, nem grande nem pequena, sem primeiro me dar parte; por que me ocultaria isso meu pai? Não é verdade. 3Tornou Davi a jurar e disse: Teu pai sabe muito bem que achei graça aos teus olhos e diz: Não saiba isso Jônatas, para que se não entristeça. Todavia, pela vida de Jeová e pela tua vida, há apenas um passo entre mim e a morte. 4Jônatas respondeu a Davi: Que desejas tu que eu faça por ti? 5Disse Davi a Jônatas: Amanhã é a lua nova, e eu me deveria assentar com o rei para comer; mas me deixarás ir, e me esconderei no campo até a tarde do terceiro dia. 6Se teu pai perguntar por mim, responderás: Davi pediu-me licença, para que corresse a Belém, sua cidade, porque se faz lá o sacrifício anual para toda a parentela. 7Se ele responder: Está bem, o teu servo terá paz; porém, se ele muito se indignar, sabe que ele está determinado a praticar o mal. 8Usa de misericórdia para com o teu servo, porque lhe fizeste entrar contigo em aliança de Jeová; mas, se houver em mim culpa, tira-me tu mesmo a vida; por que me levarias a teu pai? 9Respondeu Jônatas: Isso não te suceda! Pois, se eu, na verdade, soubesse que meu pai estava determinado a trazer o mal sobre ti, não to declararia eu? 10Perguntou Davi a Jônatas: Quem me há de avisar, se, por acaso, teu pai te responder com aspereza? 11Respondeu Jônatas a Davi: Vem, e saiamos fora ao campo. Saíram ambos ao campo.

Jônatas faz aliança com Davi

12Disse Jônatas a Davi: Jeová, Deus de Israel, seja testemunha. Vou eu sondar a meu pai a estas horas amanhã ou depois de amanhã e, havendo alguma coisa favorável a Davi, eu te enviarei a ti e te avisarei. 13Faça assim Jeová a Jônatas e mais ainda, se, querendo meu pai fazer-te mal, eu não te avisar e não te enviar embora, para que vás em paz. Seja Jeová contigo, como o tem sido com meu pai. 14Não somente usarás para comigo, enquanto viver, a misericórdia de Jeová, para que eu não morra; 15mas também não cortarás nunca da minha casa a tua misericórdia; nem ainda quando Jeová tiver exterminado da face da terra a cada um dos inimigos de Davi. 16Fez Jônatas aliança com a casa de Davi, dizendo: Jeová a requererá da mão dos inimigos de Davi.

17Jônatas fez que Davi tomasse um novo juramento pelo amor que lhe tinha; porque o amava como a si mesmo. 18Jônatas disse-lhe: Amanhã é a lua nova; perguntar-se-á por ti, porque o teu lugar estará desocupado. 19Depois de ausente três dias, descerás apressadamente, e irás ao lugar em que te escondeste no dia do ajuste, e te assentarás junto à pedra Ezel. 20Eu atirarei junto a ela três setas, como quem atira ao alvo. 21Eis que enviarei o moço e lhe direi: Vai, busca as setas. Se eu disser ao moço: Olha que as setas estão para cá de ti, levanta-as e vem, porque, pela vida de Jeová, há paz para ti, e nada há que temer. 22Porém, se disser ao moço: Olha que as setas estão para lá de ti, vai-te, porque Jeová te despede. 23Quanto ao negócio de que eu e tu falamos, Jeová é testemunha dele para sempre entre mim e ti.

24Escondeu-se Davi no campo; e, chegada que foi a lua nova, pôs-se o rei à mesa para comer. 25O rei sentou-se, como de costume, na sua cadeira junto à parede; Jônatas ficou em pé, e Abner sentou-se ao lado de Saul; mas o lugar de Davi estava desocupado. 26Todavia, naquele dia, nada disse Saul, porque dizia consigo: Alguma coisa lhe aconteceu. Ele não está limpo, certamente ele não está limpo. 27Sucedeu que, no dia depois da lua nova, sendo o segundo dia, ainda estava desocupado o lugar de Davi, e perguntou Saul a Jônatas, seu filho: Por que não veio o filho de Jessé comer, nem ontem nem hoje? 28Respondeu Jônatas a Saul: Davi pediu-me licença, para que fosse a Belém. 29Ele disse-me: Deixa-me ir, porque nossa parentela tem um sacrifício na cidade, e meu irmão me ordenou que fosse. Agora, se achei graça aos teus olhos, deixa-me ir e ver meus irmãos. Por isso, ele não tem vindo à mesa do rei.

