Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
14

A revolta do povo

141Então, naquela noite, todo o povo gritou e chorou. 2Todos os israelitas reclamaram contra Moisés e Arão e disseram:

— Seria melhor se tivéssemos morrido no Egito ou mesmo neste deserto! 3Por que será que o Senhor Deus nos trouxe para esta terra? Nós vamos ser mortos na guerra, e as nossas mulheres e os nossos filhos vão ser presos. Seria bem melhor voltarmos para o Egito!

4E diziam uns aos outros:

— Vamos escolher outro líder e voltemos para o Egito!

5Então Moisés e Arão se ajoelharam e encostaram o rosto no chão diante de todo o povo. 6E Josué, filho de Num, e Calebe, filho de Jefoné, dois dos líderes que haviam espionado a terra, rasgaram as suas roupas em sinal de tristeza 7e disseram ao povo:

— A terra que fomos espionar é muito boa mesmo. 8Se o Senhor Deus nos ajudar, ele fará com que entremos nela e nos dará aquela terra, uma terra boa e rica. 9Porém não sejam rebeldes contra o Senhor e não tenham medo do povo daquela terra. Nós os venceremos com facilidade. O Senhor está com a gente e derrotou os deuses que os protegiam. Portanto, não tenham medo.

14.9
Hb 3.16

10Apesar disso o povo ameaçou matá-los a pedradas, mas, de repente, todos viram a glória do Senhor aparecer sobre a Tenda Sagrada.

Moisés pede em favor do povo

11O Senhor Deus disse a Moisés:

— Até quando este povo vai me rejeitar? Até quando não vão crer em mim, embora eu tenha feito tantos milagres entre eles? 12Vou mandar uma epidemia para acabar com eles, porém farei com que os descendentes de você sejam um povo maior e mais forte do que eles.

13Mas Moisés respondeu ao Senhor:

— Com o teu poder tiraste do Egito esta gente. Quando os egípcios souberem do que vais fazer com este povo, 14eles contarão isso aos moradores desta terra. Estes já sabem que tu, ó Senhor Deus, estás com a gente e que és visto claramente quando a tua nuvem para sobre nós. E sabem também que vais adiante de nós numa coluna de nuvem de dia e numa coluna de fogo de noite. 15Se matares o teu povo, as nações que ouviram falar a respeito da tua fama vão dizer 16que mataste o teu povo no deserto porque não pudeste levá-lo para a terra que prometeste dar a ele. 17Agora, Senhor, eu te peço que mostres o teu poder e que faças o que prometeste quando disseste: 18“Eu, o Senhor, tenho paciência e muita compaixão; eu perdoo a maldade e o pecado, porém não trato o culpado como se fosse inocente. Eu faço com que o castigo dos pecados dos pais caia sobre os seus descendentes, até os bisnetos e trinetos.”

14.18
Êx 20.5-6
34.6-7
Dt 5.9-10
7.9-10
19E agora eu te peço, ó Deus, que perdoes o pecado deste povo, de acordo com a tua grande misericórdia, como já tens feito desde o Egito até aqui.
14.13-19
Êx 32.11-14

20O Senhor Deus disse:

— Já que você pediu, eu perdoo. 21Mas, pela minha vida e pela minha presença gloriosa que enche toda a terra, juro que 22nenhum desses homens viverá para entrar naquela terra. Eles viram a minha glória e os milagres que fiz no Egito e no deserto. No entanto dez vezes puseram à prova a minha paciência e não quiseram me obedecer. 23Eles nunca entrarão na terra que jurei dar aos seus antepassados. Nenhum daqueles que me abandonaram verá aquela terra.

14.21-23
Hb 3.18
24Mas o meu servo Calebe tem um espírito diferente e sempre tem sido fiel a mim. Por isso eu farei com que ele entre na terra que espionou, e os seus descendentes vão possuir aquela terra.
14.24
Js 14.9-12
25Agora os amalequitas e os cananeus estão morando nos vales; portanto, amanhã voltem e vão para o deserto, na direção do golfo de Ácaba.

