Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
14

A canção dos cento e quarenta e quatro mil

141Depois olhei e vi o Cordeiro em pé no monte Sião. Com ele estavam cento e quarenta e quatro mil pessoas que tinham o nome dele e o nome do Pai dele escritos na testa delas.

14.1
Ez 9.4
Ap 7.3
2Então ouvi uma voz do céu, que parecia o barulho de uma grande cachoeira ou o som de um forte trovão. A voz que ouvi era como a música de harpistas tocando as suas harpas. 3Os cento e quarenta e quatro mil estavam diante do trono, e dos quatro seres vivos, e dos líderes e cantavam uma nova canção, que somente eles podiam aprender. De toda a humanidade eles eram os únicos que tinham sido comprados por Deus. 4Eram os que se conservaram puros porque não haviam tido relações com mulheres14.4 Figura para indicar pessoas que são completamente dedicadas a Deus e que não adoram ídolos.. Seguem o Cordeiro aonde ele vai. Entre todos os seres humanos eles foram comprados e foram os primeiros a serem oferecidos a Deus e ao Cordeiro. 5Eles nunca mentiram, nem cometeram nenhuma falta.
14.5
Sf 3.13

As mensagens dos três anjos

6Então vi outro anjo voando muito alto, com uma mensagem eterna do evangelho para anunciar aos povos da terra, a todas as raças, tribos, línguas e nações. 7Ele disse com voz forte:

Temam a Deus e louvem a sua glória, pois já chegou a hora de Deus julgar a humanidade. Adorem aquele que fez o céu, a terra, o mar e as fontes das águas!

8Um segundo anjo seguiu o primeiro, dizendo:

— Caiu! Caiu a grande Babilônia14.8 A cidade de Roma.! Ela embriagou todos os povos, dando-lhes o seu vinho, o vinho forte da sua terrível imoralidade!

14.8
Is 21.9
Jr 51.8
Ap 18.2

9Um terceiro anjo seguiu o segundo, dizendo com voz forte:

— Aqueles que adorarem o monstro e a sua imagem e receberem o sinal na testa ou na mão

14.9
Ap 13.16
20.4
10beberão o vinho de Deus, o vinho da sua ira, que ele derramou puro na taça do seu furor. Eles serão atormentados no fogo e no enxofre14.10 Material amarelo que, ao ser queimado, produz forte calor e cheiro desagradável. diante dos santos anjos e do Cordeiro.
14.10 a
Is 51.17
11A fumaça do fogo que os atormenta sobe para todo o sempre. Ali não há alívio, nem de dia nem de noite, para os que adoram o monstro e a sua imagem, nem para qualquer um que tenha o sinal do nome dele.
14.11
Is 34.10

12Isso exige que o povo de Deus aguente o sofrimento com paciência. Esse povo são aqueles que obedecem aos mandamentos de Deus e são fiéis a Jesus.

13Então ouvi uma voz do céu, que disse:

— Escreva isto: felizes as pessoas que desde agora morrem no serviço do Senhor!

— Sim, isso é verdade! — responde o Espírito de Deus. — Elas descansarão do seu duro trabalho porque levarão consigo o resultado dos seus serviços.

A colheita do fim dos tempos

14Então olhei e vi uma nuvem branca, na qual estava sentado alguém que parecia um ser humano, com uma coroa de ouro na cabeça e uma foice afiada na mão.

14.14
Dn 7.13
15Outro anjo saiu do templo e gritou bem forte para aquele que estava sentado na nuvem:

— Use a sua foice e faça a colheita porque já chegou a hora de colher. A terra está pronta para a colheita!

14.15
Jl 3.13

16Depois o que estava sentado na nuvem passou a foice sobre a terra e fez a colheita.

17Aí outro anjo saiu do templo que está no céu e ele também tinha uma foice afiada.

18Depois outro anjo, que era o encarregado do fogo, saiu de perto do altar. Com voz forte ele gritou para o anjo que tinha a foice afiada:

— Use a foice e corte os cachos de uvas da videira da terra, pois as uvas estão maduras!

19Então o anjo passou a foice sobre a terra, cortou os cachos de uvas da videira e os jogou no tanque da violenta ira de Deus, onde as uvas são pisadas. 20As uvas foram pisadas no tanque que ficava fora da cidade, e o rio de sangue que saiu desse tanque tinha trezentos quilômetros de comprimento por um metro e meio de fundura.

14.20
Is 63.3
Lm 1.15
Ap 19.15

15

Os anjos e as últimas pragas

151Depois disso vi no céu outro sinal misterioso, grande e espantoso. Eram sete anjos com sete pragas, que são as últimas, pois são o fim da ira de Deus.

2Então vi o que parecia ser um mar de vidro misturado com fogo. Vi também as pessoas que conseguiram derrotar o monstro e a sua imagem, isto é, o monstro cujo nome é representado por um número15.2 Ver Ap 13.18, nota.. Elas estavam de pé, perto do mar de vidro, e tocavam as harpas que Deus lhes tinha dado. 3Cantavam a Canção de Moisés, servo de Deus, e a Canção do Cordeiro. Cantavam assim:

“Ó Senhor Deus, Todo-Poderoso,

como são grandes e maravilhosas

as tuas obras!

