Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
14

O plano para matar Jesus

Mateus 26.1-5; Lucas 22.1-2; João 11.45-57

141Faltavam dois dias para a Festa da Páscoa e a Festa dos Pães sem Fermento. Os chefes dos sacerdotes e os mestres da Lei procuravam um jeito de prender Jesus em segredo e matá-lo.

14.1
Êx 12.1-27
2Eles diziam:

— Não vamos fazer isso durante a festa, para não haver uma revolta no meio do povo.

Jesus em Betânia

Mateus 26.6-13; João 12.1-8

3Jesus estava no povoado de Betânia, sentado à mesa na casa de Simão, o Leproso. Então uma mulher chegou com um frasco feito de alabastro, cheio de perfume de nardo puro, muito caro. Ela quebrou o gargalo do frasco e derramou o perfume na cabeça de Jesus.

14.3
Lc 7.37-38
4Alguns que estavam ali ficaram zangados e disseram uns aos outros:

— Que desperdício! 5Esse perfume poderia ter sido vendido por mais de trezentas moedas de prata14.5 Ver Mc 6.37, nota., que poderiam ser dadas aos pobres.

Eles criticavam a mulher com dureza, 6mas Jesus disse:

— Deixem esta mulher em paz! Por que é que vocês a estão aborrecendo? Ela fez para mim uma coisa muito boa. 7Pois os pobres estarão sempre com vocês, e, em qualquer ocasião que vocês quiserem, poderão ajudá-los. Mas eu não estarei sempre com vocês.

14.7
Dt 15.11
8Ela fez tudo o que pôde, pois antes da minha morte veio perfumar o meu corpo para o meu sepultamento. 9Eu afirmo a vocês que isto é verdade: em qualquer lugar do mundo onde o evangelho for anunciado, será contado o que ela fez, e ela será lembrada.

Judas trai Jesus

Mateus 26.14-16; Lucas 22.3-6

10Judas Iscariotes, que era um dos doze discípulos, foi falar com os chefes dos sacerdotes para combinar como entregaria Jesus a eles. 11Quando ouviram o que ele disse, eles ficaram muito contentes e prometeram dar dinheiro a ele. Assim Judas começou a procurar uma oportunidade para entregar Jesus.

Jesus comemora a Páscoa

Mateus 26.17-25; Lucas 22.7-16,21-23; João 13.21-30

12No primeiro dia da Festa dos Pães sem Fermento, em que os judeus matavam carneirinhos para comemorarem a Páscoa, os discípulos perguntaram a Jesus:

— Onde é que o senhor quer que a gente prepare o jantar da Páscoa para o senhor?

13Então Jesus enviou dois discípulos com a seguinte ordem:

— Vão até a cidade. Lá irá se encontrar com vocês um homem que estará carregando um pote de água. Vão atrás desse homem 14e digam ao dono da casa em que ele entrar que o Mestre manda perguntar: “Onde fica a sala em que eu e os meus discípulos vamos comer o jantar da Páscoa?” 15Então ele mostrará a vocês no andar de cima uma sala grande, mobiliada e arrumada para o jantar. Preparem ali tudo para nós.

16Os dois discípulos foram até a cidade e encontraram tudo como Jesus tinha dito. Então prepararam o jantar da Páscoa.

17Quando anoiteceu, Jesus chegou com os doze discípulos. 18Enquanto estavam à mesa, no meio do jantar, ele disse:

— Eu afirmo a vocês que isto é verdade: um de vocês, que está comendo comigo, vai me trair.

14.18
Sl 41.9

19Eles ficaram tristes e, um por um, começaram a perguntar:

— O senhor não está achando que sou eu, está?

20Jesus respondeu:

— É um de vocês. É o que está comendo no mesmo prato que eu. 21Pois o Filho do Homem vai morrer da maneira como dizem as Escrituras Sagradas; mas ai daquele que está traindo o Filho do Homem! Seria melhor para ele nunca ter nascido!

A Ceia do Senhor

Mateus 26.26-30; Lucas 22.14-20; 1Coríntios 11.23-25

22Enquanto estavam comendo, Jesus pegou o pão e deu graças a Deus. Depois partiu o pão e o deu aos discípulos, dizendo:

— Peguem; isto é o meu corpo.

23Em seguida, pegou o cálice de vinho e agradeceu a Deus. Depois passou o cálice aos discípulos, e todos beberam do vinho. 24Então Jesus disse:

— Isto é o meu sangue, que é derramado em favor de muitos, o sangue que garante a aliança feita por Deus com o seu povo.

