Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
48

A destruição de Moabe

481O Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, disse o seguinte a respeito de Moabe:

“Tenham pena do povo da cidade de Nebo

porque ela está destruída!

Quiriataim foi tomada,

a sua fortaleza poderosa foi arrasada,

e o seu povo ficou humilhado.

2Acabou-se a glória de Moabe.

Em Hesbom, o inimigo faz os seus planos:

‘Vamos acabar com a nação de Moabe!’

Exércitos marcharão contra a cidade de Madmém,

e nela só restará o silêncio.

3O povo de Horonaim grita:

‘Tudo está arrasado!

Tudo está destruído!’

4“O país de Moabe ficou em ruínas;

as crianças estão chorando.

5Escutem os seus soluços

no caminho que sobe para Luíte,

ouçam os seus gritos de aflição

na estrada que desce para Horonaim.

6Ouve-se gente gritando:

‘Depressa!

Fujam para salvar a vida!

Corram como um jumento selvagem no deserto!’

7“Moabe, você confiou na sua força e na sua riqueza,

mas agora você mesmo será dominado.

O seu deus Quemos será levado para fora do país,

junto com os seus príncipes e os seus sacerdotes.

8Nenhuma cidade escapará da destruição;

tanto o vale como o planalto ficarão arrasados.

Sou eu, o Senhor, quem está falando.

9Preparem uma pedra para o túmulo de Moabe,

pois logo esse país será destruído;

as suas cidades ficarão em ruínas,

e ninguém mais vai morar lá.”

10Maldito aquele que é relaxado no serviço de Deus!

Maldito aquele que guarda a sua espada para não matar!

A destruição das cidades de Moabe

11O Senhor Deus disse:

— O povo de Moabe sempre viveu em segurança e nunca foi levado como prisioneiro para fora do seu país. Moabe é como o vinho guardado, que nunca foi agitado, nem derramado de uma vasilha para outra. O seu gosto nunca se estragou, e o seu sabor não mudou.

12— E assim está chegando o dia em que vou mandar pessoas para derramarem Moabe como se fosse vinho. Essas pessoas despejarão as vasilhas de Moabe e as quebrarão. 13Então os moabitas ficarão desiludidos com o seu deus Quemos, assim como os israelitas ficaram desiludidos com Betel, um deus em que eles confiavam.

14Homens de Moabe, como é que vocês dizem que são heróis,

que são soldados corajosos na guerra?

15Moabe e as suas cidades serão destruídos,

e os seus melhores moços serão mortos.

Sou eu, o Rei, quem está falando.

O meu nome é Senhor, o Todo-Poderoso.

16A desgraça dessa nação está chegando;

a sua destruição virá logo.

17Tenham pena de Moabe,

vocês que moram perto,

todos vocês que conhecem a sua fama.

Digam: “O seu grande poder se acabou;

a sua glória e a sua força não existem mais.”

18Vocês que moram em Dibom,

desçam do seu lugar de honra

e sentem no chão, no pó.

O destruidor de Moabe está aqui;

ele arrasará as suas fortalezas.

19Vocês que vivem em Aroer,

fiquem na beira do caminho e esperem;

perguntem aos que estão fugindo o que foi que aconteceu.

20Eles vão responder:

“O país de Moabe caiu.

Chorem por ele, pois está destruído.

Anunciem pelas margens do rio Arnom

que Moabe foi arrasado!”

21As cidades do planalto foram condenadas: Holom, Jasa, Mefaate, 22Dibom, Nebo, Bete-Diblataim, 23Quiriataim, Bete-Gamul, Bete-Meão, 24Queriote e Bosra. Todas as cidades de Moabe, de longe e de perto, foram condenadas. 25O poder de Moabe foi esmagado, e a sua força foi destruída. Eu, o Senhor, estou falando.

A humilhação de Moabe

26E o Senhor continuou:

— Façam com que Moabe fique bêbado, pois se revoltou contra mim, o Senhor Deus. Moabe rolará no seu próprio vômito, e os outros zombarão dele. 27Moabe, você lembra de como zombou do povo de Israel? Você tratou esse povo como se tivesse sido preso junto com uma quadrilha de ladrões.

