Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
3

A pregação de João Batista

Mateus 3.1-12

31E NO ano quinze do império de Tibério César, sendo Pôncio Pilatos presidente da Judeia, e Herodes tetrarca da Galileia, e seu irmão Filipe tetrarca da Itureia, e da província de Traconites, e Lisâneas tetrarca da Abilínia. 2Sendo Anás

3.2:
Jo 11.49,51
18.13
At 4.6
e Caifás sumos sacerdotes, veio no deserto a palavra de Deus a João, filho de Zacarias. 3E percorreu toda a terra ao redor do Jordão,
3.3:
Mt 3.1
Mc 1.4
Lc 1.77
pregando o batismo de arrependimento, para o perdão dos pecados; 4Segundo o que está escrito no livro das palavras
3.4:
Is 40.3
Mt 3.3
Mc 1.3
Jo 1.23
do profeta Isaías, que diz: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; endireitai as suas veredas. 5Todo o vale se encherá, e se abaixará todo o monte e outeiro; e o que é tortuoso se endireitará, e os caminhos escabrosos se aplanarão; 6E toda
3.6:
Sl 92.2
Is 52.10
Lc 2.11
a carne verá a salvação de Deus. 7Dizia pois João à multidão que saía para ser batizada por ele:
3.7:
Mt 3.7
Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira que está para vir? 8Produzi pois frutos dignos de arrependimento, e não comeceis a dizer em vós mesmos: Temos Abraão por pai; porque eu vos digo que até destas pedras pode Deus suscitar filhos a Abraão. 9E também já está posto o machado à raiz das árvores;
3.9:
Mt 7.19
toda a árvore, pois, que não dá bom fruto, corta-se e lança-se no fogo. 10E a multidão o interrogava, dizendo:
3.10:
At 2.37
Que faremos pois? 11E, respondendo ele, disse-lhes: Quem tiver
3.11:
Lc 11.41
2Co 8.14
Tg 2.15
1Jo 3.17
duas túnicas, reparta com o que não tem, e quem tiver alimentos faça da mesma maneira. 12E chegaram também
3.12:
Mt 21.32
Lc 7.29
uns publicanos, para serem batizados, e disseram-lhe: Mestre, que devemos fazer? 13E ele lhes disse:
3.13:
Lc 19.8
Não peçais mais do que o que vos está ordenado. 14E uns soldados o interrogaram também, dizendo: E nós que faremos? E ele lhes disse:
3.14:
Êx 23.1
Lv 19.11
A ninguém trateis mal nem defraudeis, e contentai-vos com o vosso soldo. 15E, estando o povo em expectação, e pensando todos de João, em seus corações, se porventura seria o Cristo, 16Respondeu João a todos, dizendo:
3.16:
Mt 3.11
Eu, na verdade, batizo-vos com água, mas eis que vem aquele que é mais poderoso do que eu, a quem eu não sou digno de desatar a correia das alparcas; esse vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. 17Ele tem a pá na sua mão; e limpará a sua eira,
3.17:
Mq 4.12
Mt 13.30
e ajuntará o trigo no seu celeiro, mas queimará a palha com fogo que nunca se apaga. 18E assim admoestando-os, muitas outras coisas também anunciava ao povo. 19Sendo, porém, o
3.19:
Mt 14.3
Mc 6.17
tetrarca Herodes repreendido por ele por causa de Herodias, mulher de seu irmão Filipe, e por todas as maldades que Herodes tinha feito. 20Acrescentou a todas as outras ainda esta, a de encerrar João num cárcere.

O batismo de Jesus

Mateus 3.13-17; João 1.32

21E aconteceu que, como todo o povo se batizava, sendo batizado também Jesus, orando ele, o céu se abriu; 22E o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como uma pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és meu filho amado, em ti me tenho comprazido.

