Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
21

A oferta da viúva pobre

Marcos 12.41-44

211Jesus estava no pátio do Templo, olhando o que estava acontecendo, e viu os ricos pondo dinheiro na caixa das ofertas. 2Viu também uma viúva pobre, que pôs ali duas moedinhas de pouco valor. 3Então ele disse:

— Eu afirmo a vocês que esta viúva pobre deu mais do que todos. 4Porque os outros deram do que estava sobrando. Porém ela, que é tão pobre, deu tudo o que tinha para viver.

Jesus fala da destruição do Templo

Mateus 24.1-2; Marcos 13.1-2

5Algumas pessoas estavam falando de como o Templo era enfeitado com bonitas pedras e com as coisas que tinham sido dadas como ofertas. Então Jesus disse:

6— Chegará o dia em que tudo isso que vocês estão vendo será destruído. E não ficará uma pedra em cima da outra.

Perseguições e sofrimentos

Mateus 24.3-14; Marcos 13.3-13

7Aí eles perguntaram:

— Mestre, quando será isso? Que sinal haverá para mostrar quando é que isso vai acontecer?

8Jesus respondeu:

— Tomem cuidado para que ninguém engane vocês. Porque muitos vão aparecer fingindo ser eu, dizendo: “Eu sou o Messias” ou “Já chegou o tempo”. Porém não sigam essa gente. 9Não tenham medo quando ouvirem falar de guerras e de revoluções. Pois é preciso que essas coisas aconteçam primeiro. Mas isso não quer dizer que o fim esteja perto.

10E continuou:

— Uma nação vai guerrear contra outra, e um país atacará outro. 11Em vários lugares haverá grandes tremores de terra, falta de alimentos e epidemias. Acontecerão coisas terríveis, e grandes sinais serão vistos no céu.

12— Mas, antes de acontecer tudo isso, vocês serão presos e perseguidos. Vocês serão entregues para serem julgados nas sinagogas e depois serão jogados na cadeia. Por serem meus seguidores, vocês serão levados aos reis e aos governadores para serem julgados. 13E isso dará oportunidade a vocês para anunciarem o evangelho. 14Resolvam desde já que não vão ficar preocupados, antes da hora, com o que dirão para se defender. 15Porque eu lhes darei palavras e sabedoria que os seus inimigos não poderão resistir, nem negar.

21.14-15
Lc 12.11-12
16Vocês serão entregues às autoridades pelos seus próprios pais, irmãos, parentes e amigos, e alguns de vocês serão mortos. 17Todos odiarão vocês por serem meus seguidores. 18Mas nem um fio de cabelo de vocês será perdido. 19Fiquem firmes, pois assim vocês serão salvos.

Jesus fala da destruição de Jerusalém

Mateus 24.15-28; Marcos 13.14-23

20Jesus disse ainda:

— Quando vocês virem a cidade de Jerusalém cercada por exércitos, fiquem sabendo que logo ela será destruída. 21Então, os que estiverem na região da Judeia, que fujam para os montes. Quem estiver na cidade, que saia logo. E quem estiver no campo, que não entre na cidade. 22Porque aqueles dias serão os “Dias do Castigo”, e neles acontecerá tudo o que as Escrituras Sagradas dizem.

21.22
Os 9.7
23Ai das mulheres grávidas e das mães que ainda estiverem amamentando naqueles dias! Porque virá sobre a terra uma grande aflição, e cairá sobre esta gente um terrível castigo de Deus. 24Muitos serão mortos à espada, e outros serão levados como prisioneiros para todos os países do mundo. E os não judeus conquistarão Jerusalém, até que termine o tempo de eles fazerem isso.

A vinda do Filho do Homem

Mateus 24.29-31; Marcos 13.24-27

25E Jesus continuou:

— Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. E, na terra, todas as nações ficarão desesperadas, com medo do terrível barulho do mar e das ondas.

