Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
32

Confissão e perdão

Poesia de Davi.

321Feliz aquele cujas maldades

Deus perdoa

e cujos pecados ele apaga!

2Feliz aquele que o Senhor Deus

não acusa de fazer coisas más

e que não age com falsidade!

32.1-2
Rm 4.7-8

3Enquanto não confessei o meu pecado,

eu me cansava,

chorando o dia inteiro.

4De dia e de noite,

tu me castigaste, ó Deus,

e as minhas forças se acabaram

como o sereno que seca

no calor do verão.

5Então eu te confessei o meu pecado

e não escondi a minha maldade.

Resolvi confessar tudo a ti,

e tu perdoaste

todos os meus pecados.

6Por isso, nos momentos de angústia,

todos os que são fiéis a ti

devem orar.

Assim, quando as grandes ondas

de sofrimento vierem,

não chegarão até eles.

7Tu és o meu esconderijo;

tu me livras da aflição.

Eu canto bem alto a tua salvação,

pois me tens protegido.

8O Senhor Deus me disse:

“Eu lhe ensinarei o caminho

por onde você deve ir;

eu vou guiá-lo e orientá-lo.

9Não seja uma pessoa sem juízo

como o cavalo ou a mula,

que precisam ser guiados

com cabresto e rédeas

para que obedeçam.”

10Os maus sofrem muito,

mas os que confiam em Deus, o Senhor,

são protegidos pelo seu amor.

11Todos vocês que são corretos,

alegrem-se e fiquem contentes

por causa daquilo que o Senhor

tem feito!

Cantem de alegria, todos vocês

que são obedientes a ele!