Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
49

Ninguém escapa da morte

Salmo do grupo de Corá. Ao regente do coro.

491Povos, escutem bem isto!

Ouçam, todos os moradores do mundo,

2tanto os poderosos como os humildes,

tanto os ricos como os pobres!

3Os meus pensamentos serão claros;

falarei palavras de sabedoria.

4Vou dar atenção aos provérbios

e, enquanto toco a minha lira,

vou explicá-los.

5Eu não sinto medo

nas horas de perigo,

quando os meus inimigos me cercam.

6Esses perversos confiam

nas suas riquezas

e se orgulham

das suas grandes fortunas.

7Mas ninguém pode salvar a si mesmo,

nem pagar a Deus

o preço da sua vida,

8pois não há dinheiro que pague

a vida de alguém.

Por mais dinheiro

que uma pessoa tenha,

9isso não garante que ela

nunca vá morrer,

que ela vá viver para sempre.

10Todo mundo vê

que até os sábios morrem,

e morrem também os tolos

e os ignorantes.

E todos deixam as suas riquezas

para os outros.

11As suas sepulturas

são os seus lares perpétuos,

onde eles ficam para sempre,

ainda que tenham possuído

muitas terras.

12O ser humano,

por mais importante que seja,

não pode escapar da morte;

como os animais morrem,

ele também morre.

13Reparem no que acontece

com os que confiam em si mesmos;

vejam o fim daqueles

que estão satisfeitos

com as suas riquezas.

14O pastor deles — a morte — os leva,

e eles são condenados a morrer

como se fossem ovelhas.

De manhã, as pessoas corretas

os vencerão;

os corpos deles apodrecerão

na sepultura,

longe dos seus lares.

15Porém Deus me livrará

do poder da morte,

pois ele me receberá.

16Não se preocupem

quando alguém fica rico,

e a sua riqueza aumenta

cada vez mais.

17Pois, quando morrer,

ele não poderá levar nada;

a sua riqueza não irá com ele

para a sepultura.

18Ainda que esteja contente

com a sua vida

e seja elogiado por ter sucesso,

19ele, quando morrer, vai reunir-se

com os seus antepassados

no lugar onde a escuridão

dura para sempre.

20O ser humano,

por mais importante que seja,

não pode escapar da morte;

como os animais morrem,

ele também morre.