Deus castiga o povo

26O Senhor Deus disse a Moisés e a Arão:

27— Eu tenho ouvido as reclamações dos israelitas. Até quando vou aguentar esse povo mau, que vive reclamando contra mim? 28Diga a essa gente o seguinte: “Juro pela minha vida que darei o que vocês me pediram. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 29Vocês serão mortos, e os corpos de vocês serão espalhados pelo deserto. Vocês reclamaram contra mim, e por isso nenhum de vocês que tem vinte anos de idade ou mais entrará naquela terra.

14.29
Hb 3.17
30Eu jurei que os faria morar lá, mas nenhum de vocês entrará naquela terra, a não ser Calebe, filho de Jefoné, e Josué, filho de Num. 31Vocês disseram que os seus filhos seriam presos, mas eu vou levar esses filhos para a terra que vocês rejeitaram, e ali será o lar deles. 32Porém vocês morrerão, e os corpos de vocês ficarão neste deserto, 33onde os seus filhos vão caminhar quarenta anos. Vocês foram infiéis, e por isso eles vão sofrer, até que todos vocês morram aqui.
14.33
At 7.36
34Quarenta anos vocês vão sofrer por causa dos seus pecados, conforme os quarenta dias que vocês espionaram a terra, um ano para cada dia. Vocês vão saber o que é ficar contra mim. 35É isto o que vou fazer com todo este povo mau que se revoltou contra mim: todos vocês morrerão e serão destruídos neste deserto. Eu, o Senhor, falei.”

36-37Os homens que Moisés havia mandado para espionar a terra trouxeram más informações a respeito dela. E, quando voltaram, fizeram com que o povo reclamasse contra Moisés. Por isso o Senhor fez com que fossem atacados por uma doença, e eles morreram. 38Dos doze homens que foram espionar a terra, somente Josué e Calebe ficaram vivos.

Os israelitas são derrotados

Deuteronômio 1.41-46

39Os israelitas ficaram muito tristes quando Moisés contou o que o Senhor tinha dito. 40De manhã bem cedo, começaram a entrar na região montanhosa. Eles diziam:

— Agora estamos prontos para ir até o lugar que o Senhor nos havia prometido. De fato, nós pecamos.

41Porém Moisés respondeu:

— Então por que vocês estão querendo desobedecer à ordem de Deus, o Senhor? Isso não vai dar certo. 42Não entrem na região montanhosa. O Senhor não está com vocês, e os seus inimigos vão derrotá-los. 43Os amalequitas e os cananeus estão ali para enfrentá-los e matá-los na batalha. O Senhor não estará com vocês, pois vocês o abandonaram.

44Mesmo assim os israelitas teimaram em querer entrar na região montanhosa, mas nem a arca da aliança de Deus, o Senhor, nem Moisés saíram do acampamento. 45Então os amalequitas e os cananeus que moravam naquela região montanhosa atacaram, e derrotaram os israelitas, e os perseguiram até Horma.

15

Leis a respeito de ofertas e de sacrifícios

151O Senhor Deus deu a Moisés 2as seguintes ordens, que deveriam ser obedecidas quando os israelitas entrassem na terra que ele ia dar para eles.

3Um touro, ou um carneiro, ou uma ovelha, ou um cabrito poderão ser apresentados ao Senhor como oferta que será completamente queimada, ou como sacrifício para pagar uma promessa, ou ainda como oferta feita por vontade própria, ou como oferta que será entregue nas festas religiosas nos dias marcados. O cheiro dessas ofertas é agradável ao Senhor. 4-5Aquele que apresentar ao Senhor uma ovelha ou um cabrito como oferta para ser completamente queimada deverá trazer também com cada animal um quilo de farinha fina misturada com um litro e um quarto de azeite e também um litro de vinho. 6Com cada carneiro que for oferecido, será apresentada uma oferta de cereais de dois quilos de farinha fina misturada com um litro de azeite, e será trazido também 7um litro e um quarto de vinho. O cheiro desses sacrifícios é agradável ao Senhor. 8Quando vocês oferecerem um touro novo como oferta que será completamente queimada, ou como oferta especial para pagar uma promessa, ou, ainda, como oferta de paz, 9deverão apresentar também com o touro uma oferta de cereais de três quilos de farinha fina misturada com um litro e três quartos de azeite 10e também um litro e três quartos de vinho. O cheiro desse sacrifício é agradável a Deus, o Senhor.

