Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
20

As penas de diversos crimes

201FALOU mais o Senhor a Moisés, dizendo: 2Também dirás aos filhos de Israel: Qualquer que, dos filhos de Israel, ou dos estrangeiros que peregrinam em Israel, der da sua semente a Moloque, certamente morrerá; o povo da terra o apedrejará com pedras. 3E eu porei a minha face contra esse homem, e o extirparei do meio do seu povo, porquanto deu da sua semente a Moloque, para contaminar o meu santuário e profanar o meu santo nome. 4E, se o povo da terra de alguma maneira esconder os seus olhos daquele homem que houver dado da sua semente a Moloque, e o não matar, 5Então eu porei a minha face contra aquele homem, e contra a sua família, e o extirparei do meio do seu povo, com todos os que se prostituem após dele, prostituindo-se após de Moloque. 6Quando uma alma se virar para os adivinhadores e encantadores, para se prostituir após deles, eu porei a minha face contra aquela alma, e a extirparei do meio do seu povo. 7Portanto, santificai-vos, e sede santos, pois eu sou o Senhor vosso Deus. 8E guardai os meus estatutos, e cumpri-os: Eu sou o Senhor que vos santifica. 9Quando um homem amaldiçoar a seu pai ou a sua mãe, certamente morrerá: amaldiçoou a seu pai ou a sua mãe; o seu sangue é sobre ele. 10Também o homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera. 11E o homem que se deitar com a mulher de seu pai descobriu a nudez de seu pai; ambos certamente morrerão: o seu sangue é sobre eles. 12Semelhantemente, quando um homem se deitar com a sua nora, ambos certamente morrerão: fizeram confusão; o seu sangue é sobre eles. 13Quando também um homem se deitar com outro homem como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue é sobre eles. 14E, quando um homem tomar uma mulher e a sua mãe, maldade é: a ele e a elas queimarão com fogo, para que não haja maldade no meio de vós. 15Quando também um homem se deitar com um animal, certamente morrerá; e matareis o animal. 16Também a mulher que se chegar a algum animal, para ter ajuntamento com ele, aquela mulher matarás com o animal; certamente morrerão; o seu sangue é sobre eles. 17E, quando um homem tomar a sua irmã, filha de seu pai, ou filha de sua mãe, e ele vir a nudez dela, e ela vir a sua, torpeza é: portanto serão extirpados aos olhos dos filhos do seu povo: descobriu a nudez de sua irmã, levarão sobre si a sua iniquidade. 18E, quando um homem se deitar com uma mulher que tem a sua enfermidade, e descobrir a sua nudez, descobrindo a sua fonte, e ela descobrir a fonte do seu sangue, ambos serão extirpados do meio do seu povo. 19Também a nudez da irmã de tua mãe, ou da irmã de teu pai não descobrirás: porquanto descobriu a sua parenta, sobre si levarão a sua iniquidade. 20Quando também um homem se deitar com a sua tia descobriu a nudez de seu tio: seu pecado sobre si levarão; sem filhos morrerão. 21E quando um homem tomar a mulher de seu irmão, imundícia é: a nudez de seu irmão descobriu: sem filhos ficarão. 22Guardai pois todos os meus estatutos, e todos os meus juízos, e cumpri-os, para que vos não vomite a terra, para a qual eu vos levo para habitar nela. 23E não andeis nos estatutos da gente que eu lanço fora diante da vossa face, porque fizeram todas estas cousas: portanto fui enfadado deles. 24E a vós vos tenho dito: Em herança possuireis a sua terra, e eu a darei a vós para possuí-la em herança, terra que mana leite e mel: Eu sou o Senhor vosso Deus, que vos separei dos povos. 25Fareis pois diferença entre os animais limpos e imundos, e entre as aves imundas e as limpas; e as vossas almas não fareis abomináveis por causa dos animais, ou das aves, ou de tudo o que se arrasta sobre a terra; as quais cousas apartei de vós para tê-las por imundas. 26E ser-me-eis santos, porque eu, o Senhor, sou santo, e separei-vos dos povos, para serdes meus. 27Quando pois algum homem ou mulher em si tiver um espírito adivinho, ou for encantador, certamente morrerão: com pedras se apedrejarão; o seu sangue é sobre eles.

