Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
30

A ira de Deus dura um momento só, mas a sua benignidade é eterna

Salmo e canção na dedicação da Casa

Salmo de Davi

301EXALTAR-TE-EI, ó Senhor, porque tu me exaltaste; e não fizeste com que meus inimigos se alegrassem sobre mim. 2Senhor, meu Deus, clamei a ti, e tu me saraste. 3Senhor, fizeste subir a minha alma da 30.3: Hebr. Sheolsepultura: conservaste-me a vida para que não descesse ao abismo. 4Cantai ao Senhor,

30.4:
1Cr 16.4
vós que sois seus santos, e celebrai a 30.4: ou sua santa memóriamemória da sua santidade. 5Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida; o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã. 6Eu dizia
30.6:
Jó 29.18
na minha prosperidade: Não vacilarei jamais. 7Tu, Senhor, pelo teu favor fizeste forte a minha montanha; tu encobriste o teu rosto, e fiquei perturbado. 8A ti, Senhor, clamei, e ao Senhor supliquei. 9Que proveito no meu sangue, quando desço à cova? Porventura te louvará o pó? anunciará ele a tua verdade? 10Ouve, Senhor, e tem piedade de mim, Senhor; sê o meu auxílio. 11Tornaste
30.11:
2Sm 6.14
Jr 31.4
o meu pranto em folguedo; tiraste o meu cilício e me cingiste de alegria: 12Para que a minha glória te cante louvores, e não se cale: Senhor, Deus meu, eu te louvarei para sempre.

31

Davi roga a Deus que o livre, louva a sua benignidade, e exorta a confiar nele

Salmo de Davi para o cantor-mor

311EM ti, Senhor, confio; nunca me deixes confundido: livra-me pela tua justiça. 2Inclina para mim os teus ouvidos, livra-me depressa; sê a minha firme rocha, uma casa fortíssima que me salve. 3Porque tu és a minha rocha e a minha fortaleza; pelo que, por amor do teu nome, guia-me e encaminha-me. 4Tira-me da rede que para mim esconderam, pois tu és a minha força. 5Nas tuas mãos

31.5:
Lc 23.43
At 7.58
encomendo o meu espírito; tu me remiste Senhor Deus da verdade. 6Aborreço aqueles que se entregam a vaidades enganosas; eu porém confio no Senhor. 7Eu me alegrarei e regozijarei na tua benignidade, pois consideraste a minha aflição:
31.7:
Sl 33.5
conheceste a minha alma nas angústias. 8E não me entregaste nas mãos do inimigo; puseste os meus pés num lugar espaçoso. 9Tem misericórdia de mim, ó Senhor, porque estou angustiado: consumidos estão de tristeza os meus olhos, a minha alma e o meu corpo. 10Porque a minha vida está gasta de tristeza, e os meus anos de suspiros; a minha força descai por causa da minha iniquidade, e os meus ossos se consomem. 11Por causa de todos os meus inimigos, fui o opróbrio dos meus vizinhos, e um horror para os meus conhecidos: os que me viam na rua fugiam de mim. 12Estou esquecido no coração deles, como um morto; sou como um vaso quebrado. 13Pois ouvi
31.13:
Jr 20.10
a murmuração de muitos; temor havia ao redor; porquanto todos se conluiavam contra mim; intentam tirar-me a vida. 14Mas eu confiei em ti, Senhor; e disse: Tu és o meu Deus. 15Os meus tempos estão nas tuas mãos: livra-me das mãos dos meus inimigos e dos que me perseguem. 16Faze resplandecer o teu rosto sobre o teu servo: salva-me por tuas misericórdias. 17Não me deixes confundido, Senhor, porque te tenho invocado; deixa confundidos os ímpios; emudeçam na sepultura. 18Emudeçam os lábios mentirosos que dizem 31.18: ou contra o justo insolentementecousas más com arrogância e desprezo contra o justo. 19Oh! quão grande é a tua bondade, que guardaste para os que te temem, e que tu mostraste àqueles que em ti confiam na presença dos filhos dos homens! 20Tu os esconderás, no secreto da tua presença, das intrigas dos homens: ocultá-los-ás em um pavilhão da contenda das línguas. 21Bendito seja o Senhor, pois fez maravilhosa a sua misericórdia para comigo em cidade segura. 22Pois eu dizia 31.22: ou no meu espantona minha pressa: Estou cortado de diante dos teus olhos; não obstante, tu ouviste a voz das minhas súplicas, quando eu a ti clamei. 23Amai ao Senhor, vós todos que sois seus santos; porque o Senhor guarda os fiéis e retribui com abundância aos soberbos. 24Esforçai-vos, e ele fortalecerá o vosso coração, vós todos que esperais no Senhor.

32

A felicidade do homem perdoado; exortação ao arrependimento

Masquil de Davi

321BEM-AVENTURADO aquele cuja transgressão

32.1:
Rm 4.6-8
é perdoada, e cujo pecado é coberto. 2Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não
32.2:
Jo 1.47
2Co 5.19
imputa maldade, e em cujo espírito não engano. 3Enquanto eu me calei, envelheceram os meus ossos pelo meu bramido em todo o dia. 4Porque de dia e de noite a tua mão
32.4:
1Sm 5.6
pesava sobre mim; o meu humor se tornou em sequidão de estio. (Selá.) 5Confessei-te o meu pecado, e a minha maldade não encobri; dizia eu: Confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu pecado. (Selá.) 6Pelo que todo aquele que é santo orará a ti, a tempo de te poder achar: até no transbordar de muitas águas, estas a ele não chegarão. 7Tu és o lugar
32.7:
Sl 9.10
em que me escondo; tu me preservas da angústia: tu me cinges de alegres cantos de livramento. (Selá.) 8Instruir-te-ei, e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; guiar-te-ei com os meus olhos. 9Não sejais como o cavalo, nem como a mula, que não tem entendimento, cuja boca precisa de cabresto e freio, para que se não atirem a ti. 10O ímpio tem muitas
32.10:
Pv 13.21
Rm 2.9
dores, mas aquele que confia no Senhor a misericórdia o cercará. 11Alegrai-vos no Senhor, e regozijai-vos, vós os justos; e cantai alegremente todos vós que sois retos de coração.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]