Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
130

A confissão do pecado e a esperança do perdão

130, título: ou Cântico gradualCântico dos degraus

1301DAS profundezas a ti clamo, ó Senhor. 2Senhor, escuta a minha voz: sejam os teus ouvidos atentos à voz das minhas súplicas. 3Se tu, Senhor,

130.3:
Rm 3.20,23-24
observares as iniquidades, Senhor, quem subsistirá? 4Mas contigo está
130.4:
Êx 34.7
o perdão, para que sejas temido. 5Aguardo ao Senhor; a minha alma o aguarda, e espero na sua palavra. 6A minha alma anseia pelo Senhor, mais do que os guardas pelo romper da manhã, sim, do que aqueles que esperam pela manhã. 7Espere Israel no Senhor, porque no Senhor misericórdia, e nele abundante redenção. 8E ele remirá
130.8:
Mt 1.20
a Israel de todas as suas iniquidades.

131

A humildade do salmista

131, título: ou Cântico gradualCântico dos degraus, de Davi

1311SENHOR, o meu coração não se elevou

131.1:
Rm 12.16
nem os meus olhos se levantaram: não me exercito em grandes assuntos, nem em cousas muito elevadas para mim. 2De certo fiz calar e sossegar a minha alma: qual criança
131.2:
Mt 18.3
1Co 14.20
desmamada, para com sua mãe, tal é a minha alma para comigo. 3Espere Israel no Senhor, desde agora e para sempre.

132

O zelo de Davi pelo templo e pela arca. As promessas feitas por Deus

132, título: ou Cântico gradualCântico dos degraus

1321LEMBRA-TE, Senhor, de Davi, e de todas as suas aflições. 2Como jurou ao Senhor,

132.2:
Gn 49.24
e fez votos ao Poderoso de Jacó, dizendo: 3Certamente que não entrarei na tenda em que habito, nem subirei ao leito em que durmo, 4Não darei sono aos meus olhos, nem repouso às minhas pálpebras, 5Enquanto
132.5:
At 7.46
não achar lugar para o Senhor, uma morada para o Poderoso de Jacó. 6Eis que ouvimos falar da arca em Efrata, e a achamos no campo do bosque. 7Entraremos nos seus tabernáculos: prostrar-nos-emos ante o escabelo de seus pés. 8Levanta-te,
132.8:
Nm 10.35
2Cr 6.41-42
Senhor, no teu repouso, tu e a arca da tua força. 9Vistam-se os teus sacerdotes de justiça, e alegrem-se os teus santos. 10Por amor de Davi, teu servo, não faças virar o rosto do teu ungido. 11O Senhor jurou a Davi com verdade, e não se desviará
132.11:
2Sm 7.12
1Rs 8.25
dela: Do fruto do teu ventre porei sobre o teu trono. 12Se os teus filhos guardarem o meu concerto, e os meus testemunhos, que eu lhes hei de ensinar, também os seus filhos se assentarão perpetuamente no teu trono. 13Porque o Senhor elegeu a Sião; desejou-a para sua habitação, dizendo: 14Este é o meu repouso para sempre: aqui habitarei, pois o desejei. 15Abençoarei abundantemente o seu mantimento; fartarei de pão os seus necessitados. 16Vestirei de salvação os seus sacerdotes, e os seus santos rejubilarão. 17Ali farei brotar 132.17: Hebr. o chifrea
132.17:
Ez 29.21
Os 11.12
força de Davi: preparei uma lâmpada para o meu ungido. 18Vestirei os seus inimigos de confusão; mas sobre ele florescerá a sua coroa.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]