Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
7

O costume de julgar os outros

Lucas 6.37-38,41-42

71— Não julguem os outros para vocês não serem julgados por Deus. 2Porque Deus julgará vocês do mesmo modo que vocês julgarem os outros e usará com vocês a mesma medida que vocês usarem para medir os outros.

7.2
Mc 4.24
3Por que é que você vê o cisco que está no olho do seu irmão e não repara na trave de madeira que está no seu próprio olho? 4Como é que você pode dizer ao seu irmão: “Me deixe tirar esse cisco do seu olho”, quando você está com uma trave no seu próprio olho? 5Hipócrita! Tire primeiro a trave que está no seu olho e então poderá ver bem para tirar o cisco que está no olho do seu irmão.

6— Não deem para os cachorros o que é sagrado, pois eles se virarão contra vocês e os atacarão; não joguem as suas pérolas para os porcos, pois eles as pisarão.

A bondade de Deus

Lucas 11.9-13

7— Peçam e vocês receberão; procurem e vocês acharão; batam, e a porta será aberta para vocês. 8Porque todos aqueles que pedem recebem; aqueles que procuram acham; e a porta será aberta para quem bate. 9Por acaso algum de vocês, que é pai, será capaz de dar uma pedra ao seu filho, quando ele pede pão? 10Ou lhe dará uma cobra, quando ele pede um peixe? 11Vocês, mesmo sendo maus, sabem dar coisas boas aos seus filhos. Quanto mais o Pai de vocês, que está no céu, dará coisas boas aos que lhe pedirem!

12— Façam aos outros o que querem que eles façam a vocês; pois isso é o que querem dizer a Lei de Moisés e os ensinamentos dos Profetas.

7.12
Lc 6.31

Os dois caminhos

Lucas 13.24

13— Entrem pela porta estreita porque a porta larga e o caminho fácil levam para o inferno, e há muitas pessoas que andam por esse caminho. 14A porta estreita e o caminho difícil levam para a vida, e poucas pessoas encontram esse caminho.

Os falsos profetas

Lucas 6.43-44

15— Cuidado com os falsos profetas! Eles chegam disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos selvagens. 16Vocês os conhecerão pelo que eles fazem. Os espinheiros não dão uvas, e os pés de urtiga não dão figos. 17Assim, toda árvore boa dá frutas boas, e a árvore que não presta dá frutas ruins. 18A árvore boa não pode dar frutas ruins, e a árvore que não presta não pode dar frutas boas. 19Toda árvore que não dá frutas boas é cortada e jogada no fogo.

7.19
Mt 3.10
Lc 3.9
20Portanto, vocês conhecerão os falsos profetas pelas coisas que eles fazem.
7.20
Mt 12.33

Quem entra no Reino do Céu

Lucas 13.25-27

21— Não é toda pessoa que me chama de “Senhor, Senhor” que entrará no Reino do Céu, mas somente quem faz a vontade do meu Pai, que está no céu. 22Quando aquele dia7.22 O Dia do Juízo Final. chegar, muitas pessoas vão me dizer: “Senhor, Senhor, pelo poder do seu nome anunciamos a mensagem de Deus e pelo seu nome expulsamos demônios e fizemos muitos milagres!” 23Então eu direi claramente a essas pessoas: “Eu nunca conheci vocês! Afastem-se de mim, vocês que só fazem o mal!”

7.23
Sl 6.8

Os dois alicerces

Lucas 6.46-49

24— Quem ouve esses meus ensinamentos e vive de acordo com eles é como um homem sábio que construiu a sua casa na rocha. 25Caiu a chuva, vieram as enchentes, e o vento soprou com força contra aquela casa. Porém ela não caiu porque havia sido construída na rocha.

26— Quem ouve esses meus ensinamentos e não vive de acordo com eles é como um homem sem juízo que construiu a sua casa na areia. 27Caiu a chuva, vieram as enchentes, e o vento soprou com força contra aquela casa. Ela caiu e ficou totalmente destruída.