28— Vocês que vivem em Moabe, abandonem as suas cidades e vão viver no meio das rochas. Façam como as pombas que constroem os seus ninhos na beira dos precipícios. 29Temos ouvido falar do orgulho de Moabe. Esse povo é orgulhoso, soberbo, vaidoso e cheio de si. 30Eu, o Senhor, conheço o seu orgulho. Os moabitas se gabam de coisas que não valem nada, coisas que acabam. 31Por isso, eu chorarei por todo o povo de Moabe e pelo povo de Quir-Heres. 32Chorarei mais pelo povo de Sibma do que pelo povo de Jazer. Cidade de Sibma, você é como uma parreira; os seus ramos passam por cima do mar Morto e vão até a cidade de Jazer. Mas agora os inimigos acabaram com as suas plantações de cereais e de uvas. 33A felicidade e a alegria desapareceram das boas terras de Moabe. Não se faz mais vinho; não há ninguém para fazer vinho e gritar de alegria.

34— O povo das cidades de Hesbom e Eleal grita, e o seu grito pode ser ouvido até em Jasa. Pode ser ouvido pelos moradores de Zoar e até em Horonaim e Nova Eglate. O próprio riacho Ninrim secou. 35Eu farei com que o povo de Moabe pare de apresentar ofertas queimadas no alto dos montes e de oferecer sacrifícios aos seus deuses. Sou eu, o Senhor, quem está falando.

36— Por isso, o meu coração chora por Moabe e pelo povo de Quir-Heres, como alguém que toca música fúnebre numa flauta; pois tudo o que tinham acabou. 37Em sinal de tristeza, todos eles raparam a cabeça e cortaram a barba. Todos fizeram cortes nas mãos e vestiram roupa feita de pano grosseiro. 38Nos terraços de todas as casas e em todas as praças só há choro porque eu quebrei Moabe como um jarro que ninguém quer. 39Moabe está arrasado! Gritem! A desgraça caiu sobre Moabe. O país está em ruínas, e todas as nações vizinhas caçoam dele. Eu, o Senhor, estou falando.

Moabe não poderá escapar

40— Eu, o Senhor, prometi que uma nação atacará Moabe e cairá em cima dele como uma águia com as asas abertas. 41As suas cidades e fortalezas serão tomadas. Naquele dia, os soldados de Moabe terão tanto medo como a mulher que está com dores de parto. 42Moabe vai ser destruído e não será mais uma nação, pois se revoltou contra mim. 43Medo, covas e armadilhas esperam pelos moradores de Moabe. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 44Os que fugirem de medo cairão nas covas, e os que conseguirem sair das covas ficarão presos nas armadilhas, pois eu marquei o dia da destruição de Moabe. 45Outros fogem cansados e procuram proteção na cidade de Hesbom. Mas Hesbom, a cidade que já foi governada pelo rei Seom, está em chamas. O fogo queimou as fronteiras e os picos das montanhas de Moabe, que ama tanto a guerra. 46Coitado do povo de Moabe! O povo que adorava o deus Quemos foi destruído, e os seus filhos e filhas foram levados como prisioneiros. 47Porém no futuro farei com que Moabe volte a ser o que era antes.

Este é o julgamento do Senhor Deus a respeito de Moabe.

48.1-47
Is 15.1—16.14
25.10-12
Ez 25.8-11
Am 2.1-3
Sf 2.8-11

49

A condenação dos amonitas

491O Senhor Deus disse o seguinte a respeito dos amonitas:

