Almeida Revista e Corrigida (1969) (RC69)
2

Davi dá conselhos a Salomão e morre

21E APROXIMARAM-SE os dias da morte de Davi: e deu ele ordem a Salomão, seu filho, dizendo: 2Eu vou pelo caminho de toda a terra: esforça-te pois e sê homem. 3E guarda a observância do Senhor teu Deus, para andares nos seus caminhos, e para guardares os seus estatutos, e os seus mandamentos, e os seus juízos, e os seus testemunhos, como está escrito na lei de Moisés: para que prosperes em tudo quanto fizeres, para onde quer que te voltares. 4Para que o Senhor confirme a palavra, que falou de mim, dizendo: Se teus filhos guardarem o seu caminho, para andarem perante a minha face fielmente, com todo o seu coração e com toda a sua alma, nunca, disse, te faltará sucessor ao trono de Israel. 5E também tu sabes o que me fez Joabe, filho de Zeruia, e o que fez aos dois chefes do exército de Israel, a Abner, filho de Ner, e a Amasa, filho de Jéter, os quais matou, e em paz derramou o sangue de guerra, e pôs o sangue de guerra no seu cinto que tinha nos lombos, e nos seus sapatos que trazia nos pés. 6Faze pois segundo a tua sabedoria, e não permitas que suas cãs desçam à sepultura em paz. 7Porém com os filhos de Barzilai, o gileadita, usarás de beneficência, e estarão entre os que comem à tua mesa, porque assim se chegaram eles a mim, quando eu fugia por causa de teu irmão Absalão. 8E eis que também contigo está Simei, filho de Gera, filho de Benjamim, de Baurim, que me maldisse com maldição atroz, no dia em que ia a Maanaim; porém ele saiu a encontrar-se comigo junto ao Jordão, e eu pelo Senhor lhe jurei, dizendo que o não mataria à espada. 9Mas agora o não tenhas por inculpável, pois és homem sábio, e bem saberás o que lhe hás de fazer para que faças com que as suas cãs desçam à sepultura com sangue. 10E Davi dormiu com seus pais, e foi sepultado na cidade de Davi. 11E foram os dias que Davi reinou sobre Israel quarenta anos: sete anos reinou em Hebrom, e em Jerusalém reinou trinta e três anos.