A autoridade de Jesus

28Quando Jesus acabou de falar, as multidões estavam admiradas com a sua maneira de ensinar. 29Ele não era como os mestres da Lei; pelo contrário, ensinava com a autoridade dele mesmo.

7.28-29
Mc 1.22
Lc 4.32

8

Jesus cura um leproso

Marcos 1.40-45; Lucas 5.12-16

81Jesus desceu do monte, e muitas multidões o seguiram. 2Então um leproso chegou perto dele, ajoelhou-se e disse:

— Senhor, eu sei que o senhor pode me curar se quiser.

3Jesus estendeu a mão, tocou nele e disse:

— Sim, eu quero. Você está curado.

No mesmo instante ele ficou curado da lepra. 4Então Jesus lhe disse:

— Escute! Não conte isso para ninguém, mas vá pedir ao sacerdote que examine você. Depois, a fim de provar para todos que você está curado, vá oferecer o sacrifício que Moisés ordenou.

8.4
Lv 14.1-32

Jesus cura o empregado de um oficial romano

Lucas 7.1-10

5Quando Jesus entrou na cidade de Cafarnaum, um oficial romano foi encontrar-se com ele e pediu que curasse o seu empregado. 6Ele disse:

— Senhor, o meu empregado está na minha casa, tão doente, que não pode nem se mexer na cama. Ele está sofrendo demais.

7— Eu vou lá curá-lo! — disse Jesus.

8O oficial romano respondeu:

— Não, senhor! Eu não mereço que o senhor entre na minha casa. Dê somente uma ordem, e o meu empregado ficará bom. 9Eu também estou debaixo da autoridade de oficiais superiores e tenho soldados que obedecem às minhas ordens. Digo para um: “Vá lá”, e ele vai. Digo para outro: “Venha cá”, e ele vem. E digo também para o meu empregado: “Faça isto”, e ele faz.

10Quando Jesus ouviu isso, ficou muito admirado e disse aos que o seguiam:

— Eu afirmo a vocês que isto é verdade: nunca vi tanta fé, nem mesmo entre o povo de Israel! 11E digo a vocês que muita gente vai chegar do Leste e do Oeste e se sentar à mesa no Reino do Céu com Abraão, Isaque e Jacó.

8.11
Lc 13.29
12Mas as pessoas que deviam estar no Reino serão jogadas fora, na escuridão. Ali vão chorar e ranger os dentes de desespero.
8.12
Mt 22.13
25.30
Lc 13.28

13E Jesus disse ao oficial:

— Vá para casa, pois será feito como você crê.

E naquele momento o empregado do oficial romano ficou curado.

Jesus cura muita gente

Marcos 1.29-34; Lucas 4.38-41

14Jesus foi à casa de Pedro e viu a sogra dele de cama, com febre. 15Jesus tocou na mão dela, e a febre saiu dela. Então ela se levantou e começou a cuidar dele.

16Depois do pôr do sol, o povo levou até Jesus muitas pessoas que estavam dominadas por demônios. E ele, apenas com uma palavra, expulsava os espíritos maus e curava todas as pessoas que estavam doentes. 17Jesus fez isso para cumprir o que o profeta Isaías tinha dito:

“Ele levou as nossas doenças

e carregou as nossas enfermidades.”

8.17
Is 53.4

Algumas pessoas que queriam seguir Jesus

Lucas 9.57-62

18Jesus viu a multidão em volta dele e mandou os discípulos irem para o lado leste do lago. 19Um mestre da Lei chegou perto dele e disse:

— Mestre, estou pronto a seguir o senhor para qualquer lugar aonde o senhor for!

20Jesus respondeu:

— As raposas têm as suas covas, e os pássaros, os seus ninhos. Mas o Filho do Homem não tem onde descansar.

21E outro, que era seguidor de Jesus, disse:

— Senhor, primeiro deixe que eu volte e sepulte o meu pai.

22Jesus respondeu:

— Venha comigo e deixe que os mortos sepultem os seus mortos.

