Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
140

O salmista ora para que seja livre de inimigos potentes e injustos

Salmo de Davi para o cantor-mor

1401LIVRA-ME, ó Senhor, do homem mau: guarda-me do homem violento; 2Os quais pensam o mal no coração: continuamente se ajuntam para a guerra. 3Aguçaram as línguas como a serpente; o veneno das víboras está debaixo dos seus lábios. (Selá.) 4Guarda-me, ó Senhor, das mãos do ímpio; guarda-me do homem

140.4:
Rm 3.13
violento, os quais se propuseram desviar os meus passos. 5Os soberbos
140.5:
Jr 18.22
armaram-me laços e cordas; estenderam a rede à beira do caminho: armaram-me laços corrediços. (Selá.) 6Eu disse ao Senhor: Tu és o meu Deus: ouve a voz das minhas súplicas, ó Senhor. 7Senhor Deus, 140.7: ou forçafortaleza da minha salvação, tu cobriste a minha cabeça no dia da batalha. 8Não cumpras, ó Senhor, ao ímpio os seus desejos: não deixes ir por diante o seu mau propósito, para que não se exalte. (Selá.) 9Quanto aos que, cercando-me, levantam a cabeça, cubra-os a maldade dos seus lábios. 10Caiam sobre eles brasas vivas: sejam lançados no fogo: em covas profundas, para que se não tornem a levantar. 11Não terá firmeza na terra o homem de língua: o mal perseguirá o homem violento até que seja desterrado. 12Sei que o Senhor 140.12: ou manterásustentará a causa do oprimido, e o direito do necessitado. 13Assim os justos louvarão o teu nome: os retos habitarão na tua presença.