21.25
Is 13.10
Ez 32.7
Jl 2.31
Ap 6.12-13
26Em todo o mundo muitas pessoas desmaiarão de terror ao pensarem no que vai acontecer, pois os poderes do espaço21.26 Maneira poética de descrever o terrível juízo de Deus, do qual nenhum poder, seja real ou suposto, escapará. serão abalados. 27Então o Filho do Homem aparecerá descendo numa nuvem, com poder e grande glória.
21.27
Dn 7.13
Ap 1.7
28Quando essas coisas começarem a acontecer, fiquem firmes e de cabeça erguida, pois logo vocês serão salvos.

A lição da figueira

Mateus 24.32-35; Marcos 13.28-31

29Em seguida Jesus fez esta comparação:

— Vejam o exemplo da figueira ou de qualquer outra árvore. 30Quando vocês veem que as suas folhas começam a brotar, vocês já sabem que está chegando o verão. 31Assim também, quando virem acontecer aquelas coisas, fiquem sabendo que o Reino de Deus está para chegar. 32Eu afirmo a vocês que isto é verdade: essas coisas vão acontecer antes de morrerem todos os que agora estão vivos. 33O céu e a terra desaparecerão, mas as minhas palavras ficarão para sempre.

A necessidade de vigiar

34E Jesus terminou, dizendo:

— Fiquem alertas! Não deixem que as festas, ou as bebedeiras, ou os problemas desta vida façam vocês ficarem tão ocupados, que aquele dia21.34 Dia do Juízo Final. pegue vocês de surpresa, 35como se fosse uma armadilha. Pois ele cairá sobre todos no mundo inteiro. 36Portanto, fiquem vigiando e orem sempre, a fim de poderem escapar de tudo o que vai acontecer e poderem estar de pé na presença do Filho do Homem, quando ele vier.

37Jesus ensinava no pátio do Templo todos os dias. Mas à noite ia para o monte das Oliveiras e ficava ali até de manhã.

21.37
Lc 19.47
38E todo o povo ia de madrugada para o Templo a fim de ouvi-lo.

22

O plano para matar Jesus

Mateus 26.1-5; Marcos 14.1-2; João 11.45-57

221Faltava pouco tempo para a Festa dos Pães sem Fermento, chamada Páscoa.

22.1
Êx 12.1-27
2Os chefes dos sacerdotes e os mestres da Lei procuravam um jeito para matar Jesus em segredo porque tinham medo do povo.

Judas trai Jesus

Mateus 26.14-16; Marcos 14.10-11

3Então Satanás entrou em Judas, chamado Iscariotes, que era um dos doze discípulos. 4Judas foi falar com os chefes dos sacerdotes e com os oficiais da guarda do Templo para combinar a maneira como ele ia lhes entregar Jesus. 5Eles ficaram muito contentes e prometeram dar dinheiro a ele. 6Judas aceitou e começou a procurar uma oportunidade para entregar Jesus a eles, sem que o povo ficasse sabendo.

Jesus manda preparar a Páscoa

Mateus 26.17-25; Marcos 14.12-21; João 13.21-30

7Chegou o dia da Festa dos Pães sem Fermento, dia em que os judeus matavam carneirinhos para comemorar a Páscoa. 8Então Jesus deu a Pedro e a João a seguinte ordem:

— Vão e preparem para nós o jantar da Páscoa.

9Eles perguntaram:

— Onde o senhor quer que a gente prepare o jantar?

10Jesus respondeu:

— Escutem! Quando entrarem na cidade, um homem carregando um pote de água vai se encontrar com vocês. Sigam esse homem até a casa onde ele entrar 11e digam ao dono dela: “O Mestre mandou perguntar a você onde fica a sala em que ele e os seus discípulos vão comer o jantar da Páscoa.” 12Então ele mostrará a vocês uma grande sala mobiliada, no andar de cima. Preparem ali o jantar.

13Os dois discípulos foram até a cidade e encontraram tudo como Jesus tinha dito. Então prepararam o jantar da Páscoa.

A Ceia do Senhor

Mateus 26.26-30; Marcos 14.22-26; 1Coríntios 11.23-25

14Quando chegou a hora, Jesus sentou-se à mesa com os apóstolos 15e lhes disse:

— Como tenho desejado comer este jantar da Páscoa com vocês, antes do meu sofrimento! 16Pois eu digo a vocês que nunca comerei este jantar até que eu coma o verdadeiro jantar que haverá no Reino de Deus.

