Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
79

A assolação de Jerusalém e a oração por socorro

Salmo de Asafe

791Ó DEUS, as nações entraram na tua

79.1:
Êx 15.17
herança; contaminaram a teu santo templo; reduziram Jerusalém a montões de pedras. 2Deram os cadáveres dos teus servos por comida às aves dos céus, e a carne dos teus santos às alimárias da terra. 3Derramaram o sangue deles como água ao redor de Jerusalém, e não houve quem os sepultasse. 4Estamos feitos o opróbrio dos nossos vizinhos, o escárnio e a zombaria dos que estão à roda de nós. 5Até quando, Senhor? indignar-te-ás para sempre? Arderá o teu zelo como fogo? 6Derrama o teu furor sobre nações que te não conhecem, e sobre os reinos que não invocam o teu nome. 7Porque devoraram a Jacó, e assolaram as suas moradas. 8Não te lembres
79.8:
Is 64.9
das nossas iniquidades passadas: apressa-te e antecipem-se-nos as tuas misericórdias, pois estamos muito abatidos. 9Ajuda-nos, ó Deus da nossa salvação, pela glória do teu nome: e livra-nos, e perdoa os nossos pecados por amor do teu nome. 10Porque diriam os gentios: Onde está o seu Deus? Torne-se manifesta entre as nações, à nossa vista, a vingança do sangue derramado dos teus servos. 11Chegue à tua presença o gemido dos presos; segundo a grandeza do teu braço, preserva aqueles que estão sentenciados à morte. 12E aos nossos vizinhos, deita-lhes no regaço, setuplicadamente, a sua injúria com que te injuriaram, Senhor. 13Assim nós, teu povo e ovelhas de teu pasto, te louvaremos eternamente: de geração em geração cantaremos os teus louvores.

80

O profeta suplica a Deus que livre a sua vinha dos que a destroem

Para o cantor-mor. Sobre Sosanim Edute. Salmo de Asafe

801Ó PASTOR de Israel, dá ouvidos; tu, que guias a José como a um rebanho, que te assentas entre os

80.1:
Êx 25.20,22
querubins, resplandece. 2Perante Efraim, Benjamim e Manassés, desperta o teu poder, e vem salvar-nos. 3Faze-nos voltar, ó Deus; faze resplandecer o teu rosto, e seremos salvos. 4Ó Senhor Deus dos Exércitos, até quando te indignarás contra a oração do teu povo? 5Tu os sustentas com pão de lágrimas
80.5:
Is 30.20
e lhes dás a beber lágrimas 80.5: Hebr. em grande medidaem abundância. 6Tu nos pões por objeto de contenção entre os nossos vizinhos: e os nossos inimigos zombam de nós entre si. 7Faze-nos voltar,
80.7:
Is 5.17
ó Deus dos Exércitos; faze resplandecer o teu rosto, e seremos salvos. 8Trouxeste uma vinha do Egito: lançaste fora as nações e a plantaste. 9Preparaste-lhe lugar, e fizeste com que ela aprofundasse raízes; e assim encheu a terra. 10Os montes cobriram-se com a sua sombra, e como os cedros de Deus se tornaram os seus ramos. 11Ela estendeu a sua ramagem até ao mar, e os seus ramos até ao rio. 12Porque quebraste então os seus valados, de modo que todos os que passam por ela a vindimam? 13O javali da selva a devasta, e as feras do campo a devoram. 14Oh! Deus dos Exércitos, volta-te, nós te rogamos, atende dos céus, e vê, e visita esta vinha; 15E a videira que a tua destra plantou, e o sarmento que fortificaste para ti. 16Está queimada pelo fogo, está cortada; pereceu pela repreensão da tua face. 17Seja a tua mão sobre o varão da tua destra, sobre o filho do homem, que fortificaste para ti. 18Deste modo, não nos iremos de após ti; guarda-nos em vida, e invocaremos o teu nome. 19Faze-nos voltar, Senhor Deus dos Exércitos: faze resplandecer o teu rosto, e seremos salvos.

81

Deus repreende a Israel pela sua ingratidão e rebelião

Salmo de Asafe, para o cantor-mor, sobre Gitite

811CANTAI alegremente a Deus, nossa fortaleza: celebrai o Deus de Jacó. 2Tomai o saltério, e trazei o adufe, a harpa suave e o alaúde. 3Tocai a trombeta na lua nova, no tempo marcado para a nossa solenidade. 4Porque isto é um estatuto para Israel, e uma ordenança do Deus de Jacó. 5Ordenou-o em José por testemunho, quando saíra contra a terra do Egito, onde ouvi uma língua que não entendia. 6Tirei de seus ombros a carga; as suas mãos ficaram livres dos cestos. 7Clamaste na angústia, e te livrei; respondi-te do lugar oculto dos trovões:

81.7:
Êx 17.6
provei-te nas águas de Meribá. (Selá.) 8Ouve-me, povo meu, e eu te admoestarei: ah! Israel, se me ouvisses! 9Não haverá entre ti deus alheio, nem te prostrarás ante um deus estranho. 10Eu
81.10:
Êx 20.2
sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito: abre bem a tua boca, e ta encherei. 11Mas o meu povo não quis ouvir a minha voz, e Israel não me quis. 12Pelo que eu os entreguei aos desejos dos seus corações, e andaram segundo os seus próprios conselhos. 13Ah! se o meu povo me tivesse ouvido! se Israel andasse nos meus caminhos! 14Em breve eu abateria os seus inimigos, e voltaria a minha mão contra os seus adversários. 15Os que aborrecem ao Senhor ter-se-lhe-iam sujeitado, e o tempo dele seria eterno. 16E eu o sustentaria com o trigo mais fino e o saciaria com o mel saído da rocha.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]