Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
13

A ruína de Babilônia e o livramento de Israel

13113.1: ou SentençaPESO

13.1:
Is 21.1
47.1
Jr 50
51
de Babilônia, que viu Isaías, filho de Amós. 2Alçai
13.2:
Is 5.26
18.3
Jr 50.2
uma bandeira sobre o monte escalvado; levantai a voz para eles: acenai-lhes com a mão, para que entrem pelas portas dos príncipes. 3Eu dei ordens aos meus santificados:
13.3:
Jl 3.11
sim, já chamei os meus valentes para a minha ira, os que exultam com a minha majestade. 4Já se ouve a gritaria da multidão sobre os montes, semelhante à de um grande povo: a voz do reboliço de reinos e de nações congregadas. O Senhor dos Exércitos passa em revista o exército de guerra. 5 vem duma terra de longe, desde a extremidade do céu, o Senhor, e os instrumentos da sua indignação, para destruir toda aquela terra. 6Uivai,
13.6:
Sf 1.7
Ap 6.17
Jó 31.23
Jl 1.15
porque o dia do Senhor está perto: vem do Todo-poderoso como assolação. 7Pelo que todas as mãos se debilitarão, e o coração de todos os homens se desanimará. 8E assombrar-se-ão, e apoderar-se-ão deles dores e ais, e se angustiarão, como a mulher parturiente; cada um se espantará do seu próximo; os seus rostos serão rostos flamejantes. 9Eis que
13.9:
Ml 4.1
Pv 2.22
o dia do Senhor vem, horrendo, com furor e ira ardente, para pôr a terra em assolação, e destruir os pecadores dela. 10Porque as estrelas dos céus e os astros não deixarão brilhar a sua luz;
13.10:
Is 24.21,23
Ez 32.7
Jl 2.31
3.15
Mt 24.29
Mc 13.24
Lc 21.25
o sol se escurecerá ao nascer, e a lua não fará resplandecer a sua luz. 11E visitarei sobre o mundo a maldade, e sobre os ímpios a sua iniquidade:
13.11:
Is 2.17
e farei cessar a arrogância dos atrevidos, e abaterei a soberba dos tiranos. 12Farei que um homem seja mais precioso do que o ouro puro, e mais raro do que o ouro fino de Ofir. 13Pelo que
13.13:
Ag 2.7
farei estremecer os céus; e a terra se moverá do seu lugar, por causa do furor do Senhor dos Exércitos, e por causa do dia da sua ardente ira. 14E cada um será como a corça que foge, e como a ovelha que ninguém recolhe:
13.14:
Jr 50.16
51.9
cada um voltará para o seu povo, e cada um fugirá para a sua terra. 15Todo o que for achado será traspassado: e todo o que for apanhado, cairá à espada. 16E suas crianças serão
13.16:
Na 3.10
Zc 14.2
despedaçadas perante os seus olhos: as suas casas serão saqueadas, e as suas mulheres violadas. 17Eis que
13.17:
Is 21.2
Jr 51.11,28
Dn 5.28,31
eu despertarei contra eles os medos, que não farão caso da prata, nem tão pouco desejarão ouro. 18E os seus arcos despedaçarão os mancebos, e não se compadecerão do fruto do ventre; o seu olho não poupará os filhos. 19E Babilônia,
13.19:
Is 14.4,22
o ornamento dos reinos, a glória e a soberba dos caldeus
13.19:
Gn 19.24-25
Dt 29.23
Jr 49.18
50.40
será como Sodoma e Gomorra, quando Deus as transtornou. 20Nunca mais
13.20:
Jr 50.3,39
51.29,62
será habitada, nem reedificada de geração em geração: nem o árabe armará ali a sua tenda, nem tão pouco os pastores ali farão deitar os seus rebanhos. 21Mas as feras do deserto repousarão ali,
13.21:
Is 34.11,15
Ap 18.2
e as suas casas se encherão de horríveis animais; e ali habitarão as avestruzes, e os sátiros pularão ali. 22E as feras que uivam gritarão umas às outras nos seus palácios vazios, como também os chacais nos seus palácios de prazer; pois bem perto vem chegando o seu tempo, e os seus dias não se prolongarão.