Jesus acalma uma tempestade

Marcos 4.35-41; Lucas 8.22-25

23Jesus subiu num barco, e os seus discípulos foram com ele. 24De repente, uma grande tempestade agitou o lago, de tal maneira que as ondas começaram a cobrir o barco. E Jesus estava dormindo. 25Os discípulos chegaram perto dele e o acordaram, dizendo:

— Socorro, Senhor! Nós vamos morrer!

26— Por que é que vocês são assim tão medrosos? — respondeu Jesus. — Como é pequena a fé que vocês têm!

Ele se levantou, falou duro com o vento e com as ondas, e tudo ficou calmo. 27Então todos ficaram admirados e disseram:

— Que homem é este que manda até no vento e nas ondas?!

Jesus cura dois homens dominados por demônios

Marcos 5.1-20; Lucas 8.26-39

28Quando Jesus chegou à região de Gadara, no lado leste do lago da Galileia, foram se encontrar com ele dois homens que estavam dominados por demônios. Eles vinham do cemitério, onde estavam morando. Eram tão violentos e perigosos, que ninguém se arriscava a passar por aquele caminho. 29Eles começaram a gritar:

— Filho de Deus, o que o senhor quer de nós? O senhor veio aqui para nos castigar antes do tempo?

30Acontece que perto dali estavam muitos porcos comendo. 31E os demônios pediram a Jesus com insistência:

— Se o senhor vai nos expulsar, nos mande entrar naqueles porcos!

32— Pois vão! — disse Jesus.

Os demônios foram e entraram nos porcos, e estes se atiraram morro abaixo, para dentro do lago, e se afogaram.

33Os homens que tomavam conta dos porcos fugiram e chegaram até a cidade. Lá contaram tudo isso e também o que havia acontecido com os dois homens que estavam dominados por demônios. 34Então todos os moradores daquela cidade saíram para se encontrar com Jesus; e, quando o encontraram, pediram com insistência que fosse embora da terra deles.

9

Jesus cura um paralítico

Marcos 2.1-12; Lucas 5.17-26

91Jesus entrou num barco, voltou para o lado oeste do lago e chegou à sua cidade9.1 Isto é, Cafarnaum (ver Mt 4.13).. 2Então algumas pessoas trouxeram um paralítico deitado numa cama. Jesus viu que eles tinham fé e disse ao paralítico:

— Coragem, meu filho! Os seus pecados estão perdoados.

3Aí alguns mestres da Lei começaram a pensar:

— Este homem está blasfemando contra Deus.

4Porém Jesus sabia o que eles estavam pensando e disse:

— Por que é que vocês estão pensando essas coisas más? 5O que é mais fácil dizer ao paralítico: “Os seus pecados estão perdoados” ou “Levante-se e ande”? 6Pois vou mostrar a vocês que eu, o Filho do Homem, tenho poder na terra para perdoar pecados.

Então disse ao paralítico:

— Levante-se, pegue a sua cama e vá para casa.

7O homem se levantou e foi para casa. 8Quando o povo viu isso, ficou com medo e louvou a Deus por dar esse poder a seres humanos.

Jesus e Mateus

Marcos 2.13-17; Lucas 5.27-32

9Jesus saiu dali e, no caminho, viu um cobrador de impostos, chamado Mateus, sentado no lugar onde os impostos eram pagos. Jesus lhe disse:

— Venha comigo.

Mateus se levantou e foi com ele. 10Mais tarde, enquanto Jesus estava jantando na casa de Mateus, muitos cobradores de impostos e outras pessoas de má fama chegaram e sentaram-se à mesa com Jesus e os seus discípulos. 11Alguns fariseus viram isso e perguntaram aos discípulos:

— Por que é que o mestre de vocês come com os cobradores de impostos e com outras pessoas de má fama?

9.10-11
Lc 15.1-2

12Jesus ouviu a pergunta e respondeu:

— Os que têm saúde não precisam de médico, mas sim os doentes. 13Vão e procurem entender o que quer dizer este trecho das Escrituras Sagradas: “Eu quero que as pessoas sejam bondosas e não que me ofereçam sacrifícios de animais.” Porque eu vim para chamar os pecadores e não os bons.