Salomão reina, e mata Adonias, Joabe e Simei

12E Salomão se assentou no trono de Davi, seu pai, e o seu reino se fortificou sobremaneira. 13Então veio Adonias, filho de Hagite a Batseba, mãe de Salomão; e disse ela: De paz é a tua vinda? E ele disse: É de paz. 14Então disse ele: Uma palavra tenho que dizer-te. E ela disse: Fala. 15Disse pois ele: Bem sabes que o reino era meu, e todo o Israel tinha posto a vista em mim para que eu viesse a reinar, ainda que o reino se transferiu e veio a ser de meu irmão, porque foi feito seu pelo Senhor. 16Assim que agora uma só petição te faço; não ma rejeites. E ela lhe disse: Fala. 17E ele disse: Peço-te que fales ao rei Salomão (porque ele to não rejeitará) que me dê por mulher a Abisague, a sunamita. 18E disse Batseba: Bem, eu falarei por ti ao rei. 19Assim veio Batseba ao rei Salomão, a falar-lhe por Adonias: e o rei se levantou a encontrar-se com ela, e se inclinou diante dela; então se assentou no seu trono, e fez pôr uma cadeira para a mãe do rei, e ela se assentou à sua mão direita. 20Então disse ela: uma pequena petição te faço: não ma rejeites. E o rei lhe disse: Pede, minha mãe, porque te não farei virar o rosto. 21E ela disse: Dê-se Abisague, a sunamita, a Adonias, teu irmão, por mulher. 22Então respondeu o rei Salomão, e disse a sua mãe: E por que pedes a Abisague, a sunamita, para Adonias? Pede também para ele o reino (porque é meu irmão maior), para ele, digo, e também para Abiatar, sacerdote, e para Joabe, filho de Zeruia. 23E jurou o rei Salomão pelo Senhor, dizendo: Assim Deus me faça, e outro tanto, se não falou Adonias esta palavra contra a sua vida. 24Agora, pois, vive o Senhor, que me confirmou, e me fez assentar no trono de Davi, meu pai, e que me tem feito casa, como tinha dito, que hoje morrerá Adonias. 25E enviou o rei Salomão pela mão de Benaia, filho de Joiada, o qual deu sobre ele, e morreu. 26E a Abiatar, o sacerdote, disse o rei: Para Anatote vai, para os teus campos, porque és homem digno de morte: porém hoje te não matarei, porquanto levaste a arca do Senhor Deus diante de Davi, meu pai, e porquanto foste aflito em tudo quanto meu pai foi aflito. 27Lançou pois Salomão fora a Abiatar, para que não fosse sacerdote do Senhor, para cumprir a palavra do Senhor, que tinha dito sobre a casa de Eli em Silo. 28E veio a fama até Joabe (porque Joabe se tinha desviado seguindo a Adonias, ainda que se não tinha desviado seguindo a Absalão), e Joabe fugiu para o tabernáculo do Senhor, e pegou das pontas do altar. 29E disseram ao rei Salomão que Joabe tinha fugido para o tabernáculo do Senhor; e eis que está junto ao altar: então enviou Salomão Benaia, filho de Joiada, dizendo: Vai, dá sobre ele. 30E veio Benaia ao tabernáculo do Senhor, e lhe disse: Assim diz o rei: Sai daí. E disse ele: Não, porém aqui morrerei. E Benaia tornou com a resposta ao rei, dizendo: Assim falou Joabe, e assim me respondeu. 31E disse-lhe o rei: Faze como ele disse, e dá sobre ele, e sepulta-o, para que tires de mim e da casa de meu pai o sangue que Joabe sem causa derramou. 32Assim o Senhor fará recair o sangue dele sobre a sua cabeça, porque deu sobre dois homens mais justos e melhores do que ele, e os matou à espada, sem que meu pai Davi o soubesse, a saber: a Abner, filho de Ner, chefe do exército de Israel e a Amasa, filho de Jéter, chefe do exército de Judá. 33Assim recairá o sangue destes sobre a cabeça de Joabe e sobre a cabeça da sua semente para sempre; mas a Davi, e à sua semente, e à sua casa, e ao seu trono dará o Senhor paz para todo o sempre. 34E subiu Benaia, filho de Joiada, e deu sobre ele, e o matou: e foi sepultado em sua casa, no deserto. 35E o rei pôs a Benaia, filho de Joiada em seu lugar sobre o exército, e a Zadoque, o sacerdote, pôs o rei em lugar de Abiatar. 36Depois enviou o rei, e chamou a Simei, e disse-lhe: Edifica-te uma casa em Jerusalém, e habita aí, e daí não saias, nem para uma nem para outra parte. 37Porque há de ser que, no dia em que saíres e passares o ribeiro de Cedrom, saibas de certo que certamente morrerás: o teu sangue será sobre a tua cabeça. 38E Simei disse ao rei: Boa é essa palavra; como tem dito o rei meu Senhor, assim fará o teu servo. E Simei habitou em Jerusalém muitos dias. 39Sucedeu porém que, ao cabo de três anos, dois servos de Simei fugiram para Áquis, filho de Maaca, rei de Gate: e deram parte a Simei, dizendo: Eis que teus servos estão em Gate. 40Então Simei se levantou, e albardou o seu jumento, e foi a Gate, para Áquis, a buscar a seus servos: assim foi Simei, e trouxe os seus servos de Gate. 41E disseram a Salomão que Simei de Jerusalém fora a Gate, e tinha já voltado. 42Então enviou o rei e chamou a Simei, e disse-lhe: Não te conjurei eu pelo Senhor, e protestei contra ti, dizendo: No dia em que saíres para uma ou outra parte, sabe de certo que certamente morrerás? E tu me disseste: Boa é essa palavra que ouvi. 43Por que pois não guardaste o juramento do Senhor, nem o mandado que te mandei? 44Disse mais o rei a Simei: Bem sabes tu toda a maldade que o teu coração reconhece que fizeste a Davi, meu pai; pelo que o Senhor fez recair a tua maldade sobre a tua cabeça. 45Mas o rei Salomão será abençoado, e o trono de Davi será confirmado perante o Senhor para sempre. 46E o rei mandou a Benaia, filho de Joiada, o qual saiu, e deu sobre ele, e morreu: assim foi confirmado o reino na mão de Salomão.