11É assim que se deverá fazer com todos os touros, carneiros, ovelhas e cabritos. 12Quando for oferecido mais do que um animal, as ofertas que vêm junto com eles deverão ser aumentadas de acordo com o número dos animais. 13Todos os israelitas farão isso quando trouxerem as ofertas de alimento que têm um cheiro agradável ao Senhor. 14No caso dos estrangeiros que estiverem morando com vocês, seja só por algum tempo, seja para sempre, eles farão o mesmo que vocês quando eles apresentarem a Deus, o Senhor, uma oferta de alimento, que tem um cheiro agradável a Deus. 15A mesma lei será para vocês e para os estrangeiros que moram com vocês. Esta é uma lei que valerá para sempre para os seus descendentes. Diante do Senhor a lei será a mesma tanto para vocês como para os estrangeiros. 16A mesma lei e o mesmo regulamento serão para vocês e para eles.

15.16
Lv 24.22

17O Senhor Deus deu a Moisés 18as seguintes ordens, que deveriam ser obedecidas quando os israelitas entrassem na terra que ele ia dar para eles. 19Quando vocês comerem o alimento que a terra produz, deverão separar uma parte como oferta especial para o Senhor. 20Quando vocês fizerem pão, o primeiro pão feito da farinha nova deverá ser apresentado a Deus como oferta especial. 21Vocês e os seus descendentes darão ao Senhor essa oferta especial de pão.

22Pode acontecer que alguém, sem querer, peque e desobedeça a algum desses mandamentos que o Senhor deu a Moisés. 23Nesses casos, começando no dia em que o Senhor deu todos esses mandamentos a Moisés e por todas as gerações futuras, deverá ser feito o seguinte: 24Se por ignorância o povo cometer um pecado, então apresentará um touro novo, que será completamente queimado como sacrifício de cheiro agradável ao Senhor, e também as ofertas de cereais e de vinho. Também deverá ser oferecido um bode para tirar o pecado. 25O sacerdote apresentará o sacrifício em favor de todos os israelitas, para conseguir o perdão dos pecados deles, e eles serão perdoados; pois, sem quererem, cometeram um pecado e apresentaram ao Senhor uma oferta para tirar o pecado e também uma oferta de alimento. 26Todos os israelitas e os estrangeiros que moram no meio de vocês serão perdoados, pois foi um erro que todo o povo cometeu sem querer.

27Se alguma pessoa pecar sem querer, oferecerá uma cabra de um ano como oferta para tirar o pecado. 28O sacerdote apresentará no altar o sacrifício para conseguir o perdão do pecado que essa pessoa cometeu sem querer, e ela será perdoada.

15.27-28
Lv 4.27-31
29A lei é a mesma para quem pecar sem querer, tanto para os israelitas como para os estrangeiros que moram no meio de vocês.

30Mas quem pecar de propósito, tanto o israelita de nascimento como o estrangeiro, será culpado de ofender a Deus, o Senhor. Essa pessoa será morta, 31pois rejeitou o que o Senhor disse e desobedeceu ao seu mandamento porque quis. Essa pessoa será responsável pela sua própria morte.

O homem que não respeitou o sábado

32Quando os israelitas ainda estavam no deserto, encontraram um homem catando lenha no sábado. 33Os que o viram fazendo isso o levaram até o lugar onde estavam Moisés, Arão e todo o povo. 34Depois puseram alguns homens para guardá-lo, pois ainda não sabiam o que fazer com ele. 35Aí o Senhor Deus disse a Moisés:

— Esse homem deve ser morto; que todo o povo o mate a pedradas fora do acampamento!

36Então, como o Senhor havia ordenado a Moisés, levaram o homem para fora do acampamento, e todo o povo atirou pedras nele até que ele morreu.

Os pingentes das capas

37O Senhor Deus disse a Moisés:

38— Diga aos israelitas que eles e os seus descendentes ponham pingentes nas pontas das suas capas; e em cada pingente ponham um cordão azul.