9.13 a
Mt 12.7

Jesus e o jejum

Marcos 2.18-22; Lucas 5.33-39

14Então os discípulos de João Batista chegaram perto de Jesus e perguntaram:

— Por que é que nós e os fariseus jejuamos muitas vezes, mas os discípulos do senhor não jejuam?

15Jesus respondeu:

— Vocês acham que os convidados de um casamento podem estar tristes enquanto o noivo está com eles? Claro que não! Mas chegará o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; então sim eles vão jejuar!

16— Ninguém usa um retalho de pano novo para remendar uma roupa velha; pois o remendo novo encolhe e rasga a roupa velha, aumentando o buraco. 17Ninguém põe vinho novo em odres velhos. Se alguém fizer isso, os odres rebentam, o vinho se perde, e os odres ficam estragados. Pelo contrário, o vinho novo é posto em odres novos, e assim não se perdem nem os odres nem o vinho.

Jesus cura uma mulher e uma menina

Marcos 5.21-43; Lucas 8.40-56

18Enquanto Jesus estava falando ao povo, um chefe religioso chegou perto dele, ajoelhou-se e disse:

— A minha filha morreu agora mesmo! Venha e ponha as mãos sobre ela para que viva de novo.

19Então Jesus foi com ele, e os seus discípulos também foram.

20Certa mulher, que fazia doze anos que estava com uma hemorragia, veio por trás de Jesus e tocou na barra da capa dele. 21Pois ela pensava assim: “Se eu apenas tocar na capa dele, ficarei curada.”

22Jesus virou, viu a mulher e disse:

— Coragem, minha filha! Você sarou porque teve fé.

E naquele momento a mulher ficou curada.

23Depois Jesus foi para a casa do chefe religioso. Quando viu os que tocavam música fúnebre e viu a multidão numa confusão geral, 24disse:

— Saiam todos daqui! A menina não morreu; ela está dormindo!

Então começaram a caçoar dele. 25Logo que a multidão saiu, Jesus entrou no quarto em que a menina estava, pegou-a pela mão, e ela se levantou. 26E a notícia a respeito disso se espalhou por toda aquela região.

Jesus cura dois cegos

27Jesus saiu daquele lugar, e no caminho dois cegos começaram a segui-lo, gritando:

Filho de Davi, tenha pena de nós!

28Assim que Jesus entrou em casa, os cegos chegaram perto dele. Então ele perguntou:

— Vocês creem que eu posso curar vocês?

— Sim, senhor! Nós cremos! — responderam eles.

29Jesus tocou nos olhos deles e disse:

— Então que seja feito como vocês creem!

30E os olhos deles ficaram curados. Aí Jesus ordenou com severidade:

— Não contem isso a ninguém!

31Porém eles foram embora e espalharam as notícias a respeito de Jesus por toda aquela região.

A cura de um mudo

32Quando eles foram embora, algumas pessoas levaram a Jesus um homem que não podia falar porque estava dominado por um demônio. 33Logo que o demônio foi expulso, o homem começou a falar. Todos ficaram admirados e afirmavam:

— Nunca vimos em Israel uma coisa assim!

34Mas os fariseus diziam:

— O chefe dos demônios é quem dá a esse homem poder para expulsar demônios.

9.34
Mt 10.25
12.24
Mc 3.22
Lc 11.15

Jesus tem pena do povo

35Jesus andava visitando todas as cidades e povoados. Ele ensinava nas sinagogas, anunciava a boa notícia sobre o Reino e curava todo tipo de enfermidades e doenças graves das pessoas.

9.35
Mt 4.23
Mc 1.39
Lc 4.44
36Quando Jesus viu a multidão, ficou com muita pena daquela gente porque eles estavam aflitos e abandonados, como ovelhas sem pastor.
9.36
Nm 27.17
1Rs 22.17
2Cr 18.16
Ez 34.5
Mc 6.34
37Então disse aos discípulos:

— A colheita é grande mesmo, mas os trabalhadores são poucos. 38Peçam ao dono da plantação que mande mais trabalhadores para fazerem a colheita.

9.37-38
Lc 10.2