Genealogia de Jesus

23E o mesmo Jesus começava a ser de quase trinta

3.23:
Nm 4.3,35,39,43,47
anos, sendo (como se cuidava) filho de José, e José de Heli, 24e Heli de Matá, e Matá de Levi, e Levi de Melqui, e Melqui de Joana e Joana de José, 25e José de Matatias, e Matatias de Amós, e Amós de Naum, e Naum de Essi, e Essi de Nagai, 26e Nagai de Máate, e Máate de Matatias, e Matatias de Semei, e Semei de José, e José de Judá, 27e Judá de Joana e Joana de Resá, e Resá de Zorobabel, e Zorobabel de Salatiel, e Salatiel de Neri, 28e Neri de Melqui, e Melqui de Adi, e Adi de Cozam, e Cozam de Elmodam, e Elmodam de Er, 29e Er de José, e José de Eliézer, e Eliézer de Jorim, e Jorim de Matá, e Matá de Levi, 30e Levi de Simeão, e Simeão de Judá, e Judá de José, e José de Jonã, e Jonã de Eliaquim, 31e Eliaquim de Meleia, e Meleia de Mainã, e Mainã de Matatá, e Matatá de Natã,
3.31:
Zc 12.12
2Sm 5.14
1Cr 2.10
3.5
Rt 4.18
e Natã de Davi, 32e Davi de Jessé, e Jessé de Obede, e Obede de Booz, e Booz de Salmom, e Salmom de Naassom, 33e Naassom de Aminadabe, e Aminadabe de Arão, e Arão de Esrom, e Esrom de Fares, e Fares de Judá, 34e Judá de Jacó, e Jacó de Isaque, e Isaque de Abraão, e Abraão de Tare,
3.34:
Gn 11.24
e Tare de Nacor, 35e Nacor de Saruque, e Saruque de Ragaú, e Ragaú de Fáleque, e Fáleque de Heber, e Heber de Sala, 36e Sala de Cainã, e
3.36:
Gn 11.12
Cainã de Arfaxade, e Arfaxade de Sem,
3.36:
Gn 5.6
11.10
e Sem de Noé, e Noé de Lameque, 37e Lameque de Matusala, e Matusala de Enoque, e Enoque de Járede, e Járede de Maleleel e Maleleel de Cainã, 38e Cainã de Henos, e Henos de Sete, e Sete de Adão,
3.38:
Gn 5.1-2
e Adão de Deus.

4

A tentação de Jesus

Mateus 4.1-11

41E JESUS, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão

4.1:
Mt 4.1
Mc 1.12
Lc 2.27
4.14
e foi levado pelo Espírito ao deserto; 2E quarenta dias foi tentado pelo diabo, e naqueles dias
4.2:
Êx 34.28
1Rs 19.8
não comeu coisa alguma; e, terminados eles, teve fome. 3E disse-lhe o diabo: Se tu és o Filho de Deus, dize a esta pedra que se transforme em pão. 4E Jesus lhe respondeu, dizendo: Escrito está
4.4:
Dt 8.3
que nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra de Deus. 5E o diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo. 6E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória; porque a mim me foi entregue,
4.6:
Jo 12.31
14.30
Ap 13.2,7
e dou-o a quem quero; 7Portanto, se tu me adorares, tudo será teu. 8E Jesus, respondendo, disse-lhe: Vai-te, Satanás; porque está escrito:
4.8:
Dt 6.13
10.20
Adorarás o Senhor teu Deus, e só a Ele servirás. 9Levou-o também a Jerusalém,
4.9:
Mt 4.5
e pô-lo sobre o pináculo do templo, e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; 10Porque está escrito:
4.10:
Sl 91.11-12
Mandará aos seus anjos, acerca de ti, que te guardem, 11E que te sustenham nas mãos, para que nunca tropeces com o teu pé em alguma pedra. 12E Jesus, respondendo,
4.12:
Dt 6.16
disse-lhe: Dito está: Não tentarás ao Senhor teu Deus. 13E, acabando o
4.13:
Jo 14.30
Hb 4.15
diabo toda a tentação, ausentou-se dele por algum tempo.

Jesus é expulso de Nazaré

14Então,

4.14:
Mt 4.12
Jo 4.43
Lc 4.1
pela virtude do Espírito, voltou Jesus para a Galileia,
4.14:
At 10.37
e a sua fama correu por todas as terras em derredor. 15E ensinava nas suas sinagogas, e por todos era louvado. 16E, chegando a Nazaré,
4.16:
Mt 2.23
13.54
Mc 6.1
At 13.14
17.2
onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler. 17E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: 18O Espírito
4.18:
Is 61.1
do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os quebrantados do coração, 19A apregoar 4.19: Gr. remissãoliberdade aos cativos, e dar vista aos cegos; a pôr em 4.19: Gr. remissãoliberdade os oprimidos; a anunciar o ano aceitável do Senhor. 20E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele. 21Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos. 22E todos lhe davam testemunho, e se maravilhavam
4.22:
Sl 45.2
Mt 13.54
Mc 6.2
Lc 2.47
Jo 6.42
das palavras de graça que saíam da sua boca; e diziam: Não é este o filho de José? 23E ele lhes disse: Sem dúvida me direis este provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo: faze também aqui na tua pátria tudo que ouvimos ter
4.23:
Mt 4.13
11.23
13.54
Mc 6.1
sido feito em Capernaum. 24E disse:
4.24:
Mt 13.57
Mc 6.4
Jo 4.44
Em verdade vos digo que nenhum profeta é bem-recebido na sua pátria. 25Em verdade vos digo
4.25:
1Rs 17.9
18.1
Tg 5.17
que muitas viúvas existiam em Israel nos dias de Elias, quando o céu se cerrou por três anos e seis meses, de sorte que em toda a terra houve grande fome; 26E a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a Serepta de Sidom, a uma mulher viúva. 27E muitos leprosos havia em
4.27:
2Rs 5.14
Israel no tempo do profeta Eliseu, e nenhum deles foi purificado, senão Naamã, o siro. 28E todos, na sinagoga, ouvindo estas coisas, se encheram de ira. 29E, levantando-se, o expulsaram da cidade, e o levaram até ao cume do monte em que a cidade deles estava edificada, para dali o precipitarem. 30Ele, porém, passando
4.30:
Jo 8.59
10.39
pelo meio deles, retirou-se. 31E desceu
4.31:
Mt 4.13
Mc 1.21
a Capernaum, cidade da Galileia, e os ensinava nos sábados. 32E admiravam a sua doutrina porque a
4.32:
Mt 7.28-29
Tg 2.15
sua palavra era com autoridade.

