Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
13

O cativeiro é representado por um cinto de linho

131ASSIM me disse o Senhor: Vai, e compra um cinto de linho, e põe-no sobre os teus lombos, mas não o metas na água. 2E comprei o cinto, conforme a palavra do Senhor, e o pus sobre os meus lombos. 3Então veio a palavra do Senhor a mim segunda vez, dizendo: 4Toma o cinto que compraste e trazes sobre os teus lombos, e levanta-te; vai ao Eufrates, e esconde-o ali na fenda de uma rocha. 5E fui, e escondi-o junto ao Eufrates, como o Senhor me havia ordenado. 6Sucedeu pois, ao cabo de muitos dias, que me disse o Senhor: Levanta-te, vai ao Eufrates, e toma dali o cinto que te ordenei que escondesses ali. 7E fui ao Eufrates, e cavei, e tomei o cinto do lugar onde o havia escondido: e eis que o cinto tinha apodrecido e para nada prestava. 8Então veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: 9Assim diz o Senhor:

13.9:
Lv 26.19
Do mesmo modo farei apodrecer a soberba de Judá e a muita soberba de Jerusalém. 10Este povo maligno, que se recusa a ouvir as minhas palavras,
13.10:
Jr 9.14
11.8
16.12
que caminha segundo o propósito do seu coração, e anda após deuses alheios, para servi-los, e inclinar-se diante deles, será tal como este cinto, que para nada presta. 11Porque, como o cinto está ligado aos lombos do homem assim eu liguei a mim toda a casa de Israel e toda a casa de Judá, diz o Senhor, para me serem por povo, e por
13.11:
Jr 33.9
nome, e por louvor, e por glória: mas não deram ouvidos. 12Pelo que dize-lhes esta palavra: Assim diz o Senhor Deus de Israel: Todo o odre se encherá de vinho; e dir-te-ão: Não sabemos nós muito bem que todo o odre se encherá de vinho? 13Mas tu dize-lhes: Assim diz o Senhor: Eis que eu encherei de embriaguez
13.13:
Is 51.17,21
63.6
Jr 25.27
51.7
a todos os habitantes desta terra, e aos reis da estirpe de Davi, que estão assentados sobre o seu trono, e aos sacerdotes, e aos profetas, e a todos os habitantes de Jerusalém. 14E fá-los-ei em pedaços uns contra os outros, e juntamente os pais com os filhos, diz o Senhor: não perdoarei nem pouparei, nem terei deles compaixão, para que os não destrua. 15Escutai, e inclinai os ouvidos: não vos ensoberbeçais; porque o Senhor falou. 16Dai glória
13.16:
Js 7.19
Is 5.30
Am 8.6
ao Senhor vosso Deus, antes que venha a escuridão e antes que tropecem vossos pés nos montes tenebrosos;
13.16:
Is 59.9
antes que, esperando luz ele a mude em sombra de morte, e a reduza à escuridão. 17E, se isto não ouvirdes, a minha alma chorará em lugares ocultos, por causa da vossa soberba;
13.17:
Jr 9.1
14.7
Lm 1.2,16
2.18
e amargamente chorarão os meus olhos, e se desfarão em lágrimas, porquanto o rebanho do Senhor foi levado cativo. 18Dize
13.18:
2Rs 24.12
ao rei e à rainha: Humilhai-vos, e assentai-vos no chão; porque caiu todo o ornato de vossas cabeças, a coroa de vossa glória. 19As cidades do sul estão fechadas e ninguém que as abra: todo o Judá foi levado cativo; sim, inteiramente foi levado cativo. 20Levantai
13.20:
Jr 6.22
os vossos olhos, e vede os que vêm do norte: onde está o rebanho que se te deu, e as ovelhas da tua glória? 21Que dirás, quando puser os teus amigos sobre ti como cabeça, se foste tu mesmo que contra ti os ensinaste?
13.21:
Jr 6.24
porventura não te tomarão as dores, como à mulher que está de parto? 22Quando pois disseres no teu coração:
13.22:
Jr 5.19
16.10
Is 47.2-3
Ez 16.37-39
Na 3.5
Por que me sobrevieram estas cousas? Pela multidão das tuas maldades se descobriram as tuas fraldas, e os teus calcanhares sofrem violentamente. 23Pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas? nesse caso também vós podereis fazer o bem, sendo ensinados a fazer o mal. 24Pelo que os espalharei como o restolho,
13.24:
Os 13.3
restolho que passa com o vento do deserto. 25Esta será a tua sorte, a porção que te será medida por mim, diz o Senhor; pois te esqueceste de mim, e confiaste em mentiras. 26Assim também
13.26:
Lm 1.8
Ez 16.37
23.29
Os 2.10
eu descobrirei as tuas fraldas até ao teu rosto: e aparecerá a tua ignomínia. 27Vi as tuas abominações, e os teus adultérios, e os teus rinchos
13.27:
Jr 5.8
e a enormidade da tua prostituição sobre os outeiros
13.27:
Is 65.7
Jr 2.20
3.2,6
Ez 6.13
no campo; ai de ti, Jerusalém! não te purificarás? até quando ainda?