21

Leis acerca dos sacerdotes

211DEPOIS disse o Senhor a Moisés: Fala aos sacerdotes, filhos de Aarão, e dize-lhes: O sacerdote não se contaminará por causa dum morto entre os seus povos, 2Salvo por seu parente mais chegado a ele: por sua mãe, e por seu pai, e por seu filho, e por sua filha, e por seu irmão, 3E por sua irmã virgem, chegada a ele, que ainda não teve marido: por ela se contaminará. 4Não se contaminará por príncipe entre os seus povos, para se profanar. 5Não farão calva na sua cabeça, e não raparão os cantos da sua barba, nem darão golpes na sua carne. 6Santos serão a seu Deus, e não profanarão o nome do seu Deus, porque oferecem as ofertas queimadas do Senhor, o pão do seu Deus: portanto serão santos. 7Não tomarão mulher prostituta ou infame, nem tomarão mulher repudiada de seu marido; pois santo é a seu Deus. 8Portanto o santificarás, porquanto oferece o pão do teu Deus: santo será para ti, pois eu, o Senhor que vos santifica, sou santo. 9E quando a filha dum sacerdote se prostituir, profana a seu pai; com fogo será queimada. 10E o sumo sacerdote entre seus irmãos, sobre cuja cabeça foi derramado o azeite da unção, e que for sagrado para vestir os vestidos, não descobrirá a sua cabeça nem rasgará os seus vestidos; 11E não se chegará a cadáver algum, nem por causa de seu pai, nem por sua mãe, se contaminará; 12Nem sairá do santuário, para que não profane o santuário do seu Deus, pois a coroa do azeite da unção do seu Deus está sobre ele: Eu sou o Senhor. 13E ele tomará uma mulher na sua virgindade. 14Viúva, ou repudiada, ou desonrada, ou prostituta, estas não tomará, mas virgem dos seus povos tomará por mulher, 15E não profanará a sua semente entre os seus povos; porque eu sou o Senhor que os santifico. 16Falou mais o Senhor a Moisés, dizendo: 17Fala a Aarão, dizendo: Ninguém da tua semente, nas suas gerações, em quem houver alguma falta, se chegará a oferecer o pão do seu Deus. 18Pois nenhum homem em quem houver alguma deformidade se chegará: como homem cego, ou coxo, ou de nariz chato, ou de membros demasiadamente compridos, 19Ou homem que tiver o pé quebrado, ou quebrada a mão, 20Ou corcovado, ou anão, ou que tiver belida no olho, ou sarna, ou impigens, ou que tiver testículo quebrado. 21Nenhum homem da semente de Aarão, o sacerdote, em quem houver alguma deformidade, se chegará para oferecer as ofertas queimadas do Senhor: falta nele há; não se chegará para oferecer o pão do seu Deus. 22O pão do seu Deus, das santidades de santidades e das cousas santas poderá comer. 23Porém até ao véu não entrará, nem se chegará ao altar, porquanto falta há nele, para que não profane os meus santuários; porque eu sou o Senhor que os santifico. 24E Moisés falou isto a Aarão e a seus filhos, e a todos os filhos de Israel.