Cura de um endemoninhado

Marcos 1.23-28

33E estava na sinagoga um homem que tinha um espírito de um demônio imundo, e exclamou em alta voz, 34Dizendo: Ah! que temos nós contigo, Jesus Nazareno? vieste a destruir-nos?

4.34:
Lc 1.35
4.41
Sl 16.10
Dn 9.24
Bem sei quem és: o Santo de Deus. 35E Jesus o repreendeu, dizendo: Cala-te, e sai dele. E o demônio, lançando-o por terra no meio do povo, saiu dele sem lhe fazer mal. 36E veio espanto sobre todos, e falavam entre si uns e outros dizendo: Que palavra é esta que até aos espíritos imundos manda com autoridade e poder e eles saem?

A cura da sogra de Pedro

Mateus 8.14-17 e refs.

37E a sua fama divulgava-se por todos os lugares, em redor daquela comarca. 38Ora,

4.38:
Mc 1.29
levantando-se Jesus da sinagoga, entrou em casa de Simão; e a sogra de Simão estava enferma com muita febre, e rogaram-lhe por ela. 39E, inclinando-se para ela, repreendeu a febre, e esta a deixou. E ela, levantando-se logo, servia-os. 40E, ao pôr do sol,
4.40:
Mc 1.32
todos os que tinham enfermos de várias doenças lhos traziam; e, pondo as mãos sobre cada um deles, os curava. 41E também de muitos saíam demônios, clamando
4.41:
Mc 1.34
3.11
e dizendo:
4.41:
Mc 1.25,34
Lc 4.34-35
Tu és o Cristo, o Filho de Deus. E ele, repreendendo-os, não os deixava falar, pois sabiam que ele era o Cristo. 42E, sendo já dia,
4.42:
Mc 1.35
saiu, e foi para um lugar deserto; e a multidão o procurava, e chegou junto dele; e o detinham, para que não se ausentasse deles. 43Ele, porém, lhes disse: Também é necessário que eu anuncie a outras cidades o evangelho do reino de Deus; porque para isso fui enviado. 44E pregava
4.44:
Mc 1.39
nas sinagogas da Galileia.

5

A pesca maravilhosa: os primeiros discípulos

51E ACONTECEU

5.1:
Mt 4.18
Mc 1.16
que, apertando-o a multidão, para ouvir a palavra de Deus, estava ele junto ao lago de Genesaré; 2E viu estar dois barcos junto à praia do lago; e os pescadores, havendo descido deles, estavam lavando as redes. 3E, entrando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra; e, assentando-se, ensinava do barco a multidão. 4E, quando acabou de falar, disse a Simão:
5.4:
Jo 21.6
Faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar. 5E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre tua palavra, lançarei a rede. 6E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede. 7E fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco, para que os fossem ajudar. E foram, e encheram ambos os barcos, de maneira tal que quase iam a pique. 8E, vendo isto Simão Pedro, prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo: Senhor,
5.8:
2Sm 6.9
1Rs 17.18
ausenta-te de mim, que sou um homem pecador. 9Pois que o espanto se apoderara dele, e de todos os que com ele estavam, por causa da pesca de peixe que haviam feito; 10E, de igual modo, também de Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão. E disse Jesus a Simão: Não temas:
5.10:
Mt 4.19
Mc 1.17
de agora em diante serás pescador de homens. 11E, levando os barcos para terra, deixaram tudo,
5.11:
Mt 4.20
19.27
Mc 1.18
Lc 18.28
e o seguiram.

Cura dum leproso

Mateus 8.1-4 e refs.