15.38
Dt 22.12
39Quando vocês virem esses pingentes, lembrarão de todos os mandamentos do Senhor. E também praticarão esses mandamentos e não serão infiéis, seguindo os desejos do coração de vocês e dos seus olhos. 40Os pingentes farão com que vocês lembrem de todos os meus mandamentos e os sigam em tudo. Assim, vocês serão um povo separado só para mim. 41Eu sou o Senhor, o Deus que os tirou do Egito para ser o Deus de vocês. Eu sou o Senhor, o Deus de vocês.

16

A revolta de Corá, Datã e Abirão

161-2Corá, filho de Isar, do grupo de famílias levitas de Coate, teve o atrevimento de se revoltar contra Moisés. Ele se juntou com três homens da tribo de Rúben. Dois deles eram filhos de Eliabe e se chamavam Datã e Abirão; o outro era Om, filho de Pelete. E Corá também chamou mais duzentos e cinquenta israelitas de fama, que eram líderes escolhidos pelo povo.

16.1-2
Jd 11
3Eles foram juntos falar com Moisés e Arão e disseram:

— Agora chega! Todo o povo pertence a Deus, o Senhor. Cada um deles é de Deus, e o Senhor está no meio deles. Então por que vocês querem mandar no povo de Deus?

4Quando Moisés ouviu isso, ajoelhou-se, encostou o rosto no chão 5e disse o seguinte a Corá e a todos os seus seguidores:

— Amanhã cedo o Senhor Deus nos mostrará quem é dele e quem foi separado para o seu serviço. Deus fará com que chegue até o seu altar aquele a quem ele escolheu. 6-7Amanhã cedo vocês e os seus seguidores pegarão os queimadores de incenso, colocarão brasas e incenso neles e os levarão para o altar. Então veremos qual de nós o Senhor escolheu. E agora chega, levitas!

8Moisés disse também a Corá:

— Agora escutem, levitas! 9O Deus de Israel os separou do resto do povo para poderem chegar perto dele, para fazerem o seu serviço na Tenda do Senhor e para realizarem as cerimônias em favor do povo. Será que isso não basta para vocês? 10Deus deu a você e a todos os outros levitas esse privilégio, e agora vocês estão querendo também ser sacerdotes? 11Quando vocês reclamam contra Arão, na verdade é contra o Senhor que você e os seus seguidores estão se revoltando.

12Então Moisés mandou chamar Datã e Abirão, filhos de Eliabe, mas eles responderam aos mensageiros:

— Nós não vamos! 13Será que não basta você nos ter tirado de uma terra boa e rica a fim de nos fazer morrer neste deserto? E além disso ainda quer mandar em nós? 14Na verdade você não nos trouxe para uma terra boa e rica, nem nos deu campos e plantações de uvas para serem nossa propriedade; e ainda por cima está querendo nos enganar. Nós não vamos!

15Então Moisés ficou muito zangado e disse a Deus, o Senhor:

— Não aceites as ofertas desses homens. Eu nunca prejudiquei a nenhum deles, nem tirei deles nem mesmo um jumento!

16Aí Moisés disse a Corá:

— Amanhã você e os seus duzentos e cinquenta seguidores venham até a Tenda Sagrada. Arão também estará ali. 17Cada um de vocês pegará o seu queimador de incenso, colocará incenso nele e o levará até o altar.

18Assim, cada homem pegou o seu queimador de incenso, pôs brasas e incenso nele, e todos ficaram na entrada da Tenda Sagrada com Moisés e Arão. 19Então Corá reuniu todo o povo, e eles ficaram diante de Moisés e Arão na entrada da Tenda. De repente, a glória do Senhor apareceu a todo o povo, 20e o Senhor disse a Moisés e a Arão:

21— Saiam do meio dessa gente, pois eu vou acabar com eles agora mesmo.

22Mas Moisés e Arão se ajoelharam, encostaram o rosto no chão e disseram:

— Ó Deus, tu dás vida a todos. Será que por causa do pecado de uma só pessoa vais ficar irado com todo o povo?

23Então o Senhor respondeu a Moisés:

24— Diga ao povo que saia de perto das barracas de Corá, Datã e Abirão.

