Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
16

As taças da ira de Deus

161Depois ouvi uma voz forte falando de dentro do templo, dizendo aos sete anjos:

— Vão e derramem sobre a terra as sete taças da ira de Deus!

2O primeiro anjo foi e derramou a sua taça sobre a terra. Feridas abertas, terríveis e dolorosas, apareceram naqueles que tinham o sinal do monstro e que haviam adorado a sua imagem.

16.2
Êx 9.10

3Aí o segundo anjo derramou a sua taça sobre o mar. A água ficou como o sangue de uma pessoa morta, e morreram todos os seres vivos do mar.

4Então o terceiro anjo derramou a sua taça sobre os rios e nas fontes de água, e eles viraram sangue.

16.4
Êx 7.17-21
Sl 78.44
5Eu ouvi o anjo que tinha autoridade sobre as águas dizer:

— Tu és justo nos teus julgamentos, ó Deus santo, que és e que eras! 6Os maus derramaram o sangue do povo de Deus e dos profetas, e por isso tu lhes deste sangue para beber. Eles estão recebendo o que merecem.

7Aí ouvi uma voz que vinha do altar. A voz dizia:

— Ó Senhor Deus, Todo-Poderoso! Os teus julgamentos são, de fato, verdadeiros e justos!

8Depois o quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e ele recebeu licença para queimar as pessoas com fogo. 9Elas sofreram queimaduras dolorosas causadas por esse fogo e amaldiçoaram o nome de Deus, que tem autoridade sobre essas pragas. Mas não se arrependeram dos seus pecados, nem louvaram a glória de Deus.

10Então o quinto anjo derramou a sua taça sobre o trono do monstro, cujo reino ficou na escuridão, e as pessoas mordiam a língua de dor

16.10
Êx 10.21
11e, por causa das suas dores e feridas, amaldiçoavam o Deus do céu. Porém não abandonaram as coisas más que faziam.

12Em seguida o sexto anjo derramou a sua taça no grande rio Eufrates16.12 Ver Ap 9.14, nota.. O rio secou a fim de se abrir um caminho para os reis que vêm do Oriente.

16.12
Is 11.15
13Então vi três espíritos imundos que pareciam rãs, que saíam da boca do dragão, da boca do monstro e da boca do falso profeta16.13 O segundo monstro, o que subiu da terra (ver Ap 13.11-15).. 14Eles são os espíritos maus que fazem milagres. Esses três espíritos vão aos reis do mundo inteiro a fim de os ajuntar para a batalha do grande Dia de Deus, o Todo-Poderoso.

15“Escutem! Eu venho como um ladrão. Feliz aquele que vigia e toma conta da sua roupa, a fim de não andar nu e não ficar envergonhado em público!”

16.15
Mt 24.43-44
Lc 12.39-40
Ap 3.3

16Depois os espíritos ajuntaram os reis no lugar que em hebraico é chamado de “Armagedom16.16 A “montanha de Megido”, onde os israelitas travaram batalhas decisivas (ver Jz 5.19; 2Rs 23.29-30).”.

16.16
2Rs 23.29
Zc 12.11

17E por último o sétimo anjo derramou a sua taça no ar. Então uma voz forte veio do trono, no templo, dizendo:

— Está feito!

18Houve relâmpagos, estrondos, trovões e um violento terremoto, tão violento como nunca houve igual desde a criação dos seres humanos. Foi o pior de todos!

16.18
Ap 8.5
11.13,19
19A grande cidade se quebrou em três partes, e as cidades de todos os países foram destruídas. Deus lembrou da grande Babilônia16.19 A cidade de Roma. e lhe deu o vinho da sua taça — o vinho do furor da sua ira.
16.19
Is 51.17
20Todas as ilhas desapareceram, e todos os montes sumiram.
16.20
Ap 6.14
21Chuvas de pedra caíram do céu sobre as pessoas. Eram grandes pedras, que pesavam mais de trinta quilos. E as pessoas amaldiçoaram a Deus por causa da praga de chuvas de pedra, pois ela era terrível.
16.21
Êx 9.23
Ap 11.19

17

A famosa prostituta e o monstro

171Então um dos sete anjos que tinham as sete taças veio me dizer:

— Venha, e eu vou lhe mostrar como será castigada a famosa prostituta, aquela grande cidade17.1 Roma, que no Apocalipse é chamada de Babilônia (ver Ap 14.8, nota). que está construída perto de muitos rios.