— Onde estão os homens de Israel? Será que não há alguém que defenda a terra que Deus lhes deu para ser sua propriedade? Por que foi que deixaram que o deus Moloque tomasse a terra da tribo de Gade e que os seus adoradores fossem morar lá? 2Mas está chegando o dia em que farei o povo da cidade de Rabá ouvir barulho de guerra. Essa cidade amonita ficará arrasada, e os seus povoados serão destruídos pelo fogo. Então o povo de Israel tomará outra vez a sua terra daqueles que a tomaram dele. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 3Grite, povo de Hesbom! A cidade de Ai está destruída! Chorem, mulheres de Rabá! Vistam roupa feita de pano grosseiro e lamentem. Corram de um lado para outro, sem rumo. Moloque, o deus de vocês, será levado como prisioneiro, junto com os seus sacerdotes e todas as autoridades. 4Povo infiel, por que é que vocês se gabam? O seu poder está no fim. Por que é que vocês confiam na sua própria força e dizem que ninguém terá coragem de atacá-los? 5De todos os lados, eu vou fazer com que o terror caia sobre vocês, e todos fugirão. Correrão para salvar a vida, e não ficará ninguém para reunir de novo as suas tropas. Sou eu, o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, quem está falando.

6— Porém no futuro farei com que os amonitas voltem a ser o que eram antes. Eu, o Senhor, estou falando.

49.1-6
Ez 21.28-32
25.1-7
Am 1.13-15
Sf 2.8-11

A condenação de Edom

7O Senhor Todo-Poderoso disse o seguinte a respeito do país de Edom:

— Será que o povo da cidade de Temã perdeu o juízo? Será que os seus conselheiros não sabem mais dar conselhos? A sabedoria deles acabou? 8Moradores de Dedã, virem e corram! Fujam e se escondam! Eu vou destruir os descendentes de Esaú, pois chegou a hora de castigá-los. 9Quando alguém colhe uvas, sempre deixa algumas nos pés; e, quando os ladrões chegam de noite, levam apenas o que interessa. 10Mas eu tirei todos os tesouros dos descendentes de Esaú e acabei com os seus esconderijos, e assim eles não podem mais se esconder. O povo de Edom e os seus parentes e vizinhos estão destruídos. Não escapou ninguém. 11Deixem os seus órfãos comigo, que eu tomarei conta deles. As suas viúvas podem confiar em mim.

12O Senhor disse ainda:

— Se até os que não mereciam foram castigados, será que você está pensando que ficará sem castigo? É claro que você também será castigado. 13Eu mesmo jurei que a cidade de Bosra vai se tornar um espetáculo horrível e um lugar deserto; os outros vão zombar dela e usar o seu nome para rogar pragas. E todos os povoados em volta da cidade ficarão arrasados para sempre. Eu, o Senhor, estou falando.

14Então eu disse:

— Recebi uma mensagem de Deus, o Senhor. Ele enviou um mensageiro para dizer às nações o seguinte: “Reúnam os seus exércitos e ataquem Edom!” 15O Senhor fará de você, Edom, uma nação fraca, e ninguém o respeitará. 16O seu orgulho o enganou. Não pense que alguém tem medo de você. Você vive nas cavernas das rochas, lá no alto da montanha; mas, embora more tão alto como uma águia, o Senhor o derrubará. Eu, o Senhor, estou falando.

17O Senhor disse:

— Cairá sobre Edom uma destruição tão horrível, que todos os que passarem ficarão espantados e horrorizados com o que virem. 18Acontecerá com Edom o que aconteceu com Sodoma e Gomorra, quando foram destruídas junto com as cidades vizinhas. Ninguém viverá mais lá, nem mesmo por pouco tempo. Sou eu, o Senhor, quem está falando.

49.18
Gn 19.24-25
19Assim como um leão sai da floresta na beira do rio Jordão e sobe até a terra de pastos verdes, assim eu virei e farei com que os edomitas fujam correndo da sua terra. Então o chefe que eu escolher governará a nação. Quem pode se comparar comigo? Quem tem coragem de me desafiar? Que governador poderia me enfrentar? 20Por isso, prestem atenção no plano que eu, o Senhor, fiz contra o povo de Edom; escutem o que vou fazer com os moradores da cidade de Temã. Até as crianças e os velhinhos serão arrastados, e todos ficarão horrorizados. 21Quando Edom cair, o barulho será tão grande, que a terra tremerá, e os gritos de pavor serão ouvidos até no golfo de Ácaba. 22O inimigo atacará a cidade de Bosra como uma águia que, com as asas abertas, se atira lá do alto contra a sua vítima. Naquele dia, os soldados de Edom terão tanto medo como a mulher que está com dores de parto.
49.7-22
Is 34.5-17
63.1-6
Ez 25.12-14
35.1-15
Am 1.11-12
Ob 1-14
Ml 1.2-5

