Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
55

Davi queixa-se da malícia dos seus inimigos; persevera em oração, e lança a sua carga sobre o Senhor

Masquil de Davi para o cantor-mor, sobre Neginote

551INCLINA, ó Deus, os teus ouvidos à minha oração, e não te escondas da minha súplica. 2Atende-me, e ouve-me: lamento-me e

55.2:
Is 38.14
rujo. 3Por causa do clamor do inimigo e da opressão do ímpio: pois lançam sobre mim iniquidade, e com furor me aborrecem. 4O meu coração está dorido dentro de mim, e terrores de morte sobre mim caíram. 5Temor e tremor me sobrevêm; e o horror me cobriu. 6Pelo que disse: Ah! quem me dera asas como de pomba! voaria, e estaria em descanso. 7Eis que fugiria para longe, e pernoitaria no deserto. (Selá.) 8Apressar-me-ia a escapar da fúria do vento e da tempestade. 955.9: Hebr. Devora-osDespedaça,
55.9:
Jr 6.7
Senhor, e divide as suas línguas, pois tenho visto violência e contenda na cidade. 10De dia e de noite andam ao redor dela, sobre os seus muros; iniquidade e malícia estão no meio dela. 11Maldade lá dentro: astúcia e engano não se apartam das suas ruas. 12Pois não era um inimigo que me afrontava: então eu o teria suportado; nem era o que me aborrecia que se engrandecia contra mim, porque dele me teria escondido. 13Mas eras tu, homem meu igual, meu guia e meu íntimo amigo. 14Praticávamos juntos suavemente,
55.14:
Sl 42.5
e íamos com a multidão à casa de Deus. 15A morte os assalte, e vivos 55.15: Hebr. desçam ao Sheolos engula a terra; porque maldade nas suas habitações e no seu próprio interior. 16Mas eu invocarei a Deus, e o Senhor me salvará. 17De tarde
55.17:
Dn 6.10
Lc 18.1
e de manhã e ao meio-dia orarei; e clamarei, e ele ouvirá a minha voz. 18Livrou em paz a minha alma da guerra que me moviam; pois eram muitos contra mim. 19Deus ouvirá; e os afligirá Aquele que preside desde a antiguidade (Selá), porque não há neles nenhuma mudança, e tão pouco temem a Deus. 20
55.20:
At 12.1
Puseram suas mãos nos que tinham paz com ele: romperam a sua aliança. 21A sua boca era mais macia do que a manteiga, mas no seu coração, guerra; as suas palavras eram mais brandas do que o azeite: todavia, eram espadas nuas. 22Lança
55.22:
Mt 6.25
o teu cuidado sobre o Senhor, e ele te susterá: nunca permitirá que o justo seja abalado. 23Mas tu, ó Deus, os farás descer ao poço da perdição; homens de sangue e de fraude não viverão metade dos seus dias; mas eu em ti confiarei.

56

Davi roga a Deus que o livre dos seus inimigos, e confia em que ele lho conceda

Mictão de Davi para o cantor-mor sobre Jonate-Elém-Recoquim, quando os filisteus o prenderam em Gate

561TEM misericórdia de mim, ó Deus, porque o homem procura devorar-me; oprime-me, pelejando todo o dia. 2Os que me andam espiando procuram devorar-me todo o dia; pois são muitos os que pelejam contra mim, ó Altíssimo. 3No dia em que eu temer, hei de confiar em ti. 4Em Deus louvarei a sua palavra; em Deus pus a minha confiança e não temerei;

56.4:
Is 31.3
Hb 13.6
que me pode fazer a carne? 5Todos os dias torcem as minhas palavras; todos os seus pensamentos são contra mim para o mal. 6Ajuntam-se, escondem-se, espiam os meus passos, como aguardando a minha morte. 7Porventura escaparão eles por meio da sua iniquidade? Ó Deus, derriba os povos na tua ira! 8Tu contaste as minhas 56.8: ou peregrinaçõesvagueações:
56.8:
Ml 3.16
põe as minhas lágrimas no teu odre: não estão elas no teu livro? 9Quando eu a ti clamar, então retrocederão os meus inimigos: isto sei eu, porque Deus está comigo. 10Em Deus louvarei a sua palavra: no Senhor louvarei a sua palavra. 11Em Deus tenho posto a minha confiança; não temerei o que me possa fazer o homem. 12Os teus votos estão sobre mim, ó Deus: eu te renderei ações de graças; 13Pois tu livraste a minha alma da morte, como também os meus pés de tropeçarem, para andar diante de Deus na luz dos viventes.

57

Davi acha socorro contra os seus inimigos e louva a Deus

Mictão de Davi para o cantor-mor Al-Tachete, quando fugia de diante de Saul na caverna

571TEM misericórdia de mim, ó Deus, tem misericórdia de mim, porque a minha alma confia em ti; e à sombra das tuas asas me abrigo, até que passem

57.1:
Is 26.20
as calamidades. 2Clamarei ao Deus altíssimo, ao Deus que por mim tudo executa. 3Ele dos céus enviará seu auxílio, e me salvará do desprezo daquele que procurava devorar-me (Selá). Deus enviará a sua misericórdia e a sua verdade. 4A minha alma está entre leões, e eu estou entre aqueles que estão abrasados, filhos dos homens, cujos dentes são lanças e frechas, e cuja língua é espada afiada. 5Sê exaltado, ó Deus, sobre os céus; seja a tua glória sobre toda a terra. 6Armaram uma rede aos meus passos, a minha alma ficou abatida; cavaram uma cova diante de mim, mas foram eles que nela caíram. (Selá.) 7Preparado está o meu coração, ó Deus, preparado está o meu coração; cantarei, e salmodiarei. 8Desperta! glória minha; desperta! alaúde e harpa; eu mesmo despertarei ao romper da alva. 9Louvar-te-ei, Senhor, entre os povos; cantar-te-ei entre as nações. 10Pois a tua misericórdia é grande até aos céus, e a tua verdade até às nuvens. 11Sê exaltado, ó Deus, sobre os céus; e seja a tua glória sobre toda a terra.