17.1
Jr 51.13
2Os reis do mundo inteiro cometeram imoralidade sexual com ela, e os povos do mundo ficaram bêbados com o vinho da sua imoralidade.
17.2
Is 23.17
Jr 51.7

3Então o Espírito de Deus me dominou, e o anjo me levou para um deserto, onde vi uma mulher montada num monstro vermelho. Havia muitas blasfêmias escritas nele, e ele tinha sete cabeças e dez chifres.

17.3
Ap 13.1
4A mulher usava um vestido cor de púrpura e vermelho vivo e estava coberta de enfeites de ouro, de pedras preciosas e pérolas. Na mão ela segurava uma taça de ouro cheia de vinho, que representava as suas práticas indecentes e a imundícia da sua imoralidade.
17.4
Jr 51.7
5Na sua testa estava escrito um nome que tem um significado secreto: “A grande Babilônia17.5 A cidade de Roma., mãe de todas as prostitutas e de todas as pessoas imorais do mundo.” 6Então vi que a mulher estava embriagada com o sangue do povo de Deus e das pessoas que haviam sido mortas porque tinham sido fiéis a Jesus.

Quando a vi, fiquei muito espantado. 7E o anjo me perguntou:

— Por que é que você está assim, tão espantado? Vou lhe contar o significado secreto da mulher e do monstro que a carrega, o qual tem sete cabeças e dez chifres. 8O monstro que você viu estava vivo, mas agora não vive mais. Ele está para subir do abismo, e dali sairá, e será destruído. Os moradores da terra que desde a criação do mundo não têm os seus nomes escritos no Livro da Vida17.8 Ver Ap 3.5, nota. ficarão espantados quando olharem para o monstro. Ele estava vivo; agora não vive mais, porém tornará a aparecer.

17.8 a
Dn 7.7
Ap 11.7

9— Isto exige sabedoria e entendimento: as sete cabeças são sete montes onde a mulher está sentada. Elas também são sete reis: 10Cinco já morreram, um está governando, e o outro ainda não apareceu. E, quando aparecer, precisará governar por pouco tempo. 11E o monstro que já esteve vivo, mas que agora não vive mais, é o oitavo rei, que faz parte dos primeiros sete e que vai ser destruído.

12— Os dez chifres que você viu são dez reis que ainda não começaram a governar, mas vão receber autoridade para reinar com o monstro durante uma hora17.12 Muito pouco tempo..

17.12
Dn 7.24
13Esses dez estão todos de acordo entre si e dão ao monstro o poder e a autoridade que possuem. 14Eles lutarão contra o Cordeiro, e ele os vencerá porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis. E com ele vencerão os seus seguidores, aqueles que são chamados e fiéis.

15Então o anjo também me disse:

— As águas que você viu, onde a prostituta está sentada, são nações, povos, raças e línguas. 16Os dez chifres que você viu e o monstro odiarão a prostituta. Eles tirarão tudo o que ela tem e a deixarão nua. Devorarão a sua carne e queimarão o resto no fogo. 17Os dez reis farão isso porque Deus colocou no coração deles o desejo de fazerem o que ele quer. Assim entre si concordarão em entregar ao monstro a autoridade que eles têm para governar. Isso acontecerá até que se cumpram as palavras de Deus.

18— A mulher que você viu é a grande cidade que domina os reis do mundo inteiro.

18

A queda de Babilônia

181Depois disso vi outro anjo descendo do céu. Ele tinha um grande poder, e o seu brilho iluminava toda a terra. 2E gritava com voz forte:

— Caiu! Caiu a grande Babilônia18.2 A cidade de Roma.! Agora quem vive ali são os demônios e todos os espíritos imundos. Todos os tipos de aves e feras imundas e nojentas vivem nela.

18.2 a
Is 21.9
Jr 51.8
Ap 14.8
3Pois todas as nações beberam do seu vinho, o vinho forte do seu desejo imoral. Os reis do mundo inteiro cometeram imoralidade sexual com ela, e os homens de negócio deste mundo se enriqueceram à custa das práticas sexuais sujas da prostituta.
18.3
Is 23.17
Ap 17.2

4Então ouvi outra voz do céu, que disse:

— Saia dessa cidade, meu povo!

Saiam todos dela

para não tomarem parte

nos seus pecados

e para não participarem

dos seus castigos!

18.4
Is 48.20
Jr 50.8
51.6,45

5Pois os seus pecados

estão amontoados até o céu,

e Deus lembra das suas maldades.

18.5
Gn 18.20-21
Jr 51.9

6Deem a ela o mesmo

que ela deu a vocês;

paguem em dobro o que ela fez.

Encham a taça dela

com bebida duas vezes mais forte

do que a bebida

que ela preparou para vocês.