14

Jeremias em vão intercede pelo povo

141A PALAVRA do Senhor, que veio a Jeremias, a respeito da grande seca. 2Anda chorando Judá,

14.2:
Is 3.26
1Sm 5.12
e as suas portas estão enfraquecidas: andam de luto até ao chão, e o clamor de Jerusalém vai subindo. 3E os seus mais ilustres mandam os seus pequenos buscar água: vêm às cavas, e não acham água; voltam com os seus cântaros vazios:
14.3:
2Sm 15.30
envergonham-se e confundem-se, e cobrem as suas cabeças. 4Por causa da terra que se fendeu, pois que não há chuva sobre a terra, os lavradores se envergonham e cobrem as suas cabeças. 5Porque até as cervas no campo parem, e abandonam seus filhos, porquanto não há erva. 6E os jumentos monteses
14.6:
Jr 2.24
se põem nos lugares altos, sorvem o vento como os 14.6: ou chacaisdragões; desfalecem os seus olhos, porquanto não há erva. 7Posto que as nossas maldades testifiquem contra nós, ó Senhor, opera tu por amor do teu nome; porque as nossas rebeldias se multiplicaram; contra ti pecamos. 8Oh! esperança
14.8:
Jr 17.13
de Israel, Redentor seu no tempo da angústia! porque serias como um estrangeiro na terra? e como o viandante que se retira a passar a noite? 9Porque serias
14.9:
Is 59.1
Êx 29.45-46
Lv 26.11-12
como homem cansado, como valoroso que não pode livrar? Mas tu estás no meio de nós, ó Senhor, e nós somos chamados pelo teu nome: não nos desampares. 10Assim diz o Senhor, acerca deste povo:
14.10:
Os 8.13
9.9
Pois que tanto amaram o afastar-se, e não detiveram os seus pés, por isso o Senhor se não agrada deles, mas agora se lembrará da maldade deles, e visitará os seus pecados. 11Disse-me mais o Senhor:
14.11:
Jr 7.16
11.14
Não rogues por este povo para bem. 12Quando
14.12:
Is 1.15
58.3
Jr 11.11
Ez 8.18
Mq 3.4
Zc 7.13
jejuarem, não ouvirei o seu clamor, e quando oferecerem holocaustos e ofertas de manjares, não me agradarei deles; antes eu
14.12:
Jr 9.16
os consumirei pela espada, e pela fome e pela peste. 13Então disse eu:
14.13:
Jr 4.10
Ah! Senhor, Senhor, eis que os profetas lhes dizem: Não vereis espada, e não tereis fome; antes vos darei paz verdadeira neste lugar. 14E disse-me o Senhor:
14.14:
Jr 23.21
27.10,15
29.8-9
Os profetas profetizam falsamente em meu nome; nunca os enviei, nem lhes dei ordem, nem lhes falei: visão falsa, e adivinhação, e vaidade, e o engano do seu coração é o que eles vos profetizam. 15Portanto assim diz o Senhor acerca dos profetas que profetizam em meu nome, sem que eu os tenha mandado, e dizem:
14.15:
Jr 5.12-13
Nem espada, nem fome haverá nesta terra: À espada e à fome serão consumidos esses profetas. 16E o povo a quem eles profetizam será lançado nas ruas de Jerusalém, por causa da fome e da espada; e não haverá quem enterre as suas mulheres, e os seus filhos e as suas filhas: assim derramarei sobre eles a sua maldade. 17Portanto lhes dirás esta palavra:
14.17:
Jr 9.1
13.17
Lm 1.16
2.18
Os meus olhos derramem lágrimas de noite e de dia, e não cessem
14.17:
Jr 8.21
porque a virgem, filha do meu povo, está ferida de grande ferida, de chaga mui dolorosa. 18Se eu saio
14.18:
Ez 7.15
ao campo, eis aqui os mortos à espada, e, se entro na cidade, estão ali os debilitados pela fome: e até os profetas e os sacerdotes correram em redor da terra, 14.18: ou que não conheciame não sabem nada. 19De
14.19:
Lm 5.22
Jr 15.18
todo rejeitaste tu a Judá? ou aborrece a tua alma a Sião? porque nos feriste, e não cura para nós?
14.19:
Jr 8.15
aguardamos a paz, e não aparece o bem; e o tempo da cura, e eis aqui turbação. 20Ah! Senhor! conhecemos a nossa impiedade e a maldade de nossos pais;
14.20:
Dn 9.8
porque pecamos contra ti. 21Não nos rejeites por amor do teu nome; não abatas o trono da tua glória; lembra-te, e não anules o teu concerto conosco. 22Haverá, porventura,
14.22:
Zc 10.1-2
entre as vaidades dos gentios, alguma que faça chover? ou podem os céus dar chuvas? não és tu somente, ó Senhor
14.22:
Is 30.23
Jr 5.24
10.13
nosso Deus? portanto em ti esperaremos, pois tu fazes todas estas cousas.

