Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
10

Oração pedindo justiça

101Ó Senhor Deus, por que ficas aí

tão longe?

Por que te escondes

em tempos de aflição?

10.1
Sl 74.1

2Os maus são orgulhosos

e perseguem os pobres;

que eles caiam

nas suas próprias armadilhas!

3Os maus falam com orgulho

dos seus desejos.

As pessoas que exploram os outros

desprezam o Senhor

e blasfemam contra ele.

4O homem mau não se importa com Deus;

por causa do seu orgulho

ele pensa assim:

“Para mim, Deus não tem importância.”

5Tudo o que esse homem faz dá certo.

Ele não pode entender

os julgamentos de Deus

e zomba dos seus inimigos.

6Ele pensa assim: “Nunca fracassarei;

nunca terei dificuldades.”

7A sua boca está cheia de maldições,

mentiras e ameaças.

Ele só fala de desgraças

e de maldades.

10.7
Rm 3.14

8Ele se esconde perto dos povoados;

espera ali e mata pessoas inocentes.

9Como um leão, ele espera

no seu esconderijo

e espia os que não podem se defender.

Fica de tocaia, esperando

pelos que são perseguidos;

então pega as vítimas na armadilha

e as arrasta dali.

10Elas são esmagadas e caem,

derrotadas pela força bruta.

11Esse homem mau pensa assim:

“Deus não se importa;

ele fechou os olhos e nunca vê nada!”

10.11
Sl 73.11
Sf 1.12

12Vem, ó Senhor Deus,

e castiga essa gente má!

Não te esqueças dos que estão sendo

perseguidos!

13Como pode a pessoa má

desprezar a Deus

e pensar que Deus não a castigará?

14Mas tu, ó Deus, vês e percebes

o sofrimento e a tristeza

e sempre estás pronto para ajudar.

Os que não podem se defender

confiam em ti;

tu sempre tens socorrido

os necessitados.

15Senhor, acaba com o poder dos maus

e dos perversos.

Castiga-os por causa

das suas maldades

até que eles não as pratiquem mais.

16O Senhor é Rei para sempre;

os pagãos serão expulsos

da terra dele.

17Ó Senhor Deus, tu ouvirás

as orações dos que são perseguidos

e lhes darás coragem.

18Tu ouvirás os gritos

dos oprimidos e dos necessitados

e julgarás a favor deles

para que seres humanos,

que são mortais,

nunca mais espalhem o terror.