Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
10

O anjo e o livrinho

101Então vi outro anjo forte, que estava descendo do céu. A sua roupa era uma nuvem, e ele tinha um arco-íris na cabeça. O seu rosto era como o sol, e as pernas eram como colunas de fogo. 2O anjo tinha um livrinho aberto na mão. Ele pôs o pé direito sobre o mar e o esquerdo, sobre a terra 3e gritou com voz muito forte, que parecia o rugido de leões. Depois que gritou, os sete trovões responderam com um estrondo. 4No momento em que eles falaram, eu ia escrever, mas ouvi uma voz do céu que dizia:

— Guarde em segredo o que os sete trovões disseram. Não escreva nada.

5Depois o anjo que vi em pé sobre o mar e sobre a terra levantou a mão direita para o céu 6e fez um juramento em nome de Deus, que vive para todo o sempre, que criou o céu, a terra, o mar e tudo o que existe neles. O juramento foi este:

— Não vai demorar mais. 7Quando o sétimo anjo tocar a trombeta, Deus cumprirá o seu plano secreto, como anunciou aos seus servos, os profetas.

10.5-7
Êx 20.11
Dt 32.40
Dn 12.7
Am 3.7

8Então a voz do céu que eu tinha ouvido falou outra vez comigo, dizendo:

— Vá até o anjo que está em pé sobre o mar e sobre a terra e pegue o livro aberto que ele tem na mão.

9Eu fui e pedi ao anjo o livrinho, e ele me disse:

— Pegue o livrinho e coma-o. No seu estômago ele ficará azedo, mas na sua boca será doce como mel.

10Aí peguei o livrinho da mão do anjo e o comi, e na minha boca ele era doce como mel. Mas, depois que o engoli, o meu estômago ficou azedo.

10.8-10
Ez 2.8—3.3
11Então me disseram:

— Você precisa anunciar outra vez a mensagem de Deus a respeito de muitas nações, raças, línguas e reis.

11

As duas testemunhas

111Depois disso recebi uma régua de medir, parecida com um caniço, e me disseram:

— Levante-se, tire as medidas do Templo de Deus e do altar e conte as pessoas que estão adorando no Templo.

11.1
Ez 40.3
Zc 2.1-2
2Porém não tire as medidas do pátio exterior do Templo, pois esse pátio foi dado aos pagãos, que pisarão a Cidade Santa11.2 Jerusalém. durante quarenta e dois meses11.2 O mesmo que mil duzentos e sessenta dias (11.3) e três anos e meio (12.14), símbolo de um tempo de perseguição e sofrimento..
11.2
Lc 21.24
3Eu enviarei as minhas duas testemunhas, vestidas com roupa feita de pano grosseiro, e elas anunciarão a mensagem de Deus durante mil duzentos e sessenta dias.

4As duas testemunhas são as duas oliveiras e os dois candelabros que estão em pé diante do Senhor do mundo inteiro.

11.4
Zc 4.3,11-14
5Se os seus inimigos tentam maltratá-las, sai fogo da boca dessas duas testemunhas e acaba com eles. Assim, quem quiser maltratá-las precisa ser morto. 6Elas têm autoridade para fechar o céu a fim de que não chova durante o tempo em que anunciam a mensagem de Deus. Têm autoridade também sobre as águas para que virem sangue. Têm autoridade ainda para ferir a terra com todo tipo de pragas, quantas vezes quiserem.
11.6 a
1Rs 17.1

7Quando as duas testemunhas acabarem de anunciar a sua mensagem, o monstro que vem do abismo lutará contra elas. Ele vencerá e as matará,

11.7 a
Dn 7.7
Ap 13.5-7
17.8
8e os seus corpos ficarão na rua principal da grande cidade11.8 Jerusalém. onde o Senhor delas foi crucificado. O nome simbólico daquela cidade é Sodoma ou Egito.
11.8
Is 1.9-10
9Durante três dias e meio, os povos de todas as nações, tribos, línguas e raças olharão para esses dois corpos e não deixarão que sejam sepultados. 10Os povos da terra ficarão felizes com a morte dessas duas testemunhas. Vão comemorar e mandar presentes uns aos outros porque esses dois profetas trouxeram muito sofrimento para a humanidade. 11Mas depois desses três dias e meio um sopro de vida veio de Deus e entrou neles, e eles se levantaram. E todas as pessoas que os viram ficaram com um medo terrível.
11.11
Ez 37.10
12Aí os dois profetas ouviram uma voz forte, que vinha do céu e lhes dizia:

— Subam aqui!

Enquanto os seus inimigos olhavam, os dois profetas subiram ao céu numa nuvem.

11.12
2Rs 2.11
13Naquele momento houve um violento terremoto. A décima parte da cidade foi destruída, e morreram sete mil pessoas. As outras ficaram com muito medo e louvaram a grandeza do Deus do céu.
11.13
Ap 6.12
16.18

14O segundo “ai” já passou. Mas olhem! O terceiro “ai” virá logo.