17Então Jesus pegou o cálice de vinho, deu graças a Deus e disse:

— Peguem isto e repartam entre vocês. 18Pois eu afirmo a vocês que nunca mais beberei deste vinho até que chegue o Reino de Deus.

19Depois pegou o pão e deu graças a Deus. Em seguida partiu o pão e o deu aos apóstolos, dizendo:

— Isto é o meu corpo que é entregue em favor de vocês. Façam isto em memória de mim.

20Depois do jantar, do mesmo modo deu a eles o cálice de vinho, dizendo:

— Este cálice é a nova aliança feita por Deus com o seu povo, aliança que é garantida pelo meu sangue, derramado em favor de vocês.

22.20
Jr 31.31-34
21Mas vejam: o traidor está aqui sentado comigo à mesa!
22.21
Sl 41.9
22Pois o Filho do Homem vai morrer da maneira como Deus já resolveu. Mas ai daquele que está traindo o Filho do Homem!

23Então os apóstolos começaram a perguntar uns aos outros quem seria o traidor.

Quem é o mais importante

24Os apóstolos tiveram uma forte discussão sobre qual deles deveria ser considerado o mais importante.

22.24
Mt 18.1
Mc 9.34
Lc 9.46
25Então Jesus disse:

— Os reis deste mundo têm poder sobre o povo, e os governadores são chamados de “Amigos do Povo”. 26Mas entre vocês não pode ser assim. Pelo contrário, o mais importante deve ser como o menos importante; e o que manda deve ser como o que é mandado.

22.26
Mt 23.11
Mc 9.35
22.25-26
Mt 20.25-27
Mc 10.42-44
27Quem é o mais importante? É o que está sentado à mesa para comer ou é o que está servindo? Claro que é o que está sentado à mesa. Mas entre vocês eu sou como aquele que serve.
22.27
Jo 13.12-15

28— Vocês têm estado sempre comigo nos meus sofrimentos. 29Por isso, assim como o meu Pai me deu o direito de governar, eu também dou o mesmo direito a vocês. 30Vocês vão comer e beber à minha mesa no meu Reino e sentarão em tronos para julgar as doze tribos de Israel.

22.30
Mt 19.28

Jesus avisa Pedro

Mateus 26.31-35; Marcos 14.27-31; João 13.36-38

31Jesus continuou:

— Simão, Simão, escute bem! Satanás já conseguiu licença para pôr vocês à prova. Ele vai peneirar vocês como o lavrador peneira o trigo a fim de separá-lo da palha. 32Mas eu tenho orado por você, Simão, para que não lhe falte fé. E, quando você voltar para mim, anime os seus irmãos.

33Então Pedro disse a Jesus:

— Estou pronto para ser preso e morrer com o senhor!

34Então Jesus afirmou:

— Eu digo a você, Pedro, que hoje, antes que o galo cante, você dirá três vezes que não me conhece.

Jesus avisa os discípulos

35Depois Jesus perguntou aos discípulos:

— Por acaso faltou a vocês alguma coisa quando eu os enviei sem bolsa, sem sacola e sem sandálias?

— Não faltou nada! — responderam eles.

22.35
Mt 10.9-10
Mc 6.8-9
Lc 9.3
10.4

36Então Jesus disse:

— Pois agora quem tem uma bolsa ou sacola deve pegá-la; e quem não tem espada deve vender a capa e comprar uma. 37Pois as Escrituras Sagradas dizem: “Ele foi tratado como se fosse um criminoso.” Eu afirmo a vocês que isso precisa acontecer comigo, pois o que está escrito a meu respeito tem de acontecer.

22.37
Is 53.12

38Aí os seus discípulos disseram:

— Senhor, aqui estão duas espadas.

— Basta! — respondeu ele.

Jesus no monte das Oliveiras

Mateus 26.36-46; Marcos 14.32-42

39Jesus saiu e foi, como de costume, ao monte das Oliveiras; e os seus discípulos foram com ele. 40Quando chegou ao lugar escolhido, Jesus disse:

— Orem pedindo que vocês não sejam tentados.

