Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
8

Primeira fala de Bildade

Cap. 8

Volte para Deus

81Então Bildade, da região de Sua, em resposta disse:

2“Até quando você, Jó, vai falar assim?

Até quando as suas palavras serão como um vento forte?

3Será que Deus torceria a justiça?

Será que o Todo-Poderoso faria o que não é direito?

4Decerto os seus filhos pecaram contra Deus,

e ele os castigou como mereciam.

5Agora volte para Deus

e ore ao Todo-Poderoso.

6Se você é mesmo puro e honesto,

Deus virá logo ajudá-lo

e lhe dará de novo o lar que você merece.

7A riqueza que você perdeu não será nada

comparada com o que Deus lhe dará depois.

Dá em nada a esperança dos maus

8“Faça perguntas aos nossos antepassados;

aprenda com a experiência deles.

9Pois nós nascemos ontem e não sabemos nada;

os nossos dias na terra passam como a sombra.

10Deixe que os nossos antepassados falem a você e o ensinem.

Da sua experiência eles dirão isto:

11‘Será que a taboa pode crescer fora do brejo

ou o junco viver sem água?

12Verdes ainda e mesmo sem serem cortados,

eles secam antes das outras ervas.

13Assim acontece com os que esquecem de Deus;

assim dá em nada a esperança dos maus.

14A segurança deles é um fio de linha;

a sua confiança é como uma teia de aranha.

15Eles se apoiam na teia, mas ela não aguenta;

agarram o fio, mas não conseguem ficar de pé.’

16“Os maus crescem como ervas ao sol

que se espalham pelo jardim.

17As suas raízes se enroscam nas pedras,

se agarram nas rochas,

18mas, se alguém as arranca,

ninguém vai nem saber que estiveram naquele lugar.

19É nisso que dá a vida alegre dos maus;

chegam outras pessoas e tomam o lugar deles.

20“Esteja certo de que Deus não abandona as pessoas honestas,

nem dá a mão para ajudar os maus.

21Ele fará você rir de novo

e dar gritos de alegria;

22mas os seus inimigos vão viver na confusão,

e as casas dos maus serão destruídas.”

9

Resposta de Jó

Caps. 9—10

Quem se atreve a discutir com Deus?

91Então em resposta Jó disse:

2“Eu sei muito bem que as coisas são assim.

Mas como é que uma pessoa pode provar a Deus

que ela está com a razão?

9.2
Jó 4.17

3Quem se atreve a discutir com Deus?

Ele pode fazer mil perguntas

a que ninguém é capaz de responder.

4A sua sabedoria é profunda,

e o seu poder é grande;

quem pode desafiá-lo e vencer?

5Sem aviso ele muda de lugar os montes

e na sua ira os destrói.

6Deus manda terremotos, e o chão treme;

ele abala as colunas que sustentam a terra.

7Deus dá ordem, e o sol não nasce;

ele apaga a luz das estrelas.

8Deus sozinho estendeu o céu;

ele pisou sobre as costas do Mar9.8 Referência a uma lenda dos povos antigos, na qual um monstro, o Mar, foi vencido pelos deuses. O escritor bíblico usa essa lenda para descrever a ação de Deus na criação, quando pôs ordem no mundo (ver Jó 7.12; 26.12; 38.8; Sl 74.13)..

9Deus criou as estrelas em grupos:

a Ursa Maior, as Três-Marias e as Sete-Cabrinhas,

e fez também as estrelas do Sul.

9.9
Jó 38.31
Am 5.8

10Deus faz coisas grandes e maravilhosas,

e os seus milagres não têm fim.

11Deus passa perto de mim, e eu não vejo;

ele vai andando, e eu não percebo.

12Se Deus quer ficar com alguma coisa,

quem pode impedi-lo?

Quem se atreve a perguntar: ‘O que estás fazendo?’

13Deus não volta atrás na sua ira;

a seus pés caem derrotados os aliados do monstro Raabe9.13 Aqui se usa a imagem de outro monstro, Raabe, que representava as forças da desordem e do mal (ver Jó 9.8, nota; 26.12; Sl 89.10)..

Sou inocente e sincero

14“Quem sou eu, então, para responder a Deus?

Onde vou achar palavras para discutir com ele?

15Ainda que eu tivesse razão, eu não responderia.

Ele é o meu juiz; só posso pedir misericórdia.

