Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
17

Profecia contra Damasco e Efraim

17117.1: ou SentençaPESO

17.1:
Jr 49.23
Am 1.3
Zc 9.1
2Rs 16.9
de Damasco. Eis que Damasco será tirada, e já não será cidade, mas um montão de ruínas. 2As cidades de Aroer serão abandonadas; hão de ser para os rebanhos, que se deitarão
17.2:
Jr 7.33
sem haver quem os espante. 3E a fortaleza
17.3:
Is 7.16
8.4
de Efraim cessará, como também o reino de Damasco e o resíduo da Síria; serão como a glória dos filhos de Israel, diz o Senhor dos Exércitos. 4E será diminuída naquele dia a glória de Jacó, e a gordura da sua carne desaparecerá. 5Porque será
17.5:
Jr 51.33
como o segador que colhe o trigo, e com o seu braço sega as espigas: e será também como o que colhe espigas no vale de Refaim. 6Mas ainda ficarão
17.6:
Is 24.13
nele alguns rabiscos, como no sacudir da oliveira: duas ou três azeitonas na mais alta ponta dos ramos, e quatro ou cinco nos ramos mais exteriores de uma árvore frutífera, diz o Senhor Deus de Israel. 7Naquele dia atentará
17.7:
Mq 7.7
o homem para o seu Criador, e os seus olhos olharão para o Santo de Israel. 8E não atentará para os altares, obra das suas mãos, nem olhará para o que fizeram seus dedos, nem para os bosques, nem para as imagens do sol. 9Naquele dia serão as suas cidades fortes como os lugares abandonados no bosque ou sobre o cume das montanhas, os quais foram abandonados ante os filhos de Israel: e haverá assolação. 10Porquanto te esqueceste do Deus da tua salvação, e não te lembraste da rocha da tua fortaleza: pelo que bem plantarás plantas formosas, e as cercarás de sarmentos estranhos. 11No dia em que as plantares as cercarás, e pela manhã farás que a tua semente brote: mas a colheita voará no dia da tribulação e das dores insofríveis.

Prediz-se a ruína do exército dos assírios

12Ai da multidão dos grandes povos que bramam como bramam os mares,

17.12:
Jr 6.23
e do rugido das nações que rugem como rugem as impetuosas águas. 13Bem rugirão as nações, como rugem as muitas águas, mas ele repreendê-las-á e fugirão para longe;
17.13:
Os 13.3
e serão afugentadas como a pragana dos montes diante do vento, e como a bola diante do tufão. 14Ao anoitecer eis que pavor, e antes que amanheça eles não serão. Esta é a parte daqueles que nos despojam, e a sorte daqueles que nos saqueiam.

18

A destruição dos assírios é anunciada à Etiópia

181AI da terra

18.1:
Is 20.4-5
Ez 30.4-5,9
Sf 2.12
3.10
que ensombra com 18.1: ou o roçar das asas,as suas asas, que está além dos rios 18.1: Hebr. de Cuxe!da Etiópia. 2Que envia embaixadores por mar em navios de junco sobre as águas, dizendo: Ide, mensageiros velozes,
18.2:
Is 18.7
a uma nação alta e polida, a um povo terrível desde o seu princípio; a uma nação de medidas e de vexames, cuja terra os rios dividem. 3Vós, todos os habitadores do mundo, e vós os moradores da terra,
18.3:
Is 5.26
quando se arvorar a bandeira nos montes, o vereis; e quando se tocar a trombeta, o ouvireis. 4Porque assim me disse o Senhor: Estarei quieto, olhando desde a minha morada, como o ardor do sol resplandecente, como a nuvem do orvalho no calor da sega. 5Porque antes da sega, quando o renovo está perfeito, e as uvas verdes amadurecem, então podará os sarmentos e tirará os ramos, e os cortará. 6Eles serão deixados juntos às aves dos montes e aos animais da terra: e sobre eles veranearão as aves de rapina, e todos os animais da terra invernarão sobre eles. 7Naquele tempo trará um presente
18.7:
Is 16.1
Sf 3.10
Ml 1.11
ao Senhor dos exércitos um povo alto e polido, e um povo terrível desde o seu princípio; uma nação de medidas e de vexames cuja terra os rios dividem; ao lugar do nome do Senhor dos Exércitos, ao monte de Sião.

