Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
38

A dor e o arrependimento do pecador; dirige-se a Deus para obter perdão e salvação

Salmo de Davi para lembrança

381Ó SENHOR, não me repreendas na tua ira, nem me castigues no teu furor. 2Porque as tuas frechas se cravaram em mim, e a tua mão sobre mim desceu. 3Não cousa sã na minha carne, por causa da tua cólera; nem paz em meus ossos, por causa do meu pecado. 4Pois as minhas

38.4:
Ed 9.6
iniquidades ultrapassam a minha cabeça: como carga pesada são de mais para as minhas forças. 5As minhas chagas
38.5:
Mt 11.28
cheiram mal e estão corruptas, por causa da minha loucura. 6Estou encurvado, estou muito abatido, ando lamentando todo o dia. 7Porque as minhas ilhargas estão cheias de ardor, e não cousa sã na minha carne. 8Estou fraco e mui quebrantado; tenho rugido por causa do desassossego do meu coração. 9Senhor, diante de ti está todo o meu desejo, e o meu gemido não te é oculto. 10O meu coração dá voltas, a minha força me falta; quanto à luz dos meus olhos, até essa me deixou. 11Os meus amigos e os meus propínquos afastam-se da minha chaga; e os meus parentes se põem em distância. 12Também os que buscam a minha vida me armam laços, e os que procuram o meu mal dizem cousas que danificam, e imaginam astúcias todo o dia. 13Mas eu, como surdo, não ouvia, e como mudo, não abri a boca. 14Assim eu sou como homem que não ouve, e em cuja boca não reprovação. 15Porque em ti, Senhor, espero; tu, Senhor meu Deus, me ouvirás. 16Porque dizia eu: Ouve-me, para que se não alegrem de mim: quando escorrega o meu pé, eles se engrandecem contra mim. 17Porque estou prestes a coxear; a minha dor está constantemente perante mim. 18Porque eu confessarei a minha iniquidade; afligir-me-ei por causa do meu pecado. 19Mas os meus inimigos estão vivos e são fortes, e os que sem causa me odeiam se engrandecem. 20Os que dão mal pelo bem são meus adversários, porque eu sigo o que é bom. 21Não me desampares, Senhor, meu Deus,
38.21:
Is 12.2
não te alongues de mim. 22Apressa-te em meu auxílio, Senhor, minha salvação.

39

O cuidado com as nossas palavras; a brevidade e vaidade da vida; a súplica do salmista para que Deus o guarde da impaciência

Salmo de Davi para o cantor-mor, para Jedutum

391EU disse: Guardarei os meus caminhos para não delinquir com a minha língua: enfrearei a minha boca enquanto o ímpio estiver diante de mim. 2Com o silêncio fiquei como mudo; calava-me mesmo acerca do bem; mas a minha dor se agravou. 3Incendeu-se dentro de mim o meu coração; enquanto eu meditava se acendeu um fogo: então falei com a minha língua. Disse: 4Faze-me conhecer, Senhor, o meu fim, e a medida dos meus dias qual é, para que eu sinta quanto sou frágil. 5Eis que fizeste os meus dias como a palmos; o tempo da minha vida é como nada diante de ti; na verdade, todo o homem, por mais firme que esteja, é totalmente vaidade. (Selá.) 6Na verdade, todo homem o anda como uma sombra; na verdade, em vão se inquietam: amontoam riquezas, e não sabem quem as levará. 7Agora, pois, Senhor, que espero eu? A minha esperança está em ti. 8Livra-me de todas as minhas transgressões; não me faças o opróbrio dos loucos. 9Emudeci; não abro a minha boca, porquanto tu o fizeste. 10Tira de sobre mim a tua praga; estou desfalecido pelo golpe da tua mão. 11Se com repreensões castigas alguém, por causa da iniquidade, logo destróis, como traça, a sua beleza: de sorte que todo o homem é 39.11: Hebr. um assoprovaidade. (Selá.) 12Ouve, Senhor, a minha oração, e inclina os teus ouvidos ao meu clamor; não te cales perante as minhas lágrimas, porque

39.12:
Lv 25.23
Hb 11.13
sou para contigo como um estranho, e peregrino como todos os meus pais. 13Poupa-me, até que tome alento, antes que me vá, e não seja mais.

40

Deus ouve a alma paciente: a obediência é melhor do que o sacrifício; o salmista faz oração a Deus para que o livre dos males

Salmo de Davi para o cantor-mor

401ESPEREI com paciência no Senhor, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor. 2Tirou-me 40.2: ou de uma cova de destruiçãodum lago horrível, dum charco de lodo, pôs os meus pés sobre uma rocha, firmou os meus passos; 3E pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos o verão, e temerão, e confiarão no Senhor. 4Bem-aventurado

40.4:
Jr 17.7
o homem que põe no Senhor a sua confiança, e que não respeita os soberbos nem os que se desviam para a mentira. 5Muitas são, Senhor meu Deus, as maravilhas que tens operado para conosco, e os teus pensamentos não se podem contar diante de ti; eu quisera anunciá-los, e manifestá-los, mas são mais do que se podem contar. 6Sacrifício
40.6:
1Sm 15
e oferta não quiseste; as minhas orelhas furaste; holocausto e expiação pelo pecado não reclamaste. 7Então disse: Eis aqui venho; no rolo do livro está escrito de mim: 8Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração. 9Preguei a justiça na grande congregação; eis que não retive os meus lábios, Senhor, tu o sabes. 10Não escondi a tua justiça dentro do meu coração; apregoei a tua fidelidade e a tua salvação:
40.10:
At 20.20,27
não escondi da grande congregação a tua benignidade e a tua verdade. 11Não detenhas para comigo, Senhor, as tuas misericórdias; guardem-me continuamente a tua benignidade e a tua verdade. 12Porque males sem número me têm rodeado: as minhas iniquidades me prenderam de modo que não posso olhar para cima; são mais numerosas do que os cabelos da minha cabeça; pelo que desfalece o meu coração. 13Digna-te, Senhor, livrar-me: Senhor, apressa-te em meu auxílio. 14Sejam à uma confundidos e envergonhados os que buscam a minha vida para destruí-la; tornem atrás e confundam-se os que me querem mal. 15Confundidos sejam em troca da sua afronta os que me dizem: Ah! Ah! 16Folguem e alegrem-se em ti os que te buscam: digam constantemente os que amam a tua salvação: Engrandecido seja o Senhor. 17Eu sou pobre e necessitado; mas o Senhor
40.17:
1Pe 5.7
cuida de mim: tu és o meu auxílio e o meu libertador; não te detenhas, ó meu Deus.