Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
22

A santidade das ofertas

221O Senhor Deus mandou Moisés 2dizer a Arão e aos seus filhos o seguinte:

— Tratem com todo o respeito as ofertas sagradas que o povo de Israel dedica a mim, o Senhor, para que não profanem o meu santo nome. Eu sou o Senhor. 3Se qualquer descendente de vocês estiver impuro quando apresentar as ofertas sagradas que o povo de Israel dedica a mim, esse homem nunca mais poderá servir como sacerdote. Essa lei estará em vigor para sempre. Eu sou o Senhor.

4— Nenhum descendente de Arão que tiver uma doença contagiosa da pele ou tiver um corrimento no membro poderá comer das ofertas sagradas até que fique puro outra vez. Um sacerdote ficará impuro se tocar em qualquer coisa que ficou impura por ter tocado num morto. Ele ficará impuro se tiver perda de esperma 5ou se tocar num animal impuro ou numa pessoa impura. 6Ele ficará impuro até o pôr do sol e só poderá comer das ofertas sagradas depois de tomar um banho. 7Depois do pôr do sol ele estará puro e poderá comer das ofertas sagradas, pois elas são a sua comida. 8Ele não poderá comer um animal que tenha tido morte natural ou que tenha sido morto por animais selvagens. Se ele comer, ficará impuro. Eu sou o Senhor.

9— Todos os sacerdotes obedecerão às leis que eu dei; se desobedecerem, serão culpados de pecado e morrerão. Eu sou o Senhor, e os dediquei a mim.

10— Somente o sacerdote e as pessoas da sua família poderão comer das ofertas sagradas. Os hóspedes e os empregados do sacerdote não poderão comer dessas ofertas. 11Mas os escravos do sacerdote, tanto os que ele comprou como os que nascerem na sua casa, poderão comer dessas ofertas. 12Se a filha do sacerdote casar com um homem que não for sacerdote, ela não poderá comer das ofertas sagradas. 13Se ela for viúva ou divorciada, e não tiver filhos, e voltar a morar na casa dos pais, como no tempo da sua mocidade, então terá o direito de comer das ofertas sagradas. Só os sacerdotes e os membros das suas famílias têm o direito de comer dessas ofertas.

14— A pessoa que não tiver esse direito, mas, por engano, comer das ofertas, deverá pagar ao sacerdote o valor da oferta, mais um quinto. 15Os sacerdotes não deixarão que as ofertas sagradas que o povo apresenta a Deus, o Senhor, sejam profanadas. 16Eles não permitirão que as ofertas sejam comidas por pessoas que não têm esse direito. Se essas pessoas comerem, serão culpadas e deverão ser castigadas. Eu sou o Senhor, e faço com que as ofertas fiquem sagradas.

Leis a respeito dos animais oferecidos como sacrifício

17O Senhor Deus mandou que Moisés 18desse a Arão, aos filhos de Arão e a todo o povo de Israel as seguintes leis:

Quando um israelita ou um estrangeiro que vive no meio do povo apresentar em sacrifício ao Senhor Deus um animal que vai ser completamente queimado, seja para pagar uma promessa, seja uma oferta feita por vontade própria, 19o animal deverá ser um macho sem defeito. Assim, a oferta será aceita. O animal poderá ser um touro ou um carneiro ou um bode, 20mas deverá ser sem defeito. Se um animal defeituoso for oferecido, Deus não aceitará a oferta.

22.20
Dt 17.1
21Se alguém apresentar uma oferta de paz, seja para pagar uma promessa, seja uma oferta feita por vontade própria, o animal deverá ser sem defeito a fim de que a oferta seja aceita. Poderá ser um touro novo, ou uma ovelha, ou uma cabra, mas não poderá ter defeito. 22Não ofereçam ao Senhor um animal cego, ou aleijado, ou defeituoso; ou um animal que tenha úlceras, sarna ou outras doenças da pele. Um animal nessas condições não deverá ser apresentado ao Senhor como oferta de alimento. 23Vocês poderão apresentar como oferta feita por vontade própria um touro ou um carneirinho com defeito, mas não poderão apresentá-lo como oferta para pagar uma promessa. 24Não ofereçam ao Senhor qualquer animal que tiver os testículos machucados, esmagados, arrancados ou cortados. Isso não é permitido na terra de Israel. 25E também não aceitem de um estrangeiro um animal nessas condições, para o apresentar a Deus como oferta de alimento. Esses animais são defeituosos, e Deus não os aceitará.