14.24 a
Êx 24.8
25Eu afirmo a vocês que isto é verdade: nunca mais beberei deste vinho até o dia em que beber com vocês um vinho novo no Reino de Deus.

26Então eles cantaram canções de louvor14.26 Os Salmos 113—118, que eram cantados na Festa da Páscoa. e foram para o monte das Oliveiras.

Jesus avisa Pedro

Mateus 26.31-35; Lucas 22.31-34; João 13.36-38

27E Jesus disse aos discípulos:

— Todos vocês vão fugir e me abandonar, pois as Escrituras Sagradas dizem: “Matarei o pastor, e as ovelhas serão espalhadas.”

14.27
Zc 13.7
28Mas, depois que eu for ressuscitado, irei adiante de vocês para a Galileia.
14.28
Mt 28.16

29Então Pedro disse a Jesus:

— Eu nunca abandonarei o senhor, mesmo que todos o abandonem!

30Mas Jesus lhe disse:

— Eu afirmo a você que isto é verdade: nesta mesma noite, antes que o galo cante duas vezes, você dirá três vezes que não me conhece.

31Mas Pedro repetia com insistência:

— Eu nunca vou dizer que não o conheço, mesmo que eu tenha de morrer com o senhor!

E todos os outros discípulos disseram a mesma coisa.

Jesus no jardim do Getsêmani

Mateus 26.36-46; Lucas 22.39-46

32Jesus e os discípulos foram a um lugar chamado Getsêmani. E Jesus lhes disse:

— Sentem-se aqui, enquanto eu vou orar.

33Então Jesus foi, levando consigo Pedro, Tiago e João. Aí ele começou a sentir uma grande tristeza e aflição 34e disse a eles:

— A tristeza que estou sentindo é tão grande, que é capaz de me matar. Fiquem aqui vigiando.

35Ele foi um pouco mais adiante, ajoelhou-se, encostou o rosto no chão e pediu a Deus que, se possível, afastasse dele aquela hora de sofrimento. 36Ele orava assim:

— Pai, meu Pai, tu podes fazer todas as coisas! Afasta de mim este cálice de sofrimento. Porém que não seja feito o que eu quero, mas o que tu queres.

37Depois voltou e encontrou os três discípulos dormindo. Então disse a Pedro:

— Simão, você está dormindo? Será que não pode vigiar nem uma hora? 38Vigiem e orem para que não sejam tentados. É fácil querer resistir à tentação; o difícil mesmo é conseguir.

39Jesus foi outra vez e orou, dizendo as mesmas palavras. 40Em seguida, voltou ao lugar onde os discípulos estavam e os encontrou de novo dormindo. Eles estavam com muito sono e não conseguiam ficar com os olhos abertos. E não sabiam o que responder a Jesus.

41Quando voltou pela terceira vez, Jesus perguntou:

— Vocês ainda estão dormindo e descansando? Basta! Chegou a hora, e o Filho do Homem está sendo entregue nas mãos dos maus. 42Levantem-se, e vamos embora. Vejam! Aí vem chegando o homem que está me traindo!

Jesus é preso

Mateus 26.47-56; Lucas 22.47-53; João 18.3-12

43Jesus ainda estava falando, quando chegou Judas, um dos doze discípulos. Vinha com ele uma multidão armada com espadas e porretes, que tinha sido mandada pelos chefes dos sacerdotes, pelos mestres da Lei e pelos líderes judeus. 44O traidor tinha combinado com eles um sinal. Ele tinha dito: “Prendam e levem bem seguro o homem que eu beijar, pois é ele.”

45Logo que chegou perto de Jesus, Judas disse:

— Mestre!

E o beijou. 46Então eles pegaram Jesus e o prenderam. 47Mas um dos que estavam ali tirou a espada, atacou um empregado do Grande Sacerdote e cortou uma orelha dele. 48Então Jesus disse para aquela gente:

— Vocês vêm com espadas e porretes para me prenderem como se eu fosse um bandido? 49Eu estava com vocês todos os dias, ensinando no pátio do Templo, e vocês não me prenderam. Mas isso está acontecendo para se cumprir o que as Escrituras Sagradas dizem.

14.49
Lc 19.47
21.37

50Então todos os discípulos abandonaram Jesus e fugiram.

51Um jovem, enrolado num lençol, seguia Jesus. Alguns tentaram prendê-lo, 52mas ele largou o lençol e fugiu nu.

