Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
11

Deus salva os retos e castiga os ímpios

Salmo de Davi para o cantor-mor

111NO Senhor confio; como dizeis, pois, à minha alma: Fugi para a vossa montanha como pássaro? 2Porque eis que os ímpios armam o arco, põem as frechas na corda, para com elas atirarem, a ocultas, aos retos de coração. 3Na verdade que já os fundamentos se transtornam: que pode fazer o justo? 4O Senhor está

11.4:
Is 66.1
Hc 2.20
no seu santo templo: o trono do Senhor está nos céus; os seus olhos estão atentos, e as suas pálpebras provam os filhos dos homens. 5O Senhor prova
11.5:
Gn 22.1
o justo; mas a sua alma aborrece o ímpio e o que ama a violência. 6Sobre os ímpios fará
11.6:
Gn 19.24
Ez 38.22
chover laços, fogo, enxofre e vento tempestuoso: eis a porção do seu copo. 7Porque o Senhor é justo
11.7:
Jó 36.7
1Pe 3.12
e ama a justiça; o seu rosto está voltado para os retos.

12

A falsidade do homem e a veracidade de Deus

Salmo de Davi para o cantor-mor, sobre Seminite

121SALVA-NOS, Senhor,

12.1:
Is 57.1
Mq 7.2
porque faltam os homens benignos; porque são poucos os fiéis entre os filhos dos homens. 2Cada um fala
12.2:
Jr 9.8
Rm 16.18
com falsidade ao seu próximo: falam com lábios lisonjeiros e coração dobrado. 3O Senhor cortará todos os lábios lisonjeiros e a língua que fala
12.3:
1Sm 2.3
Dn 7.8
soberbamente. 4Pois dizem: com a nossa língua prevaleceremos: os beiços são nossos: quem é o Senhor sobre nós? 5Por causa da opressão dos pobres, e do gemido dos
12.5:
Êx 3.7
Is 33.10
necessitados, me levantarei agora, diz o Senhor; 12.5: ou darei a salvação ao que suspira por elaporei em salvo aquele para quem eles assopram. 6As palavras do Senhor
12.6:
2Sm 22.31
Pv 30.5
são palavras puras, como prata refinada em forno de barro, purificada sete vezes. 7Tu os guardarás, Senhor; desta geração os livrarás para sempre. 8Os ímpios circulam por toda a parte, quando os mais vis dos filhos dos homens são exaltados.

13

Davi, na sua extrema tristeza, recorre a Deus e confia nele

Salmo de Davi para o cantor-mor

131ATÉ quando te esquecerás de mim, Senhor? para sempre? Até quando

13.1:
Dt 31.17
Jó 13.24
esconderás de mim o teu rosto? 2Até quando consultarei com a minha alma, tendo tristeza no meu coração cada dia? Até quando se exaltará sobre mim o meu inimigo? 3Atenta em mim, ouve-me, ó Senhor meu Deus;
13.3:
Ed 9.8
Jr 51.19
alumia os meus olhos para que eu não adormeça na morte; 4Para que o meu inimigo não diga: Prevaleci contra ele; e os meus adversários se não alegrem, vindo eu a vacilar. 5Mas eu confio
13.5:
Sl 33.21-22
na tua benignidade: na tua
13.5:
Sl 12.4,7
119.17
salvação meu coração se alegrará. 6Cantarei ao Senhor, porquanto me tem feito muito bem.