18.6
Sl 137.8
Jr 50.29

7Deem a ela tanto sofrimento

e tristeza

quanto luxo e glória

ela deu a si mesma.

Porque ela pensa assim:

“Estou sentada aqui como rainha!

Não sou viúva

e nunca mais vou sofrer!”

8Por isso num mesmo dia

cairão sobre ela estas pragas:

doenças, dor e fome,

e ela será queimada no fogo.

Pois o Senhor Deus, que a julga,

é poderoso.

18.7-8
Is 47.7-9

9Os reis do mundo inteiro que tomaram parte na imoralidade e na corrupção dela vão gritar e chorar quando virem a fumaça do seu incêndio. 10Eles ficam de longe porque têm medo de tomar parte no castigo que ela vai sofrer e dizem:

— Ai de você! Ai de você, Babilônia, grande e poderosa cidade! Em apenas uma hora você já foi castigada!

18.9-10
Ez 26.16-17

11Os comerciantes do mundo inteiro também gritam e se lamentam por causa dela porque ninguém mais compra os produtos deles.

18.11
Ez 27.31,36
12Ninguém compra o seu ouro, prata, pedras preciosas e pérolas; nem o seu linho finíssimo, a sua púrpura, a sua seda e a sua lã vermelha; nem qualquer espécie de madeira rara ou qualquer tipo de objetos feitos de marfim e de madeira cara, de bronze, ferro e mármore; 13nem canela, cardamomo, incenso, mirra ou perfumes. Ninguém compra o seu vinho, azeite, farinha de trigo e trigo em grão; nem gado e ovelhas, cavalos e carruagens, nem escravos ou outros seres humanos.
18.12-13
Ez 27.12-13,22
14Os comerciantes dizem à cidade:

— Acabaram todas aquelas coisas boas que você tanto desejava, e você perdeu para sempre toda a riqueza e toda a fama que possuía e não as encontrará mais.

15E os comerciantes, que se tornaram ricos negociando naquela cidade, ficarão de longe, com medo de serem castigados junto com ela. Eles vão gritar e lamentar assim:

18.15
Ez 27.31,36

16— Ai da grande cidade! Ai da cidade que estava vestida de linho finíssimo, de púrpura e de lã vermelha e que se enfeitava com joias de ouro, com pedras preciosas e com pérolas! 17Em somente uma hora ela perdeu toda a sua riqueza!

Todos os capitães de navios e todos os passageiros, marinheiros e outros que ganham a vida no mar ficaram de longe.

18.17
Is 23.14
Ez 27.26-30
18Então, vendo a fumaça do incêndio da cidade, gritaram:

— Nunca houve uma cidade igual a esta grande cidade!

18.18
Ez 27.32

19Em sinal de tristeza eles jogaram pó sobre a cabeça, choraram e gritaram assim:

— Ai da grande cidade! Ai da cidade onde, à custa da sua grande riqueza, se enriqueceram todos os que tinham navios no mar! E em apenas uma hora ela perdeu tudo!

18.19
Ez 27.30-34

20Alegrem-se, ó céus, por causa da destruição dessa cidade! Alegrem-se, povo de Deus, apóstolos e profetas! Pois Deus a condenou pelo que ela fez a vocês!18.20 As palavras do versículo 20 foram ditas ou pelo anjo (18.1) ou são do autor do livro de Apocalipse.

18.20
Dt 32.43
Jr 51.48

21Então um anjo forte levantou uma pedra do tamanho de uma grande pedra de moinho e a jogou no mar. E disse:

— É assim que a grande cidade de Babilônia será jogada fora com violência e nunca mais será vista.

18.21 a
Jr 51.63-64
22A música dos tocadores de harpa, de flauta e de trombeta e as vozes dos cantores nunca mais serão ouvidas em você, e em você nunca mais será encontrado nenhum trabalhador de qualquer ofício, e nunca mais se ouvirá em você o barulho das pedras de moinho!
18.22
Ez 26.13
Is 24.8
23Em você jamais brilhará a luz de uma lamparina, e nunca mais se ouvirá em você a voz dos noivos e das noivas. Os seus comerciantes foram os mais poderosos do mundo, e com feitiçaria você enganou todos os povos da terra.
18.22-23
Jr 7.34
25.10

24A grande Babilônia foi castigada porque nela foi encontrado o sangue dos profetas, o sangue do povo de Deus e o de todos os que foram assassinados na terra.18.24 As palavras do versículo 24 são provavelmente um comentário do autor, explicando a razão da destruição de Babilônia.

18.24
Jr 51.49