19

Profecia contra o Egito

19119.1: ou SentençaPESO

19.1:
Jr 46.13
Ez 29
30
do Egito. Eis que o Senhor vem cavalgando numa nuvem ligeira, e virá ao Egito:
19.1:
Êx 12.12
Jr 43.12
e os ídolos do Egito serão movidos perante a sua face, e o coração dos egípcios se derreterá no meio deles. 2Porque farei
19.2:
Jz 7.22
1Sm 14.16,20
2Cr 20.23
com que os egípcios se levantem contra os egípcios, e cada um pelejará contra o seu irmão, e cada um contra o seu próximo, cidade contra cidade, reino contra reino. 3E o espírito dos egípcios se esvaecerá dentro deles; eu destruirei o seu conselho:
19.3:
Is 8.19
e eles consultarão os seus ídolos, e encantadores, e adivinhos e mágicos. 4E entregarei
19.4:
Is 20.4
Jr 46.26
Ez 29.19
os egípcios nas mãos de um senhor duro, e um rei rigoroso os dominará, diz o Senhor, o Senhor dos Exércitos. 5E faltarão
19.5:
Jr 51.36
Ez 30.12
as águas do mar, e o rio se esgotará e secará. 6Também os rios apodrecerão e se esgotarão
19.6:
2Rs 19.24
e secarão os canais do Egito: as canas e os juncos se murcharão. 719.7: ou Os pradosA relva que está junto ao rio, junto às ribanceiras dos rios, e tudo o que foi semeado junto ao rio, se secará, será arrancado, e não subsistirá. 8E os pescadores gemerão, e suspirarão todos os que lançam anzol ao rio, e os que estendem rede sobre as águas desfalecerão. 9E envergonhar-se-ão os que trabalham em linho fino, e os que tecem pano branco. 10E os seus fundamentos serão despedaçados, e todos os que trabalham por salário ficarão com tristeza na alma. 11Na verdade loucos são os príncipes de Zoã;
19.11:
Nm 13.22
o conselho dos sábios conselheiros de Faraó se embruteceu: como pois a Faraó direis: Sou filho de sábios, filho de antigos reis? 12Onde
19.12:
1Co 1.20
estão agora os teus sábios? anunciem-te agora, ou informem-te do que o Senhor dos Exércitos determinou contra o Egito. 13Loucos se tornaram os príncipes de Zoã,
19.13:
Jr 2.16
enganados estão os príncipes de Nofe: eles farão errar o Egito, eles que são a pedra de esquina das suas tribos. 14O Senhor derramou no meio deles um perverso
19.14:
1Rs 22.22
Is 29.10
espírito; e eles fizeram errar o Egito com toda a sua obra, como o bêbedo quando se revolve no seu vômito. 15E não aproveitará ao Egito obra alguma que possa fazer a
19.15:
Is 9.14
cabeça, a cauda, o ramo, ou o junco. 16Naquele tempo os egípcios serão como mulheres,
19.16:
Jr 51.30
Na 3.13
e tremerão e temerão por causa do movimento da mão do Senhor dos Exércitos, porque ela se há de mover contra eles. 17E a terra de Judá será um espanto para o Egito; todo aquele a quem isso se anunciar se assombrará, por causa do propósito do Senhor dos Exércitos, do que determinou contra eles. 18Naquele tempo haverá cinco cidades na terra do Egito que falarão a língua de Canaã e farão juramento ao Senhor dos Exércitos; e uma se chamará: Cidade de destruição. 19Naquele tempo o Senhor
19.19:
Js 22.10,26-27
terá um altar no meio da terra do Egito, e um monumento se erigirá ao Senhor, na sua fronteira. 20E servirá de sinal
19.20:
Js 4.20
22.27
e de testemunho ao Senhor dos Exércitos na terra do Egito, porque ao Senhor clamarão por causa dos opressores, e ele lhes enviará um Redentor e um Protetor, que os livrará. 21E o Senhor se dará a conhecer ao Egito, e os egípcios conhecerão ao Senhor, naquele dia;
19.21:
Ml 1.11
sim, eles o adorarão com sacrifícios e ofertas, e farão votos ao Senhor, e os cumprirão. 22E ferirá o Senhor aos egípcios, e os curará: e converter-se-ão ao Senhor, e mover-se-á às suas orações, e os curará; 23Naquele
19.23:
Is 11.16
dia haverá estrada do Egito até à Assíria, e os assírios virão ao Egito, e os egípcios irão à Assíria: e os egípcios adorarão com os assírios ao Senhor. 24Naquele dia Israel será o terceiro com os egípcios e os assírios, uma bênção no meio da terra. 25Porque o Senhor dos Exércitos os abençoará, dizendo: Bendito seja o Egito, meu povo, e a Assíria,
19.25:
Is 29.23
Ef 2.10
obra de minhas mãos, e Israel, minha herança.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]