A sétima trombeta

15Então o sétimo anjo tocou a sua trombeta, e houve no céu vozes fortes, que diziam:

— O poder para governar o mundo pertence agora a Deus, que é o Senhor nosso, e ao Messias que ele escolheu. E Deus reinará para todo o sempre!

11.15
Êx 15.18
Dn 2.44
7.14,27

16Aí os vinte e quatro líderes, que estavam sentados nos seus tronos diante de Deus, ajoelharam-se, encostaram o rosto no chão e adoraram a Deus, 17dizendo:

— Ó Senhor Deus, Todo-Poderoso,

que és e que eras!

Nós te damos graças

porque tu tens usado o teu grande poder

e começaste a reinar.

18Os pagãos estão muito furiosos

porque já chegou o momento

de mostrares a tua ira

e a hora de os mortos serem julgados.

Chegou o momento de recompensares

os teus servos, os profetas,

e todo o teu povo,

e todos os que te temem,

tanto os importantes como os humildes.

Chegou o momento de destruíres

os que matam pessoas na terra!

11.18 a
Sl 2.5
110.5

19Então se abriu o templo de Deus, que está no céu, e a arca da aliança foi vista lá dentro. E houve relâmpagos, estrondos, trovões, um terremoto e uma forte chuva de pedra.

11.19 a
Ap 8.5
16.18

12

A mulher e o dragão

121Então apareceu no céu um grande e misterioso sinal. Era uma mulher. O seu vestido era o sol, debaixo dos seus pés estava a lua, e ela usava na cabeça uma coroa que tinha doze estrelas. 2A mulher estava grávida e gritava com dores de parto.

3E apareceu no céu outro sinal: era um enorme dragão12.3 Um gigantesco animal com as formas de um lagarto, representando o Diabo (ver Ap 20.2). vermelho com sete cabeças e dez chifres e com uma coroa em cada cabeça.

12.3
Dn 7.7
4Com a cauda ele arrastou do céu a terça parte das estrelas e as jogou sobre a terra. Depois parou diante da mulher grávida a fim de comer a criança logo que ela nascesse.
12.4
Dn 8.10
5Então a mulher deu à luz um filho, que governará todas as nações com uma barra de ferro. Mas a criança foi tirada e levada para perto de Deus e do seu trono.
12.5 a
Is 66.7
6A mulher fugiu para o deserto, onde Deus havia preparado um lugar para ela. Ali ela será sustentada durante mil duzentos e sessenta dias.

7Depois houve guerra no céu. Miguel12.7 Um dos arcanjos (ver “arcanjo” no Vocabulário). e os seus anjos lutaram contra o dragão, que combateu junto com os seus anjos.

12.7
Dn 10.13,21
12.1
Jd 9
8Mas o dragão foi vencido, e por isso ele e os seus anjos não puderam mais ficar no céu. 9O enorme dragão foi lançado fora do céu. Ele é aquela velha cobra, chamada Diabo ou Satanás, que leva todas as pessoas do mundo a pecar. Ele foi jogado sobre a terra, e os seus anjos também foram jogados junto com ele.
12.9 a
Gn 3.1

10Então ouvi uma voz forte no céu, que dizia:

— Agora chegou a salvação de Deus! Agora Deus mostrou o seu poder como rei! Agora o Messias que ele escolheu mostrou a sua autoridade! Pois o acusador dos nossos irmãos, que estava diante de Deus para acusá-los dia e noite, foi jogado fora do céu.

12.10
Jó 1.9-11
Zc 3.1
11Os nossos irmãos o derrotaram por meio do sangue do Cordeiro e da mensagem que anunciaram. Eles estavam prontos para dar a sua vida e morrer. 12Portanto, ó céu e todos vocês que vivem nele, alegrem-se! Mas ai da terra e do mar! Pois o Diabo desceu até vocês e ele está muito furioso porque sabe que tem somente um pouco mais de tempo para agir.

13Quando o dragão viu que tinha sido jogado sobre a terra, começou a perseguir a mulher que tinha dado à luz o menino. 14Porém a mulher recebeu as duas asas de uma grande águia para poder voar para o seu lugar no deserto, onde ela será sustentada durante três anos e meio12.14 O mesmo que mil duzentos e sessenta dias (ver Ap 12.6)., livre do ataque do dragão.

12.14
Dn 7.25
12.7
15Então o dragão lançou água da sua boca, como se fosse um rio, atrás da mulher, para que ela fosse arrastada pelas águas. 16Mas a terra ajudou a mulher, pois a própria terra abriu a boca e engoliu a água que tinha saído da boca do dragão. 17O dragão ficou furioso com a mulher e foi combater contra o resto dos descendentes dela, isto é, aqueles que obedecem aos mandamentos de Deus e são fiéis à verdade revelada por Jesus. 18E o dragão ficou de pé na praia.