Jesus diante do Conselho Superior

Mateus 26.57-68; Lucas 22.54-55,63-71; João 18.12-14,19-24

53Em seguida, levaram Jesus até a casa do Grande Sacerdote, onde estavam reunidos os chefes dos sacerdotes, alguns líderes dos judeus e alguns mestres da Lei.

54Pedro seguiu Jesus de longe e entrou no pátio da casa do Grande Sacerdote. Ele sentou-se perto do fogo, com os guardas, para se esquentar. 55Os chefes dos sacerdotes e todo o Conselho Superior estavam procurando encontrar alguma acusação contra Jesus a fim de o condenarem à morte. Mas não conseguiram nenhuma. 56Muitos diziam mentiras contra ele, mas as suas histórias não combinavam umas com as outras.

57Alguns se levantaram e acusaram Jesus com mentiras. Eles diziam:

58— Nós ouvimos quando ele disse: “Vou destruir este Templo que foi construído por seres humanos e, em três dias, levantarei outro que não será construído por seres humanos.”

14.58
Jo 2.19

59Mesmo assim as suas histórias não combinavam umas com as outras.

60Aí o Grande Sacerdote se levantou no meio de todos e perguntou a Jesus:

— Você não vai se defender dessa acusação?

61Mas Jesus ficou calado e não respondeu nada. Então o Grande Sacerdote tornou a perguntar:

— Você é o Messias, o Filho do Deus Bendito?

62Jesus respondeu:

— Sou. E vocês verão o Filho do Homem sentado do lado direito do Deus Todo-Poderoso e descendo com as nuvens do céu!

14.62
Sl 110.1
Dn 7.13

63Aí o Grande Sacerdote rasgou as suas próprias roupas e disse:

— Não precisamos mais de testemunhas! 64Vocês ouviram esta blasfêmia contra Deus! Então, o que resolvem?

Todos estavam contra Jesus e aí o condenaram à morte.

14.64
Lv 24.16

65Então alguns começaram a cuspir nele. Cobriam o rosto dele, davam bofetadas nele e perguntavam:

— Quem foi que bateu em você? Adivinhe!

E também os guardas o pegaram e lhe deram bofetadas.

Pedro nega Jesus

Mateus 26.69-75; Lucas 22.56-62; João 18.15-18,25-27

66Pedro ainda estava lá embaixo no pátio, quando apareceu uma das empregadas do Grande Sacerdote. 67Ela viu Pedro se esquentando perto do fogo, olhou bem para ele e disse:

— Você também estava com Jesus de Nazaré.

68Mas ele negou, dizendo:

— Eu não o conheço. Não sei do que é que você está falando.

E saiu para o corredor. Naquele momento, o galo cantou. 69Quando a empregada viu Pedro ali, começou a dizer aos que estavam perto:

— Este homem é um deles.

70Mas ele negou outra vez. Pouco depois, as pessoas que estavam ali disseram de novo a Pedro:

— Não há dúvida de que você é um deles, pois você também é da Galileia.

71Aí Pedro disse:

— Juro que não conheço esse homem de quem vocês estão falando! Que Deus me castigue se não estou dizendo a verdade!

72Naquele instante o galo cantou pela segunda vez, e Pedro lembrou que Jesus lhe tinha dito: “Antes que o galo cante duas vezes, você dirá três vezes que não me conhece.” Então Pedro caiu em si e começou a chorar.

15

Jesus diante de Pilatos

Mateus 27.1-2,11-14; Lucas 23.1-5; João 18.28-38a

151Assim que amanheceu, os chefes dos sacerdotes se reuniram com os líderes dos judeus, e com os mestres da Lei, e com todo o Conselho Superior e fizeram os seus planos. Eles amarraram Jesus, e o levaram, e entregaram a Pilatos. 2Pilatos perguntou:

— Você é o rei dos judeus?

— Quem está dizendo isso é o senhor! — respondeu Jesus.

3E os chefes dos sacerdotes faziam muitas acusações contra ele. 4Então Pilatos fez outra pergunta:

— Você não vai responder? Veja quantas acusações estão fazendo contra você!

5Porém Jesus não disse mais nada, e Pilatos ficou muito admirado com isso.

Jesus é condenado à morte

Mateus 27.15-26; Lucas 23.13-25; João 18.38b—19.16

6Em toda Festa da Páscoa, o Governador costumava soltar um dos presos, a pedido do povo. 7Naquela ocasião um homem chamado Barrabás estava preso na cadeia junto com alguns homens que tinham matado algumas pessoas numa revolta. 8A multidão veio e começou a pedir que, como era o costume, Pilatos soltasse um preso. 9Então ele perguntou:

— Vocês querem que eu solte para vocês o rei dos judeus?