Rei das nações,

como são justos e verdadeiros

os teus planos!

15.3
Êx 15.1-18

4Quem não terá medo de ti, Senhor?

Quem não vai querer anunciar

a tua glória?

Pois só tu és santo.

Todas as nações virão

e te adorarão

porque as tuas obras justas

são vistas por todos.”

15.4 a
Jr 10.7

5Em seguida, vi que se abriu no céu o templo, isto é, a Tenda da Presença de Deus.

15.5
Êx 38.21
6Os sete anjos que tinham as sete pragas saíram do Lugar Santo. Estavam vestidos com roupas de linho branco e brilhante e tinham faixas de ouro em volta do peito. 7Então um dos quatro seres vivos deu aos sete anjos sete taças de ouro cheias da ira de Deus, aquele que vive para todo o sempre. 8O templo ficou cheio da fumaça da glória e do poder de Deus, e ninguém podia entrar nele até que chegassem ao fim as sete pragas trazidas pelos sete anjos.
15.8
Êx 40.34
1Rs 8.10-11
2Cr 5.13-14
Is 6.4

16

As taças da ira de Deus

161Depois ouvi uma voz forte falando de dentro do templo, dizendo aos sete anjos:

— Vão e derramem sobre a terra as sete taças da ira de Deus!

2O primeiro anjo foi e derramou a sua taça sobre a terra. Feridas abertas, terríveis e dolorosas, apareceram naqueles que tinham o sinal do monstro e que haviam adorado a sua imagem.

16.2
Êx 9.10

3Aí o segundo anjo derramou a sua taça sobre o mar. A água ficou como o sangue de uma pessoa morta, e morreram todos os seres vivos do mar.

4Então o terceiro anjo derramou a sua taça sobre os rios e nas fontes de água, e eles viraram sangue.

16.4
Êx 7.17-21
Sl 78.44
5Eu ouvi o anjo que tinha autoridade sobre as águas dizer:

— Tu és justo nos teus julgamentos, ó Deus santo, que és e que eras! 6Os maus derramaram o sangue do povo de Deus e dos profetas, e por isso tu lhes deste sangue para beber. Eles estão recebendo o que merecem.

7Aí ouvi uma voz que vinha do altar. A voz dizia:

— Ó Senhor Deus, Todo-Poderoso! Os teus julgamentos são, de fato, verdadeiros e justos!

8Depois o quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e ele recebeu licença para queimar as pessoas com fogo. 9Elas sofreram queimaduras dolorosas causadas por esse fogo e amaldiçoaram o nome de Deus, que tem autoridade sobre essas pragas. Mas não se arrependeram dos seus pecados, nem louvaram a glória de Deus.

10Então o quinto anjo derramou a sua taça sobre o trono do monstro, cujo reino ficou na escuridão, e as pessoas mordiam a língua de dor

16.10
Êx 10.21
11e, por causa das suas dores e feridas, amaldiçoavam o Deus do céu. Porém não abandonaram as coisas más que faziam.

12Em seguida o sexto anjo derramou a sua taça no grande rio Eufrates16.12 Ver Ap 9.14, nota.. O rio secou a fim de se abrir um caminho para os reis que vêm do Oriente.

16.12
Is 11.15
13Então vi três espíritos imundos que pareciam rãs, que saíam da boca do dragão, da boca do monstro e da boca do falso profeta16.13 O segundo monstro, o que subiu da terra (ver Ap 13.11-15).. 14Eles são os espíritos maus que fazem milagres. Esses três espíritos vão aos reis do mundo inteiro a fim de os ajuntar para a batalha do grande Dia de Deus, o Todo-Poderoso.

15“Escutem! Eu venho como um ladrão. Feliz aquele que vigia e toma conta da sua roupa, a fim de não andar nu e não ficar envergonhado em público!”

16.15
Mt 24.43-44
Lc 12.39-40
Ap 3.3

16Depois os espíritos ajuntaram os reis no lugar que em hebraico é chamado de “Armagedom16.16 A “montanha de Megido”, onde os israelitas travaram batalhas decisivas (ver Jz 5.19; 2Rs 23.29-30).”.

16.16
2Rs 23.29
Zc 12.11

17E por último o sétimo anjo derramou a sua taça no ar. Então uma voz forte veio do trono, no templo, dizendo:

— Está feito!

18Houve relâmpagos, estrondos, trovões e um violento terremoto, tão violento como nunca houve igual desde a criação dos seres humanos. Foi o pior de todos!

16.18
Ap 8.5
11.13,19
19A grande cidade se quebrou em três partes, e as cidades de todos os países foram destruídas. Deus lembrou da grande Babilônia16.19 A cidade de Roma. e lhe deu o vinho da sua taça — o vinho do furor da sua ira.
16.19
Is 51.17
20Todas as ilhas desapareceram, e todos os montes sumiram.
16.20
Ap 6.14
21Chuvas de pedra caíram do céu sobre as pessoas. Eram grandes pedras, que pesavam mais de trinta quilos. E as pessoas amaldiçoaram a Deus por causa da praga de chuvas de pedra, pois ela era terrível.
16.21
Êx 9.23
Ap 11.19