22

A lei acerca de comer cousas santas

221DEPOIS falou o Senhor a Moisés, dizendo: 2Dize a Aarão e a seus filhos que se apartem das cousas santas dos filhos de Israel, que a mim me santificam, para que não profanem o nome da minha santidade: eu sou o Senhor. 3Dize-lhes: Todo o homem, que entre as vossas gerações, de toda a vossa semente, se chegar às cousas santas que os filhos de Israel santificam ao Senhor, tendo sobre si a sua imundícia, aquela alma será extirpada de diante da minha face: eu sou o Senhor. 4Ninguém da semente de Aarão, que for leproso, ou tiver fluxo, comerá das cousas santas, até que seja limpo: como também o que tocar alguma cousa imunda de cadáver, ou aquele de que sair a semente da cópula, 5Ou qualquer que tocar a algum réptil, pelo que se fez imundo, ou a algum homem, pelo que se fez imundo, segundo toda a sua imundícia. 6O homem que o tocar será imundo até à tarde, e não comerá das cousas santas, mas banhará a sua carne em água. 7E havendo-se o sol já posto, então será limpo, e depois comerá das cousas santas; porque este é o seu pão. 8O corpo morto e o dilacerado não comerá, para nele se não contaminar: eu sou o Senhor. 9Guardarão pois o meu mandamento, para que por isso não levem pecado, e morram nele, havendo-o profanado: eu sou o Senhor que os santifico. 10Também nenhum estranho comerá das cousas santas: nem o hóspede do sacerdote nem o jornaleiro comerão das cousas santas. 11Mas quando o sacerdote comprar alguma alma com o seu dinheiro, aquela comerá delas, e o nascido na sua casa: estes comerão do seu pão. 12E, quando a filha do sacerdote se casar com homem estranho, ela não comerá da oferta movida das cousas santas. 13Mas quando a filha do sacerdote for viúva ou repudiada, e não tiver semente, e se houver tornado à casa de seu pai, como na sua mocidade, do pão de seu pai comerá; mas nenhum estranho comerá dele. 14E quando alguém por erro comer a cousa santa, sobre ela acrescentará seu quinto, e o dará ao sacerdote com a cousa santa. 15Assim não profanarão as cousas santas dos filhos de Israel, que oferecem ao Senhor, 16Nem os farão levar a iniquidade da culpa, comendo as suas cousas santas: pois eu sou o Senhor que as santifico.

Os animais sacrificados devem ser sem defeito

17Falou mais o Senhor a Moisés, dizendo: 18Fala a Aarão, e a seus filhos, e a todos os filhos de Israel, e dize-lhes: Qualquer que, da casa de Israel, ou dos estrangeiros em Israel, oferecer a sua oferta, quer dos seus votos, quer das suas ofertas voluntárias, que oferecerem ao Senhor em holocausto. 19Segundo a sua vontade, oferecerá macho sem mancha, das vacas, dos cordeiros, ou das cabras. 20Nenhuma cousa em que haja defeito oferecereis, porque não seria aceita a vosso favor. 21E, quando alguém oferecer sacrifício pacífico ao Senhor, separando das vacas ou das ovelhas um voto, ou oferta voluntária, sem mancha será, para que seja aceito; nenhum defeito haverá nele. 22O cego, ou quebrado, ou aleijado, o verrugoso, ou sarnoso, ou cheio de impigens, este não oferecereis ao Senhor, e deles não poreis oferta queimada ao Senhor sobre o altar. 23Porém boi, ou gado miúdo, comprido ou curto de membros, poderás oferecer por oferta voluntária, mas por voto não será aceito. 24O machucado, ou moído, ou despedaçado, ou cortado, não oferecereis ao Senhor; não fareis isto na vossa terra. 25Também da mão do estrangeiro nenhum manjar oferecereis ao vosso Deus, de todas estas cousas, pois a sua corrupção está nelas; falta nelas há; não serão aceitas a vosso favor. 26Falou mais o Senhor a Moisés, dizendo: 27Quando nascer o boi, ou cordeiro, ou cabra, sete dias estará debaixo de sua mãe; depois, desde o dia oitavo em diante, será aceito por oferta queimada ao Senhor. 28Também boi ou gado miúdo, a ele e a seu filho não degolareis num dia. 29E, quando sacrificardes sacrifício de louvores ao Senhor, o sacrificareis de vossa vontade. 30No mesmo dia se comerá: nada deixareis ficar até à manhã: eu sou o Senhor. 31Pelo que guardareis os meus mandamentos, e os fareis: eu sou o Senhor. 32E não profanareis o meu santo nome, para que eu seja santificado no meio dos filhos de Israel: eu sou o Senhor que vos santifico; 33Que vos tirei da terra do Egito, para vos ser por Deus: eu sou o Senhor.