A condenação de Damasco

23O Senhor Deus disse o seguinte a respeito de Damasco:

— Os moradores das cidades de Hamate e Arpade estão preocupados e assustados porque ouviram más notícias. O medo rola em cima deles como o mar, e eles não têm descanso. 24O povo de Damasco está fraco e virou para fugir apavorado. Estão cheios de dor e de angústia como uma mulher que está com dores de parto. 25Essa famosa cidade, que era feliz, agora está completamente abandonada. 26Portanto, naquele dia os moços e todos os soldados serão mortos nas ruas da cidade. Sou eu, o Senhor Todo-Poderoso, quem está falando. 27Eu queimarei as muralhas de Damasco, e o fogo destruirá os palácios de Ben-Hadade.

49.23-27
Is 17.1-3
Am 1.3-5
Zc 9.1

A condenação de Quedar e de Hazor

28O Senhor Deus disse o seguinte a respeito da tribo de Quedar e das autoridades da cidade de Hazor, que foram derrotadas pelo rei Nabucodonosor, da Babilônia:

— Saiam e ataquem o povo de Quedar; destruam essa tribo do Oriente! 29Peguem as suas barracas, os seus rebanhos, as cortinas das suas barracas e tudo o que encontrarem nelas. Tomem os seus camelos e digam: “Em toda parte, o povo está com medo!”

30— Povo de Hazor, eu, o Senhor, estou avisando vocês: fujam para longe e se escondam. O rei Nabucodonosor, da Babilônia, que planejou atacá-los, diz o seguinte: 31“Vamos! Ataquem aquela gente que pensa que está firme e segura! A cidade deles fica longe das outras e não tem portões nem fechaduras.” Sou eu, o Senhor, quem está falando.

32— Tomem os camelos e todo o gado deles! Eu espalharei por toda parte essa gente que corta o cabelo bem curto49.32 Ver Jr 9.25-26, nota. e farei com que a desgraça caia sobre eles de todos os lados. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 33Hazor vai virar para sempre um deserto, um lugar onde somente lobos viverão. Ninguém vai morar ali, nem por pouco tempo.

Elão é condenado

34Logo depois que Zedequias se tornou rei de Judá, o Senhor Deus me falou sobre o país de Elão. 35O Senhor Todo-Poderoso disse:

— Eu matarei todos os flecheiros que fizeram de Elão um país poderoso. 36Farei com que os ventos soprem de todos os lados contra Elão, e o seu povo se espalhará por toda parte, até que não haja mais nenhum país para onde eles não tenham fugido. 37Vou fazer com que o povo de Elão fique com medo dos seus inimigos, daqueles que os querem matar. Na minha grande ira, eu acabarei com eles; mandarei exércitos contra eles até que sejam completamente destruídos. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 38Destruirei os reis e os líderes de Elão e colocarei ali o meu trono. 39Porém no futuro farei com que o país de Elão volte a ser como era antes. Eu, o Senhor, falei.

50

A tomada da Babilônia

501O Senhor Deus me deu a seguinte mensagem a respeito da Babilônia e do seu povo:

50.1—51.64
Is 13.1—14.23
47.1-15

2“Deem a notícia às nações!

Avisem a todos!

Deem o sinal

e espalhem a novidade!

Não deixem que ela fique em segredo!

‘A Babilônia caiu!

O seu deus Bel-Marduque está desesperado!

Os ídolos da Babilônia estão cobertos de vergonha,

e as suas imagens nojentas estão cheias de medo!’ ”

3— Um povo do Norte veio atacar a Babilônia, e ela vai virar um deserto. As pessoas e os animais fugirão, e ninguém mais viverá ali.