14

141PORQUE o Senhor se compadecerá

14.1:
Jr 51.33
de Jacó, e ainda elegerá a Israel e os porá na sua própria terra:
14.1:
Zc 1.17
2.12
Is 60.4-5,10
Ef 2.12-13
e ajuntar-se-ão com eles os estranhos, e se achegarão à casa de Jacó. 2E os povos os receberão,
14.2:
Is 49.22
60.9
66.20
e os levarão aos seus lugares, e a casa de Israel os possuirá por servos e por servas, na terra do Senhor; e cativarão aqueles que os cativaram,
14.2:
Is 60.14
e dominarão os seus opressores. 3E acontecerá que no dia em que Deus vier a dar-te descanso do teu trabalho, e do teu tremor, e da dura servidão com que te fizeram servir. 4Então proferirás este dito contra o rei de Babilônia e dirás: Como cessou o opressor! a cidade 14.4: ou exatoradourada acabou! 5 quebrantou o Senhor o bastão dos ímpios e o cetro dos dominadores. 6Aquele que feria os povos com furor, com praga incessante, o que com ira dominava as nações, agora é perseguido, sem que alguém o possa impedir. 7 descansa, está sossegada toda a terra! exclamam com júbilo. 8Até as faias
14.8:
Is 55.12
Ez 31.16
se alegram sobre ti, e os cedros do Líbano, dizendo: Desde que tu caíste ninguém sobe contra nós para nos cortar. 9O 14.9: Hebr. Sheolinferno
14.9:
Ez 32.21
desde o profundo se turbou por ti, para te sair ao encontro na tua vinda: despertou por ti os mortos, e todos os príncipes da terra, e fez levantar dos seus tronos a todos os reis das nações. 10Estes todos responderão, e te dirão: Tu também adoeceste como nós, e foste semelhante a nós. 11 foi derribada no inferno a tua soberba com o som dos teus alaúdes: os bichinhos debaixo de ti se estenderão, e os bichos te cobrirão. 12Como
14.12:
Is 34.4
caíste do céu, ó estrela da manhã, filha da alva! como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! 13E tu dizias no teu coração:
14.13:
Mt 11.23
Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, da banda dos lados do norte. 14Subirei acima das mais altas nuvens, e
14.14:
Is 47.8
2Ts 2.4
serei semelhante ao Altíssimo. 15E contudo levado
14.15:
Mt 11.23
serás ao inferno, ao mais profundo do abismo. 16Os que te virem te contemplarão, considerar-te-ão, e dirão: É este o varão que fazia estremecer a terra, e que fazia tremer os reinos? 17Que punha o mundo como um deserto, e assolava as suas cidades? que a seus cativos não deixava ir soltos para suas casas? 18Todos os reis das nações, todos eles, jazem com honra, cada um na sua casa. 19Mas tu és lançado da tua sepultura, como um renovo abominável, como um vestido de mortos atravessados à espada, como os que descem ao covil de pedras, como corpo morto e pisado. 20Com eles não te reunirás na sepultura; porque destruíste a tua terra e mataste o teu povo: a descendência dos malignos não será nomeada para sempre. 21Preparai a matança
14.21:
Êx 20.5
Mt 23.35
para os filhos por causa da maldade de seus pais, para que não se levantem, e possuam a terra, e encham o mundo de cidades. 22Porque me levantarei contra eles, diz o Senhor dos Exércitos,
14.22:
Jó 18.19
e desarraigarei de Babilônia o nome, e os resíduos, e o filho, e o neto, diz o Senhor. 23E reduzi-la-ei
14.23:
Is 34.11
Sf 2.14
a possessão 14.23: ou dos porcos-espinhosde corujas e a lagoas de águas: e varrê-la-ei com vassoura de perdição, diz o Senhor dos Exércitos.

Profecia contra os assírios

24O Senhor dos Exércitos jurou, dizendo: Como pensei, assim sucederá, e como determinei, assim se efetuará. 25Quebrantarei a Assíria na minha terra, e nas minhas montanhas a pisarei, para que o seu jugo se aparte

14.25:
Is 10.27
deles e a sua carga se desvie dos seus ombros. 26Este é o conselho que foi determinado sobre toda esta terra; e esta é a mão que está estendida sobre todas as nações. 27Porque o Senhor dos Exércitos o determinou;
14.27:
2Cr 20.6
Jó 9.12
23.13
Is 45.13
Dn 4.31
quem pois o invalidará? e a sua mão estendida está; quem pois a fará voltar atrás?

Profecia contra os filisteus

28No ano em que morreu

14.28:
2Rs 16.20
o rei Acaz, houve 14.28: ou esta sentença.este peso. 29Não te alegres, tu, toda a Filístia,
14.29:
2Cr 26.6
2Rs 18.8
por ser quebrada a vara que te feria; porque da raiz da cobra sairá um basilisco, e o seu fruto será uma serpente ardente, voadora. 30E os primogênitos dos pobres serão apascentados, e os necessitados se deitarão seguros; mas farei morrer de fome a tua raiz, e serão destruídos os teus resíduos. 31Uiva, ó porta; grita, ó cidade; tu, ó Filístia, estás toda derretida; porque do norte vem um fumo, e ninguém ficará solitário no tempo determinado. 32Que se responderá pois aos mensageiros do povo? Que o Senhor fundou a Sião,
14.32:
Sf 3.12
para que os opressos do seu povo nela encontrem abrigo.

15

Predição da ruína de Moabe

15115.1: ou SentençaPESO

15.1:
Jr 48.1
Ez 25.8,11
Am 2.1
Nm 21.28
de Moabe. Certamente numa noite foi destruída Ar de Moabe, e foi desfeita: certamente numa noite foi destruída Quir de Moabe, e foi desfeita. 2Vai subindo
15.2:
Lv 21.5
Is 3.24
22.12
Jr 47.5
48.1,37-38
Ez 7.18
a Bajite, e a Dibom, aos lugares altos, a chorar: por Nebo e por Medeba Moabe uivará; todas as cabeças ficarão calvas, e toda a barba será rapada. 3Cingiram-se de sacos nas suas ruas:
15.3:
Jr 48.38
nos seus terraços e nas suas praças todos andam uivando, e choram abundantemente. 4Assim Hesbom como Eleale, andam gritando;
15.4:
Is 16.9
até Jaaz se ouve a sua voz: por isso os armados de Moabe clamam; a sua alma treme dentro deles. 5O meu coração
15.5:
Is 16.11,14
Jr 48.5,31,34
clama por causa de Moabe: fugiram os seus nobres para Zoar, como a novilha de três anos: porque vão chorando pela subida de Luíte, porque no caminho de Horonaim levantam um lastimoso pranto. 6Porque as águas de Ninrim serão pura assolação; porque se secou o feno, definhou a erva, e não há verdura alguma. 7Pelo que a abundância que ajuntaram, e o que guardaram, ao ribeiro dos salgueiros o levarão. 8Porque o pranto rodeará os limites de Moabe; até Eglaim chegará o seu clamor, e ainda até Beerelim chegará o seu rugido. 9Porquanto as águas de Dimom estão cheias de sangue, porque ainda acrescentarei mais a Dimom:
15.9:
2Rs 17.25
leões contra aqueles que escaparem de Moabe, e contra as relíquias da terra.