Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
9

91Depois o quinto anjo tocou a sua trombeta, e eu vi uma estrela9.1 Figura que indica um anjo (ver Ap 9.11). que tinha caído do céu na terra, e ela recebeu a chave do abismo. 2A estrela abriu o poço do abismo, e dele saiu fumaça, como se fosse de uma grande fornalha. E o sol e o ar escureceram com a fumaça que saía do abismo.

9.2
Gn 19.28
3De dentro da fumaça saíram gafanhotos, que desceram sobre a terra e receberam o mesmo poder que os escorpiões9.3 Animais pequeninos, da família das aranhas, que têm na ponta do rabo um ferrão venenoso; sua picada é muito dolorosa e pode causar a morte. têm.
9.3
Êx 10.12-15
4Foi dito aos gafanhotos que não fizessem estragos nas ervas, nem nas árvores, nem em qualquer outra planta; somente podiam ferir as pessoas que não tivessem a marca do sinete de Deus na testa.
9.4
Ez 9.4
Ap 7.3
5Os gafanhotos não tiveram permissão para matar essas pessoas; eles podiam apenas torturá-las durante cinco meses. A dor que causavam nessa tortura era como a dor da picada de um escorpião. 6Naqueles cinco meses as pessoas procurarão a morte, mas não a encontrarão; vão querer morrer, mas a morte fugirá delas.
9.6
Jó 3.21
Jr 8.3

7Os gafanhotos pareciam cavalos prontos para a batalha. Na cabeça tinham uma coisa parecida com uma coroa de ouro, e a cara deles era como o rosto de um ser humano.

9.7
Jl 2.4
8Os seus cabelos eram como cabelos de mulher, e os dentes eram como dentes de leão.
9.8
Jl 1.6
9As suas couraças eram parecidas com couraças de ferro, e o barulho das suas asas era como o barulho de carros puxados por muitos cavalos quando correm para a batalha.
9.9
Jl 2.5
10Os gafanhotos tinham rabos e ferrões como os de escorpiões, e era com os rabos que tinham o poder de ferir as pessoas por cinco meses. 11Eles tinham um rei que os governava, que era o anjo que toma conta do abismo. O seu nome em hebraico é Abadom e em grego é Apolião (isso quer dizer “O Destruidor”).

12O primeiro “ai” já passou. Depois disso dois outros “ais” devem vir ainda.

13Então o sexto anjo tocou a sua trombeta, e eu ouvi uma voz que vinha dos quatro cantos do altar de ouro que está diante de Deus.

9.13
Êx 30.1-3
14E ao sexto anjo, que tinha nas mãos a trombeta, a voz disse:

— Solte os quatro anjos que estão amarrados perto do grande rio Eufrates9.14 Naquele tempo esse rio marcava a fronteira leste do Império romano.!

15Os quatro anjos foram soltos. Eles estavam preparados para essa hora, dia, mês e ano a fim de matar a terça parte da humanidade. 16E me foi dito que os soldados a cavalo eram duzentos milhões. 17Na minha visão vi os cavalos e os seus cavaleiros. Os cavaleiros tinham no peito couraças vermelhas como fogo, azuis como safira e amarelas como enxofre. A cabeça dos cavalos era como cabeça de leão, e da boca deles saía fogo, fumaça e enxofre. 18A terça parte da humanidade foi morta por estas três pragas: o fogo, a fumaça e o enxofre que saíam da boca dos cavalos. 19Pois o poder dos cavalos está na boca deles e também no rabo. O rabo parecia uma cobra com a cabeça na ponta dele, e com ele os cavalos feriam o povo.

20O resto da humanidade, isto é, todos os que não tinham sido mortos por essas pragas, não abandonou aquilo que eles haviam feito com as suas próprias mãos9.20 Os ídolos que eles adoravam.: eles não pararam de adorar os demônios e os ídolos de ouro, de prata, de bronze, de pedra e de madeira, que não podem ver, nem ouvir, nem andar.

9.20
Sl 115.4-7
135.15-17
Dn 5.23
21Também não se arrependeram dos seus crimes de morte, nem das suas feitiçarias, nem da sua imoralidade sexual, nem dos seus roubos.

10

O anjo e o livrinho

101Então vi outro anjo forte, que estava descendo do céu. A sua roupa era uma nuvem, e ele tinha um arco-íris na cabeça. O seu rosto era como o sol, e as pernas eram como colunas de fogo. 2O anjo tinha um livrinho aberto na mão. Ele pôs o pé direito sobre o mar e o esquerdo, sobre a terra 3e gritou com voz muito forte, que parecia o rugido de leões. Depois que gritou, os sete trovões responderam com um estrondo. 4No momento em que eles falaram, eu ia escrever, mas ouvi uma voz do céu que dizia:

— Guarde em segredo o que os sete trovões disseram. Não escreva nada.

5Depois o anjo que vi em pé sobre o mar e sobre a terra levantou a mão direita para o céu 6e fez um juramento em nome de Deus, que vive para todo o sempre, que criou o céu, a terra, o mar e tudo o que existe neles. O juramento foi este:

— Não vai demorar mais. 7Quando o sétimo anjo tocar a trombeta, Deus cumprirá o seu plano secreto, como anunciou aos seus servos, os profetas.