A volta de Israel

4O Senhor Deus disse:

— Quando esse tempo chegar, o povo de Israel e o povo de Judá voltarão chorando e procurarão a mim, o seu Deus. 5Perguntarão onde é o caminho para Sião e vão seguir nessa direção. E vão dizer assim: “Vamos nos ligar com Deus, o Senhor, e fazer com ele uma aliança que durará para sempre.”

6— O meu povo é como ovelhas perdidas nas montanhas por culpa dos pastores. Como ovelhas, caminharam de montanha em montanha e esqueceram a sua casa. 7Foram atacados por todos aqueles que os encontraram. Os seus inimigos dizem: “Eles pecaram contra Deus, e por isso o que fizemos não está errado. Eles deveriam ter ficado fiéis a Deus, o Senhor, como os seus antepassados ficaram.”

8— Israelitas, fujam da Babilônia! Deixem o país! Sejam os primeiros a sair!

50.8
Ap 18.4
9Pois levantarei no Norte um grupo de nações fortes e farei com que ataquem a Babilônia. Essas nações ficarão em linha de batalha para lutar contra a cidade e a conquistarão. Os seus soldados atiram flechas como bons caçadores que nunca erram o alvo. 10Tirarão todas as riquezas da Babilônia e levarão embora tudo o que quiserem. Eu, o Senhor, estou falando.

A queda de Babilônia

11O Senhor Deus diz:

— Povo de Babilônia, vocês levaram todas as riquezas da minha nação. Vocês agora estão alegres e felizes, andando soltos como um bezerro no pasto ou rinchando como um cavalo bravo. 12Mas a cidade de vocês ficará humilhada e muito envergonhada. A Babilônia será a nação menos importante de todas; ela vai virar um deserto seco, sem água. 13Por causa da minha ira, Babilônia ficará arrasada, e ninguém viverá ali. Todos os que passarem por lá ficarão admirados e espantados, vendo o que aconteceu com a cidade.

14— Flecheiros, fiquem em linha de batalha para lutar contra Babilônia e cerquem a cidade. Atirem todas as suas flechas contra ela, pois pecou contra mim, o Senhor. 15Soltem o grito de guerra em volta da cidade toda! Agora, Babilônia se entregou. Abriram brechas nas suas muralhas e as derrubaram. Eu, o Senhor, estou me vingando dos babilônios. Vocês também se vinguem deles e os tratem como eles trataram os outros. 16Não deixem que plantem, nem que façam colheitas na Babilônia. Todos os estrangeiros que vivem lá ficarão com medo do exército inimigo e voltarão para as suas pátrias.

A volta de Israel

17O Senhor Deus diz:

— O povo de Israel é como ovelhas que os leões caçam e espalham. Primeiro, os israelitas foram atacados pelo rei da Assíria, e depois o rei Nabucodonosor, da Babilônia, roeu os ossos deles. 18Por isso, eu, o Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, castigarei o rei Nabucodonosor e a sua nação, do mesmo jeito que castiguei o rei da Assíria. 19Levarei o povo de Israel de volta para a sua pátria. Eles vão se alimentar do que cresce no monte Carmelo e na região de Basã e comerão tudo o que quiserem do que dá nas terras de Efraim e Gileade. 20Quando esse dia chegar, ninguém achará mais pecado em Israel nem maldade em Judá, pois perdoarei aqueles que eu deixar com vida. Eu, o Senhor, estou falando.

A condenação da Babilônia

21O Senhor diz:

— Ataquem o povo de Merataim e Pecode. Matem, acabem de uma vez com eles. Façam tudo o que estou mandando. 22O barulho da batalha é ouvido no país, e há grande destruição. 23A Babilônia quebrou o mundo a marretadas, e agora a marreta está quebrada em pedaços! Todas as nações estão espantadas, vendo o que aconteceu com a Babilônia. 24Você, Babilônia, sem saber, caiu na armadilha que eu armei. Você foi apanhada e presa porque lutou contra mim. 25Eu, o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, abri o lugar onde as minhas armas estão guardadas. Tirei as minhas armas para fora, pois estou irado e tenho um serviço a fazer na Babilônia. 26Ataquem de todos os lados e arrebentem os depósitos de cereais! Amontoem as riquezas como se fossem montes de cereais! Destruam o país! Não deixem sobrar nada! 27Matem todos os seus soldados! Acabem com eles! Coitado do povo da Babilônia! Chegou o dia do seu castigo!