3

Salomão casa com a filha de Faraó

31E SALOMÃO se aparentou com Faraó, rei do Egito: e tomou a filha de Faraó, e a trouxe à cidade de Davi, até que acabasse de edificar a sua casa, e a casa do Senhor, e a muralha de Jerusalém em roda. 2Somente que o povo sacrificava sobre os altos: porque até àqueles dias ainda se não tinha edificado casa ao nome do Senhor. 3E Salomão amava ao Senhor, andando nos estatutos de Davi seu pai; somente que nos altos sacrificava, e queimava incenso. 4E foi o rei a Gibeom para lá sacrificar, porque aquele era o alto grande; mil holocaustos sacrificou Salomão naquele altar. 5E em Gibeom apareceu o Senhor a Salomão de noite em sonhos: e diz-lhe Deus: Pede o que quiseres que te dê. 6E disse Salomão: De grande beneficência usaste tu com teu servo Davi meu pai, como também ele andou contigo em verdade, e em justiça, e em retidão de coração, perante a tua face: e guardaste-lhe esta grande beneficência, e lhe deste um filho que se assentasse no seu trono, como se vê neste dia. 7Agora pois, ó Senhor meu Deus, tu fizeste reinar a teu servo em lugar de Davi meu pai: e sou ainda menino pequeno; nem sei como sair, nem como entrar. 8E teu servo está no meio do teu povo que elegeste: povo grande, que nem se pode contar, nem numerar, pela sua multidão. 9A teu servo pois dá um coração entendido para julgar a teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal: porque quem poderia julgar a este teu tão grande povo? 10E esta palavra pareceu boa aos olhos do Senhor, que Salomão pedisse esta cousa. 11E disse-lhe Deus: Porquanto pediste esta cousa, e não pediste para ti riquezas, nem pediste a vida de teus inimigos: mas pediste para ti entendimento, para ouvir causas de juízo; 12Eis que fiz segundo as tuas palavras: eis que te dei um coração tão sábio e entendido, que antes de ti teu igual não houve, e depois de ti teu igual se não levantará. 13E também até o que não pediste te dei, assim riquezas como glória: que não haja teu igual entre os reis, por todos os teus dias. 14E, se andares nos meus caminhos guardando os meus estatutos, e os meus mandamentos, como andou Davi teu pai, também prolongarei os teus dias. 15E acordou Salomão, e eis que era sonho. E veio a Jerusalém, e pôs-se perante a arca do concerto do Senhor, e, sacrificou holocaustos, e preparou sacrifícios pacíficos, e fez um banquete a todos os seus servos.

Salomão julga a causa de duas mulheres

16Então vieram duas mulheres prostitutas ao rei, e se puseram perante ele. 17E disse-lhe uma das mulheres: Ah! senhor meu, eu e esta mulher moramos numa casa; e tive um filho, morando com ela naquela casa. 18E sucedeu que, ao terceiro dia depois do meu parto, também esta mulher teve um filho: estávamos juntas, estranho nenhum estava conosco na casa, senão nós ambas naquela casa. 19E de noite morreu o filho desta mulher, porquanto se deitara sobre ele. 20E levantou-se à meia-noite e me tirou a meu filho do meu lado, dormindo a tua serva, e o deitou no seu seio: e a seu filho morto deitou no meu seio. 21E, levantando-me eu pela manhã, para dar de mamar a meu filho, eis que estava morto: mas, atentando pela manhã para ele, eis que não era o filho, que eu havia tido. 22Então disse a outra mulher: Não, mas o vivo é meu filho, e teu filho o morto. Porém esta disse: Não, por certo, o morto é teu filho, e meu filho o vivo. Assim falaram perante o rei. 23Então disse o rei: Esta diz: Este que vive é meu filho, e teu filho o morto; e esta outra diz: Não, por certo; o morto é teu filho e meu filho o vivo. 24Disse mais o rei: Trazei-me uma espada. E trouxeram uma espada diante do rei. 25E disse o rei: Dividi em duas partes o menino vivo: e dai metade a uma e metade a outra. 26Mas a mulher, cujo filho era o vivo, falou ao rei (porque as suas entranhas se lhe enterneceram por seu filho), e disse: Ah! senhor meu, dai-lhe o menino vivo, e por modo nenhum o mateis. Porém a outra dizia: Nem teu nem meu seja; dividi-o antes. 27Então respondeu o rei, e disse: Dai a esta o menino vivo, e de maneira nenhuma o mateis, porque esta é sua mãe. 28E todo o Israel ouviu a sentença que dera o rei, e temeu ao rei: porque viram que havia nele a sabedoria de Deus, para fazer justiça.