26E o Senhor Deus disse também a Moisés:

27— Quando nascer um bezerro, um carneiro ou um cabrito, ele ficará com a mãe sete dias; do oitavo dia em diante o animal poderá ser apresentado a Deus, o Senhor, como oferta de alimento. 28Não matem no mesmo dia para os oferecerem em sacrifício uma vaca e o seu bezerro, uma ovelha e o seu carneirinho ou uma cabra e o seu cabritinho. 29Quando apresentarem uma oferta de gratidão a mim, o Senhor Deus, sigam as leis a respeito dos sacrifícios a fim de que eu os aceite. 30Comam a oferta toda no mesmo dia e não deixem sobrar nada para o dia seguinte. Eu sou o Senhor.

31— Obedeçam às minhas leis. Eu sou o Senhor. 32Não façam nada que profane o meu santo nome. Que todo o povo de Israel confesse que eu sou santo! Eu sou o Senhor, e dediquei vocês a mim. 33Eu os tirei do Egito para ser o Deus de vocês. Eu sou o Senhor.

23

As festas religiosas

231O Senhor Deus mandou que Moisés 2desse aos israelitas as seguintes leis a respeito das festas religiosas mais importantes, quando o povo se reúne para adorar o Senhor:

O Sábado

3Vocês têm seis dias para trabalhar, mas o sétimo dia é o dia sagrado de descanso, quando todos deverão se reunir para adorar a Deus. Não façam nenhum trabalho nesse dia. Em todos os lugares onde os israelitas morarem, o sábado é um dia dedicado a Deus, o Senhor.

23.3
Êx 20.8-10
23.12
31.15
34.21
35.2
Dt 5.12-14

A Festa da Páscoa e a Festa dos Pães sem Fermento

Êxodo 12.1-20; Números 28.16-25; Deuteronômio 16.1-8

4São estas as festas religiosas, quando o povo deverá se reunir para adorar a Deus, o Senhor. Cada uma destas festas será realizada na data marcada.

5A Festa da Páscoa, comemorada em honra de Deus, o Senhor, começa ao pôr do sol no dia catorze do primeiro mês.

6No dia quinze desse mês começa a Festa dos Pães sem Fermento, em honra de Deus, o Senhor. Durante os sete dias dessa festa o pão que vocês comerem deverá ser feito sem fermento. 7No primeiro dia dessa festa ninguém trabalhará, e todos deverão se reunir para adorar a Deus. 8Durante esses sete dias apresentem ao Senhor ofertas de alimento e no sétimo dia reúnam-se para adorar a Deus. Nesse dia ninguém deverá trabalhar.

23.6-8
Êx 23.15
34.18

A Festa da Primeira Colheita

9O Senhor Deus mandou Moisés 10dizer ao povo de Israel o seguinte:

— Quando vocês entrarem na terra que eu lhes estou dando e fizerem a primeira colheita de trigo, levem ao sacerdote um feixe do que colherem. 11No dia que vem depois do sábado, o sacerdote apresentará esse feixe de trigo a Deus, o Senhor, para que ele aceite vocês. 12Nesse mesmo dia apresentem ao Senhor como uma oferta que vai ser completamente queimada um carneirinho de um ano, sem defeito. 13E apresentem como oferta de alimento dois quilos de farinha misturada com azeite. O cheiro dessa oferta é agradável ao Senhor. Apresentem também como oferta de bebida um litro de vinho. 14Não comam espigas de trigo verdes, nem espigas torradas, nem pão, até o dia em que apresentarem a oferta a Deus. Em todos os lugares onde morarem, vocês e os seus descendentes deverão obedecer a essa lei para sempre.

