Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
2

O cerco e tomada de Nínive

21O DESTRUIDOR

2.1:
Jr 50.23
51.11-12
está já diante de ti: guarda tu a fortaleza, observa o caminho, esforça os lombos, fortalece muito o teu poder. 2Porque
2.2:
Is 10.12
Jr 25.29
o Senhor trará outra vez a excelência de Jacó, como a excelência de Israel; porque os que despejam os despejaram, e corromperam os seus sarmentos. 3Os escudos dos seus valentes estarão
2.3:
Is 63.2-3
vermelhos, os homens valorosos escarlates, os carros como fogo de tochas no dia da sua preparação, e as lanças se sacudirão terrivelmente. 4Os carros se enfurecerão nas praças, chocar-se-ão pelas ruas: o seu parecer é como o de tochas, correrão como relâmpagos. 5Este se lembrará das suas riquezas: eles porém tropeçarão na sua marcha: apresentar-se-ão no muro, quando o amparo for preparado. 6As portas do rio se abrirão, e o palácio se derreterá. 7E Huzabe está descoberta; será levada cativa, e as suas servas a acompanharão,
2.7:
Is 38.14
59.11
gemendo como pombas, batendo em seus peitos. 8Nínive desde que existe tem sido como um tanque de águas; elas porém fogem agora. Parai, parai, clamar-se-á; mas ninguém olhará para trás. 9Saqueai a prata, saqueai o ouro, porque não tem termo o provimento, abastança há de todo o gênero de móveis apetecíveis. 10Vazia, e esgotada e devastada ficará: e derrete-se o coração,
2.10:
Is 13.7-8
Dn 5.6
Jr 30.6
Jl 2.6
e tremem os joelhos, e em todos os lombos há dor; e os rostos de todos eles empalidecem. 11Onde está agora o covil dos leões,
2.11:
Jó 4.10-11
Ez 19.2,7
e as pastagens dos leõezinhos, onde passeava o leão velho, e o cachorro do leão, sem haver ninguém que os espantasse? 12O leão arrebatava o que bastava para os seus cachorros, e estrangulava a presa para as suas leoas, e enchia de presas as suas cavernas, e os seus covis de rapina. 13Eis que
2.13:
Ez 33.3
39.1
Na 3.5
eu estou contra ti, diz o Senhor dos exércitos, e queimarei no fumo
2.13:
2Rs 18.17,19
19.9,23
os teus carros, e a espada devorará os teus leõezinhos, e arrancarei da terra a tua presa, e não se ouvirá mais a voz dos teus embaixadores.