16Ainda que eu o chamasse ao tribunal, e ele se apresentasse,

não acredito que ouviria o meu caso.

17Deus me esmaga com uma tempestade

e sem motivo aumenta as minhas feridas.

18Ele não me deixa nem respirar

e enche de amargura a minha vida.

19Farei uso da força? Ele é o forte.

Chamarei Deus ao tribunal? E quem o obrigaria a comparecer?

20Sou inocente e sincero,

mas as minhas palavras me condenariam

e me declarariam culpado.

21Sou inocente, mas não me importo com isso;

estou cansado de viver.

22Para mim, é tudo a mesma coisa;

por isso, digo que Deus destrói tanto os bons como os maus.

23Se, de repente, uma desgraça mata pessoas inocentes,

Deus ri.

24Deus entregou o mundo nas mãos dos maus

e cobriu os olhos dos juízes com uma venda.

E, se não foi Deus quem fez isso, então quem foi?

Deus não acredita que eu seja inocente

25“Os meus dias correm mais depressa do que um atleta;

eles fogem sem ter visto a felicidade.

26A minha vida passa como um barco ligeiro,

como uma águia quando se lança sobre um coelho.

27Posso tentar esquecer as minhas queixas,

posso deixar o meu ar triste e voltar a ser alegre,

28mas logo os meus sofrimentos me deixam apavorado,

pois sei que Deus não acredita que eu seja inocente.

29E, se ele acha que sou culpado,

não adianta nada lutar.

30O sabão não pode lavar os meus pecados;

o sabão mais forte não pode limpar o mal que cometi.

31Deus me joga na lama,

e até a minha roupa tem nojo de mim.

32Deus não é um ser humano, como eu,

e por isso não posso responder-lhe,

nem podemos resolver a nossa questão no tribunal.

33Para nós dois não há um juiz

que possa julgar a mim e a Deus.

34Ó Deus, para de me castigar!

Não me enchas de medo com os teus terrores!

35Então eu falarei e não terei medo,

pois a minha consciência não me acusa.

10

Vou me desabafar

101“Estou cansado de viver.

Vou me desabafar

e falar da amargura que tenho no coração.

2Ó Deus, não me condenes!

Dize-me de que me acusas!

3Tu mesmo me criaste.

Como, então, podes ter prazer em me maltratar e desprezar

e em aprovar os planos dos maus?

4Por acaso, tens olhos, como nós?

Será que vês as coisas como nós vemos?

5Por acaso, a tua vida é tão curta como a nossa?

Será que vives tão pouco quanto os seres humanos?

6Então por que procuras saber de todos os meus pecados?

Por que te informas das maldades que cometi?

7Pois sabes que não sou culpado

e que ninguém pode me salvar das tuas mãos.

Vais me fazer virar pó

8“As tuas mãos me fizeram, me deram forma

e agora essas mesmas mãos me destroem.

9Lembra que me fizeste de barro;

vais me fazer virar pó outra vez?

10Tu fizeste com que o meu pai e a minha mãe me gerassem,

que me dessem a vida.

11Formaste o meu corpo de ossos e nervos

e os cobriste com carne e pele.

12Tu me deste vida e me deste amor,

e os teus cuidados me conservam vivo.

13Mas agora sei que no teu coração

tinhas este plano secreto:

14tu querias ver se eu ia pecar

para depois me negares o teu perdão.

15Se sou culpado, estou perdido;

se sou inocente, não tenho coragem para levantar a cabeça,

pois fico envergonhado quando olho para a minha desgraça.

16Se levanto a cabeça, orgulhoso da minha inocência,

tu, como um leão, me persegues;

e até fazes milagres para me destruir.

17Tu sempre tens testemunhas que me acusam;

a tua ira contra mim vai aumentando,

e tu me atacas sem parar,

como se fosses um exército.

Ó Deus, me deixa em paz!

18“Ó Deus, por que me deixaste nascer?

Eu deveria ter morrido antes mesmo que alguém me visse.

19Eu teria ido do ventre da minha mãe para a sepultura,

teria sido como se nunca tivesse existido.

20A minha vida está chegando ao fim.

Então me deixa em paz!

Deixa que eu tenha um pouco de alegria

21antes que me vá na viagem que não tem volta,

antes que vá para o país da escuridão e das trevas,

22para o país das sombras e da desordem,

onde a própria luz é como a escuridão.”