Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
3

Primeiro diálogo

Caps. 3—14

A queixa de Jó

Cap. 3

31-2Finalmente Jó quebrou o silêncio e amaldiçoou o dia do seu nascimento. Jó disse:

3“Maldito o dia em que nasci!

Maldita a noite em que disseram:

‘Já nasceu! É homem!’

4Que aquele dia vire escuridão!

Que Deus, lá do alto, não se importe com ele,

e que nunca mais a luz o ilumine!

5Que a escuridão e as trevas o dominem;

que as nuvens o cubram e apaguem a luz do sol!

6Que aquela noite fique sempre escura

e que desapareça do calendário!

7Que seja solitária e triste aquela noite,

e que nela não se escutem gritos de alegria!

8Que seja amaldiçoada pelos feiticeiros,

aqueles que têm poder sobre o monstro Leviatã3.8 Para os povos antigos, o monstro Leviatã representava as forças do mal e era dominado pelos feiticeiros. Jó faz uso dessa imagem, desejando que os feiticeiros façam o monstro devorar a noite em que ele nasceu (ver Jó 26.13; Is 27.1).!

9Que escureçam as estrelas da sua manhã;

que ela espere a luz, e a luz não venha;

e que a sua madrugada não chegue,

10pois ela deixou que minha mãe me desse à luz

e não me poupou de todo este sofrimento!

Por que não nasci morto?

11“Por que não nasci morto?

Por que não morri ao nascer?

12Por que a minha mãe me segurou no colo?

Por que me deu o seio e me amamentou?

13Se eu tivesse morrido naquele momento,

agora estaria dormindo,

descansando em paz.

14Estaria com reis e altas autoridades

que reconstruíram palácios antigos

15ou estaria com governadores

que encheram as suas casas de ouro e de prata.

16Se a minha mãe tivesse tido um aborto, às escondidas,

eu não teria existido

e seria como as crianças que nunca viram a luz do dia.

17Na sepultura acaba a agitação dos maus,

e ali repousam os que estão cansados.

18Ali os prisioneiros descansam juntos

e já não ouvem mais os gritos do capataz.

19Ali estão os importantes e os humildes,

e os escravos ficam livres dos seus donos.

3.1-19
Jr 20.14-18

Por que os infelizes continuam vivendo?

20“Por que os infelizes continuam vendo a luz?

Por que deixar que vivam os que têm o coração amargurado?

21Eles esperam a morte, e ela não vem,

embora a desejem mais do que riquezas.

3.21
Ap 9.6

22Eles ficam muito alegres e felizes

quando por fim descem para a sepultura.

23Deus os faz caminhar às cegas

e os cerca de todos os lados.

24“Em vez de comer, eu choro,

e os meus gemidos se derramam como água.

25Aquilo que eu temia foi o que aconteceu,

e o que mais me dava medo me atingiu.

26Não tenho paz, nem descanso, nem sossego;

só tenho agitação.”

4

Primeira fala de Elifaz

Caps. 4—5

Chegou a sua vez de sofrer

41Então Elifaz, da região de Temã, em resposta disse:

2“Jó, será que você ficará ofendido se eu falar?

Mas quem é que pode ficar calado?

3Você ensinou muita gente

e deu forças a muitas pessoas desanimadas.

4Quando alguém tropeçava, cansado e fraco,

as suas palavras o animavam a ficar de pé.

5Mas agora que chegou a sua vez de sofrer,

como é que você perde a paciência e a coragem?

6O seu temor a Deus não lhe dá confiança?

A sua vida correta não o enche de esperança?

7Você lembra de alguma pessoa inocente

que tenha caído na desgraça

ou de alguma pessoa honesta

que tenha sido destruída?

8Tenho notado que os que aram campos de maldade

e plantam sementes de desgraça

só colhem maldade e desgraça.

9Como uma tempestade, Deus os destrói na sua ira.

10Eles rugem como um leão feroz,

mas Deus os faz calar

e lhes quebra os dentes.

11Assim como leões que não podem caçar,

eles morrem de fome,

e os seus filhos se espalham.

Alguém pode ser correto diante de Deus?

