Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
22

Quadro profético do cerco de Jerusalém

22122.1: ou SentençaPESO do vale da visão. Que tens agora, para que assim totalmente subisses aos telhados? 2Cidade cheia de aclamações, cidade turbulenta,

22.2:
Is 32.13
cidade que salta de alegria, os teus mortos não são mortos à espada, nem morreram na guerra. 3Todos os teus príncipes juntamente fugiram, foram ligados pelos archeiros: todos os que em ti se acharam, foram amarrados juntamente e fugiram para longe. 4Portanto digo: Desviai de mim a vista, e chorarei amargamente:
22.4:
Jr 9.1
não vos canseis mais em consolar-me pela destruição da filha do meu povo. 5Porque
22.5:
Is 37.3
dia de alvoroço, e de vexame, e de confusão é este da parte do Senhor Jeová dos Exércitos, no vale da visão: um derribar de muros, e um clamor até às montanhas. 6Porque Elão
22.6:
Jr 49.35
Is 15.1
tomou a aljava, com carros de homens e cavaleiros: e Quir descobre os escudos. 7E será que os teus mais formosos vales se encherão de carros, e os cavaleiros se porão em ordem às portas. 8E se tirará a cobertura de Judá,
22.8:
1Rs 7.2
10.17
e naquele dia olharás para as armas da casa do bosque. 9E vereis
22.9:
2Rs 20.20
2Cr 32.4-5,30
as brechas da cidade de Davi, porquanto são muitas, e ajuntareis as águas do viveiro inferior. 10Também contareis as casas de Jerusalém, e derribareis as casas, para fortalecer os muros. 11Fizestes também
22.11:
Ne 3.16
um reservatório entre os dois muros para as águas do viveiro velho, mas não olhastes para cima, para o que o tinha feito, nem considerastes o que o formou desde a antiguidade. 12E o Senhor, o Senhor dos Exércitos vos convidará naquele
22.12:
Jl 1.13
Ed 9.2
Is 15.3
Mq 1.16
dia ao choro, e ao pranto, e à rapadura da cabeça, e ao cingidouro do saco. 13Mas eis aqui gozo e alegria, matam-se vacas e degolam-se ovelhas, come-se carne, e bebe-se vinho, e diz-se:
22.13:
Is 56.12
1Co 15.32
Comamos e bebamos, porque amanhã morreremos. 14Mas
22.14:
Is 5.9
1Sm 3.14
o Senhor dos Exércitos se declarou aos meus ouvidos, dizendo. Certamente esta maldade não será expiada até que morrais, diz o Senhor Jeová dos Exércitos.

Sebna é degradado: Eliaquim é exaltado

15Assim diz o Senhor Jeová dos Exércitos: Anda, vai ter com este tesoureiro, com Sebna, o mordomo, e dize-lhe: 16Que é que tens aqui? ou a quem tens tu aqui, para que cavasses aqui uma sepultura?

22.16:
Mt 27.60
Cavando em lugar alto a sua sepultura, cinzelando na rocha uma morada para si mesmo! 17Eis que o Senhor te arrojará violentamente como um homem forte, e de todo te envolverá. 18Certamente te fará rolar, como se faz rolar uma bola em terra larga e espaçosa: ali morrerás, e ali acabarão os carros da tua glória, o opróbrio da casa do teu Senhor. 19E demitir-te-ei do teu ofício e te arrancarei do teu assento. 20E será naquele dia que chamarei a meu servo Eliaquim,
22.20:
2Rs 13.18
filho de Hilquias, 21E revesti-lo-ei da tua túnica, e esforçá-lo-ei com o teu talabarte, e entregarei nas suas mãos o teu domínio, e será como pai para os moradores de Jerusalém, e para a casa de Judá. 22E porei a chave da casa de Davi sobre o seu ombro,
22.22:
Jó 12.14
Ap 3.7
e abrirá, e ninguém fechará, e fechará, e ninguém abrirá. 23E fixá-lo-ei como a um
22.23:
Ed 9.8
prego num lugar firme e será como um trono de honra para a casa de seu pai. 24E dele penderá toda a glória da casa de seu pai, os renovos e os descendentes, todos os vasos menores, desde as taças até às garrafas. 25Naquele dia, diz o Senhor dos Exércitos, o prego pregado em lugar firme será tirado: será arrancado, e cairá, e a carga que nele estava se desprenderá, porque o Senhor o disse.