Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
53

Corrupção e salvação

Salmo 14

Poesia de Davi. Ao regente do coro — para instrumento de cordas.

531Os tolos pensam assim:

“Para mim, Deus não tem importância.”

Todos são corruptos

e cometem injustiças horríveis;

não há uma só pessoa que faça o bem.

2Lá do céu Deus olha

para a humanidade

a fim de ver se existe alguém

que tenha juízo,

se existe uma só pessoa que o adore.

3Mas todos caíram, se desviando assim

do caminho certo,

e são igualmente corruptos.

Não há mais ninguém

que faça o que é direito,

não há mesmo nem uma só pessoa.

53.1-3
Rm 3.10-12

4Deus pergunta:

“Será que essa gente má

não entende nada?

Eles vivem explorando o meu povo

e, além de tudo, não oram a mim.”

5Mas eles vão tremer de medo

como nunca tremeram antes,

pois Deus espalha os ossos

dos inimigos dele.

Deus os rejeitou,

e por isso o povo de Israel

os derrotará completamente.

6Queira Deus que de Jerusalém

venha a vitória para Israel!

Como ficarão felizes e alegres

os descendentes de Jacó

quando Deus os fizer

prosperar de novo!

54

Oração pedindo a proteção de Deus

Poesia de Davi. Ao regente do coro — para instrumentos de cordas. Escrita por Davi quando os moradores da cidade de Zife foram contar a Saul que Davi estava escondido na terra deles.

54, título
1Sm 23.19
26.1

541Ó Deus, salva-me pelo teu poder!

Livra-me com a tua força.

2Ouve, ó Deus, a minha oração!

Escuta as minhas palavras.

3Pois homens orgulhosos estão chegando

para me atacar,

homens violentos querem me matar.

Eles não se importam com Deus.

4Eu sei que é o Senhor Deus

quem me ajuda,

sei que é ele quem me defende.

5Que Deus faça com que a maldade

dos meus inimigos

se vire contra eles mesmos!

Ele é fiel e por isso os destruirá.

6Ó Senhor Deus, de boa vontade

eu te oferecerei sacrifícios

e te louvarei porque és bom.

7Tu me livraste de todas

as minhas aflições,

e eu tenho visto a derrota

dos meus inimigos.

55

Oração de um homem perseguido

Poesia de Davi. Ao regente do coro — para instrumentos de cordas.

551Ouve a minha oração, ó Deus!

Não deixes de atender o meu pedido.

2Escuta-me e responde.

As minhas aflições

me deixam desgastado.

3Eu tremo quando ouço as ameaças

dos meus inimigos;

a perseguição dos maus me esmaga.

Eles fazem com que desgraças

caiam sobre mim;

estão com raiva de mim e me odeiam.

4O meu coração está cheio de medo,

e o pavor da morte cai sobre mim.

5Sinto um medo terrível

e estou tremendo;

o pavor tomou conta de mim.

6Ah! Se eu tivesse asas como a pomba,

voaria para um lugar de descanso!

7Fugiria para bem longe

e moraria no deserto.

8Bem depressa procuraria achar

um lugar seguro

para me esconder

da ventania e da tempestade.

9Ó Senhor, atrapalha e destrói

os conchavos dos meus inimigos,

pois vejo violência e pancadaria

na cidade!

10Dia e noite, eles andam

em volta dela, nas muralhas,

enchendo-a de crimes e de maldade.

11Por toda parte há destruição,

e as ruas estão cheias

de exploração e desonestidade.

12Não era um inimigo

que estava zombando de mim;

se fosse, eu poderia suportar;

nem era um adversário

que me tratava com desprezo,

pois eu poderia me esconder dele.

13Porém foi você mesmo,

meu companheiro,

meu colega e amigo íntimo!

14Conversávamos com toda a liberdade

e íamos juntos adorar com o povo

no Templo.

15Que a morte venha de repente

sobre os meus inimigos!

Que eles desçam vivos

para o mundo dos mortos,

pois a maldade está na casa

e no coração deles!

16Mas eu chamo a Deus, o Senhor,

pedindo ajuda,

e ele me salva.

17De manhã, ao meio-dia e de noite,

eu choro e me queixo, e ele me ouve.

18Ele me traz são e salvo

de volta das batalhas

em que luto contra os meus

muitos inimigos.

19O Deus que reina desde a eternidade

me ouve e os derrota.

Pois eles não querem mudar de vida

e não temem a Deus.

20O meu antigo companheiro

atacou os seus próprios amigos

e quebrou as promessas

que havia feito a eles.

21As palavras dele eram mais macias

do que a manteiga,

mas no seu coração havia ódio.

As palavras dele eram mais suaves

do que o azeite,

mas cortavam como espadas afiadas.

22Entregue os seus problemas

ao Senhor, e ele o ajudará;

ele nunca deixa que fracasse

a pessoa que lhe obedece.

23Mas, quanto àqueles assassinos

e traidores,

tu, ó Deus, os jogarás no fundo

do mundo dos mortos;

eles não chegarão até a metade

da sua vida.

Eu, porém, confiarei em ti.