A Festa da Colheita

Números 28.26-31; Deuteronômio 16.9-12

15— Contem sete semanas a partir do dia em que oferecerem a Deus o primeiro feixe de trigo que foi colhido. 16No dia seguinte, isto é, cinquenta dias depois que ofereceram esse feixe, apresentem a Deus, o Senhor, outra oferta da colheita de cereais. 17Cada família deverá apresentar dois pães feitos com a melhor farinha e com fermento. Cada pão deverá pesar dois quilos. Esses pães são uma oferta a Deus, o Senhor, tirada da melhor parte da colheita de trigo. 18Junto com os pães ofereçam sete carneirinhos de um ano, sem defeito, um touro novo e dois carneiros. Esses animais deverão ser apresentados ao Senhor como uma oferta que vai ser completamente queimada, junto com as ofertas de trigo e de vinho. O cheiro dessa oferta de alimento é agradável ao Senhor. 19Ofereçam também um bode para tirar pecados e dois carneirinhos de um ano como oferta de paz. 20O sacerdote oferecerá ao Senhor os dois carneirinhos, junto com os pães, como uma oferta especial. Essa é uma oferta sagrada que pertence aos sacerdotes. 21Nesse dia ninguém deverá trabalhar, e todos se reunirão para adorar a Deus. Em todos os lugares onde morarem, vocês e os seus descendentes deverão obedecer a essa lei para sempre.

23.15-21
Êx 23.16
34.22

22— Quando fizerem a colheita do trigo, não colham as espigas dos pés que ficam na beira do campo, nem voltem atrás para pegar as espigas que não tiverem sido colhidas. Deixem essas espigas para os pobres e para os estrangeiros. Eu sou o Senhor, o Deus de vocês.

23.22
Lv 19.9-10
Dt 24.19-22

A Festa do Ano-Novo

Números 29.1-6

23O Senhor Deus mandou Moisés 24dizer ao povo de Israel o seguinte:

— O dia primeiro do sétimo mês é um dia sagrado de descanso, festejado com toques de trombetas; e todos deverão se reunir para adorar a Deus. 25Não trabalhem nesse dia e apresentem a Deus, o Senhor, ofertas de alimento.

O Dia do Perdão

Levítico 16.29-34

26O Senhor Deus disse a Moisés:

27— O dia dez do sétimo mês é o dia em que os pecados do povo são perdoados. Nesse dia ninguém deverá comer nada, e todos deverão apresentar a Deus, o Senhor, ofertas de alimento. 28Ninguém trabalhará nesse dia, pois é o dia em que é apresentado ao Senhor, o Deus de vocês, o sacrifício para conseguir o perdão dos pecados do povo. 29Qualquer pessoa que comer alguma coisa no Dia do Perdão será expulsa do meio do povo. 30E, se alguém trabalhar nesse dia, eu mesmo destruirei essa pessoa. 31Não façam nenhum trabalho nesse dia; em todos os lugares onde morarem, vocês e os seus descendentes deverão obedecer a essa lei para sempre. 32Desde o pôr do sol do dia nove até o pôr do sol do dia dez, esse será considerado um dia sagrado de descanso, e nele ninguém deverá comer nada.

A Festa das Barracas

Números 29.12—30.1

33O Senhor Deus deu a Moisés 34as seguintes leis para o povo de Israel:

O dia quinze do sétimo mês é o dia em que começa a Festa das Barracas. Essa festa em honra de Deus, o Senhor, durará sete dias. 35No primeiro dia haverá uma reunião sagrada, e ninguém deverá trabalhar. 36Em cada um dos sete dias da festa apresentem a Deus, o Senhor, ofertas de alimento. No oitavo dia todos se reunirão para adorar a Deus e para lhe apresentarem ofertas de alimento. É dia de uma reunião sagrada, e nele ninguém trabalhará.

23.33-36
Dt 16.13-15

37(São essas as festas religiosas em que o povo se reunirá para adorar a Deus, o Senhor. Nessas festas serão apresentadas ao Senhor ofertas de alimento, ofertas que são completamente queimadas, ofertas de cereais, sacrifícios e ofertas de vinho. Cada festa será realizada na data marcada. 38Além dos sábados, que serão guardados em honra de Deus, o Senhor, façam também essas festas e apresentem essas ofertas além das ofertas de costume, das ofertas para pagar promessas e das ofertas que são apresentadas por vontade própria ao Senhor.)