Saul irado contra Jônatas

30Acendeu-se a ira de Saul contra Jônatas, e disse-lhe: Filho de mulher perversa e rebelde, não sei eu, porventura, que escolheste o filho de Jessé para vergonha tua e para vergonha de tua mãe? 31Porque, em todo o tempo em que o filho de Jessé viver sobre a terra, não estarás seguro nem tu nem o teu reino. Pelo que envia agora e traze-mo, pois está condenado à morte. 32Respondeu Jônatas a Saul, seu pai, e disse-lhe: Por que se há de lhe tirar a vida? Que fez? 33Saul atirou-lhe com a lança para o ferir, pelo que Jônatas entendeu que seu pai tinha determinado fazer morrer a Davi. 34Levantou-se da mesa Jônatas, todo encolerizado, e no segundo dia do mês não comeu; pois ficou mui sentido por causa de Davi, porque seu pai o ultrajara.

Separação de Davi e Jônatas

35Ao outro dia pela manhã, saiu Jônatas para o campo, no tempo ajustado com Davi, e levou consigo um rapazinho. 36Disse ao seu rapaz: Corre, busca agora as setas que eu vou atirar. Ao correr o rapaz, atirou ele uma seta para lá dele. 37Tendo o rapaz chegado ao lugar onde estava a seta que Jônatas tinha atirado, gritou Jônatas ao rapaz e disse: Não está a seta mais para lá de ti? 38Vai depressa, não te demores. O rapaz de Jônatas recolheu as setas e voltou ao seu amo. 39O rapaz, porém, não entendia coisa alguma; somente Jônatas e Davi o sabiam. 40Deu Jônatas as suas armas ao rapaz e disse-lhe: Vai, leva-as à cidade. 41Logo que o rapaz foi, levantou-se Davi do lugar que olha para o Neguebe, caindo com o rosto em terra, prostrou-se três vezes. Beijando-se um ao outro, choraram ambos, mas Davi mais. 42Disse Jônatas a Davi: Vai-te em paz, porquanto nós juramos ambos em nome de Jeová, dizendo: Jeová será para sempre entre mim e ti e entre a minha semente e a tua semente. Levantou-se Davi e retirou-se; e Jônatas entrou na cidade.

21

Davi vai ter com o sacerdote Aimeleque

211Veio Davi a Nobe, ao sacerdote Aimeleque. Aimeleque saiu, tremendo ao encontro de Davi, e perguntou-lhe: Por que vens só, e ninguém, contigo? 2Respondeu Davi ao sacerdote Aimeleque: O rei encomendou-me um negócio e disse-me: Não saiba ninguém do negócio pelo qual eu te envio e daquilo que te ordenei; por isso, eu disse aos moços que me encontrassem em tal e tal lugar. 3Agora, que tens à mão? Ainda que não sejam senão cinco pães, dá-mos ou qualquer outra coisa que se achar. 4Respondendo o sacerdote a Davi, disse-lhe: Não tenho ao meu alcance pão comum, porém há pão consagrado; se ao menos os moços se têm abstido de mulheres! 5Davi respondeu ao sacerdote e disse-lhe: Como sempre, quando eu saio à campanha, foram-nos vedadas as mulheres e consagradas as equipagens dos moços; embora fosse comum, seria santificado hoje pelas equipagens. 6Deu-lhe o sacerdote do pão consagrado, porque não havia ali pão, senão os pães da proposição, os quais se tinham tirado de diante de Jeová, no dia em que se tiravam para se porem pães quentes.

7Ora, achava-se ali, naquele dia, detido diante de Jeová, certo homem dentre os servos de Saul cujo nome era Doegue, idumeu, o principal dos pastores de Saul. 8Disse Davi a Aimeleque: Não tens aqui à mão uma lança ou uma espada? Pois eu não trouxe comigo nem a minha lança nem as minhas armas, porque o negócio do rei era urgente. 9Respondeu o sacerdote: A espada de Golias filisteu, a quem mataste no vale de Elá, está aqui envolta num pano atrás do éfode. Se a queres levar, leva-a, porque não há outra aqui, senão essa. Davi disse: Não há outra semelhante a essa; dá-ma.

Davi foge para Aquis, rei de Gate

10Levantou-se Davi e fugiu, naquele dia, da presença de Saul e foi a Aquis, rei de Gate. 11Perguntaram-lhe os servos de Aquis: Este não é Davi, o rei da terra? Não foi deste que cantavam nas danças, dizendo:

Saul matou os seus milhares,

e Davi, as suas dezenas de milhares?

12Davi guardou estas palavras, meditando-as no seu coração, e teve muito medo de Aquis, rei de Gate. 13Ele se contrafez diante deles, e fingiu-se doido nas mãos deles, e tamborilava sobre as portas, e deixava correr a saliva pela barba. 14Disse Aquis aos seus servos: Eis que bem vedes que o homem está louco; por que razão o trouxestes a mim? 15Faltam-me, porventura, loucos, para que trouxésseis este a fazer loucuras diante de mim? Há de entrar este na minha casa?