28Já posso ver os refugiados que escaparam da Babilônia chegando a Sião e contando como o Senhor, nosso Deus, se vingou daquilo que os babilônios fizeram contra o Templo dele.

29— Digam aos flecheiros que ataquem Babilônia. Mandem para lá todos os que sabem usar o arco e a flecha. Cerquem a cidade e não deixem ninguém escapar. Que a Babilônia pague por tudo o que fez! Façam com ela o que ela fez com os outros, pois me tratou com orgulho a mim, o Santo Deus de Israel.

50.29
Ap 18.6
30Por isso, os seus jovens serão mortos nas ruas, e todos os seus soldados serão destruídos naquele dia. Sou eu, o Senhor, quem está falando.

31— Babilônia, você está muito orgulhosa, e por isso eu, o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, estou contra você! Chegou a hora de castigá-la. 32Você, nação orgulhosa, tropeçará e cairá, e ninguém a ajudará a se levantar. Eu porei fogo nas suas cidades, e tudo o que está em volta será destruído.

33O Senhor Todo-Poderoso diz:

— O povo de Israel e o povo de Judá estão sofrendo perseguição. Todos aqueles que os prenderam os estão vigiando de perto e não querem soltá-los. 34Mas aquele que vai libertá-los é forte; o seu nome é Senhor, o Todo-Poderoso. Ele mesmo defenderá a causa deles e trará paz à terra; mas para o povo da Babilônia ele trará confusão.

35O Senhor diz:

“Morram a Babilônia!

Morra o seu povo,

as suas autoridades

e os seus sábios!

36Morram os seus adivinhos mentirosos e tolos!

Morram os seus soldados,

que estão apavorados!

37Acabem com os seus cavalos

e com os seus carros de guerra!

Morram os soldados tão fracos

que ela contratou!

Destruam os tesouros dela!

Peguem as suas riquezas

e levem embora!

38Virá uma seca à sua terra,

e os seus rios secarão.

A Babilônia é uma terra de ídolos medonhos,

ídolos que têm feito o seu povo de bobo.”

39— E assim feras do deserto, lobos e aves imundas morarão em Babilônia. Nunca mais viverá gente ali; o lugar ficará para sempre sem moradores.

50.39
Ap 18.2
40Acontecerá com Babilônia o que aconteceu com Sodoma e Gomorra, que eu destruí junto com as cidades que ficavam ao seu redor. Nunca mais ninguém viverá lá. Sou eu, o Senhor, quem está falando.
50.40
Gn 19.24-25

41“Um povo vem vindo de longe,

de uma terra do Norte;

uma forte nação e muitos reis

estão se preparando para a guerra.

42Estão armados com arcos e espadas.

São cruéis e não têm piedade.

Eles vêm montados em cavalos,

fazendo o barulho do mar quando está bravo.

Eles estão prontos para atacar a Babilônia.

43O rei da Babilônia ouve as notícias,

e os seus braços ficam moles.

A aflição e a dor tomam conta dele

como acontece com a mulher na hora do parto.”

44— Assim como um leão sai da floresta na beira do rio Jordão e sobe até a terra de pastos verdes, assim eu, o Senhor Deus, virei e farei com que os babilônios fujam correndo da sua cidade. Então o chefe que eu escolher governará a nação. Quem pode se comparar comigo? Quem tem coragem de me desafiar? Que governador poderia me enfrentar? 45Por isso, prestem atenção no plano que eu, o Senhor, fiz contra a cidade de Babilônia; escutem o que vou fazer com o seu povo. Até as suas crianças serão arrastadas, e os que ouvirem falar disso ficarão horrorizados. 46Quando Babilônia cair, o barulho será tão grande, que a terra tremerá, e os gritos de pavor serão ouvidos pelas outras nações.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]