12E aconteceu que, quando estava numa daquelas cidades, eis que

5.12:
Mc 1.40
um homem cheio de lepra, vendo a Jesus, prostrou-se sobre o rosto, e rogou-lhe, dizendo: Senhor, se quiseres, bem podes limpar-me. 13E ele, estendendo a mão, tocou-lhe, dizendo: Quero; sê limpo. E logo a lepra desapareceu dele, 14E ordenou-lhe que a ninguém
5.14:
Mt 8.4
Lv 14.4,10,21
o dissesse. Mas vai, disse, mostra-te ao sacerdote, e oferece, pela tua purificação, o que Moisés determinou, para que lhes sirva de testemunho. 15Porém a sua fama se propagava ainda mais,
5.15:
Mt 4.25
Mc 3.7
Jo 6.2
e ajuntava-se muita gente para o ouvir e para ser por ele curada das suas enfermidades. 16Porém ele retirava-se
5.16:
Mt 14.23
Mc 6.46
para os desertos, e ali orava.

Cura dum paralítico

Mateus 9.1-8 e refs.

17E aconteceu que, num daqueles dias, estava ensinando, e estavam ali assentados fariseus e doutores da lei, que tinham vindo de todas as aldeias da Galileia, e da Judeia, e de Jerusalém. E a virtude do Senhor estava com ele para curar. 18E eis que

5.18:
Mc 2.3
uns homens transportaram numa cama um homem que estava paralítico, e procuravam fazê-lo entrar e pô-lo diante dele; 19E, não achando por onde o pudessem levar, por causa da multidão, subiram ao telhado, e por entre as telhas o baixaram com a cama, até ao meio, diante de Jesus. 20E, vendo ele a fé deles, disse-lhe: Homem, os teus pecados te são perdoados. 21E
5.21:
Mt 9.3
Mc 2.6
os escribas e os fariseus começaram a arrazoar, dizendo: Quem é este que diz blasfêmias? Quem pode perdoar pecados,
5.21:
Sl 32.5
Is 43.25
senão só Deus? 22Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, respondeu, e disse-lhes: Que arrazoais em vossos corações? 23Qual é mais fácil? dizer: Os teus pecados te são perdoados; ou dizer: Levanta-te, e anda? 24Ora, para que saibais que o Filho do homem tem sobre a terra poder de perdoar pecados (disse ao paralítico), a ti te digo: Levanta-te, toma a tua cama, e vai para tua casa. 25E, levantando-se logo diante deles, e tomando a cama em que estava deitado, foi para sua casa, glorificando a Deus. 26E todos ficaram maravilhados, e glorificaram a Deus; e ficaram cheios de temor, dizendo: Hoje vimos prodígios.

A vocação de Levi

Mateus 9.9-13 e refs.

27E, depois

5.27:
Mc 2.13
disto, saiu, e viu um publicano, chamado Levi, assentado na recebedoria, e disse-lhe: Segue-me. 28E ele, deixando tudo, levantou-se e o seguiu. 29E fez-lhe Levi
5.29:
Mt 9.10
Mc 2.15
Lc 15.1
um grande banquete em sua casa; e havia ali uma multidão de publicanos e outros que estavam com eles à mesa. 30E os escribas deles, e os fariseus, murmuravam contra os seus discípulos, dizendo: Por que comeis e bebeis com publicanos e pecadores? 31E Jesus, respondendo, disse-lhes: Não necessitam de médico os que estão sãos, mas, sim, os que estão enfermos; 32Eu não vim chamar
5.32:
Mt 9.13
1Tm 1.15
os justos, mas, sim, os pecadores, ao arrependimento.

Acerca do jejum

Mateus 9.14-17 e refs.

33Disseram-lhe então eles: Por que jejuam os discípulos de João

5.33:
Mc 2.18
muitas vezes, e fazem orações, como também os dos fariseus, mas os teus comem e bebem? 34E ele lhes disse: Podeis vós fazer jejuar os filhos das bodas, enquanto o esposo está com eles? 35Dias virão, porém, em que o esposo lhes será tirado, e então, naqueles dias, jejuarão. 36E disse-lhes também uma parábola:
5.36:
Mt 9.16-17
Mc 2.21
Ninguém tira um pedaço dum vestido novo para o coser em vestido velho, pois que romperá o novo e o remendo não condiz com o velho. 37E ninguém deita vinho novo em odres velhos; doutra sorte o vinho novo romperá os odres, e entornar-se-á o vinho, e os odres se estragarão; 38Mas o vinho novo deve deitar-se em odres novos, e ambos juntamente se conservarão. 39E ninguém tendo bebido o velho quer logo o novo, porque diz: Melhor é o velho.