15

151DISSE-ME, porém, o Senhor:

15.1:
Êx 32.11-12
Ainda que Moisés e Samuel se pusessem diante de mim, não seria a minha alma com este povo: lança-os de diante da minha face, e saiam. 2E será que, quando te disserem: Para onde iremos? dir-lhes-ás: Assim diz o Senhor:
15.2:
Jr 43.11
Ez 5.2,12
Zc 11.9
Os que para a morte, para a morte; e os que para a espada, para a espada; e os que para a fome, para a fome; e os que para o cativeiro, para o cativeiro. 3Porque os visitarei
15.3:
Lv 26.16
Dt 28.26
Jr 7.33
com quatro gêneros de males, diz o Senhor: com espada para matar, e com cães, para os arrastarem, e com as aves dos céus, e os animais da terra, para os devorarem e destruírem. 4Entregá-los-ei ao desterro
15.4:
Dt 28.35
Jr 24.9
em todos os reinos da terra;
15.4:
2Rs 21.11
23.26
24.3-4
por causa de Manassés, filho de Ezequias, rei de Judá, por tudo quanto fez em Jerusalém. 5Porque quem
15.5:
Is 51.19
se compadeceria de ti, ó Jerusalém? ou quem se entristeceria por ti? ou quem se desviaria a perguntar pela tua paz? 6Tu me deixaste,
15.6:
Jr 2.13
Os 13.14
diz o Senhor, voltaste para trás; por isso estenderei a minha mão contra ti, e te destruirei; estou cansado de me arrepender. 7E padejá-los-ei com a pá nas portas da terra: desfilhei, destruí o meu povo;
15.7:
Is 9.13
Jr 5.3
Am 4.10-11
não voltaram dos seus caminhos. 8As suas viúvas mais se multiplicaram do que as areias dos mares; trouxe ao meio-dia um destruidor sobre a mãe dos mancebos; fiz que caísse de repente sobre ela, e enchesse a cidade de terrores. 9A que dava à luz
15.9:
1Sm 2.5
Am 8.9
sete se enfraqueceu; expirou a sua alma; pôs-se o seu sol sendo ainda de dia; ela confundiu-se, e envergonhou-se: e os que ficarem dela eu os entregarei à espada, diante dos seus inimigos, diz o Senhor. 10Ai
15.10:
Jó 3.1
Jr 20.14
de mim, minha mãe! porque me deste à luz homem de rixa e homem de contenda para toda a terra? nunca lhes emprestei com usura, nem eles me emprestaram a mim com usura, e todavia cada um deles me amaldiçoa. 11Disse o Senhor: Decerto que te fortalecerei para bem, e, no tempo da calamidade e no tempo da angústia, farei que o inimigo te dirija súplicas. 12Pode alguém quebrar o ferro, o ferro do norte, ou o aço? 13A tua fazenda e os teus tesouros entregarei sem preço ao saque; e isso por todos os teus pecados, mesmo em todos os teus limites. 14E levar-te-ei
15.14:
Jr 16.13
17.4
Dt 32.22
com os teus inimigos para a terra que não conheces; porque o fogo se acendeu em minha ira, e sobre vós arderá. 15Tu, ó
15.15:
Jr 11.20
12.3
20.12
Senhor, o sabes: lembra-te de mim, e visita-me, e vinga-me dos meus perseguidores: não me arrebates, por tua longanimidade: sabe que por amor de ti tenho sofrido afronta. 16Achando-se as tuas palavras,
15.16:
Ez 3.1,3
Ap 10.6,10
logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração; porque pelo teu nome me chamo, ó Senhor, Deus dos Exércitos. 17Nunca me assentei no congresso dos zombadores, nem me regozijei; por causa da tua mão me assentei solitário: pois me encheste de indignação. 18Por que dura a
15.18:
Jr 30.15
minha dor continuamente, e a minha ferida me dói, não admite cura? Serias tu para mim como ilusório ribeiro
15.18:
Jó 6.15
e como águas inconstantes? 19Portanto assim diz o Senhor: Se tu voltares,
15.19:
Zc 3.7
Jr 15.1
então te trarei, e estarás diante da minha face;
15.19:
Ez 44.23
e se apartares o precioso do vil, serás como a minha boca; tornem-se eles para ti, mas não voltes tu para eles. 20E eu te porei contra este povo como
15.20:
Jr 1.18
6.27
forte muro de bronze; e pelejarão contra ti, mas não prevalecerão contra ti:
15.20:
Jr 20.11-12
porque eu sou contigo para te guardar, para te livrar deles, diz o Senhor. 21E arrebatar-te-ei da mão dos malignos, e livrar-te-ei das mãos dos fortes.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]