10Ele sabia muito bem que os chefes dos sacerdotes tinham inveja de Jesus e que era por isso que o haviam entregado a ele. 11Mas os chefes dos sacerdotes atiçaram o povo para que pedisse a Pilatos que, em vez de soltar Jesus, ele soltasse Barrabás. 12Pilatos falou outra vez com o povo. Ele perguntou:

— O que vocês querem que eu faça com este homem que vocês chamam de rei dos judeus?

13E eles gritaram:

— Crucifica!

14— Que crime ele cometeu? — perguntou Pilatos.

Mas eles gritaram ainda mais alto:

— Crucifica! Crucifica!

15Então Pilatos, querendo agradar o povo, soltou Barrabás, como eles haviam pedido. Depois mandou chicotear Jesus e o entregou para ser crucificado.

Os soldados zombam de Jesus

Mateus 27.27-31; João 19.1-3

16Aí os soldados levaram Jesus para o pátio interno do Palácio do Governador e reuniram toda a tropa. 17Depois vestiram em Jesus uma capa vermelha e puseram na cabeça dele uma coroa feita de ramos cheios de espinhos. 18E começaram a saudá-lo, dizendo:

— Viva o Rei dos Judeus!

19Batiam na cabeça dele com um bastão, cuspiam nele e se ajoelhavam, fingindo que o estavam adorando. 20Depois de terem caçoado dele, tiraram a capa vermelha e o vestiram com as suas próprias roupas. Em seguida o levaram para fora a fim de o crucificarem.

A crucificação de Jesus

Mateus 27.32-44; Lucas 23.26-43; João 19.17-27

21No caminho, os soldados encontraram um homem chamado Simão, que vinha do campo para a cidade. Esse Simão, o pai de Alexandre e Rufo, era da cidade de Cirene. Os soldados obrigaram Simão a carregar a cruz de Jesus

15.21
Rm 16.13
22e levaram Jesus para um lugar chamado Gólgota. (Gólgota quer dizer “Lugar da Caveira”.) 23Queriam dar a ele vinho misturado com um calmante chamado mirra, mas ele não bebeu. 24Em seguida os soldados o crucificaram e repartiram as suas roupas entre si, tirando a sorte com dados, para ver qual seria a parte de cada um.
15.24
Sl 22.18
25Eram nove horas da manhã quando crucificaram Jesus. 26Puseram em cima da cruz uma tabuleta onde estava escrito como acusação contra ele: “O Rei dos Judeus”.

27Com Jesus, crucificaram também dois ladrões: um à sua direita e o outro à sua esquerda. 28[Assim se cumpriu o que as Escrituras Sagradas dizem: “Ele foi tratado como se fosse um criminoso.”]

29Os que passavam por ali caçoavam dele, balançavam a cabeça e o insultavam assim:

— Ei, você que disse que era capaz de destruir o Templo e tornar a construí-lo em três dias!

15.29 a
Sl 22.7
109.25
30Pois desça da cruz e salve-se a si mesmo!

31Os chefes dos sacerdotes e os mestres da Lei também caçoavam dele, dizendo:

— Ele salvou os outros, mas não pode salvar a si mesmo! 32Vamos ver o Messias, o Rei de Israel, descer agora da cruz e então creremos nele!

E os ladrões que foram crucificados com Jesus também o insultavam.

A morte de Jesus

Mateus 27.45-56; Lucas 23.44-49; João 19.28-30

33Ao meio-dia começou a escurecer, e toda a terra ficou três horas na escuridão. 34Às três horas da tarde Jesus gritou bem alto:

— “Eloí, Eloí, lemá sabactani?” Essas palavras querem dizer: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?”

15.34
Sl 22.1

35Algumas pessoas que estavam ali ouviram isso e disseram:

— Escutem! Ele está chamando Elias!

36Alguém correu e molhou uma esponja em vinho comum, pôs na ponta de um bastão, deu para Jesus beber e disse:

— Esperem! Vamos ver se Elias vem tirá-lo da cruz!

15.36
Sl 69.21

37Aí Jesus deu um grito forte e morreu.

38Então a cortina do Templo se rasgou em dois pedaços, de cima até embaixo.

15.38
Êx 26.31-33
39O oficial do exército romano que estava em frente da cruz, vendo Jesus morrer daquele modo, disse:

— De fato, este homem era o Filho de Deus!