12“Veio a mim de mansinho uma mensagem,

em voz tão baixa, que mal pude ouvir.

13À noite, quando as pessoas dormem um sono pesado,

eu tive um pesadelo que me deixou agitado.

4.13
Jó 33.15

14O terror tomou conta de mim,

e o meu corpo inteiro começou a tremer.

15Um sopro passou pelo meu rosto,

e eu fiquei todo arrepiado.

16Alguém estava ali;

olhei bem, mas não pude ver a sua forma.

Houve silêncio, e depois ouvi uma voz, que disse:

17‘Será que alguém pode ser correto diante de Deus?

Será que alguém pode ser puro aos olhos do seu Criador?

18Deus não confia nem nos seus servidores celestiais4.18 Ver Jó 1.6, nota a.

e até nos seus anjos ele encontra defeitos.

19Então você pensa que ele vai confiar nos seres humanos,

que são feitos de barro,

que foram criados do pó

e que podem ser esmagados como uma traça?

20Podemos estar vivos de manhã,

mas de tarde morremos para sempre,

e ninguém se importa.

21A nossa vida se acaba

como cai uma barraca,

e morremos sem termos alcançado a sabedoria.’

5

Nós mesmos causamos o sofrimento

51“Grite, Jó! Veja se alguém responde.

Que anjo você vai chamar?

2Ficar desgostoso e amargurado é loucura,

é falta de juízo, que leva à morte.

3Uma vez vi um homem sem juízo

que parecia estar progredindo na vida,

mas eu amaldiçoei a família dele.

4Os seus filhos não têm segurança;

nos tribunais são condenados injustamente,

e não há ninguém que os defenda.

5Os famintos ficam cobiçando as suas riquezas;

devoram as suas colheitas,

pegando até o trigo que nasce entre os espinhos.

6A aflição não brota da terra;

a desgraça não nasce do chão:

7somos nós mesmos que causamos o sofrimento,

tão certo como as faíscas das brasas voam para cima.

Deus dá esperança aos fracos

8“Jó, se eu fosse você, voltaria para Deus

e entregaria o meu problema a ele.

9Nós não podemos entender as coisas maravilhosas que ele faz,

e os seus milagres não têm fim.

10Deus dá chuva à terra;

ele faz a água cair sobre os campos.

11Deus põe os humildes nas alturas,

põe num lugar seguro os que choram.

12Deus faz com que os planos dos espertos falhem

e que as suas ações fracassem;

13ele pega os sábios nas suas espertezas

e acaba com as suas intrigas.

5.13
1Co 3.19

14Em pleno dia eles ficam no escuro

e ao meio-dia andam às cegas,

apalpando como se fosse noite.

15Deus salva da morte os pobres;

ele livra os necessitados das mãos dos poderosos.

16Deus dá esperança aos fracos

e tapa a boca dos maus.

As mãos de Deus curam

17“Feliz é aquele a quem Deus corrige!

Por isso, não despreze o castigo do Deus Todo-Poderoso.

5.17
Pv 3.11-12
Hb 12.5-6

18Deus fere, mas ele mesmo faz o curativo;

ele machuca, mas as suas mãos curam.

5.18
Os 6.1

19Vez após vez Deus salvará você do perigo

e não deixará que nenhum mal lhe aconteça.

20Em tempo de fome, Deus não deixará que você morra

e em tempo de guerra ele o salvará da espada.

21Ele o protegerá das más línguas,

e você não terá medo quando houver destruição.

22Você se rirá quando houver violência e faltarem alimentos

e não terá medo dos animais selvagens.

23Nos seus campos as pedras não estorvarão o arado,

e os animais selvagens não o atacarão.

24Na sua casa você viverá em paz

e, quando contar as suas coisas,

não vai achar falta de nada.

25Você terá muitos filhos,

e os seus descendentes serão tantos como as folhas de capim no pasto.

26Você vai morrer velho e forte,

como um feixe de trigo colhido no tempo certo.

27Jó, a vida nos ensina que é assim.

Esta é a verdade; pense nisso para o seu próprio bem.”

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]