Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
11

O reino do Messias é pacífico e próspero

111PORQUE brotará um rebento do tronco de Jessé, e das suas raízes um renovo frutificará. 2E repousará sobre ele o espírito do Senhor, o espírito de sabedoria e de inteligência, o espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do Senhor. 3E deleitar-se-á no temor do Senhor: e não julgará segundo a vista dos seus olhos, nem repreenderá segundo o ouvir dos seus ouvidos; 4Mas julgará com justiça os pobres, e repreenderá com equidade os mansos da terra; e ferirá a terra com a vara de sua boca, e com o sopro dos seus lábios matará o ímpio. 5E a justiça será o cinto dos seus lombos, e a verdade o cinto dos seus rins. 6E morará o lobo com o cordeiro, e o leopardo com o cabrito se deitará, e o bezerro, e o filho de leão e a nédia ovelha viverão juntos, e um menino pequeno os guiará. 7A vaca e a ursa pastarão juntas, e seus filhos juntos se deitarão; e o leão comerá palha como o boi. 8E brincará a criança de peito sobre a toca do áspide, e o já desmamado meterá a sua mão na cova do basilisco. 9Não se fará mal nem dano algum em todo o monte da minha santidade, porque a terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar. 10E acontecerá naquele dia que as nações perguntarão pela raiz de Jessé, posta por pendão dos povos, e o lugar do seu repouso será glorioso. 11Porque há de acontecer naquele dia que o Senhor tornará a estender a sua mão para adquirir outra vez os resíduos do seu povo, que restarem da Assíria, e do Egito, e de Patros, e da Etiópia, e de Elão, e de Sinear, e de Hamate, e das ilhas do mar. 12E levantará um pendão entre as nações, e ajuntará os desterrados de Israel, e os dispersos de Judá congregará desde os quatro confins da terra. 13E desterrar-se-á a inveja de Efraim, e os adversários de Judá serão desarraigados: Efraim não invejará a Judá e Judá não oprimirá a Efraim. 14Antes voarão sobre os ombros dos filisteus ao ocidente; juntos despojarão os filhos do oriente: em Edom e Moabe porão as suas mãos, e os filhos de Amom lhes obedecerão. 15E o Senhor destruirá totalmente o braço de mar do Egito, e moverá a sua mão contra o rio com a força do seu vento, e, ferindo-o, dividi-lo-á em sete correntes, que qualquer atravessará com sapatos. 16E haverá caminho plano para os resíduos do seu povo, que restarem da Assíria, como sucedeu a Israel no dia em que subiu da terra do Egito.

12

Deus é louvado por haver restaurado o seu povo

121E DIRÁS naquele dia: Graças te dou, ó Senhor, porque, ainda que te iraste contra mim, a tua ira se retirou, e tu me consolaste. 2Eis que Deus é a minha salvação: eu confiarei e não temerei porque o Senhor Jeová é a minha força e o meu cântico, e se tornou a minha salvação. 3E vós com alegria tirareis águas das fontes da salvação. 4E direis naquele dia: Dai graças ao Senhor, invocai o seu nome, tornai manifestos os seus feitos entre os povos, contai quão excelso é o seu nome. 5Cantai ao Senhor, porque fez cousas grandiosas: saiba-se isto em toda a terra. 6Exulta e canta de gozo, ó habitante de Sião, porque grande é o Santo de Israel no meio de ti.

13

A ruína de Babilônia e o livramento de Israel

131PESO de Babilônia, que viu Isaías, filho de Amós. 2Alçai uma bandeira sobre o monte escalvado; levantai a voz para eles: acenai-lhes com a mão, para que entrem pelas portas dos príncipes. 3Eu dei ordens aos meus santificados: sim, já chamei os meus valentes para a minha ira, os que exultam com a minha majestade. 4Já se ouve a gritaria da multidão sobre os montes, semelhante à de um grande povo: a voz do reboliço de reinos e de nações congregadas. O Senhor dos Exércitos passa em revista o exército de guerra. 5 vem duma terra de longe, desde a extremidade do céu, o Senhor, e os instrumentos da sua indignação, para destruir toda aquela terra. 6Uivai, porque o dia do Senhor está perto: vem do Todo-poderoso como assolação. 7Pelo que todas as mãos se debilitarão, e o coração de todos os homens se desanimará. 8E assombrar-se-ão, e apoderar-se-ão deles dores e ais, e se angustiarão, como a mulher parturiente; cada um se espantará do seu próximo; os seus rostos serão rostos flamejantes. 9Eis que o dia do Senhor vem, horrendo, com furor e ira ardente, para pôr a terra em assolação, e destruir os pecadores dela. 10Porque as estrelas dos céus e os astros não deixarão brilhar a sua luz; o sol se escurecerá ao nascer, e a lua não fará resplandecer a sua luz. 11E visitarei sobre o mundo a maldade, e sobre os ímpios a sua iniquidade: e farei cessar a arrogância dos atrevidos, e abaterei a soberba dos tiranos. 12Farei que um homem seja mais precioso do que o ouro puro, e mais raro do que o ouro fino de Ofir. 13Pelo que farei estremecer os céus; e a terra se moverá do seu lugar, por causa do furor do Senhor dos Exércitos, e por causa do dia da sua ardente ira. 14E cada um será como a corça que foge, e como a ovelha que ninguém recolhe: cada um voltará para o seu povo, e cada um fugirá para a sua terra. 15Todo o que for achado será traspassado: e todo o que for apanhado, cairá à espada. 16E suas crianças serão despedaçadas perante os seus olhos: as suas casas serão saqueadas, e as suas mulheres violadas. 17Eis que eu despertarei contra eles os medos, que não farão caso da prata, nem tão pouco desejarão ouro. 18E os seus arcos despedaçarão os mancebos, e não se compadecerão do fruto do ventre; o seu olho não poupará os filhos. 19E Babilônia, o ornamento dos reinos, a glória e a soberba dos caldeus será como Sodoma e Gomorra, quando Deus as transtornou. 20Nunca mais será habitada, nem reedificada de geração em geração: nem o árabe armará ali a sua tenda, nem tão pouco os pastores ali farão deitar os seus rebanhos. 21Mas as feras do deserto repousarão ali, e as suas casas se encherão de horríveis animais; e ali habitarão as avestruzes, e os sátiros pularão ali. 22E as feras que uivam gritarão umas às outras nos seus palácios vazios, como também os chacais nos seus palácios de prazer; pois bem perto vem chegando o seu tempo, e os seus dias não se prolongarão.