Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
88

Oração de um sofredor

Salmo do grupo de Corá. Canção. Ao regente do coro — para instrumento de cordas e para dois coros. Poesia de Hemã, o ezraíta.

881Ó Senhor, meu Deus e Salvador,

dia e noite, na tua presença,

eu clamo a ti.

2Ouve a minha oração;

escuta o meu grito pedindo socorro.

3Pois as aflições que caíram sobre mim

são tantas,

que já estou perto da morte.

4Sou como aqueles que estão para morrer;

já perdi todas as minhas forças.

5Estou abandonado no meio dos mortos;

sou como os soldados mortos

jogados nas covas;

sou como aqueles que foram

completamente esquecidos por ti

e que não têm mais a tua proteção.

6Tu me atiraste no mundo dos mortos,

lá no fundo, na escuridão.

7A tua ira pesa sobre mim,

e as tuas ondas me esmagam.

8Tu fizeste com que os meus amigos

me abandonassem

e olhassem com nojo para mim.

Sou como o preso que não pode escapar.

9Tenho sofrido tanto,

que quase já não enxergo.

Ó Senhor Deus, dia após dia

eu te chamo

e levanto as mãos em oração.

10Será que fazes milagres

em favor dos mortos?

Será que eles se levantam e te louvam?

11Será que no mundo dos mortos

se fala do teu amor?

Será que naquele lugar de destruição

se fala da tua fidelidade?

12Será que naquela escuridão

são vistos os teus milagres?

Será que na terra do esquecimento

se pode ver a tua fidelidade?

13Ó Senhor Deus, eu te chamo

pedindo ajuda;

todas as manhãs eu oro a ti.

14Por que me rejeitas, ó Senhor?

Por que te escondes de mim?

15Desde moço tenho sofrido

e estado perto da morte;

ando esgotado com o peso

dos teus castigos.

16A tua ira e o teu furor

caem sobre mim;

os teus ataques terríveis

acabam comigo.

17O dia todo eles me cercam

como uma enchente;

eles me rodeiam por todos os lados.

18Tu fizeste com que os meus queridos

e os meus vizinhos me abandonassem,

e agora tenho como companhia

a escuridão.