10.5-7
Êx 20.11
Dt 32.40
Dn 12.7
Am 3.7

8Então a voz do céu que eu tinha ouvido falou outra vez comigo, dizendo:

— Vá até o anjo que está em pé sobre o mar e sobre a terra e pegue o livro aberto que ele tem na mão.

9Eu fui e pedi ao anjo o livrinho, e ele me disse:

— Pegue o livrinho e coma-o. No seu estômago ele ficará azedo, mas na sua boca será doce como mel.

10Aí peguei o livrinho da mão do anjo e o comi, e na minha boca ele era doce como mel. Mas, depois que o engoli, o meu estômago ficou azedo.

10.8-10
Ez 2.8—3.3
11Então me disseram:

— Você precisa anunciar outra vez a mensagem de Deus a respeito de muitas nações, raças, línguas e reis.

11

As duas testemunhas

111Depois disso recebi uma régua de medir, parecida com um caniço, e me disseram:

— Levante-se, tire as medidas do Templo de Deus e do altar e conte as pessoas que estão adorando no Templo.

11.1
Ez 40.3
Zc 2.1-2
2Porém não tire as medidas do pátio exterior do Templo, pois esse pátio foi dado aos pagãos, que pisarão a Cidade Santa11.2 Jerusalém. durante quarenta e dois meses11.2 O mesmo que mil duzentos e sessenta dias (11.3) e três anos e meio (12.14), símbolo de um tempo de perseguição e sofrimento..
11.2
Lc 21.24
3Eu enviarei as minhas duas testemunhas, vestidas com roupa feita de pano grosseiro, e elas anunciarão a mensagem de Deus durante mil duzentos e sessenta dias.

4As duas testemunhas são as duas oliveiras e os dois candelabros que estão em pé diante do Senhor do mundo inteiro.

11.4
Zc 4.3,11-14
5Se os seus inimigos tentam maltratá-las, sai fogo da boca dessas duas testemunhas e acaba com eles. Assim, quem quiser maltratá-las precisa ser morto. 6Elas têm autoridade para fechar o céu a fim de que não chova durante o tempo em que anunciam a mensagem de Deus. Têm autoridade também sobre as águas para que virem sangue. Têm autoridade ainda para ferir a terra com todo tipo de pragas, quantas vezes quiserem.
11.6 a
1Rs 17.1

7Quando as duas testemunhas acabarem de anunciar a sua mensagem, o monstro que vem do abismo lutará contra elas. Ele vencerá e as matará,

11.7 a
Dn 7.7
Ap 13.5-7
17.8
8e os seus corpos ficarão na rua principal da grande cidade11.8 Jerusalém. onde o Senhor delas foi crucificado. O nome simbólico daquela cidade é Sodoma ou Egito.
11.8
Is 1.9-10
9Durante três dias e meio, os povos de todas as nações, tribos, línguas e raças olharão para esses dois corpos e não deixarão que sejam sepultados. 10Os povos da terra ficarão felizes com a morte dessas duas testemunhas. Vão comemorar e mandar presentes uns aos outros porque esses dois profetas trouxeram muito sofrimento para a humanidade. 11Mas depois desses três dias e meio um sopro de vida veio de Deus e entrou neles, e eles se levantaram. E todas as pessoas que os viram ficaram com um medo terrível.
11.11
Ez 37.10
12Aí os dois profetas ouviram uma voz forte, que vinha do céu e lhes dizia:

— Subam aqui!

Enquanto os seus inimigos olhavam, os dois profetas subiram ao céu numa nuvem.

11.12
2Rs 2.11
13Naquele momento houve um violento terremoto. A décima parte da cidade foi destruída, e morreram sete mil pessoas. As outras ficaram com muito medo e louvaram a grandeza do Deus do céu.
11.13
Ap 6.12
16.18

14O segundo “ai” já passou. Mas olhem! O terceiro “ai” virá logo.

A sétima trombeta

15Então o sétimo anjo tocou a sua trombeta, e houve no céu vozes fortes, que diziam:

— O poder para governar o mundo pertence agora a Deus, que é o Senhor nosso, e ao Messias que ele escolheu. E Deus reinará para todo o sempre!

11.15
Êx 15.18
Dn 2.44
7.14,27

16Aí os vinte e quatro líderes, que estavam sentados nos seus tronos diante de Deus, ajoelharam-se, encostaram o rosto no chão e adoraram a Deus, 17dizendo:

— Ó Senhor Deus, Todo-Poderoso,

que és e que eras!

Nós te damos graças

porque tu tens usado o teu grande poder

e começaste a reinar.

18Os pagãos estão muito furiosos

porque já chegou o momento

de mostrares a tua ira

e a hora de os mortos serem julgados.

Chegou o momento de recompensares

os teus servos, os profetas,

e todo o teu povo,

e todos os que te temem,

tanto os importantes como os humildes.

Chegou o momento de destruíres

os que matam pessoas na terra!

11.18 a
Sl 2.5
110.5

19Então se abriu o templo de Deus, que está no céu, e a arca da aliança foi vista lá dentro. E houve relâmpagos, estrondos, trovões, um terremoto e uma forte chuva de pedra.

11.19 a
Ap 8.5
16.18