41Então se afastou a uma distância de mais ou menos trinta metros. Ajoelhou-se e começou a orar, 42dizendo:

— Pai, se queres, afasta de mim este cálice de sofrimento! Porém que não seja feito o que eu quero, mas o que tu queres.

43[Então um anjo do céu apareceu e o animava. 44Cheio de uma grande aflição, Jesus orava com mais força ainda. O seu suor era como gotas de sangue caindo no chão.]

45Depois de orar, ele se levantou, voltou para o lugar onde os discípulos estavam e os encontrou dormindo, pois a tristeza deles era muito grande. 46E disse:

— Por que vocês estão dormindo? Levantem-se e orem para que não sejam tentados.

Jesus é preso

Mateus 26.47-56; Marcos 14.43-52; João 18.3-12

47Jesus ainda estava falando, quando chegou uma multidão. Judas, um dos doze discípulos, que era quem guiava aquela gente, chegou perto de Jesus para beijá-lo. 48Mas Jesus disse:

— Judas, é com um beijo que você trai o Filho do Homem?

49Quando os discípulos que estavam com Jesus viram o que ia acontecer, disseram:

— Senhor, devemos atacar essa gente com as nossas espadas?

50Um deles feriu com a espada o empregado do Grande Sacerdote, cortando a sua orelha direita.

51Mas Jesus ordenou:

— Parem com isso!

Aí tocou na orelha do homem e o curou. 52Em seguida disse aos chefes dos sacerdotes, aos oficiais da guarda do Templo e aos líderes judeus que tinham vindo para prendê-lo:

— Por que vocês vieram com espadas e porretes para me prender como se eu fosse um bandido? 53Eu estava com vocês todos os dias no pátio do Templo, e vocês não tentaram me prender. Mas esta é a hora de vocês e também a hora do poder da escuridão.

22.53
Lc 19.47
21.37

Pedro nega Jesus

Mateus 26.69-75; Marcos 14.53-54,66-72; João 18.15-18,25-27

54Eles prenderam Jesus e o levaram até a casa do Grande Sacerdote. E Pedro os seguia de longe. 55Quando acenderam uma fogueira no meio do pátio, Pedro foi e sentou-se com os que estavam em volta do fogo. 56Uma das empregadas o viu sentado ali perto da fogueira, olhou bem para ele e disse:

— Este homem também estava com Jesus!

57Mas Pedro negou, dizendo:

— Mulher, eu nem conheço esse homem!

58Pouco tempo depois, um homem o viu ali e disse:

— Você também é um deles!

Mas Pedro respondeu:

— Homem, eu não sou um deles.

59Mais ou menos uma hora depois, outro insistiu:

— Você estava mesmo com ele porque também é galileu.

60Mas Pedro respondeu:

— Homem, eu não sei do que é que você está falando!

Naquele instante, enquanto ele falava, o galo cantou. 61Então o Senhor virou-se e olhou firme para Pedro, e ele lembrou das palavras que o Senhor lhe tinha dito: “Hoje, antes que o galo cante, você dirá três vezes que não me conhece.” 62Então Pedro saiu dali e chorou amargamente.

Os guardas batem em Jesus

Mateus 26.67-68; Marcos 14.65

63Os homens que estavam guardando Jesus zombavam dele e batiam nele. 64Taparam os olhos dele e perguntavam:

— Quem foi que bateu em você? Adivinhe!

65E diziam muitas outras coisas para insultá-lo.

Jesus diante do Conselho Superior

Mateus 26.57-68; Marcos 14.53-65; João 18.19-24

66Quando amanheceu, alguns líderes dos judeus, alguns chefes dos sacerdotes e alguns mestres da Lei se reuniram. Depois mandaram levar Jesus diante do Conselho Superior. 67Então lhe disseram:

— Diga para nós se você é o Messias.

Ele respondeu:

— Se eu disser que sim, vocês não vão acreditar. 68E, se eu fizer uma pergunta, vocês não vão responder. 69Mas de agora em diante o Filho do Homem se sentará do lado direito do Deus Todo-Poderoso.

70Aí todos perguntaram:

— Então você é o Filho de Deus?

Jesus respondeu:

— São vocês que estão dizendo isso.