40Algumas mulheres também estavam ali, olhando de longe. Entre elas estavam Maria Madalena, Salomé e Maria, que era mãe de José e de Tiago, o mais moço. 41Essas mulheres tinham acompanhado e ajudado Jesus quando ele estava na Galileia. Além dessas, estavam ali muitas outras mulheres que tinham ido com ele para Jerusalém.

15.40-41
Lc 8.2-3

O sepultamento de Jesus

Mateus 27.57-61; Lucas 23.50-56; João 19.38-42

42-43Já era quase noite quando chegou José, que era da cidade de Arimateia. Ele era um homem importante e fazia parte do Conselho Superior. José também esperava a vinda do Reino de Deus. Era o Dia da Preparação, isto é, a véspera do sábado. Por isso José, tomando coragem, foi falar com Pilatos e pediu o corpo de Jesus. 44Pilatos ficou admirado quando soube que Jesus já estava morto. Chamou o oficial romano e perguntou se fazia muito tempo que Jesus tinha morrido. 45Depois de receber a informação do oficial, Pilatos entregou a José o corpo de Jesus. 46José comprou um lençol de linho, tirou o corpo da cruz e o enrolou no lençol. Em seguida pôs o corpo num túmulo cavado na rocha e rolou uma grande pedra para fechar a entrada do túmulo. 47Maria Madalena e Maria, a mãe de José, estavam olhando e viram onde o corpo de Jesus foi colocado.

16

A ressurreição de Jesus

Mateus 28.1-8; Lucas 24.1-12; João 20.1-10

161Depois que terminou o sábado, Maria Madalena, Salomé e Maria, a mãe de Tiago, compraram perfumes para perfumar o corpo de Jesus. 2No domingo, bem cedo, ao nascer do sol, elas foram ao túmulo. 3No caminho perguntavam umas às outras:

— Quem vai tirar para nós a pedra que fecha a entrada do túmulo?

4Elas diziam isso porque a pedra era muito grande. Mas, quando olharam, viram que ela já havia sido tirada. 5Então elas entraram no túmulo e viram um moço vestido de branco sentado no lado direito. Elas ficaram muito assustadas, 6mas ele disse:

— Não se assustem! Sei que vocês estão procurando Jesus de Nazaré, que foi crucificado; mas ele não está aqui, pois já foi ressuscitado. Vejam o lugar onde ele foi posto. 7Agora vão e deem este recado a Pedro e aos outros discípulos: “Ele vai adiante de vocês para a Galileia. Lá vocês vão vê-lo, como ele mesmo disse.”

16.7
Mt 26.32
Mc 14.28

8Então elas saíram e fugiram do túmulo, apavoradas e tremendo. E não contaram nada a ninguém porque estavam com muito medo.

Jesus aparece a Maria Madalena

Mateus 28.9-10; João 20.11-18

9[Jesus ressuscitou no domingo bem cedo e apareceu primeiro a Maria Madalena, de quem havia expulsado sete demônios. 10Ela foi contar isso aos companheiros de Jesus, pois eles estavam tristes e chorando. 11Quando a ouviram dizer que Jesus estava vivo e que tinha aparecido a ela, eles não acreditaram.

Jesus aparece a dois discípulos

Lucas 24.13-35

12Depois disso Jesus se apresentou com outra aparência a dois discípulos que iam caminhando para o campo. 13Eles voltaram e foram contar isso aos outros discípulos, e estes não acreditaram no que os dois disseram.

Jesus aparece aos onze discípulos

Mateus 28.16-20; Lucas 24.36-49; João 20.19-23; Atos 1.6-8

14Por último Jesus apareceu aos onze discípulos enquanto eles estavam à mesa, comendo. Ele os repreendeu por não terem fé e por teimarem em não acreditar no que haviam contado os que o tinham visto ressuscitado. 15Então ele disse:

— Vão pelo mundo inteiro e anunciem o evangelho a todas as pessoas.

16.15
At 1.8
16Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. 17Aos que crerem será dado o poder de fazer estes milagres: expulsar demônios pelo poder do meu nome e falar novas línguas; 18se pegarem em cobras ou beberem algum veneno, não sofrerão nenhum mal; e, quando puserem as mãos sobre os doentes, estes ficarão curados.

Jesus vai para o céu

Lucas 24.50-53; Atos 1.9-11

19Depois de falar com eles, o Senhor Jesus foi levado para o céu e sentou-se do lado direito de Deus. 20Os discípulos foram anunciar o evangelho por toda parte. E o Senhor os ajudava e, por meio de milagres, provava que a mensagem deles era verdadeira.]