4

Os príncipes de Salomão e a grandeza do seu reino

41ASSIM foi Salomão rei sobre todo o Israel. 2E estes eram os príncipes que tinha: Azarias, filho de Zadoque, sacerdote; 3Eliorefe e Aía, filhos de Sisa, secretários; Josafá, filho de Ailude, chanceler; 4Benaia, filho de Joiada, sobre o exército; e Zadoque e Abiatar eram sacerdotes. 5E Azarias, filho de Natã, sobre os provedores; e Zabude, filho de Natã, oficial-mor, amigo do rei; 6E Aisar, mordomo; Adonirão, filho de Abda, sobre o tributo. 7E tinha Salomão doze provedores sobre todo o Israel, que proviam ao rei e à sua casa: e cada um tinha a prover um mês no ano. 8E estes são os seus nomes: Ben-Hur, nas montanhas de Efraim; 9Ben-Dequer em Macás, e em Saalbim, e em Bete-Semes, e em Elom, e em Bete-Hanã; 10Ben-Hesede em Arubote; também este tinha a Socó e a toda a terra de Hefer; 11Ben-Abinadabe em todo o termo de Dor: tinha este a Tafate, filha de Salomão, por mulher; 12Baana, filho de Ailude, tinha a Tanaque, e a Megido, e a toda a Betseã, que está junto a Zartana, abaixo de Jezreel, desde Betseã até Abelmeola, até dalém de Jocneão. 13O filho de Geber em Ramote-Gileade; tinha este as aldeias de Jair, filho de Manassés, as quais estão em Gileade; também tinha o termo de Argobe, o qual está em Basã, sessenta grandes cidades com muros e ferrolhos de cobre; 14Ainadabe, filho de Ido, em Maanaim; 15Aimaás em Naftali; também este tomou a Basmate, filha de Salomão, por mulher; 16Baana, filho de Husai, em Aser e em Alote; 17Josafá, filho de Paruá, em Issacar; 18Simei, filho de Ela, em Benjamim; 19Geber, filho de Uri, na terra de Gileade, a terra de Siom, rei dos amorreus, e de Ogue, rei de Basã; e só uma guarnição havia naquela terra. 20Eram pois os de Judá e Israel muitos, como a areia que está ao pé do mar em multidão, comendo, e bebendo, e alegrando-se. 21E dominava Salomão sobre todos os reinos desde o rio até à terra dos filisteus, e até ao termo do Egito; os quais traziam presentes, e serviram a Salomão todos os dias da sua vida. 22Era pois o provimento de Salomão, cada dia, trinta coros da flor de farinha, e sessenta coros de farinha: 23Dez vacas gordas, e vinte vacas de pasto, e cem carneiros: afora os veados e as cabras monteses, e os corços, e aves cevadas. 24Porque dominava sobre tudo quanto havia da banda de cá do rio de Tifsá até Gaza, sobre todos os reis da banda de cá do rio: e tinha paz de todas as bandas em roda dele. 25E Judá e Israel habitavam seguros, cada um debaixo da sua videira, e debaixo da sua figueira, desde Dã até Berseba, todos os dias de Salomão. 26Tinha também Salomão quarenta mil estrebarias de cavalos para os seus carros e doze mil cavaleiros. 27Proviam pois estes provedores, cada um no seu mês, ao rei Salomão e a todos quantos se chegavam à mesa do rei Salomão: cousa nenhuma deixavam faltar. 28E traziam a cevada e a palha para os cavalos e para os ginetes, para o lugar onde estava cada um, segundo o seu cargo.

A sabedoria de Salomão

29E deu Deus a Salomão sabedoria, e muitíssimo entendimento, e largueza de coração, como a areia que está na praia do mar. 30E era a sabedoria de Salomão maior do que a sabedoria de todos os do oriente e do que toda a sabedoria dos egípcios. 31E era ele ainda mais sábio do que todos os homens, e do que Etã, ezraíta, e Hemã, e Calcal, e Darda, filho de Maol: e correu o seu nome por todas as nações em redor. 32E disse três mil provérbios, e foram os seus cânticos mil e cinco. 33Também falou das árvores, desde o cedro que está no Líbano até ao hissopo que nasce na parede: também falou dos animais e das aves, e dos répteis e dos peixes. 34E vinham de todos os povos a ouvir a sabedoria de Salomão, e de todos os reis da terra que tinham ouvido da sua sabedoria.