25Aí Moisés saiu e, junto com os líderes do povo, foi para onde estavam Datã e Abirão. 26E Moisés disse ao povo:

— Afastem-se das barracas desses homens maus e não toquem em nada que seja deles; se não, vocês também serão destruídos por causa dos pecados deles.

27Aí o povo se afastou das barracas de Corá, Datã e Abirão.

Datã e Abirão saíram e ficaram na entrada da sua barraca, com as suas mulheres e filhos. 28Então Moisés disse ao povo:

— Eu vou dizer como vocês vão ficar sabendo que não fui eu quem resolveu fazer tudo isso. Fiz todas essas coisas porque o Senhor mandou. 29Se estes homens tiverem morte natural como todos os outros, sem nenhum castigo de Deus, então o Senhor não me enviou. 30Mas, se ele fizer acontecer alguma coisa fora do comum, e se a terra se abrir e engolir essa gente com tudo o que eles têm, e eles descerem vivos para o mundo dos mortos, vocês ficarão sabendo que estes homens rejeitaram o Senhor.

31E aconteceu que, assim que Moisés acabou de falar, a terra se abriu debaixo deles 32e os engoliu com as suas famílias, junto com todos os seguidores de Corá e tudo o que eles tinham. 33Assim, desceram vivos para o mundo dos mortos, eles e tudo o que possuíam. A terra os cobriu, e eles desapareceram. 34Ao ouvirem os gritos deles, todos os israelitas que estavam ali saíram correndo e gritando:

— A terra vai engolir a gente também!

35Então o Senhor enviou fogo e matou os duzentos e cinquenta homens que haviam oferecido incenso.

Os queimadores de incenso

36Aí o Senhor Deus disse a Moisés:

37— Diga a Eleazar, filho do sacerdote Arão, que pegue os queimadores de incenso do meio dos restos do incêndio e espalhe para longe as brasas que ainda estiverem neles, pois os queimadores de incenso são sagrados. 38Eles ficaram sagrados quando foram oferecidos no altar do Senhor. Portanto, pegue os queimadores de incenso desses homens que foram mortos por causa dos seus pecados e deles faça folhas finas de metal. E com essas folhas prepare uma cobertura para o altar. Isso será um aviso para o povo de Israel.

39Então o sacerdote Eleazar pegou os queimadores de incenso de metal que os homens que tinham sido mortos haviam trazido e mandou que deles fossem feitas folhas de metal para cobrir o altar. 40Conforme o Senhor tinha dito a Moisés, isso ficou sendo um aviso para os israelitas a fim de que nenhuma pessoa que não seja descendente de Arão venha a queimar incenso diante do Senhor e seja castigada, como aconteceu com Corá e com os seus seguidores.

Arão salva o povo

41Mas no dia seguinte todos os israelitas começaram a reclamar contra Moisés e Arão, dizendo assim:

— Vocês mataram o povo de Deus, o Senhor!

42Depois que todos se reuniram para protestar contra Moisés e Arão, eles se viraram para a Tenda Sagrada e viram que a nuvem a estava cobrindo. Então a glória do Senhor apareceu. 43Moisés e Arão foram até a frente da Tenda, 44e o Senhor disse a Moisés:

45— Saiam do meio desse povo, pois vou destruí-lo agora mesmo!

Aí Moisés e Arão se ajoelharam e encostaram o rosto no chão. 46E Moisés disse a Arão:

— Pegue o seu queimador de incenso, ponha nele algumas brasas do altar e jogue incenso em cima delas. E vá depressa até o lugar onde o povo está e ofereça o sacrifício para conseguir o perdão dos pecados deles. Depressa! A ira do Senhor apareceu, e já começou a epidemia!

47Então Arão pegou o queimador de incenso, conforme Moisés havia mandado, e correu para o meio do povo. Quando viu que a epidemia já havia começado, Arão jogou o incenso nas brasas e ofereceu o sacrifício para conseguir o perdão dos pecados do povo. 48Com isso a epidemia parou, e Arão ficou de pé entre os vivos e os mortos. 49Naquela epidemia morreram catorze mil e setecentas pessoas, fora as que morreram na revolta de Corá. 50Quando acabou a epidemia, Arão voltou para a entrada da Tenda, onde Moisés estava.