71E eles disseram:

— Não precisamos mais de testemunhas. Nós mesmos ouvimos o que ele disse.

23

Jesus diante de Pilatos

Mateus 27.1-2,11-14; Marcos 15.1-5; João 18.28-38a

231Em seguida o grupo todo se levantou e levou Jesus para Pilatos. 2Lá, começaram a acusá-lo, dizendo:

— Pegamos este homem tentando fazer o nosso povo se revoltar, dizendo a eles que não pagassem impostos ao Imperador e afirmando que ele é o Messias, um rei.

3Aí Pilatos perguntou a Jesus:

— Você é o rei dos judeus?

Jesus respondeu:

— Quem está dizendo isso é o senhor.

4Então Pilatos disse aos chefes dos sacerdotes e à multidão:

— Não encontro nenhum motivo para condenar este homem.

5Mas eles insistiram:

— Ele está causando desordem entre o povo em toda a Judeia. Ele começou na Galileia e agora chegou aqui.

Jesus diante de Herodes

6Ouvindo isso, Pilatos perguntou:

— Este homem é da Galileia?

7Quando soube que Jesus era da região governada por Herodes, Pilatos o mandou para ele, pois Herodes também estava em Jerusalém naquela ocasião. 8Herodes ficou muito contente quando viu Jesus, pois tinha ouvido falar a respeito dele e fazia muito tempo que queria vê-lo. Ele desejava ver Jesus fazer algum milagre. 9Então fez muitas perguntas a Jesus, mas ele não respondeu nada. 10Os chefes dos sacerdotes e os mestres da Lei se apresentaram e fizeram acusações muito fortes contra Jesus. 11Herodes e os seus soldados zombaram de Jesus e o trataram com desprezo. Puseram nele uma capa luxuosa e o mandaram de volta para Pilatos. 12Naquele dia Herodes e Pilatos, que antes eram inimigos, se tornaram amigos.

Jesus é condenado à morte

Mateus 27.15-26; Marcos 15.6-15; João 18.39—19.16

13Pilatos reuniu os chefes dos sacerdotes, os líderes judeus e o povo 14e disse:

— Vocês me trouxeram este homem e disseram que ele estava atiçando o povo para fazer uma revolta. Pois eu já lhe fiz várias perguntas diante de todos vocês, mas não encontrei nele nenhuma culpa dessas coisas de que vocês o acusam. 15Herodes também não encontrou nada contra ele e por isso o mandou de volta para nós. Assim, é claro que este homem não fez nada que mereça a pena de morte. 16Eu vou mandar que ele seja chicoteado e depois o soltarei.

17[Na Festa da Páscoa, Pilatos tinha o costume de soltar algum preso, a pedido do povo.] 18Aí toda a multidão começou a gritar:

— Mata esse homem! Solta Barrabás para nós!

19Barrabás tinha sido preso por causa de uma revolta na cidade e por assassinato.

20Então Pilatos, querendo soltar Jesus, falou outra vez com a multidão. 21Mas eles gritavam mais ainda:

— Crucifica! Crucifica!

22E Pilatos disse pela terceira vez:

— Mas qual foi o crime dele? Não vejo neste homem nada que faça com que ele mereça a pena de morte. Vou mandar que ele seja chicoteado e depois o soltarei.

23Porém eles continuaram a gritar bem alto, pedindo que Jesus fosse crucificado; e a gritaria deles venceu. 24Pilatos condenou Jesus à morte, como pediam. 25E soltou o homem que eles queriam — aquele que havia sido preso por causa de revolta e de assassinato. E entregou Jesus para fazerem com ele o que quisessem.

A crucificação de Jesus

Mateus 27.32-44; Marcos 15.21-32; João 19.17-27

26Então os soldados levaram Jesus. No caminho, eles encontraram um homem chamado Simão, da cidade de Cirene, que vinha do campo. Agarraram Simão e o obrigaram a carregar a cruz, seguindo atrás de Jesus.

