Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
25

Davi roga a Deus que o livre dos seus inimigos e lhe perdoe os seus pecados

Salmo de Davi

251A TI, Senhor, levanto

25.1:
Lm 3.41
a minha alma. 2Deus meu, em ti confio, não me deixes confundido, nem que os meus inimigos triunfem sobre mim. 3Na verdade, não serão confundidos os que esperam em ti: confundidos serão os que transgridem sem causa. 4Faze-me saber
25.4:
Êx 33.13
os teus caminhos, Senhor; ensina-me as tuas veredas. 5Guia-me na tua verdade, e ensina-me, pois tu és o Deus da minha salvação; por ti estou esperando todo o dia. 6Lembra-te, Senhor, das tuas misericórdias e das tuas benignidades, porque são desde a eternidade. 7Não te lembres dos pecados da minha mocidade, nem das minhas transgressões: mas, segundo a tua misericórdia, lembra-te de mim, por tua bondade, Senhor. 8Bom e reto é o Senhor; pelo que ensinará o caminho aos pecadores. 9Guiará os mansos retamente: e aos mansos ensinará o seu caminho. 10Todas as veredas do Senhor são misericórdia e verdade para aqueles que guardam o seu concerto e os seus testemunhos. 11Por amor do teu nome Senhor,
25.11:
Rm 5.20
perdoa a minha iniquidade, pois é grande. 12Qual é o homem que teme ao Senhor? ele o ensinará no caminho que deve escolher. 13A sua alma pousará no bem, e a sua descendência herdará a terra. 14O segredo do Senhor é para os que o temem; e ele lhes fará saber o seu concerto. 15Os meus olhos estão continuamente no Senhor, pois ele tirará os meus pés da rede. 16Olha para mim, e tem piedade de mim, porque estou solitário e aflito. 17As ânsias do meu coração se têm multiplicado; tira-me dos meus apertos. 18Olha
25.18:
2Sm 16.12
para a minha aflição e para a minha dor, e perdoa todos os meus pecados. 19Olha para os meus inimigos, pois se vão multiplicando e me aborrecem com ódio cruel. 20Guarda a minha alma, e livra-me; não me deixes confundido, porquanto confio em ti. 21Guardem-me a sinceridade e a retidão, porquanto espero em ti. 22Redime, ó Deus, a Israel de todas as suas angústias.

26

Davi recorre a Deus, confiando na sua própria integridade

Salmo de Davi

261JULGA-ME, Senhor, pois tenho andado em minha sinceridade; tenho confiado também no Senhor; não vacilarei. 2Examina-me, Senhor, e prova-me: esquadrinha os meus rins e o meu coração. 3Porque a tua benignidade está diante dos meus olhos; e tenho andado na tua verdade. 4Não me tenho assentado com homens vãos, nem converso com os homens dissimulados. 5Tenho aborrecido

26.5:
Sl 31.7
a congregação de malfeitores; não me ajunto com os ímpios. 6Lavo as
26.6:
Êx 30.19-20
1Tm 2.8
minhas mãos na inocência; e assim andarei, Senhor, ao redor do teu altar, 7Para publicar com voz de louvor, e contar todas as tuas maravilhas. 8Senhor, eu tenho amado a habitação da tua casa e o lugar onde permanece a tua glória. 9Não colhas a minha alma com a dos pecadores, nem a minha vida com a dos homens sanguinolentos, 10Em cujas mãos malefício, e cuja mão direita está
26.10:
Êx 23.8
Dt 16.19
cheia de subornos. 11Mas eu ando na minha sinceridade; livra-me e tem piedade de mim. 12O meu pé está posto em caminho plano; nas congregações louvarei ao Senhor.

27

Confiança em Deus e anelo pela sua presença

Salmo de Davi

271O SENHOR é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O Senhor é a força da minha vida; de quem me recearei? 2Quando os malvados, meus adversários e meus inimigos, investiram contra mim, para comerem as minhas carnes, tropeçaram e caíram. 3Ainda que um exército me cercasse, o meu coração não temeria: ainda que a guerra se levantasse contra mim, nele confiaria. 4Uma cousa pedi ao Senhor, e a buscarei:

27.4:
Lc 2.37
que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor, e aprender no seu templo. 5Porque no dia da adversidade me esconderá no seu pavilhão: no oculto do seu tabernáculo me esconderá: pôr-me-á sobre uma rocha. 6Também a minha cabeça será exaltada sobre os meus inimigos que estão ao redor de mim: pelo que oferecerei sacrifício de júbilo no seu tabernáculo; cantarei, sim, cantarei louvores ao Senhor. 7Ouve, Senhor, a minha voz quando clamo; tem também piedade de mim, e responde-me. 8Quando tu disseste: Buscai o meu rosto; o meu coração te disse a ti: O teu rosto, Senhor, buscarei. 9Não escondas de mim a tua face, não rejeites ao teu servo com ira: tu foste a minha ajuda, não me deixes nem me desampares, ó Deus da minha salvação. 10Porque, quando
27.10:
Is 49.15
meu pai e minha mãe me desampararem, o Senhor me recolherá. 11Ensina-me, Senhor, o teu caminho, e guia-me pela vereda direita, por causa dos que me andam espiando. 12Não me entregues à vontade dos meus adversários; pois se levantaram falsas testemunhas contra mim, e os que respiram crueldade. 13Pereceria sem dúvida, se não cresse que veria os bens do Senhor na terra dos viventes. 14Espera
27.14:
Is 25.9
Hc 2.3
no Senhor, anima-te, e ele fortalecerá o teu coração; espera pois no Senhor.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]