Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
8

Deus é glorificado nas suas obras e na sua bondade para com o homem

Salmo de Davi para o cantor-mor, sobre Gitite

81Ó SENHOR,

8.1:
Sl 148.13
Senhor nosso, quão admirável é o teu nome em toda a terra,
8.1:
Sl 113.4
pois puseste a tua glória sobre os céus! 2Da boca das crianças e dos que mamam tu suscitaste força,
8.2:
Mt 21.16
1Co 1.27
por causa dos teus adversários, para fazeres calar o inimigo e vingativo. 3Quando vejo
8.3:
Sl 111.2
os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e as estrelas que preparaste; 4Que é o homem
8.4:
Jó 7.17
Hb 2.6-7
mortal para que te lembres dele? e o filho do homem, para que o visites? 5Contudo, pouco menor o fizeste do que 8.5: ou Deus; Hebr. Elohimos anjos, e de glória e de honra o coroaste. 6Fazes com que ele tenha domínio sobre
8.6:
Gn 1.26
1Co 15.27
Hb 2.8
as obras das tuas mãos; tudo puseste debaixo de seus pés: 7Todas as ovelhas e bois, assim como os animais do campo. 8As aves dos céus, e os peixes do mar, e tudo o que passa pelas veredas dos mares. 9Ó Senhor, Senhor nosso, quão admirável é o teu nome sobre toda a terra!

9

Ação de graças por um grande livramento

Salmo de Davi para o cantor-mor, sobre Mute-Labém

91EU te louvarei, Senhor, de todo o meu coração; contarei todas as tuas maravilhas. 2Em ti me alegrarei

9.2:
Sl 5.12
e saltarei de prazer; cantarei louvores ao teu nome, ó Altíssimo. 3Porquanto os meus inimigos retrocederam e caíram; e pereceram diante da tua face. 4Pois tu tens sustentado o meu direito e a minha causa; tu te assentaste no tribunal, julgando justamente. 5Repreendeste as nações, destruíste os ímpios,
9.5:
Dt 9.14
Pv 10.7
apagaste o seu nome para sempre e eternamente. 6Oh! inimigo! consumaram-se as assolações; — tu arrasaste as cidades, e a sua memória pereceu com elas. 7Mas o Senhor está assentado
9.7:
Hb 1.11
perpetuamente; preparou o seu tribunal para julgar. 8Ele mesmo julgará o mundo com justiça; julgará os povos com retidão. 9O Senhor será também
9.9:
Sl 32.7
um alto refúgio para o oprimido; um alto refúgio em tempos de angústia. 10E em ti confiarão os que conhecem
9.10:
Sl 91.14
o teu nome; porque tu, Senhor, nunca desamparaste os que te buscam. 11Cantai louvores ao Senhor, que habita em Sião; anunciai entre os povos os seus feitos. 12Pois inquire
9.12:
Gn 9.5
do derramamento de sangue, e lembra-se dele; não se esquece do clamor dos aflitos. 13Tem misericórdia de mim, Senhor, vê como me fazem sofrer aqueles que me aborrecem, tu que me levantas das portas da morte; 14Para que eu conte todos os teus louvores às portas da filha de Sião, e me alegre na tua salvação. 15As gentes
9.15:
Sl 13.6
Pv 5.22
precipitaram-se na cova que abriram; na rede que ocultaram ficou preso o seu pé. 16O Senhor é conhecido
9.16:
Êx 7.5
pelo juízo que fez; enlaçado ficou o ímpio nos seus próprios feitos. (Higaiom; Selá.) 17Os ímpios serão lançados no inferno e todas as gentes
9.17:
Jó 8.13
Sl 50.22
que se esquecem de Deus. 18Porque o necessitado não será esquecido para sempre,
9.18:
Pv 23.18
24.14
nem a expectação dos pobres se malogrará perpetuamente. 19Levanta-te, Senhor; não prevaleça o homem; sejam julgadas as gentes perante a tua face. 20Põe-os em medo, Senhor, para que saibam as nações que são constituídas por meros homens. (Selá.)

10

A audácia dos perseguidores, e o refúgio em Deus

101POR QUE te conservas longe, Senhor? Por que te escondes nos tempos de angústia? 2Os ímpios, na

10.2:
Pv 5.22
sua arrogância, perseguem furiosamente o pobre: sejam apanhados nas ciladas que maquinaram. 3Porque o ímpio gloria-se do desejo da sua alma;
10.3:
Rm 1.32
bendiz ao avarento, e blasfema do Senhor. 4Por causa do seu orgulho, o ímpio não investiga; todas as suas cogitações são: Não Deus. 5Os seus caminhos são sempre atormentadores: os teus juízos estão longe dele, em grande altura; trata com desprezo os seus adversários. 6Diz em seu coração:
10.6:
Sl 30.7
Não serei abalado, porque nunca me verei na adversidade. 7A sua boca está cheia
10.7:
Rm 3.14
de imprecações, de enganos e de astúcia; debaixo da sua língua malícia e maldade. 8Põe-se nos cerrados das aldeias; nos lugares
10.8:
Hc 3.14
ocultos mata o inocente; os seus olhos estão ocultamente fixos sobre o pobre. 9Arma ciladas
10.9:
Mq 7.2
em esconderijos, como o leão no seu covil; arma ciladas para roubar o pobre; rouba-o colhendo-o na sua rede. 10Encolhe-se, abaixa-se, para que os pobres caiam em suas fortes garras. 11Diz em seu coração: Deus esqueceu-se; cobriu o seu rosto,
10.11:
Jó 22.13
Ez 8.12
e nunca verá isto. 12Levanta-te, Senhor: oh! Deus, levanta
10.12:
Mq 5.9
a tua mão; não te esqueças dos necessitados. 13Por que blasfema de Deus o ímpio, dizendo no seu coração que tu não inquirirás? 14Tu o viste, porque atentas para o trabalho e enfado, para os tomares sob tuas mãos;
10.14:
1Pe 4.19
a ti o pobre se encomenda; tu és o auxílio do órfão. 15Quebranta o braço do ímpio e malvado; busca a sua impiedade, até nada mais achares dela. 16O Senhor
10.16:
Jr 10.10
1Tm 1.17
é Rei eterno; da sua terra serão desarraigados 10.16: ou as naçõesos gentios. 17Senhor, tu ouviste os desejos dos mansos; confortarás
10.17:
1Cr 29.18
os seus corações; os teus ouvidos estarão abertos para eles; 18Para fazeres
10.18:
Is 11.4
justiça ao órfão e ao oprimido, a fim de que o homem, que é da terra, não prossiga mais em usar da violência.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]