39Depois de terminadas as colheitas, haverá uma festa em honra de Deus, o Senhor. Essa festa começará no dia quinze do sétimo mês e irá até o dia vinte e dois. No primeiro dia e no oitavo ninguém deverá trabalhar. 40No primeiro dia o povo colherá frutas das melhores árvores, cortará folhas de palmeiras e galhos de vários tipos de árvores cheias de folhas, e durante sete dias todos farão uma festa em honra do Senhor, o Deus de vocês. 41E para sempre, no sétimo mês de cada ano, o povo fará essa festa de sete dias. 42Durante os sete dias todos os israelitas morarão em cabanas feitas de galhos de árvores 43a fim de que eles e os seus descendentes lembrem sempre que Deus fez com que o povo morasse em barracas, quando os tirou do Egito. Ele é o Senhor, o Deus de vocês.

44Foi assim que Moisés deu ao povo de Israel as leis a respeito das festas que eles deviam fazer em honra de Deus, o Senhor.

24

O candelabro

Êxodo 25.31-40; 27.20-21

241O Senhor Deus disse a Moisés o seguinte:

2— Diga aos israelitas que lhe tragam o melhor azeite, para manter sempre aceso o candelabro que está na Tenda Sagrada. 3Todas as tardes Arão acenderá o candelabro e o manterá aceso a noite toda, ali na presença de Deus, o Senhor, do lado de fora da cortina que fica em frente da arca da aliança. Essa lei deverá ser obedecida por vocês e pelos seus descendentes para sempre. 4Arão cuidará dos pavios das lamparinas do candelabro de ouro puro, para que fiquem sempre acesas na presença do Senhor.

O pão sagrado

5Doze pães, cada um pesando dois quilos, deverão ser feitos da melhor farinha 6e postos na mesa de ouro puro que fica na presença de Deus, o Senhor. Os pães deverão ser arrumados em duas pilhas, seis pães em cada pilha.

24.5-6
Êx 25.30
7Em cima das duas pilhas será colocado incenso puro para lembrar que todos os pães são oferecidos ao Senhor como oferta de alimento. 8Todos os sábados, para sempre, o Grande Sacerdote colocará os pães em ordem na mesa, na presença de Deus, o Senhor. Esses pães representam a aliança eterna dos israelitas com o Senhor 9e pertencerão para sempre aos sacerdotes, que são descendentes de Arão. Os pães são muito sagrados, pois são uma oferta de alimento dada ao Senhor; por isso os sacerdotes os comerão num lugar sagrado.
24.9
Mt 12.4
Mc 2.26
Lc 6.4

Pecado e castigo

10-11Havia entre os israelitas um homem que era filho de um egípcio casado com uma mulher israelita. Ela se chamava Selomite e era filha de Dibri, da tribo de Dã. Certo dia no acampamento, numa briga com um israelita, esse homem blasfemou contra o nome de Deus, o Senhor, e o amaldiçoou. Levaram o homem a Moisés 12e o deixaram preso até que o Senhor dissesse o que deviam fazer. 13O Senhor Deus disse a Moisés:

14— Leve esse homem para fora do acampamento. As pessoas que o ouviram blasfemar contra mim colocarão as mãos na cabeça dele, e depois o povo todo o matará a pedradas. 15E diga ao povo: “Quem amaldiçoar o seu Deus pagará por esse pecado 16e será morto a pedradas por todo o povo. Não importa que seja israelita ou um estrangeiro que mora no meio de vocês; quem blasfemar contra o nome do Senhor Deus será morto.

17— “Aquele que matar uma pessoa será morto.

24.17
Êx 21.12
18Quem matar um animal doméstico de outra pessoa dará ao dono outro animal do mesmo valor, um animal pelo outro. 19Se alguém ferir outra pessoa, farão com ele a mesma coisa que ele fez: 20quebradura por quebradura, olho por olho, dente por dente. Ele será ferido do mesmo jeito que feriu o outro.
24.20
Êx 21.23-25
Dt 19.21
Mt 5.38
21Quem matar um animal doméstico de outra pessoa dará ao dono outro animal. Quem matar uma pessoa será morto. 22A lei é a mesma para os estrangeiros que moram no meio de vocês e para os israelitas. Eu sou o Senhor, o Deus de vocês.”
24.22
Nm 15.16

23Então Moisés disse tudo isso aos israelitas. Aí eles pegaram o homem que havia amaldiçoado o nome de Deus e o levaram para fora do acampamento. E ali o mataram a pedradas. Assim, eles fizeram aquilo que o Senhor havia ordenado a Moisés.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]