27Uma grande multidão o seguia. Nela havia algumas mulheres que choravam e se lamentavam por causa dele. 28Jesus virou-se para elas e disse:

— Mulheres de Jerusalém, não chorem por mim, mas por vocês e pelos seus filhos! 29Porque chegarão os dias em que todos vão dizer: “Felizes as mulheres que nunca tiveram filhos, que nunca deram à luz e que nunca amamentaram!” 30Chegará o tempo em que todos vão dizer às montanhas: “Caiam em cima de nós!” E dirão também aos montes: “Nos cubram!”

23.30
Os 10.8
Ap 6.16
31Porque, se isso tudo é feito quando a lenha está verde, o que acontecerá, então, quando ela estiver seca?

32Levaram também dois criminosos para serem mortos com Jesus. 33Quando chegaram ao lugar chamado “A Caveira”, ali crucificaram Jesus e junto com ele os dois criminosos, um à sua direita e o outro à sua esquerda.

34[Então Jesus disse:

— Pai, perdoa esta gente! Eles não sabem o que estão fazendo.]

Em seguida, tirando a sorte com dados, os soldados repartiram entre si as roupas de Jesus.

23.34
Sl 22.18
35O povo ficou ali olhando, e os líderes judeus zombavam de Jesus, dizendo:

— Ele salvou os outros. Que salve a si mesmo, se é, de fato, o Messias que Deus escolheu!

23.35
Sl 22.7

36Os soldados também zombavam de Jesus. Chegavam perto dele e lhe ofereciam vinho comum

23.36
Sl 69.21
37e diziam:

— Se você é o rei dos judeus, salve a você mesmo!

38Na cruz, acima da sua cabeça, estavam escritas as seguintes palavras: “Este é o Rei dos Judeus”.

39Um dos criminosos que estavam crucificados ali insultava Jesus, dizendo:

— Você não é o Messias? Então salve a você mesmo e a nós também!

40Porém o outro o repreendeu, dizendo:

— Você não teme a Deus? Você está debaixo da mesma condenação que ele recebeu. 41A nossa condenação é justa, e por isso estamos recebendo o castigo que nós merecemos por causa das coisas que fizemos; mas ele não fez nada de mau.

42Então disse:

— Jesus, lembre de mim quando o senhor vier como Rei!

43Jesus respondeu:

— Eu afirmo a você que isto é verdade: hoje você estará comigo no paraíso.

A morte de Jesus

Mateus 27.45-56; Marcos 15.33-41; João 19.28-30

44Mais ou menos ao meio-dia o sol parou de brilhar, e uma escuridão cobriu toda a terra até as três horas da tarde. 45E a cortina do Templo se rasgou pelo meio.

23.45
Êx 26.31-33
46Aí Jesus gritou bem alto:

— Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!

Depois de dizer isso, ele morreu.

23.46
Sl 31.5
47Quando o oficial do exército romano viu o que havia acontecido, deu glória a Deus, dizendo:

— De fato, este homem era inocente!

48Todos os que estavam reunidos ali para assistir àquele espetáculo viram o que havia acontecido e voltaram para casa, batendo no peito em sinal de tristeza. 49Todos os amigos de Jesus e as mulheres que o tinham seguido desde a Galileia ficaram de longe, olhando tudo aquilo.

23.49
Lc 8.2-3

O sepultamento de Jesus

Mateus 27.57-61; Marcos 15.42-47; João 19.38-42

50-51Havia um homem chamado José, da cidade de Arimateia, na região da Judeia. Ele era bom e correto e esperava a vinda do Reino de Deus. Fazia parte do Conselho Superior, mas não tinha concordado com o que o Conselho havia resolvido e feito. 52José foi e pediu a Pilatos o corpo de Jesus. 53Então tirou o corpo da cruz e o enrolou num lençol de linho. Depois o colocou num túmulo cavado na rocha, que nunca havia sido usado. 54Isso foi na sexta-feira, e já estava para começar23.54 O dia começava ao pôr do sol. o sábado.

55As mulheres que haviam seguido Jesus desde a Galileia foram com José e viram o túmulo e como Jesus tinha sido colocado ali. 56Depois voltaram para casa e prepararam perfumes e óleos para passar no corpo dele.

E no sábado elas descansaram, conforme a Lei manda.

23.56
Êx 20.10
Dt 5.14